Pular para o conteúdo principal

BIANCA




wikimedia commons


I
Bianca, a mais do que muito séria, fizera filho no banco da frente do Dodge emprestado, as costelas raspando no volante, de longe se via o carro chacoalhando. Fosse de fato séria a fama de séria, ela não chegaria a tanto, não a ponto de esfregar-se em pelo, unhas e secreções a céu aberto e justo com aquele um, o primeiro que se achegou no começo da quaresma.


II
Nunca a tão fêmea Bianca pareceu tão pálida e tão perdida, quando chamou num canto a mãe para uma dura conversa. E lhe falou do filho vindo, ia assumir o mau passo. Era uma quinta esquisita, onde se via uma lua de estranhíssimas crateras.


III
A doce e insensata Bianca, ainda que poucos soubessem, era valise sem dono. De tão distraída que era, nem se lembrava com quantos tinha dormido e acordado sem que adivinhasse o nome e sem que soubesse que aquilo não era coisa que se fizesse. E foi assim que o filho, de pai com ficha na polícia e feito às pressas num Dodge, cresceu um moço perverso, maldizendo o berço infame e os tropeços de Bianca, sua mãe, a bem nascida.


IV
Bianca, a mais linda ainda que mais velha, passou a trazer na pele um bocado das crateras da lua de outros tempos. Enclausurou-se e deixou que a vida lhe vincasse num convento – que acabou sendo invadido por um moço de capuz, condenado a 30 anos pelo estupro de uma freira.



© Direitos Reservados

Comentários

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Não censuro o modo de buscar realização pessoal... Cada ser é único, portanto Bianca encontrou seu 'Dodge Dart'... hoje, carros mais compactos, não seria nada confortável... Novos tempos... Novas liberalidades.
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  3. MARCELO,CADA LEITURA É UM APRENDIZADO...SEUS TEXTOS SÃO INSPIRADORES!!! CONVIDO-LHE A VISITAR O MEU BLOG: http://www.kanelada.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Lucas Bittar Magnani12:45 PM

    Muito bom, Marcelo!
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  5. Bianca não perdeu tempo, nem no convento... risos... micro-contos maravilhosos! Beijo, querido!

    ResponderExcluir
  6. Claudete Amaral Bueno11:29 PM

    Coitada da Bianca!

    Abraços,

    Claudete

    ResponderExcluir
  7. André Albuquerque3:27 AM

    Bianca , num painel impressionista e bem acabado.Excelente.Parabéns,amigo.

    ResponderExcluir
  8. José Carlos Carneiro5:55 AM

    Um registro apimentado do que chamam de decadência moral misturada com impulsos incontroláveis que o sexo impõe sobre a razão. E como gran finale o desfecho acontecendo - e que desfecho! - muito adequadamente na clausura de um convento onde os arrependimentos têm a chance de espiar pecados.

    ResponderExcluir
  9. Quatro fases tem Bianca, bianca como a lua, fases como as da lua. Cicatrizes (quem não as tem?)pelo bombardeio da vida. Se Bianca se vestisse de vermelho, talvez fosse um pouco mais feliz...
    Ótimo texto, como sempre. Beijos!

    ResponderExcluir
  10. Graças a Deus, há sempre a salvação para um convento, dando à Bianca a chance de um último orgasmo!

    ResponderExcluir
  11. Alessandra Leles Rocha4:09 PM

    Oi, Marcelo! Gostei do texto, muito bom! Como sempre: para pensar!!! Tenha uma excelente semana!!! Abraços, Alê

    ResponderExcluir
  12. Emilia Goulart4:10 PM

    Gostei muito de Bianca. Mas, um texto puxa o outro e continuei minha visita. Adorei, aguardo sua visita ao blog Emília Goulart.
    http://emiliagoulartsantos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. José Hamilton Brito4:11 PM

    Carma é carma. o que se pode fazer e relaxar e ....

    ResponderExcluir
  14. Marco Antonio Rossi4:12 PM

    bom dia, quase uma PRIETA.............
    Abraços
    Rossi

    ResponderExcluir
  15. Zezinha Lins4:14 PM

    E assim, Bianca alva, faceira e leviana como a Lua, trouxe junto com o seu nome a insaciável busca pelo prazer. De tanto sofrer impactos de corpos, também formou suas crateras, feridas que nunca cicatrizam.
    Sabe, como todo texto bem elaborado, Bianca, apresenta um leque de possibilidades de interpretação, cada leitor, de acordo com a sua realidade e o contexto em que vive interpreta do seu jeito. Claro, as intenções do autor nem sempre aparecem claras nos comentários. Mas acredito que isso enriquece um texto literário, ele tem asas e oferece asas.
    Um abraço, Marcelo!!!

    ResponderExcluir
  16. Núbia4:14 PM

    Marcelo e seus talentos, Bianca é apenas um nome que poderia ser Dany, Fê, Ciça…enfim. Meninas que mal conduzidas se entregam a uma fome insaciável e no final, nem mais identidade elas tem.
    Cru e cruel, mas tão pertinho de nós…
    Abração Marcelo, parabéns!

    ResponderExcluir
  17. Risomar Fasanaro4:15 PM

    Esta história acontece todos os dias, em todos os lugares do mundo, embora muitos se perguntem: em que pessoa Marcelo se inspirou? Parabéns, Marcelo, por conseguir retratar com extrema concisão o drama de tantas mulheres. Beijos

    ResponderExcluir
  18. Antonio Fonseca4:15 PM

    Marcelo, outro dia me encontrei com uma Bianca e estou desconfiado que seja esta. Quando lhe perguntei: qual o carro que você quer ganhar?, ela não titubeou; respondeu na lata! Dart.

    ResponderExcluir
  19. Marco Bastos4:16 PM

    Pobre Bianca, uma vela acesa onde já houve miolo – O interior das abóboras é muito quente nos dias de halloween.
    Parabéns, Marcelo.

    ResponderExcluir
  20. Jorge Cortás SAder Filho4:17 PM

    É… Há muitas Biancas assumidas e enrustidas por este Brasil afora. Vai mal, Marcelo, a coisa vai mal…
    Abraço.
    Jorge

    ResponderExcluir
  21. Clotilde Fascioni4:18 PM

    Realmente a lua tem estranhíssimas crateras. Muito interessante amigo Marcelo. Abrçs♥

    ResponderExcluir
  22. Lisete Feijó4:18 PM

    Aonde vai parar este pais, abraço Lisette.

    ResponderExcluir
  23. Celi Estrada3:26 PM


    OIIIIIIIIIIIII Bianca levada...

    Viveu como quis...
    Celi

    ResponderExcluir
  24. Gina Soares3:48 PM

    De Bianca o mundo está cheio, so mudando de nome e endereço… rss
    Excelente…
    Abs

    ResponderExcluir
  25. Vida compacta em cada fase da lua. É o universo dando o tom. E a vida, irônica, deixando tudo muito triste. Mesmo um texto tão belo.
    Grande abraço, Marcelo

    ResponderExcluir
  26. Mara Narciso12:39 AM

    Tétrico, e trágico. Acabou me impressionando. Já tinha dado meio-dia e o seu texto ainda não havia sido postado, Marcelo. Preocupei-me. Que bom que tenha atrasado, porém não faltado. Mudou o estilo sem perder o tom. Do tradicionalmente engraçado partiu para o drama. Desde o começo, já parecia haver algo errado. Ser gerado num Dodge não foi um bom começo, e estuprar a mãe não foi um bom fim. Meandros da vida.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…