Pular para o conteúdo principal

REVOLUÇÃO DE ISOPOR






Antes de mais nada, agradeço a presença de toda a diretoria do shopping a esta convocação extraordinária.

Bem, indo direto ao assunto: por meio de pesquisas, detectamos que mais de 90% dos homens odeia aquilo que 100% das mulheres adora: experimentar roupas. Para eles, é tortura chinesa entrar e sair de loja, e dentro de cada loja entrar e sair do provador, e dentro de cada provador entrar e sair de ternos, jaquetas, camisas, calças, sapatos... fora isso tem aquela vendedora excessivamente prestativa, em geral comissionada, que fica atrás da cortina perguntando a toda hora se ficou bom. Se não ficou, sem problemas - ela já está a postos com outras nove peças na mão, prontinhas para entrar e sair da máscula carcaça.

Diante dessa constatação surgiu a ideia, que motivou essa nossa reunião. O negócio funcionaria da seguinte forma: o sujeito vem até o shopping, tira a roupa em uma sala reservada e é escaneado em 3 dimensões. A partir disso um software faz todos os cálculos e cria virtualmente um clone do físico da pessoa. Os dados são transferidos para uma máquina modeladora - que irá produzir um manequim em isopor do macho em questão. Todo o processo não leva mais que dez minutos.

Finalizado o boneco, nossos funcionários saem batendo perna pelo shopping procurando os itens solicitados pelo cliente, de acordo com a predileção por marca, cor, numeração, estilo, etc. Encontrando em alguma loja um produto que tenha a cara do nosso amigo, o funcionário põe no boneco e vê se ficou bom. Se sim, nosso cliente é avisado por celular que na loja tal, por tantos reais, tem uma calça x que cai com perfeição no corpo dele. A foto do produto vai junto, e o sujeito só tem que aprovar ou não a compra.

Logicamente que alguns itens ficam fora do serviço. Roupas íntimas, por exemplo. Os lojistas não deixariam experimentar, ainda que o boneco seja de isopor. Com óculos a coisa também não funciona, pois são milhares de armações disponíveis. Além do mais, o rosto não será detalhado no processo de escaneamento, por uma questão de privacidade. Vai que algum credor da pessoa de carne e osso reconhece o seu modelo de poliestireno e resolve atrapalhar a compra ou esquartejar o boneco? O mesmo pode acontecer com um oficial de justiça ou até com alguém da polícia que esteja no encalço de um eventual consumidor foragido... Então, decidimos que o rosto da estátua terá aquela feição padrão de manequim de butique, para não termos problemas.

Enquanto isso o contratante do serviço fica no cinema, toma um chopp ou aproveita para comer um negócio - ele só não pode comer ou beber muito, sob pena do boneco de isopor, ao final da compra, não corresponder mais à silhueta do original.

Resumindo: ao mesmo tempo em que a gente tem a chance de empurrar mais produtos no cliente, ele segue consumindo na praça de alimentação e nos setores de entretenimento. Isso não é um diferencial, é uma revolução mercadológica! No início, podemos causar estranheza e até alguma rejeição, com os nossos funcionários andando pra baixo e pra cima com os bonecos de isopor debaixo do braço. Porém, com o tempo, a conveniência vai vencer a resistência. Podem ter certeza.

Bom, em linhas gerais, é esse o projeto. Perguntas? Dúvidas?


© Direitos Reservados

Comentários

  1. Marcelo!
    Consumidora virtual, por excelência, adoraria escanear-me e enviar às lojas, sem o desconforto sequer do trânsito, dos trombadinhas, sequestros e até mesmo ser confundida com "alguém"... Aprovadérrimo o projeto!
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  2. Já eu dispensaria o boneco. Antes, desenvolveria um software a ser instalado em todas as lojas voltadas para o público masculino onde o cliente seria escaneado e seus dados, bem como suas preferências seriam passadas para todas as lojas e o sistema pesquisaria em cada loja e retornaria via telefone, ipad, ipod, tablet ou qualquer outra dessas geringonças modernas, informado sobre as lojas e os itens que se encaixariam no perfil do cliente, bem como preços etc... he, he, he.

    ResponderExcluir
  3. Adorei Marcelo!!!

    Eu tenho uma pergunta, sim: de onde vem sua criatividade? Quero o endereço, e se possível, com GPS.... um beijo, querido!

    ResponderExcluir
  4. oi Marcelo..achei o máximo..ideia mais que aprovada..na minha imaginação já vi diversos funcionários carregando os bonecos... quanta criatividade a sua. aplausos..beijo

    ResponderExcluir
  5. Alessandra Leles Rocha12:08 PM

    Oi, Marcelo!!!
    Genial!!! Só não gostei muito dessa "pitadinha machista" em que 100% das mulheres curtem o que 90% dos homens odeiam!!!rsrsrs Se o objeto de interesse estivesse voltado para o universo masculino, o mesmo aconteceria.
    Então, prefiro analisar a questão da ótica em que muitas pessoas encontram nesse vai e vem das lojas uma oportunidade lúdica de se divertir e sair da loucura cotidiana; a atração pelo belo, pelo diferente, que nos faz mergulhar em outra dimensão, sair do estresse, da rotina.
    Acho que fazer um “footing” pelo shopping tem que ser com leveza, em uma hora que satisfaça o seu próprio ânimo e quando se tem um motivo especial para investir na aparência, qualquer troca-troca de roupas deixa de ser enfadonho seja para homens ou mulheres, ok???
    Tenha um fim de semana SENSACIONAL!!!
    Bjocas, Alê

    ResponderExcluir
  6. Leda Valéria Supa Basile12:28 PM

    Caro amigo Marcelo, posso apostar que 99% dos homens adorarão essa ideia. Como eu digo sempre, como sai coisa incrível da sua cachola!!

