Pular para o conteúdo principal

DUÑA PEDE A PALAVRA





Duña, o oráculo mór, guardião dos segredos das moléculas e dos vitrais das basílicas, dá novamente o ar da graça. E, sem mais delongas, desova mais uma pílula de sabedoria universal, para regozijo e deleite dos mortais. Segue a íntegra do breve pronunciamento, feito da janela de um busão da Cometa, na quinta-feira passada, quando este fez uma rápida parada na rodoviária de Poço Fundo, MG.

"Não existe a mínima lógica em ser ateu. Por mais que eles, os ateus, batam no peito alegando uma suposta racionalidade em seu argumento (só posso acreditar naquilo que posso provar), desacreditar em Deus é o cúmulo do irracionalismo. E irracionalismo presunçoso.

Observem a formiga. O homem a julga insignificante - não sem razão, é fato, se comparada ao gigantismo físico e intelectual de um ser humano. Caso uma delas saísse de seu formigueiro e ganhasse as praças proclamando a inexistência de Deus, cairia no descrédito e na chacota da opinião pública pela nulidade de seu cérebro, e consequentemente de seu raciocínio.

Contudo, meus mamíferos seguidores, é necessário lembrar que a cachola do homo sapiens é apenas alguns centímetros quadrados maior que a das citadas rastejantes. Há fortes evidências de que somos nós, os homens, as formigas de um plano de vida superior ao nosso, uma mega-Terra habitada por seres com crânios do tamanho da cidade de Ribeirão Preto e até maiores, dependendo do caso.

Ora, tais seres se esborrachariam de rir se nos ouvissem decretando a inexistência de um Criador, já que na perspectiva deles somos reles insetos. Por sua vez eles, os gigantes, seriam insetos de um plano absurdamente maior e mais evoluído. E assim sucessivamente, como aquelas bonecas russas que vão cabendo umas nas outras.

Assim, caros ajuntadores de dinheiro e excretores de urina, recomendo um pouco mais de humildade em assuntos metafísicos. Entre crer e não crer, em nome de Deus, creiam."

Como a parada na rodoviária  era de apenas dez minutos, Mestre Duña deu por finda sua preleção e pôs-se a mastigar um risoles de palmito, gentilmente oferecido por um de seus fiéis discípulos.


© Direitos Reservados



Comentários

  1. O "Cometa" serve também pra isso? Novidade... Busão evangelizador... E, se "os seres com crânios do tamanho da cidade de Ribeirão Preto e até maiores, dependendo do caso"... na "mega-Terra"... que não levem usineiros pra lá... caso contrário... haja aristocracia e poderes "endeusados"...
    [ ] Célia.

    ResponderExcluir
  2. Estou com o Mestre Duña e não abro. Ele é um gênio.
    Abraços meu amigo virtual, Marcelo.

    ResponderExcluir
  3. Marcelo, seu Duña me lembrou uma citação no álbum Lilás, de Djavan, que diz assim:
    "Ontem, eu fiquei horas esquecidas assistindo ao trabalho das formigas, indiferentes a tudo, na sua meta de construir. E aprendi o quanto é importante fazer... fazer sempre e de tudo para alcançar os galhos mais altos da árvore da vida e melhor se alimentar do fruto ali quase esquecido: a paz.
    Oh, Deus! Torna-me indiferente a tudo que não seja construir com meu trabalho um mundo novo, onde só pessoas, bichos e coisas existam porque amam e entendem o amor como único sentido da vida."

    Bonito, né? Um abraço, querido!

    ResponderExcluir
  4. Carlos Edu Bernardes9:25 AM

    Hehehhe, excelente.
    A meu ver o homo erectus teve uma inserção no seu dna proporcionando-lhe o raciocínio (ainda longe da sua plenitude, isso é bem nítido!) e a árvore da vida (pintada há séculos com a cobra enrolada em espiral ascendente) nada mais é do que a estrutura do dna.
    O toque de Deus (Daniken o chama de O Astronauta, hehe) no dedo do homem no famoso afresco de Michelangelo na Capela Sistina, pra mim, representa essa inserção do conhecimento, portanto, a criação (fabricação) do homem 'pensante' (formigas observadas à distância e visitada de quando em vez?...).
    Não sou ateu, pois acredito nos seres de cabeça-do-tamanho-de-Sergipe, mas eles não são de maneira nenhuma um velho bondoso barbudinho nem anjos com asinhas de garça.
    Amém.

