Pular para o conteúdo principal

DORIVAL NÃO ERA ASSIM



Imagem: wikimedia commons




- Estou lhe dizendo e tenho como provar. Fui o personal trainer do Dorival Caymmi de 1976 até o dia do desencarne. Ele fazia a vida toda o marketing da preguiça baiana, essa é que é a verdade. Ninguém chegaria aos 94 se entupindo de vatapá, espraiado na rede e só saindo dela para ficar se lamentando de saudade da Bahia.

- Mas nenhum baiano fez isso tão bem quanto ele.

- Lógico. Quem sou eu pra questionar? Mas se tinha tanta saudade assim da terra dele, porque não voltava logo de uma vez pra lá? Podia morar onde bem entendesse, o homem era mito, monstro sagrado. Ele não queria era sair do Rio de Janeiro, da academia de ginástica particular que tinha em casa, das doses cavalares de Mega Mass.

- Você é um caluniador, está chutando cachorro morto. Cometa suas infâmias com quem é vivo e pode se defender. O que você quer é difamar o bom nome do ícone da letargia soteropolitana. A malemolência malandra do brasileiro deve muito ao sábio sedentarismo de Dorival.

- Pois eu lhe digo que o homem puxava ferro como ninguém, meu amigo, das quatro às sete e meia da manhã, inclusive aos domingos. E depois dos aparelhos de musculação vinham as sessões infindáveis de abdominais e bicicleta ergométrica na carga máxima. Aí quando chegava a imprensa ele escondia tudo, me dispensava mais cedo e vinha com aquela conversa que não fazia esforço pra não gastar o corpo, que esse era o segredo da longevidade, a baboseira toda que você já conhece e que a mídia só foi ajudando a espalhar. Baiano esperto, espertíssimo. Aquele andar moroso era cansaço físico. Era fadiga muscular, ligamento estirado e outros transtornos de quem pega pesado demais na malhação. E o Brasil inteiro pensando que o homem ficava ensaiando três dias antes de se levantar pra fazer xixi...

- Mas e a barriga? Quem faz tanto exercício assim fica lisinho de abdômen.

- Já viu alguma foto dele de barriga de fora?

- Não.

- Pois então. O que parecia ser barriga debaixo da camisa era enchimento, e enchimento de chumbo - o que ajudava ainda mais a manter a forma enquanto ele ia pras gravações, programas de auditório e coletivas de imprensa. Uma vez, quase que um paparazzo deu um flagra. A cortina da sala tinha ficado um pouco aberta e ele estava em pleno trabalho de tríceps, com a toalha em volta do pescoço e mamando isotônico de canudinho. Foi depois disso que eu disse a ele pra trocar o squeeze por um coco verde de plástico com revestimento térmico.

- Sei, sei. Você quer é ganhar holofote e dinheiro com essa história. Aposto que já tem um livro pronto, coisa de jornalista decadente e endividado que aparece do nada com biografia caluniosa não autorizada, feita pra criar polêmica e arrumar encrenca judicial com a família do morto.

- Olha, esse desaforo eu vou fingir que não escutei, tá certo? Outra falácia foi o que alegaram como sendo a causa mortis do Dorival: um câncer renal. Faz-me rir, se soubessem o quanto eu alertei o Caymmi pra pegar leve... mas ele era teimoso e dizia que ia fazer só mais um pouquinho de exercício. E aí era mais uma série de 100 flexões, no outro dia mais 200, depois 500 a mais do que o recomendado pra idade dele. Não demorou muito para o dia fatal. Ele tinha terminado o step e foi direto pro halteres, começando com 150 quilos. Fez 22 levantamentos consecutivos, depois 40 minutos de esteira a 25 km por hora. Quando ia sair para se abastecer de anabolizante, a máquina finalmente entrou em pane irreversível e o maior atleta baiano de todos os tempos foi encontrar Mãe Menininha.

- Sei... aquela que todo ano vencia a maratona de Nova York, né?



© Direitos Reservados

Comentários

  1. Marcelo!
    Com toda certeza, "Dona Canô" foi a personal stylist de "Caymmi"... pois, necessitava de um físico em ordem para navegar: ..."Minha jangada vai sair pro mar/ Vou trabalhar, meu bem querer/ Se Deus quiser quando eu voltar do mar/ Um peixe bom eu vou trazer/ Meus companheiros também vão voltar/ E a Deus do céu vamos agradecer"...
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  2. Marcelo9:26 AM

    Dorival Caymmi o atleta: uma história real.

    ResponderExcluir
  3. Gina Soares10:42 AM

    Um mito… Uma historia!!!

    ResponderExcluir
  4. Tá doido! Vai criar "invenções" assim lá na Bahia!
    Como dizemos os araçatubenses: "Voti"

    ResponderExcluir
  5. Clauduarte Sá9:42 PM

    Excelente conto meu amigo. Esse treinador era bom mas o baiano pegava pesado mesmo...
    Um grande abraco, sucesso,
    ClauduArte Sa

    ResponderExcluir
  6. Claudete Amaral Bueno9:44 PM

    Oi!

    Vc n/ existe!!!!! E se a família do baiano resolve reagir? Daí....seu neto se vira, né? rssssssssss
    Parabéns! Um abraço.....
    Claudete

    ResponderExcluir
  7. Clotilde Fascioni9:45 PM

    Sim, e por que não? Abraços Marcelo.

