Pular para o conteúdo principal

IRA DE ZEBEDEU








É claro que estou no céu, junto dos meus dois célebres filhos: João e Tiago, ambos apóstolos de Jesus Cristo. Moro no paraíso mas minha autoestima há mais de 2000 anos vive nos quintos dos infernos.

Que não existam muitas pessoas que se chamem Judas, Herodes ou Pôncio, vá lá, justifica-se. Mas a que se deve a ausência de Zebedeus nas certidões de nascimento pelo mundo afora? Meu nome é tão bíblico quanto os nomes de meus filhos, embora meus dois rebentos apareçam mais vezes que eu nas Sagradas Escrituras.

A propósito, pai de santo (não confundir com a autoridade da Umbanda), e no meu caso de dois santos, deveria com toda justiça ser tratado como santo também. No entanto, milhões pessoas se chamam João e outras milhões são batizadas como Tiago. Mas por acaso alguém conhece outro cristão, além de mim, que se chame Zebedeu?

Uma explicação para essa repulsa talvez esteja no fato de que Zebedeu é quase um anagrama de Belzebu. Sim, é uma hipótese. Assim como é provável que muitos desistam de criar xarás deste que vos fala porque a criança seria a última a constar nas listas organizadas por ordem alfabética - ficando à frente apenas de improváveis Zildas, Zoroastros e Zulmiras. Outros podem alegar que o nome simplesmente é feio que dói, mesmo que este seja um critério subjetivo.

É bom lembrar ainda o desserviço que prestam alguns dicionários, ao definirem "Zebedeu" como burro, palerma ou abestalhado, disseminando mais e mais a maldição zebedêutica. Oh, Senhor dos Aflitos, o que será que fiz de errado para merecer tanta e tão injusta humilhação? Mais triste ainda é ver aqueles que recebem meu nome como apelido infame, muitas vezes horrivelmente grafado como "Zé Bedeu". Também já me impuseram a vergonha de associar minha sagrada pessoa a grupos de forró, blocos carnavalescos e duplas sertanejas de mal afamado repertório, o que é ainda mais grave e ultrajante para quem sempre andou na linha enquanto esteve na Terra.

Fosse meu nome mais bonito, certamente a Igreja há séculos já teria me canonizado. Mas não, fui sendo posto de lado e vendo, com indignação, gente bem menos santa sendo elevada à santosfera sem maiores embaraços teológicos ou burocráticos.

Chega, é hora de reabilitar minha moral na praça, custe o que custar! Para isso, deixo desde já bem clara a minha intenção de abençoar pessoalmente e proteger cada passo da vida do sujeito que batizarem com meu nome. Será coberto de bem-aventuranças e terá minha intercessão exclusiva em favor dele junto à alta corte celeste. Isso eu juro, ou não me chamo Zebedeu.


© Direitos Reservados

Comentários

  1. Para este nome virar moda só se for o nome de um personagem de novela, do contrario fica dificil. Otimo texto meu amigo Marcelo, como sempre. Abraços carnavalescos.♥♫♪♥

    ResponderExcluir
  2. Clauduarte Sá9:54 AM

    Meu amigo Marcelo, o seu trabalho e Fantastico! Confesso que nao tenho seguido-o mais de perto, devido a correria. Mas cada vez que leio percebo que o seu trabalho esta cada vez melhor.
    Parabens! Continue! Sucesso,
    ClauduArte Sa

    ResponderExcluir
  3. Claudete Amaral Bueno12:54 PM

    Oi, Marcelo

    Justificadíssima a ira de Zebedeu......
    De fato, n/ conheço ninguém c/ esse nome!
    Bom final de semana.....
    Claudete

    ResponderExcluir
  4. Miriam Sales12:55 PM

    Bem,com todas as benesses prometidas ,eu jamais colocaria o nome de Zebedu ,num filho.Forçada,prefiriria ZeBebelo,personagem dos Grandes Sertões.
    Mas,como tudo é Zé e tem muito na Paraíba…

    ResponderExcluir
  5. Marco Bastos12:56 PM

    Genial, Marcelo. Ainda bem que há quem se preocupe com Zebebeu. rs.

