Pular para o conteúdo principal

NOVAS REGRAS DO JOGO






Está causando alvoroço no setor de informática a recente determinação da presidência da república de obrigar a nacionalização temática de todos os videogames e games para computador. Para quem desconhece a medida provisória, a mesma estabelece que, no prazo de seis meses, os jogos eletrônicos terão de ter seus personagens e enredos adaptados para o contexto do folclore brasileiro e suas lendas.

Ao justificar a medida, a presidência apóia-se no argumento de que as nossas crianças e adolescentes, debruçando-se sobre seus consoles com heróis e vilões estrangeiros, acabam por esquecer completamente o rico elenco de figuras do nosso folclore - hoje relegadas a pequenos comentários nos livros didáticos do Ensino Fundamental.

Atenta ao prazo final determinado pela nova lei e buscando antecipar-se à observância das regras, a EA – Electronic Arts promete para as próximas semanas o lançamento do Cuca Soccer, com os maiores craques do mundo devidamente metamorfoseados com cabeças e caudas de jacaré. Já a Sega trabalha na substituição do porco-espinho Sonic pela Mula sem Cabeça, mudando também os cenários das diferentes fases do jogo para a amazônia, o pantanal matogrossense, as serras gaúchas e a chapada diamantina.

Microsoft e Sony optaram por entrar com recurso contra a medida provisória, por entenderem que a mesma acarretará uma vertiginosa queda nas vendas e no interesse do público pelos produtos adaptados. Os dois fabricantes atentam ainda para o fato de que o leque de personagens lendários brasileiros não é tão extenso, o que acabaria por restringir o número de títulos nas prateleiras e a criatividade dos desenvolvedores. "Ficamos limitados basicamente ao Boitatá, ao Saci Pererê, ao Neguinho do Pastoreio, ao Curupira e às já citadas Cuca e Mula sem Cabeça".

Outro problema levantado está na adequação entre personalidade das lendas e as  características dos jogos. "Como vamos substituir, no caso da Fórmula 1, o Fernando Alonso pelo Boitatá? Ele me parece um tanto lento para o cockpit, não acha?", argumenta o gerente de engenharia da Microsoft, empresa que produz o XBox.

Há dificuldades de ordem técnica praticamente incontornáveis. A notória deficiência física do Saci Pererê tornará impossível a adaptação do lendário afro-descendente ao Mortal Kombat, ao Street Fighter e a outros jogos de luta. Ele teria necessariamente que perder todas as pelejas que disputasse, o que tornaria o game previsível e sem atrativos. No entanto, alternativas vêm sendo discutidas para contornar o problema. Uma delas é fazer do Curupira o adversário do Saci, o que tornaria a disputa mais equilibrada, já que o dito cujo também é deficiente físico (tem os pés voltados para dentro, com os calcanhares para a frente e os dedos para trás).

Enquanto isso, sabe-se que a Pelopidinhas Advogados Associados já entrou com uma ação judicial em nome dos herdeiros do Curupira, que reivindicam royalties sobre o uso de imagem de seu célebre antepassado. Tais royalties corresponderiam a 3%das vendas dos novos cartuchos e DVDs, independentemente do fato do Curupira ser ou não o personagem principal do jogo. A fim de ganhar força na disputa judicial – que em casos dessa natureza tende a se arrastar por décadas, a família do Curupira cogita entrar com uma ação conjunta com os descendentes do Negrinho do Pastoreio. Já a viúva do Saci e as oito sobrinhas da Cuca anunciaram sua intenção de ceder definitivamente os direitos aos fabricantes de games mediante o pagamento de 1.680 salários mínimos a cada uma delas.

© Direitos Reservados

Comentários

  1. Tenho minhas dúvidas de que essas "regras do jogo" impostas... salvem nossas "tradições"... há muito enterradas! Isso sim é folclórico! Nessa "ilha da fantasia" reina o "bumba-meu-boi"... em todos os sentidos...
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  2. Carlos Edu Bernardes10:24 AM

    Ótima maneira de se começar um sábado: textos do Marcelo Sguassábia!

    4FABração!

    ResponderExcluir
  3. André Albuquerque10:25 AM

    Marcelo, você superou-se em verve humorística (e humor dos bons).Parabéns.Forte abraço.

    ResponderExcluir
  4. Marcelo, brincadeiras à parte, fiquei imaginando como seria um game de caça ao Minotauro, num labirinto... me lembro que morria de medo dele e não perdia nenhum capítulo do Sítio! Um abraço... chego dia 7/nov, em Campinas!! Beijão!

    ResponderExcluir
  5. Claudete Amaral Bueno11:47 AM

    Oi, Marcelo
    Como no Brasil, TUDO é possível.....acho que o saci poderia mto bem ganhar, mm sem uma perna.....
    Põe uma muletinha nele...e tudo bem! O "outro" c/ a falta de um dedo...foi presidente 2x! e manda no Brasil até hoje!
    Desculpe o comentário idiota!
    Um abraço
    Claudete

    ResponderExcluir
  6. Ok, eu concordo, mas me diz uma coisa: Se os jacarés jogadores de Soccer "chutarem" a bola pro gol com o rabo, vai ser falta?

    Segura essa!

    bjão, Marcelo.