    ResponderExcluir
  8. Miriam Sales9:47 PM

    Pra começar,esperto ele era,pois,baiano burro nasce morto e lerdo,desencarna logo.Ele não escolheu o Rio pra morar,quem faz isso é baiano desnaturado,que corre atrás da fama que o Rio e S.Paulo parecem monopolizar.Ele escolheu a mulher,a Stella,que,carioca não queria viver na Bahia.’cê sabe,carioca é gente esquisita,cheia de excentricidades…
    Agora,Caymmi na malhação é uma* mal ação deste personal,provavelmente bicha e frustrado. Caymmi gostava mesmo de levantar uma boa cachacinha de cabaço,feita em Santo Amaro,o baiano,não, o paulista.
    E,ser o bambambam da canção,é claro tá no gem do baiano,que,aliás,não nasce,estréia. rsss
    Iá explicado,meu rei?
    bjks
    *Desculpe o trocadilho infame.

    ResponderExcluir
  9. Jorge Cortás SAder Filho9:48 PM

    Ouvi de fonte segura que Caymmi praticou quando moço – aos 70 anos -, natação na Lagoa do Abaeté, aquela “arrodeada de areia branca”. Quatro mil metros, diariamente. Mas este pessoal fala muito, Marcelo já denunciou isto.
    Abração.
    Jorge

    ResponderExcluir
  10. Atormentos Singulares9:53 PM

    hahahaha... Sei como é!
    Quando eu digo que vou todo dia voando para o trabalho, ninguém acredita.
    rsrs

    ResponderExcluir
  11. Marcelo você está cada vez melhor nas invencionices! Até acredito que ele não tinha tanta saudade da Bahia assim, mas a verdade é que todo baiano, assim como eu, sente saudade até do cheiro do dendê que circula em toda baiana de acarajé que se preze. Dá vontade de voltar correndo, mas correr cansa... risos... beijo, querido!

    ResponderExcluir
  12. Leonardo Lobos Lagos12:48 PM

    Saludos desde Chile cara,


    Les comparto este audiovisual que realizamos en parceria con Jiddu Saldanha

    http://youtu.be/tzohxqwbIig

    ResponderExcluir
  13. Alessandra Leles Rocha12:49 PM

    Oi, Marcelo!!!
    SENSACIONAL!!! O velho dilema entre fazer ou não exercício e se isso tem alguma conexão com a longevidade humana. No fim, nada de respostas contundentes e um mar de muita especulação e ironia.
    Excelente fim de semana!!!
    Bjo. grande, Alê

    ResponderExcluir
  14. José Carlos Carneiro12:51 PM

    Finalmente é colocada a limpo e na pessoa que tão bem a representou, a tão decantada indolência, preguiça e outros sinônimos do modo de levar a vida de certos irmãos que não devem saber nem têm interesse em descobrir o que é a pressa. Como é decepcionante descobrir que um dos ídolos da nossa música e que fez do mar uma musa maior do que seria a Marta Rocha, não passava, na vida real, de um embusteiro, um embrulhão. Ainda bem que já foi dito que não se deve botar fé na primeira versão de uma história. E de uma biografia também.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  15. Ah pobre Dorival... Então essa é a verdade... Eu já desconfiava porque algumas vezes o confundi com aquele cara do telecath que usava uma maiozão vermelho... Mas que jogada de marketing, heim? Fez o bom baiano o tempo todo...
    Hahahaha, ótimo texto e olha, se interessar a alguém, tenho guardadas comigo as medalhas de Mãe Menininha. Das Olimpíadas que ela ganhou. Recebi como herança, tenho um parentesco de 17º grau com um sobrinho dela que ia pra sampa , mas se cansou e ficou por minhas terras... hahahaha.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  16. Muitos odeiam...
    Abraço Lisette.

    ResponderExcluir
  17. Ana Christina Victorelli3:39 PM

    Ahahahahahah, so faltava ... muito bom !!!! Bjos e uma otima semana !!!


    ResponderExcluir
  18. Super bacana !!!!!!!!!o enredo,a gozaçào e o tom de verdade verdadeira .Ótimo !
    Genial Marcelo *

    ResponderExcluir
  19. Eta baiano porreta esse Caymmi! Quer dizer que escondeu o jogo o tempo todo? Segredo de artista, segredo de mestre! Só você mesmo pra desvendar e revelar o mapa da mina!!!
    Adorei!
    Beijos

    ResponderExcluir
  20. Antonio Fonseca5:12 PM

    Será que Caymmi foi pro céu? Lá tem charutos, Whisk, cachaça e inspiração para compor?
    Respondam-me. Quero ir para onde tem tudo isso.

    ResponderExcluir
  21. Martha Pezzini5:13 PM

    Como gostei de saber do lado atlético do Caymi! Rs
    Só mesmo você, Marcelo!
    E salve o Caymi, atleta da poesia e da canção!

    ResponderExcluir
  22. Marco Antonio Rossi10:59 PM

    não sabia que o Dorival era mais rodado em maratona que disco de 78 rotações.........
    Valeu

    ResponderExcluir
  23. Mara Narciso11:01 PM

    Não deixa de ser uma versão hilariante sobre o episódio. É preciso desmentir e desmistificar essa história de que baiano é preguiçoso. Corre há dias na internet a foto dos sapatos na fila e os baianos sentados. Não achei graça nela. Apenas cristaliza a mentira. A sua visão é bem mais interessante, Marcelo.

    ResponderExcluir
  24. Zezinha Lins11:28 PM

    Bem que eu desconfiava que exercício demais mata rsrs. Por isso fico aqui quietinha, me economizando, e acho que estou bem até demais rsrs. Ri muito aqui. Beijo, Marcelo!!!

    ResponderExcluir
  25. Marcelo, engraçado como essa questão está arraigada na cultura local. Tive um amigo de Montes Claros, norte de Minas, quase Bahia, seu apelido era "baiano" pelo sotaque característico, dizia que praticar ginástica era "judiar do corpo". Sem dúvida, nosso gênio Caymmi não pensava assim...
    Gostei "pra burro"!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…