    ResponderExcluir
  6. Invoquemos Zebedeu... pois deve ser um "santo meio desocupado e esquecido" que certamente ouvirá as lamuriações de mães, com nomes não menos 'sui generis', tipo: Escolástica ou Pureza... Amém!
    [ ] Célia.

    ResponderExcluir
  7. Elizete Lee2:44 PM

    Muito interessante esse negócio de nome. Acho que o som é que atrapalha: Zé misturado com bebeu.
    Quem acreditaria num médico chamado Dr. Zebedeu do Espírito Santo… (rsrsrs)

    ResponderExcluir
  8. Jorge Sader9:50 PM

    Devagar, devagarinho, o cronista mostra que é discípulo de Stanislaw Ponte Preta. Até “Tia Zulmira” entrou no pagode. Carnaval dá nisso…
    Abraço, Marcelo.
    Jorge

    ResponderExcluir
  9. Bernadete Valadares9:51 PM

    Olá, Marcelo! Quanto tempo, né!?…
    Não deixei de ler seus textos, mesmo pq não tem como fazê-lo.E que, às vezes, não verbalizo meus comentários, pelo que, agora me penitencio.
    Mas Zebedeu mexeu comigo; foi um misto de dó do sujeito, misturado com a percepção/ apreciação do humor do cronista, que resultou num riso gostoso e provocou reflexão acerca de outros nomes ( tão excêntricos como Zebedeu!)
    Esse pretexto vai render muita prosa nesse sábado de Carnaval!…E que Deus abrande a ir de Zebedeu!
    Amém!….

    ResponderExcluir
  10. Alessandra Leles Rocha9:13 AM

    Oi, Marcelo!!!
    Pra variar: ADOREI!!!
    Um excelente domingo de carnaval!!!
    Abraços,
    Alê

    ResponderExcluir
  11. José Carlos Carneiro9:15 AM

    Que pais mais despudorados para darem a um filho nome sujeito a tão dúbias interpretações? Ainda bem que nomes são apenas rótulos. Tive um colega de trabalho, excelente profissional e baiano, cujo nome era Astrogildo. Outro, mineiro de Inhumirim, de nome Filogônio.
    E eu, durante algum tempo na chefia de uma saudosa equipe de trabalho, recebi o honroso apelido de "Zé Carneiro, vampiro brasileiro" e não sei por que cargas d'água por associação com o famoso personagem do Chico Anísio - Bento Carneiro. Mas isso são reminiscências e o que importa é sua hipotética sina de ter de carregar nos ombros o fardo que o dito nome impõe.
    Boa semana.

    ResponderExcluir
  12. Martha Pezzini2:50 PM

    Olá Marcelo,

    Acabei de ler seu texto "A Ira de Zebedeu". Achei o máximo!
    Queria pedir permissão para postar em meu blog: Sobre Livros e Autores/marthatavaresspf.blogspot.com.

    Certamente vou ler outros textos seus.
    Aguardo retorno.

    Martha Tavares Pezzini

    ResponderExcluir
  13. Núbia2:52 PM

    Marcelo, claro que não vou comparar o meu nome ao de Zebedeu, motivo mais do que simples, é feio mesmo. Custei a acostumar-me com o meu nome, mas depois de ouvi-lo no tom certo, passei a gostar. Criança então, abusa amigo. Enfim, dar a Zebedeu o que é de Zebedeu! É um direito inalienável.
    Mais um texto pra lá de divertido e inteligente.

    ResponderExcluir
  14. Zebedeu, o meu nome também não é muito comum e adoro que existam poucas por aí. Jusciney é um nome bem assexuado e já fui chamada de SR algumas vezes... risos... fica calmo, porque BELZEBU está longe de ser santificado e jamais estarão reunidos num mesmo espaço! Amém!

    ResponderExcluir
  15. Olá meu querido amigo!
    Olha, conversando aqui com os sábios do outro plano, eles me informaram que na verdade, todo este esquecimento é para mascarar o fato que o santo Zé bebeu e difamou a família. Mas tudo isso já foi esquecido e agora aparece como uma grande injustiça.
    hahahaha...