    ResponderExcluir
  5. Marco Antonio Rossi10:43 AM

    Meu caro Amigo e vizinho.
    Um ótimo final de semana.
    Com relação ao texto, o dificil é comer o risolis e viajar em um cometa sem banheiro.............
    Abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  6. Claudete Amaral Bueno10:44 AM

    Duña falou e disse! Mereceu o salgado de palmito............
    Bom domingo....o abraço semanal!
    Claudete

    ResponderExcluir
  7. há há há há há fui lendo, lendo, lendo e quando cheguei em Ribeirão Preto lembrei-me da Célia Rangel, uma super cabeça resolvida daquela cidade, a primeira a comentar aqui hoje.
    Viva o Dunã, aquele que com a unha limpa qualquer coisa, até pensamento maledicente. Por favor, mande o Dunã para Araçatuba.
    Avise a que horas o ônibus chega que eu vou apanhá-lo na rodoviária.
    Obrigada!

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. Núbia Nonato12:52 AM

    Em tempos onde o caos impera, onde a miséria humana não mais choca…há que se crer amigo Marcelo. Eu daria um voto de confiança para o oráculo do momento.

    ResponderExcluir
  10. Jorge Cortás Sader Filho12:53 AM

    Aleluia, irmão Marcelo!
    O povo comedor dos abençoados risoles de palmito te saúda!
    Abraço,
    Jorge

    ResponderExcluir
  11. André Albuquerque12:54 AM

    E com essas novas Terras que andam ( ou voam)por aí, o Duña está mais que certo . Parabéns,gostei e aguardo a próxima deste Messias rodoviário .Não é a toa que viaja pela Cometa.... forte abraço.

    ResponderExcluir
  12. Natanael José12:58 AM

    Olá Marcelo, valeu pelo envio.

    Abç,

    Natanael Lima Jr
    Editor do blog http://www.domingocompoesia.com

    ResponderExcluir
  13. Alessandra Leles Rocha12:59 AM

    Oi, Marcelo!

    Pra variar: ADOREI!!!
    Tenha um excelente fim de semana!!!
    Abraços,

    ResponderExcluir
  14. Alan Sanvezzo1:00 AM

    Duña returns!

    Very fucking Genius!
    Congrats.

    ResponderExcluir
  15. Wilson Donizeti Miranda2:22 PM

    Olá Marcelo. Tua imaginação é demais. Desta vez, em particular, a foto do ônibus emocionou, pois, bons anos da minha vida foi na Viação Cometa. Mencionar Ribeirão Preto também foi legal. Um abração.'

    ResponderExcluir
  16. Pereira6:00 AM

    Muito bacana o texto Marcelo.
    Gostei e me diverti com o tom de humor.

    ResponderExcluir
  17. Zezinha Lins6:26 AM

    Que viagem, hem, Marcelo! Fico imaginando se esse discurso fosse num busão da Borborema aqui na rodoviária da minha cidade, a parada não duraria apenas 10 minutos, na verdade ela está literalmente parada há anos. Esse papo iria lonnngeee!!!
    Como é agradável ler vc, amigo!
    Bjo!

    ResponderExcluir
  18. Olá meu amigo!
    O Mestre não perde tempo mesmo! E sabe que estas suas viagens (e as dele) são bem interessantes. Neste universo de mundos paralelos, ops, mundos em mundos, você me lembrou de quando trabalhei como WIB. Apesar de terem me iluminado para que me esquecesse de tudo, eu pisquei bem na hora e finjo até hoje que não sei de nada. Mestre sabe o que fala! E assim, homens ou formigas, creiamos, porque dezembro está próximo...
    Adorei, um beijão!

    ResponderExcluir
  19. Celi Estrada3:39 AM

    Gosto dos seus textos. Obrigada,
    Celi

    ResponderExcluir
  20. Antonio Fonseca4:29 AM

    No céu, em meu trono enuviado, assisti a uma passeata de formigas manifestando aos eternos moradores do paraíso a necessidade de se crer. "Crer é o dever! Crer é o dever!" Lá no meio da turba uma distribuia risoles e outra chicletes de bola. E eu "remorria" de rir da crônica do Marcelo.
    Parabéns imortal!

    ResponderExcluir
  21. Jota Effe Esse8:29 AM


    E eu que nem sei se sou ateu ou crente, como é que fico nessa história? Acho que seu Duña tá perdendo o tempo, pregando no deserto (de mentes). Meu abraço.

    ResponderExcluir
  22. Mara Narciso3:18 PM

    Há muito mais metafísica na discrepância dos tamanhos dos cérebros dos seres ínfimos e dos gigantes, do que supõe nossa vã filosofia. Para descrer, antes é preciso crer. Bom para pensar. Faz sentido, Marcelo.

    ResponderExcluir
  23. Gina Soares6:55 AM

    Nem consigo imaginar alguem que não acredita na existencia de Deus, de um ser superior, e que nada teme...

    ResponderExcluir
  24. Deus, Duña, Cometa, o ônibus, e risoles de palmito... de um mix desse, só pode sair coisa boa de Marcelo Sguassábia, no qual eu acredito piamente como oráculo do humor... abs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…