Pular para o conteúdo principal

ÊTA, UNIVERSÃO VELHO SEM PORTEIRA!


Imagem: wikimedia commons


Eu acredito em terráqueos. É muita pretensão pensar que nós, extraterrestres, estejamos sozinhos nesse universo imenso. Isso contraria qualquer lógica. Por que somente nós, ETzinhos horrendos, cascudos e disformes, teríamos a regalia de sermos os eleitos da criação divina?

Creio piamente que há algo muito mais divertido, entre os terráqueos, do que este nosso primitivíssimo e insípido sistema de teletransporte. Coisas como carros movidos a combustível e autoestradas ligando um lugar a outro, onde se possa aproveitar cada minuto da viagem e torná-la mais lúdica e emocionante - desviando de buracos, parando em praças de pedágio, encarando engarrafamento ou comendo uma coxinha no caminho. Eu diria que isso sim é que é vida inteligente, ou, no mínimo, interessante.

Nós não morremos, não casamos, não nos reproduzimos sexualmente, não temos conta para pagar nem fezinha na loteria para fazer. Só ficamos de um ponto a outro desse universão de meu Deus, cruzando o cosmo na velocidade da luz e sem encontrar coisa alguma que valha uma distração ou um olhar mais atento. E o que é ainda mais triste: sem achar sentido nesse vai-e-vem abestalhado, nessa expedição sem missão determinada.

Terráqueos sim, devem levar a vida, com afazeres que os ocupam, preocupam e ajudam a matar o tempo. Há relatos (pouco científicos, é verdade) de habitáculos denominados casas e apartamentos, onde os terráqueos se abrigariam com seus entes queridos. E dentro deles há fêmeas com seios e nádegas, partes anatômicas que as nossas desengonçadas ETzas nem imaginam o que sejam, e que por certo lhes causariam uma inveja danada. Alguns dos nossos juram ter feito contato com eles e afirmam que os felizardos cortam grama, fazem churrasco, tiram fotografias das formaturas dos filhos e se deslocam diariamente a lugares onde as tarefas que executam são trocadas por uns papéis cheios de números e desenhos - que eles posteriormente utilizam para converter em gêneros de primeira (ou nem tanta) necessidade.

Com exceção de alguns poucos privilegiados, que nada precisam fazer para terem em abundância os tais retângulos com números, os terráqueos lutam bravamente pela sobrevivência. Ah, minha Nossa Senhora da Ursa Maior, como isso seria maravilhoso para combater o tédio eterno que nos atormenta! Tudo bem, sei que sou só um ET lunático, mas não tenho culpa se insisto em sonhar com outras formas de vida. Enquanto esse acalentado encontro não acontece, deixa eu botar os pés no chão, passar na locadora e alugar pela enésima vez "T, o Terrestre", para assistir no DVD do OVNI.



© Direitos Reservados

Comentários

  1. Marcelo, Marcelo, Marcelo.... Que legal!!!! Garoto, vc é o terráqueo que o tal ET precisa conhecer pra entender ou desentender de vez nós, os humanos. Realmente, nossa vida não tem tédio coisa nenhuma. Um abraço, meu querido amigo. Como é bom ler vc.

    ResponderExcluir
  2. Marco Antonio Rossi11:23 AM

    bom dia e um otimo final de semana para as próximas tres semanas que starei de ferias.
    Volto em 18/02 para curtir suas crônicas.
    Um grande abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  3. André Albuquerque11:25 AM

    Relatividade é isso aí, excelente texto,Marcelo .Parabéns, fez lembrar um antigo conto do Ray Bradbury, onde num congresso de cientistas extra terrestres , a presença de vida em nosso planeta , era descartada pelos elevados índices de oxigênio na atmosfera.

    ResponderExcluir
  4. Carlos Edu Bernardes11:49 AM

    Excelente!
    Viver é o estado maior!

    4FABração!

    ResponderExcluir
  5. Admirável mundo novo... Como seria legal sobrevivermos em outras esferas, cosmos ou galáxias... Um texto sonhador, Marcelo!
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  6. Claudete Amaral Bueno10:39 PM

    COi, Marcelo

    Com todas as nossas"impossibilidades".....às x,... viu como é bom ser Terráqueo????
    E n/ pense que no céu vai ser essa chatura e inatividade....porque não vai, viu??????
    Se aqui é bom....lá será infinitamente melhor. Como eu sei???? A Bíblia o diz! E eu creio!
    Mas....foi boa a s/ imaginação, p/ darmos mais valor ao que temos aqui.
    Bom fim-de-semana, c/ o pé na terra! Um abraço!
    Claudete

    ResponderExcluir
  7. Antonio Fonseca11:27 PM

    Vejam como a vida de terráqueo é cruel. A minha beleza me envaidece. E nem sou narcisista, mas reconheço que sou belo. E esses canhões em feiura do espaço querendo ser gente, invejando a gente, esbanjando conhecimentos sobre terráqueos e tirando onda por serem eternos? A nossa alegria é saber que não vamos passar a eternidade ao lado de um ser horrendo, que não dá nem pra saber se é fêmea ou se é fóssil.
    Nas minhas próximas orações vou pedir ao Criador que lhes conceda o direito de morrer.

    ResponderExcluir
  8. Paola Domingues1:22 AM

    O engraçado que somente esta espécie humana, com toda a sua inteligencia, se enrolaram em seus próprios ideais. Estão por aí, se violentando todos os dias, matando os da mesma espécie e vivendo num formato político de desigualdade social... vá entender!!!

