Pular para o conteúdo principal

O MELHOR NEGÓCIO DO MUNDO


Imagem: wikimedia commons





- Indo direto ao assunto: a proposta é vendermos cartucho a preço de impressora e impressora a preço de cartucho. Resumidamente, é isso.

- Meio confusa e incoerente essa ideia, não? Explica melhor.

- De novo, curto e grosso: impressora a 170 reais e cartucho de tinta colorido mais o black a uns130 o conjunto.

- Mas com base em que iremos justificar esse preço exorbitante dos cartuchos de tinta? Todos sabemos que, somados todos os insumos e a margem de lucro, o preço final justo seria muitíssimo menor que esse.

- Já pensei nisso. Vamos nos calçar numa hipotética tecnologia HighPrint Ultra Extra Long Lasting Performance. Deu pra entender o raciocínio? Já passei para a gerência de produtos a tarefa de criar um nome bem "tecno" e sonoro.

- Isso não vai funcionar, o consumidor não é bobo. Nada no mundo seria mais caro que tinta de impressora. Até as raríssimas trufas brancas italianas seriam mais baratas, concorda? Não demoraria nada para surgirem fabricantes com cartuchos compatíveis, vendidos pela metade do preço. E ainda assim ficariam ricos.

- Por mais que surjam e cresçam os mercados paralelo e o de remanufaturados, ainda assim será imensa a demanda pelo produto original da impressora. Faremos uma campanha unindo relações públicas, assessoria de imprensa e propaganda, onde venderemos a ideia de superioridade e de garantia da marca original. Quem vai querer arriscar um trabalho mal impresso ou uma foto borrada? Quem?

- Mas...

- E tem outra, meus caros. Quem usa muito a cor amarela nas impressões, por exemplo. Essa tinta fatalmente vai acabar antes das demais, e isso forçará o consumidor a substituir o cartucho todo. O incauto usuário pagará preço do cartucho inteiro para só usar 25 ou 30% dele. Se for ainda mais bonzinho e devolver o cartucho usado nos nossos pontos de coleta, poderemos reaproveitar a tinta remanescente. Ganhamos os tubos, ou melhor, os cartuchos, e ainda passaremos a imagem de empresa ambientalmente responsável. A jogada é perfeita!

O diálogo pode ser fictício, mas não parece estar tão distante da realidade. Veja o leitor os dados abaixo, levando em conta que os valores não estão atualizados, pois são de 2009.

“A grande sacada dos fabricantes: oferecer impressoras cada vez mais e mais baratas, e cartuchos cada vez mais caros. Nos casos dos modelos mais baratos, o conjunto de cartuchos pode custar mais do que a própria impressora. Veja: pode compensar mais trocar a impressora do que fazer a reposição de cartuchos. Exemplo: certa marca de impressora é vendida nas lojas por aproximadamente R$ 170,00. A reposição dos dois cartuchos (10 ml o preto e 8 ml o colorido), fica em torno de R$ 130,00. Daí, você vende a sua impressora seminova, sem os cartuchos, por uns R$ 90,00 (para vender rápido). Junta mais R$ 80,00, e compra uma nova impressora e com cartuchos originais de fábrica.

Para piorar, de uns tempos para cá, os fabricantes passaram a DIMINUIR a quantidade de tinta (mantendo o preço). Um cartucho com 10 ml custa R$ 55,99.  Isso dá R$ 5,59 por mililitro. Só para comparação, a champagne  Veuve Clicquot City Traveller  custa R$ 1,29 por ml. Além disso, algumas impressoras estão vindo somente com 5 ml de tinta! 

Uma outra linha de impressoras vende um cartucho para a linha X com 5,5 ml de tinta colorida por R$ 75,00. Fazendo as contas: 1.000 ml / 5,5ml = 181 cartuchos a R$ 75,00 = R$ 13.575,00. Isso mesmo: R$ 13.575,00, por um litro de tinta colorida.”



© Direitos Reservados

Comentários

  1. Alessandra Rocha9:45 AM

    Oi, Marcelo!!!
    Muito bom!!! Nós humanos: inteligentes, criativos e tão ESPERRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRTOS!!!
    Um excelente fim de semana para você!!!
    Bjo.

    ResponderExcluir
  2. Ana Christina Victorelli9:46 AM

    Excelente ideia, Marcelo !!!!!!!! Afinal, estamos quase nisso, ahahahhah!!!!!! Bom final de semana, bjos

    ResponderExcluir
  3. André Albuquerque9:47 AM

    Salvo engano, "estratégia" semelhante fez o sucesso da câmera Polaróid, até início dos anos 80. Brilhante e criativa abordagem da ganância que comanda o mercado da tecnologia.

    ResponderExcluir
  4. Melhor será extinguirmos a impressora e tudo vai "pras nuvens"... e quem quiser que se arvore nessa... Afinal, Planeta altamente sustentável, não é? Ou, isso é mais uma história da carochinha? Sua aula de Economia Tecnológica Financeira merece nota dez, Marcelo! Contratado! Início das aulas em março, ok?
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  5. Ai, Marcelo... você me inventa cada coisa... risos... um beijão!

    ResponderExcluir
  6. Ainda bem que continuo de férias, não gastei com cartucho este mês. Todavia, no período das aulas, a despesa com esse material é enorme. Acho que estou pagando os funcionários e todos os impostos dos 'cartucheiros'. Se aceitassem meus trabalhos mimeografados ou no papel carbono, facilitariam.
    Abração e bom final de semana, economista inteligente!

