Pular para o conteúdo principal

RESPONDENDO À SUA PERGUNTA





- Com todas essas denúncias comprovadas, o senhor ainda tem esperança de escapar livre?

- Pois é, a palavra é essa: livre. Se eu não tivesse lutado o que lutei contra a ditadura, não haveria imprensa livre. Nem você estaria me perguntando isso agora, seu moço. Me diz uma coisa, quantos anos você tem?

- Trinta e quatro.

- Então, olha só, você nem tinha nascido e eu já enfrentava a polícia e quem mais aparecesse pela frente pra que no futuro você pudesse crescer numa democracia, exercendo seus direitos de cidadão. Viu, seu ingrato?...

- O senhor não respondeu o que eu lhe perguntei.

- Não estou fugindo da pergunta, não. Você é que é muito insolente em levantar o que quer que seja contra a minha trajetória honrada. O que eu quero dizer é que o povo brasileiro tem essa dívida comigo. Eu mereço ficar livre porque nos anos de chumbo eu arrisquei minha própria vida pela liberdade. Meus torturadores foram anistiados, então é justo que se passe uma borracha sobre possíveis erros meus. Mas esse não é o caso, porque eu nada fiz de errado.

- Como o senhor explica as movimentações de dinheiro, o banco envolvido no esquema, as provas contundentes de corrupção ativa, os depoimentos todos...

- Eu caí numa trama sórdida, criada por gente inescrupulosa que não se conforma em não ter entrado para a história deste país como eu bravamente entrei. Gente com o apoio dos poderosos de sempre, que colocam seu arsenal midiático a serviço da calúnia e da infâmia.

- E as malas de dinheiro? E as contas no exterior? E os aumentos patrimoniais sem justificativa?

- Isso é tudo baboseira, intriga, joguinho rasteiro que não vai manchar meu nome de jeito nenhum, seu aprendiz de assistente de foca! Por que você não me pergunta sobre a melhor distribuição de renda, o aumento do poder aquisitivo da classe D, os investimentos nas casas populares e nas creches? Heim, heim? Por que não pergunta o que interessa de verdade pro povão?

- Consta que o senhor é um dos 1800 homens mais ricos do mundo. De duas uma: ou pegar em armas para combater os militares lhe rendeu muito dinheiro no passado ou o senhor recebeu uma fabulosa herança de família.

- A minha família é a nação brasileira. A ela devo tudo e por ela pautei todos esses anos a serviço da coisa pública.

- Mas...

- E chega de mas, mas, mas, meu amigo. Não tem nada nem ninguém que vai me meter medo não, seu frangote. Nem tanque de guerra conseguiu passar por cima de mim, fique sabendo.

- Nossa equipe de reportagem investigou e descobriu uma conta na Suíça cuja titularidade é o seu nome escrito ao contrário. O senhor confirma mais essa evidência de bandidagem?

- Ah, olha só, é você mesmo quem está me inocentando! Essa é a maior prova de que o meu nome é contrário a tudo isso. Você, que me acusa, agora está me dando um atestado de idoneidade. O povo brasileiro não é bobo, está vendo o quanto sou inocente e o quanto fui injustiçado!

- O cinismo do senhor é repulsivo... temos imagens de câmeras de segurança do congresso flagrando o senhor colocando maços e mais maços de dinheiro em bolsos de 25 deputados, numa única sessão, cinco dias antes de estourar o escândalo.

- Como vocês são maldosos...  eu posso e faço questão de explicar o ocorrido. É que o sobrinho de um amigo, que trabalha no setor que gera a folha de pagamentos da Câmara, estava de licença médica e pediu pra que eu lhe fizesse a gentileza de pagar o salário dos deputados em dinheiro, entende? Pronto, foi só isso. A gente quer ajudar e acaba se estrepando...


Esta é uma obra de ficção.
© Direitos Reservados

Comentários

  1. Olá, Marcelo! Discordo de você quando diz ser "obra de ficção"... À medida em que lia, surgiam certos senhores reais na minha imagem mental... Mas, é assim mesmo no Brasil o Carnaval dura 365 dias... Julgamentos / Mensalão / Eleição... e tantos outros "blocos" desfilam o ano todo. Veja só: - até um porco espinho apareceu pelo Planalto... De duas uma: ou é praga dos palmeirenses invocados e espinhados (sou uma...), ou realmente por a mão por lá é sair todo arranhado... Haja espinhos!! E, viva a "ditamocracia"...
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  2. Tadinho, deu uma pena desse pobre e injustiçado senhor que tanto fez pela honra e glória de nossa amada e idolatrada nação.

    Excelente texto para refletirmos às vésperas de mudarmos(ou não) o rumo políticos das grandes capitais brasileiras.

    Um bjo, querido.

    ResponderExcluir
  3. André Albuquerque12:14 PM

    Os detentores de passado tão glorioso, nunca se consideram corruptos ; imaginam-se a fazer concessões á corrupção pelo bem maior da nação ( que só eles sabem qual).Belo trabalho.

    ResponderExcluir
  4. "Isso é uma obra de ficção"????? Como assim??? rs Ótima leitura num Sábado de chuva.