    ResponderExcluir
  7. Marcelo, o Macunaíma do Mário é que iria gostar dessas novidades! Já pensou como ficaria tudo isso ajeitado bem ajeitadinho na cabecinha daquele piá?
    Adorei!
    Abração

    ResponderExcluir
  8. Jorge Cortás Sader Filho10:15 AM

    Videogames mesmo ou uma nova versão do “Samba do Crioulo Doido”?
    Fina apreciação, Marcelo.
    Abraço,
    Jorge

    ResponderExcluir
  9. José Carlos Carneiro10:16 AM

    Em boa hora foram lembrados e homenageados nossos entes folclóricos (incluindo as necessárias gozações). Ao longo do tempo o poder de penetração dos "enlatados" - principalmente dos EUA e Japão - colocaram para escanteio o pouco que temos de raízes nessa arte.
    Um Abraço

    ResponderExcluir
  10. Marco Antonio Rossi10:16 AM

    Bom dia e um otimo final de semana.
    O difícil será o lula de tecnico do soccer brazil 2014 e o ronaldo de saci perere como centro avante da seleção monteiro lobato.
    Abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  11. Alan Toledo10:17 AM

    Bom texto, Marcelo. Saudades. Ta na M51?

    ResponderExcluir
  12. Lisete Feijó3:53 PM

    Bom domingo, abraço Lisette.

    ResponderExcluir
  13. Clotilde Fascioni3:54 PM

    Hahaah, iria ficar tragicômico.
    Muito engraçado Marcelo.
    Bom domingo de eleições.

    ResponderExcluir
  14. Lelena Terra Camargo7:11 AM

    Doente de absurdo esse projeto!
    Meu mundo dentro de um quintal nem cachorro gosta. A gurizada vai comprar todos os games por Internet, seguir fazendo downloads e essa cara do Brasil vai ter é a cara de palhaço.
    beijoss e boa semana

    ResponderExcluir
  15. Jota Effe Esse7:11 AM

    Nada a declarar. Vivo longe do mundo dos games. Se tivesse certeza de que a medida produziria os resultados esperados, aprovaria, mas como não tenho, acho que é melhor deixar como está. Meu abraço.

    ResponderExcluir
  16. Núbia7:12 AM

    Não sei se isso daria certo não! Brasileiro tem “complexo de cachorro vira-lata” já viu né, seria a derrocada dos produtores de games!
    Confesso que uma boa peleja entre o saci e o negrinho do pastoreio seria interessante, imagine a cuca portando aquelas armas poderosas! Nossa Marcelo
    que viagem amigo! Só me resta fechar esse comentário com um sorriso bem aberto.
    Abração!

    ResponderExcluir
  17. Com tantos elementos para fazermos histórias, ensinando a nossa garotada a conhcer as lendas desse nosso país, hoje, nas escolas já estão pendurando abóboras com caretas para comemorarem o halloween.
    Mas essa sua história é pra lá de original, heim Marcelo!?
    Fala sério! até as lendas brasileiras são motivos de desconfianças financeiras no mundo informatizado.
    Valha-me zeus!

    ResponderExcluir
  18. Ah, mas eu não me conformo... Como eu poderia pilotar meu pod racer, com a Caipora, ou com o Curupira, ou mesmo com a Mula-sem-cabeça? E o saci? Moleque traquinas que me dava altas canseiras ao tentar prendê-lo em garrafas (ei, isso dá um post de memórias!) e com as peneiras da cozinha, deixando minha mãe louca? Não, eu protesto! Prefiro Sebulba ou Anakin Skywalker!
    Hahaha, seu texto é ótimo e se fizerem mesmo isso (assim como têm julgado a obra de Lobato como racista e politicamente incorreta), eu protestarei em praça pública!
    Um beijão procê!

    ResponderExcluir
  19. Lucimara Souza8:12 AM

    Hahaha, engraçado demais!
    Estava tentando imaginar meu sobrinho tentando manipular esses personagens. Ótimo texto! Obrigada por compartilhar.
    Abraço, Marcelo.

    ResponderExcluir
  20. Francine Ribeiro8:15 AM

    Marcelo,
    só rindo da situação mesmo, porque já nem sei o que dizer dessas ideias brilhantes de cotas-qualquer-coisa!

    Ótimo texto!
    boa semana

    ResponderExcluir
  21. Olá, parabéns pelo blog!
    Se você puder visite este blog:
    http://morgannascimento.blogspot.com.br/
    Obrigado pela atenção

    ResponderExcluir
  22. Alessandra Rocha1:01 PM

    Gostei muito do seu Blog e sobretudo, desse texto.
    Quando tiver um tempinho dê uma passadinha pelo meu Blog (http://alrocha-antenacultural.blogspot.com) e/ou visite a minha página no www.paralerepensar.com.br/alessandrarocha .
    Tenha uma excelente semana!!!
    Abraços,
    Alessandra

    ResponderExcluir
  23. Marcelo, você descreveu comicamente a realidade cultural do malemolente e hospitaleiro povo brasileiro: "Farinha pouca, meu pirão primeiro"!

    ResponderExcluir
  24. Esse projeto de lei é do Aldo Rebelo? Só pode ser. Bela caricatura dos pensamentos periféricos dos nossos legisladores, e, pra variar, com seu humor inconfundível. abs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…