    ResponderExcluir
  9. Elizabeth1:23 AM

    Ri muito...realmente um ET eternamente eterio, deve sofrer de etognosia.
    Parabéns pelos seus textos, sempre bem elaborados e concisos.
    Abração!
    Elizabeth

    ResponderExcluir
  10. Milton1:24 AM

    Parabéns Marcelo. Deve ser difícil ser E.T nesse vasto universo sem muita coisa para fazer. Conte com a minha solidariedade...

    ResponderExcluir
  11. Eu hoje acordei me sentindo um ET. Sonho doido danado.. e ainda leio essa viagem quase astral, daqui.... risos... um beijo, querido!

    ResponderExcluir
  12. Quanta imaginação passa por essa cabeça meu amigo Marcelo. Bom ser terraqueo não é ?Clotilde Fascioni

    ResponderExcluir
  13. Terráqueo tem tempo de ter tédio? TTTTT ??? Tá!!!!!
    Tô tonta, tentando tende !!
    TTTTTTTTTTTTTTTTTT ! Té, Marcelo!

    ResponderExcluir
  14. José Carlos Carneiro8:39 AM

    Uma das mais elaboradas e sucintas abordagens que me caíram nas mãos - digo - no monitor - nos últimos tempos. Uma troca de posição entre os personagens e até então não imaginada por outro autor para, com humor, ironia e um certo deboche, mostrar o que caracteriza a rotina muitas vezes maçante e desprovida de muito sentido em torno da qual giramos e fazemos o mundo girar. Parabéns, garoto, por mais esse lance de criatividade.

    ResponderExcluir
  15. Alô, alô! Contato? Terráquea fone OVNI, terráquea fone OVNI...
    Meu caro ET, eu, uma terráquea legítima (apesar de um antepassado longíquo vulcano e com mania de cumprimentar os outros com a mão aberta em forma de V)procuro contato para intercâmbio cultural. Enquanto o senhor vem para meu planeta e rala, ops, digo, desfruta de meus afazeres domésticos, meus trabalhos (garanto que são mais de um), minha vida social, eu faço o imenso sacrifício de ficar de boa em seu OVNI, de preferência no piloto automático para causar problemas. Tenho o grande sonho de entrar numa fenda do tempo e encontrar Darth Vader, e encarar toda aquela maldade que aflora um lado obscuro de minha personalidade e me deixa doidinha, ops! Mas lhe garanto que é um negócio seguro e depois podemos rever a volta para daqui a quantos anos-luz. Lidar com filhos é fácil, com pessoas, mais ainda! Talvez não queira assumir minha vida sexual (hahahaha), mas isso pode ser resolvido em contrato.
    Terminando o contato,
    câmbio

    por favor R2D2, leve este holograma para o OVNI detectado no ultra radar.
    fim de transmissão...

    ADOREI! Viajei legal, Marcelo!
    Beijão

    ResponderExcluir
  16. Marcelo, desta vez você arrebentou! Qualquer dia um Et vai baixar no teu terreiro querendo te contratar pra Redator-Chefe da imprensa dele. Meu abraço.

    ResponderExcluir
  17. Elizete Lee6:16 AM

    Quero ver um ETzinho ficar falando que ser terráqueo é bom, quando precisar de um hospital público na terça-feira de carnaval em plena madrugada...

    ResponderExcluir
  18. Jorge Cortás Sader Filho6:22 AM

    O mais grave é que já existem tantos terráqueos que a Bola está ficando pequena para suportar os ditos cujos.
    Um retrato bem tirado, Marcelo. Verdadeiro, oportuno e inteligente, como sempre.
    Abraço,
    Jorge

    ResponderExcluir
  19. Alessandra Rocha3:33 PM

    Oi, Marcelo!!!
    Que cabecinha privilegiada a sua!!! Cabeça de artista genial; um verdadeiro encantador de palavras!!!
    Adorei o texto!!! Me levou a mergulhar no pensamento e até lembrar de um poema fabuloso de Drummond, "O homem; As viagens".
    Muita inspiração nessa semana que se inicia!!!
    Bjo. grande,
    Alê

    ResponderExcluir
  20. olá Marcelo estive sem pc.. foi difícil...mas consegui sobreviver.. viu ? se eu fosse um et não tinha com que me preocupar. amei o texto.. fico pasma diante da sua inteligência ..criatividade e imaginação...é sempre gratificante te ler.. uma ótima semana..beijo

    ResponderExcluir
  21. Ana Christina Victorelli12:41 PM

    Ótimo !!!!!! Bjo

    ResponderExcluir
  22. Marcelo:
    Tá explicado porque às vezes desejamos tanto ser lunáticos!! Tempo de sobra pra ver DVD? Deve dar também pra ler tudo o que está na pilha cada vez maior esperando, esperando... Delícia de texto.

    Feliz 2013! Abração!

    ResponderExcluir
  23. Lisette Feijó6:05 AM

    Que venham....
    Abraço Lisette.

    ResponderExcluir
  24. Mara Narciso6:07 AM

    Pobre ET. Vida tão sem graça. Melhor é a nossa, cheia de emoções. Gostei da sua definição e como é o dinheiro.

    ResponderExcluir
  25. Anônimo1:37 AM

    muito bom! gesiel nunes machado

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…