    Mas sabe que este seu texto é muito correto mesmo... Durante a cesárea do meu primeiro filho, os meus três médicos e amigos me perguntaram que nome daria ao bb. O BB se chamará Luiz Eduardo. Bem, um deles era Eduardo, o assistente Fernando Luís e o anestesista Benedito... Logo, este último se jogou numa cadeira e começou a reclamar: por que ninguém dá meu nome ao filho? Eu quase morri de rir, sorte que estava anestesiada. Foi uma grande coincidência, mas ele não engoliu esta!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  16. Zebedeu na Latinha da Coca Zero: é o grito de protesto nas redes sociais.

    ResponderExcluir
  17. Zezinha Lins2:25 PM

    Mas que o nome é feio… Ah, isso é… Mas que rendeu um texto muito divertido, ah isso rendeu. E como estamos em pleno carnaval, o que mais tem por ai em qualquer lugar é um Zé que bebeu.
    Ah que imaginação abençoada a sua e olha que nem se chama Zebedeu!
    Um abraço, meu querido Marcelo!!!

    ResponderExcluir
  18. Eu acho que o motivo é mesmo subjetivo, dói ser chamado de Zebedeu! Nem com essa promessa de bem-aventuranças vai sair um Zebedeu de nenhum catório. Meu abraço.

    ResponderExcluir
  19. André Albuquerque2:27 PM

    Ser coadjuvante da história sagrada,despontar para o anonimato desde há dois mil anos ; o próximo sumo pontífice poderia até reparar a injustiça...é mesmo dose pra leão, rs,rs.Excelente texto, no seu humor ágil e competente .

    ResponderExcluir
  20. Ah, para vai! Coitado, nem em cachorro eu vi a repetição desse nome. Fala sério, o pobre já nasceu excomungado! Adorei isso!

    ResponderExcluir
  21. Taís Luso1:21 PM

    rsrsrs, procede, sim! Muito bom.
    Li, também, o último, do Zebedeu...rsr
    Abraços!

    ResponderExcluir
  22. Doroni Hilgenberg2:34 PM

    heheheh!!! pobre Zebedeu,
    Ainda vai chegar o dia em que pessoas indignadas com o seu nome ( já que naõ podem se indignar com a mãe) vaõ correr pro cartorio e subornar escrivões para mudar o nome, pois o que existe de nome feio, excêntrico e sem nexo, não é pouco.
    bjs

    ResponderExcluir
  23. Mara Narciso2:36 PM

    Por surpresa, na minha família, o marido da minha tia tinha o hábito de volta e meia falar em Zebedeu, mas sempre de forma depreciativa. Tem razão em reclamar.

    ResponderExcluir
  24. Ah, Marcelo, quanta leveza de humor cativante! As palavras vão se jogando sem medo e vão fazendo a festa e promovendo até abaixo-assinados. Claro, agora já existe uma lista passando na net reivindicando espaço mais digno para o Zebedeu! Eu já assinei, veja lá!!!
    Beijos

    ResponderExcluir
  25. Marco Antonio Rossi10:58 PM

    então, viva zebedeu!!!!!!
    favor enviar a brasilia um decreto para feriado nacional no dia de zebedeu!
    Abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  26. Gina Soares11:56 PM

    Hahahaha…esse negocio de nome e complicado. Tenho uma irma chamada Alegria ( homenagem a minha avo paterna) – somos judias, dai vindo o nome.
    Nao houve ano de estudo, em que ela nao fosse a primeira da lista de frequencia, e a chamada de seu nome, nao gerasse uma gargalhada na sala.
    Hojeo nome e mais comum, ja nao causa tanta atencao, mesmo assim tem sempre um comentario ou pergunta sobre se ela e alegre e feliz… Rss
    Imagine o citado nome.. Rss
    Bjss

    ResponderExcluir
  27. Antonio Fonseca11:56 PM

    Ah, meu caro Marcelo! Ai da sua crônica se, nos próximos dias, não surgir o novo papa com o nome de ZEBEDEU – I.
    Quem sabe não concretizará minha premonição?
    Só para registrar: já usei este nome como apelido em salas de bate papos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…