    ResponderExcluir
  7. Realmente é assutador o preço dessas tintas, cabia uma revolta e um boicote, mas como imprimir depois? Abçs Marcelo.♥

    ResponderExcluir
  8. Marco Antonio Rossi7:37 AM

    Bom dia, Amigo Marcelo e um otimo final de semana.
    Esse esquema é igual ao da pipoca no cinema do shopping......
    somos enganados e o que é pior, pagamos sempre, veja o IPTU....,IPVA...,etc...
    Será que um dia todos processarão o governo pelos custos impostos e aí ninguém pagará até que seja julgado o processo?
    O que será que o governo faria?????
    Abração
    Rossi

    ResponderExcluir
  9. Jota Effe Esse7:38 AM

    Marcelo, juro que daria meu reino pra descobrir nesse universo (impressoras x cartuchos) quem é mais vigarista. Levamos na cabeça tanto de umas como de outros. Mas… temos a quem reclamar? Os órgãos de defesa do consumidor desconhecem essas falcatruas. Meu abraço.

    ResponderExcluir
  10. Gina Soares7:38 AM

    Pior e que e isso mesmo. Nao tem nada de ficticio.
    Golpe de mestre…
    Qualquer semelhanca nao sera mera coincidencia… Rs
    Show

    ResponderExcluir
  11. Jorge Cortás Sader Filho7:39 AM

    Seu fino humor é conhecido e sua marca registrada. Ótimo, isto.
    Mas desta vez a matéria é informativa e real. Todos nós conhecemos esta ‘mutreta’.
    Quanto ao modelo especial da tinta, sugiro adicionar um ‘enterprise’.
    Aquele abraço,

    ResponderExcluir
  12. Deixa os meninos fazerem suas mutretadas cartuchisticas e que tenham lucros incomensuráveis. Não sao os únicos exploradores

    ResponderExcluir
  13. Cláudio Dalmonte3:15 AM

    Marcelo, bom dia!
    Seguindo esse raciocínio, em breve o ml de tinta será mais caro que o grama de ouro! Já pensou na possibilidade de num futuro, não muito distante, o nosso governo trocar o lastro e reservas por tinta vermelha??
    Quem será que vai repassar mais verbas aos mensaleiros: HP ou Epson?



    Uma boa semana,
    Abraços,
    Cláudio Dalmonte

    ResponderExcluir
  14. Carlos Edu Bernardes6:03 AM

    Bela explanação.
    Essa é a 'sociedade democrática', 'mercado aberto', 'oportunidades iguais', que a falácia do desenvolvimento, agora praticamente unificado globalmente, nos bombardeia todo dia.
    A meu ver, sistema nenhum calcado exclusivamente no lucro pode vingar como forma de preencher nossos anseios e ideais humanos.
    Mas esse bicho ainda engatinha na sua evolução, apesar de estudos anteriores a Cristo já apontarem que a ganância material não leva a lugar algum em termos de completude e verdadeiras satisfações.
    Não sabemos nada, porém nos julgamos deuses, e vamos aperfeiçoando nossa infelicidade adorando ouros-de-tolos.

    ResponderExcluir
  15. Olá meu querido amigo!
    Eu já percebi isso quando minha impressora anterior morreu e comprei uma nova, melhor e muiiiito mais barata, mas os cartuchos, ai, ai, ai... Isso é um golpe e tanto e a gente cai, compra e pior, ainda sabemos disso, mas precisamos. Poxa, precisamos de um movimento anti passar a perna no consumidor provideichon...
    isto é sério mesmo!
    Beijão procê!

    ResponderExcluir
  16. Antonio Fonseca6:40 AM

    Certa vez fiz esses cálculos e cheguei perto desse valor, era mais ou menos 15 mil por litro. Reportei-me à história do Ali babá e os 40 ladrões e bradei a célebre frase: ABRA-TE SÉSAMO! A pedra se moveu e eu entrei. Lá dentro havia muitos cartuchos de tintas sendo carregados em torneiras de ouro. E, do teto da gruta, caía dinheiro em uma tacha de prata. Reconheci uma das notas de cinquenta reais, que, horas antes estava em meu bolso. Nela estava escrito: estou valendo 3 carregamentos de tinta para impressoras, apenas. Como sou pobre!

    ResponderExcluir
  17. Mara Narciso6:14 AM

    Mexeu fundo na ferida, e não vazou sangue, mas tinta. Até que enfim alguém desnudou a triste realidade do roubo de cartuchos não disfarçado. Tive uma impressora CANON que consumia dois cartuchos por semana em uso doméstico e domesticado, sem exageros de uso e de registro. Com dois meses de tinta era possível comprar outro computador. A tal impressora quase nos levou a falência. Com a sua explanação, Marcelo, sinto-me vingada

    ResponderExcluir
  18. Elizabeth1:46 AM

    Realmente é um absurdo isso...também fico revoltada.
    Tem um parceiro no Entrementes que trabalha com isso:

    ResponderExcluir
  19. José Carlos Carneiro6:42 AM

    Voccê citou um exemplo através do qual as empresas literalmente "enrolam" os clientes, por via de regra tentando mostrar vantagens onde na verdade só existe prejuízo. Infelizmente os incautos caem facilmente nessas armadilhas. Em verdade não se trata de propaganda enganosa, mas de má fé explicita. Será que no primeiro mundo funciona assim também?

    ResponderExcluir
  20. José Roberto2:19 PM

    Um belíssimo artigo "crônico", Marcelo. Mas creio que faltou dizer a que viera, a proposta. De boicote, velado ou escancarado. Alguma ideia de montagem de "laboratórios marginais" na selva cimentada, feito os que vemos pela TV serem explodidos pelas PFs do mundo. Enfim, faltou a ORDEM E O REGULAMENTO DE REAÇÃO; a devolução do coice às MULAdras!!! (rsrsrs) Abs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…