    ResponderExcluir
  5. Jorge Cortás Sader Filho4:17 PM

    “Esta é uma obra de ficção. Qualquer semelhança com fatos ou pessoas reais, não será mera coincidência”.
    Aqule abraço, Marcelo.
    Jorge

    ResponderExcluir
  6. Clotilde Fascioni4:18 PM

    É isso ai, e viva Lewandowsk!
    Otimo como sempre meu amigo Marcelo.

    ResponderExcluir
  7. Claudete Amaral Bueno4:23 PM

    Oi!
    Viu como vc vê maldade em tudo?????????? Vc e o Joaquim Barbosa......O Levandoski é que está certo!!!!! kkkkkkk
    É por aí messsssmo!!!!!!!
    Abração!
    Claudete

    ResponderExcluir
  8. Ficção???? Ahhhhhhhhh.... achei que era uma transcrição fidedigna de um fato real! Marcelo, sacos e sacos de palmas, pra você! Bom final de semana!! Beijo!!!

    ResponderExcluir
  9. Antonio Fonseca12:35 AM

    Essa tem carater GENOINO, mas uma conta na Suissa com o nome de ONIONEG fica feio. Será o Zé Dirceu? Vamos ver: Uecrid ez. Melhorou, mas ainda nã dá. Ah! Deixa isso prá lá. Não vai mudar o enredo da história mesmo. Tudo está registrado para ensinar os próximos ocupantes do Congresso Nacional.

    ResponderExcluir
  10. Nubia Nonato12:36 AM

    É Marcelo, dar crédito a essas pessoas hoje em dia é passar atestado da mais
    pura ingenuidade. Acompanhei atentamente o desenrolar do julgamento do “mensalão” e afins. A história rendeu tanto que me enjoou, só me restava então crer no judiciário. Seu texto está tão perto da realidade que esbarra nela.
    Abração.

    ResponderExcluir
  11. Sandra Nogueira10:09 AM

    Marcelo, seu passeio no mundo real está ótimo. abração

    ResponderExcluir
  12. Marco Antonio Rossi10:17 AM

    Bom dia, otimo final de semana.
    Esses políticos, continuam os mesmos e desde 1500 continuamos enganados.
    Rossi

    ResponderExcluir
  13. Texto GENOÍNAMENTE sguassábico! mais on time, impossível!

    ResponderExcluir
  14. Nossa, dá até pena...rs
    Muuuito real!
    Belo texto, Marcelo. Como sempre...
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  15. J.C. Lyra4:19 AM

    Muito bom, gosto do que você escreve. Sobre essa sátira, vale lembrar o fundo de verdade quando o "bandido" fala que combateu os militares na verdade ele é que foi combatido por eles para não começar a roubar já naquela época. A ditadura teve que vir para proteger o Brasil desses tranqueiras que pegam carona na imprensa se dizendo bonzinhos. Pelo pouco que sei pela imprensa Zé Dirceu, Jenoino e seus capangas já deveriam estar presos na Papuda

    ResponderExcluir
  16. Marcelo7:16 AM

    .ahnilag ed oãrdal è fulaM oluaP euq rahca a odnaçemoc uotsE

    ResponderExcluir
  17. Engraçado que o que me chamou muito a atenção foi a observação final :"Esta é uma obra de ficção". Acho que é de fixação. Cruzes! A leitura vai fluindo de uma forma... a gente se fixa nela que parece até verdade mesmo. Nossa! ainda bem que você teve o cuidado de nos avisar que a sua veia criativa está cada vez mais em alta.
    mim a roiretna olecraM o moc odrocnoc, siam od

    ResponderExcluir
  18. Não, meu querido amigo, não é uma obra de ficção. É de uma facção!
    Sua crítica é ótima e bem bolada. E completamente realista, no momento certo!
    A do rei!!!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  19. Lelena Camargo Terra1:16 AM

    É uma obra de ficção, e eu adoro as semelhanças!!!
    Beijoss

    ResponderExcluir
  20. Jota Effe Esse1:17 AM

    Ali Babá e sua turma mandaram lembranças, seu Zé! Um abraço, Marcelo.

    ResponderExcluir
  21. Zezinha Lins12:33 AM

    Marcelo… Desculpe, mas acho que já li essa história em algum lugar rsrs. Ou será impressão minha? Vou ler de novo…rsrsrsrsrsrs
    Beijo, amigo! E uma ótima tarde pra vc. A essa altura sei que o próximo texto já está a caminho. Aguardando…

    ResponderExcluir
  22. Mara Narciso3:23 PM

    De bem intencionados, o inferno está cheio. O político da pauta merece todo o crédito. Só um cego não vê isso.

    ResponderExcluir
  23. É meu caro Marcelo, de "injustiçados" o inferno já está cheio, coitado!

    ResponderExcluir
  24. Qualquer semelhança não é mera coincidência. Também, fazer pergunta pra quê? Esquece numa cadeia e joga a chave fora.

    ResponderExcluir
  25. Myria Pereira6:57 AM

    Ola amigo estive aqui visitando os seus escritos,sabe que gosto muito de palavras víu!
    Escrever para mim será sempre a arte mais divina do universo, por isso curto todasas escritas com muita sede.
    Grande abraço dessa Escritora e Poeta del Mundo
    Miria Pereyra

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…