    ResponderExcluir
  7. Só uma pergunta: Quando essa parafernália vai começar a ser usada, para eu não netrar mais em loja nenhuma? Meu abraço.

    ResponderExcluir
  8. Adorei! Que idéia genial e super funcional, Marcelo! Você merece um prêmio por idéia tão boa.
    Eu já acho que todos os que não gostam de fazer compras e provar roupas poderiam sim ter um manequim de isopor (?) e simplesmente envia-lo a loja e lá o funcionário faria todos os experimentos e ainda enviariam via internet para ser dada a palavra final antes de ser enviado para o endereço do cliente, dai o Shoping só serviria para um lanche e um cinema.Parabéns pela idéia. Abçs.

    ResponderExcluir
  9. Jorge Sader Filho3:11 PM

    Só quem não pode ser cliente é o Lula.
    Depois desta trabalheira toda vai dizer que não pediu nada, não quer nada e tem raiva de quem está querendo…
    Foi longe nesta, amigo Marcelo!
    Abraço,
    Jorge

    ResponderExcluir
  10. Claudete Amaral Bueno3:45 PM

    Marcelo: Agora, a idéia foi genial.....desde que tb sejam incluidas as mulheres.....
    EU DETESTO PROVAR ROUPA!!!!!

    Vê se vc n/ consegue transformar a idéia em realidade!!!!! rssss
    Parabéns!!!!!!!! Abraços!
    Claudete

    ResponderExcluir
  11. Também não suporto provar roupas, por isso não me importaria de ser escaneada. Msas que doideira rsrsr. Só vc mesmo pra pensar numa coisa dessa. Acho que deveriam mesmo era fazer uma pesquisa detalhada para descobrir como funciona o cérebro de Marcelo quando está compondo seus textos, acho que vão encontrar um parque de diversão para adultos com equipamentos surreais instalados lá. Um lindo domingo pra vc. Beijo grande!

    ResponderExcluir
  12. Eu e Josi estamos dentro das estatísticas, ela adora e eu odeio; aliás, o boneco é exagero, mas já existe softwares do tipo por aí, para compras virtuais... criativo, engraçado, como sempre... como o sujeito é único, uma pergunta: o consumidor poderá levar o boneco pra casa? tem mulher que não notaria a diferença entre o marido e o boneco... abs

    ResponderExcluir
  13. Apesar de a sua imaginação ter extrapolado a linha do consumismo, ainda prefiro o método tradicional: levar o marido para fazer isso tudo que você relata, mas que ele destesta mesmo. Enfim ... vou junto e gasto junto e levo os 2 filhos para gastarem também! Agora, a pergunta do Lauro Augusto é pra detonar os maridos! Parabéns ao Marcelo pelo texto e ao Lauro pela pergunta comparativa.
    Será que os bonecos serão reproduzidos com as verruguinhas e outras coisas?

    ResponderExcluir
  14. "A necessidade aguça o engenho", detetada a necessidade, o engenho está perfeito. Os gastos do serviço proposto, isso "são outros quinhentos"... Abraço.

    ResponderExcluir
  15. Olá Marcelo... Estou morrendo de rir... Já pensou o quanto de estresse sobraria para os pobres vendedores? Neste projeto, pensou-se num salário , pelo menos, condizente com as solas de sapatos e as pernas gastas? Hahahaha, adorei! Um beijo, meu amigo!

    ResponderExcluir
  16. Celi Estrada3:35 PM


    Feliz idéia Marcelo! Texto original que resolve os atropelos e desgastes
    numa sala de provas!... Vamos adotar.Abraçaço.
    Celi

    ResponderExcluir
  17. José Carlos Carneiro3:37 PM

    Me fez lembrar o livro 1984 de George Orwell e também o filme Tempos Modernos de e com o Charles Chaplin. Obviamente inserindo-se aquelas situações esdrúxulas numa moldura dos dias de hoje. E você faz jus à carreira profissional à qual se dedica. Prova disso é mais este ótimo texto.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  18. Marco Antonio Rossi3:39 PM

    Bom dia e um otimo final de semana.
    muito boa ideia, me encomende quatro modelos, que enviarei a quatro shoppings e ficarei em casa fazendo churrasco.......
    abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  19. Lelena Camargo4:02 PM

    Marcelo, caríssimo bípede, eu gosto de ter curvas e de usar vestidos, mas não gosto muito de provar roupas, não. Volta e meia compro a olho. Portanto, me candidato ao projeto escaneamento. Quero o meu software também. Vai ser uma revolução no meu armário e uma tragédia na minha carteira!
    beijos da bípede visitante

    ResponderExcluir
  20. Núbia4:02 PM

    Detesto provadores, sempre alguém dá uma peruada, isso, quando não escancaram a porcaria da cortina, deixando a gente na m…
    Espero que a cópia não seja fidedigna!
    Abração Marcelo.

    ResponderExcluir
  21. André Albuquerque6:41 AM

    A imaginação fervilhante,ladeando o raro senso de humor ,em excelente texto.Isto é talento.Parabéns Marcelo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…