Pular para o conteúdo principal

FRANCISCO



Imagem: mercadolivre.com.br


O que o Chico Buarque ouve? O que o Chico Buarque lê? O que e quem o Chico Buarque come? De quanto seria o lance inicial de algumas caspas do homem, colhidas por um garçom na mesa de um café de Saint Germain em um obscuro outono dos anos 90? Para quem seria o seu primeiro pensamento, ao acordar da soneca vespertina após o risoto com tinta de lula regado a vinho? Já teria ele falado com alguma atendente de telemarketing, que esqueceria os gerúndios, gaguejaria e se perderia em seu script ao se dar conta de quem estava do outro lado da linha? Seria PC ou Mac o ambiente onde salvara um primeiro esboço da letra prometida para o Guinga musicar, e fadada à eterna inconclusão? Saberia da existência de uma certa Carolina, de Itaquaquecetuba, que passados tantos anos ainda guarda com ela toda a dor desse mundo? Cerdas duras, médias ou macias, e quantas vezes ao dia? Agora, um pouco de escatologia: seria Chico um praticante da automucofagia? Rimou, mas é de rimas que se faz um Chico. Ricas, sem pé quebrado. Fala com o João Gilberto? Faz exame de próstata, dá comida ao cachorro, mete-se com a vida alheia, se atreveria a desviar da caminhada no Leblon para um suco de fruta do conde em Paquetá? O que haverá em seu lixo? Deixou pronto seu epitáfio? Já tem uma opinião formada sobre o xará, Papa Francisco?


© Direitos Reservados

Comentários

  1. Opinião formada sobre o Chico, em que pese sua excelente qualidade como escrevinhador, pesa sobre ele a pecha de ser um farsão. Já com o João Gilberto não quero prosa. Chato, faz uma musiquinha de merda ( outro dia falei isso numa roda se supostos intelectuais e quase fui linchado) e deve ser um daqueles que não têm coragem de sair do armário. Uma vez, no Rio de Janeiro, quase o mandei pra puta que o pariu. Ja o Argentino da moda...sei lá. Se torcer pro Boca, estamos todos fudidos. Terão que escalar so árbitros ateus.

    ResponderExcluir
  2. Pois é.
    Não gosto desta bajulação toda que a mídia faz em torno dos nossos "astros e estrelas".
    Mas gosto do Chico e gosto de saber do que ele gosta...
    Gostei de ler.

    ResponderExcluir
  3. Dois Franciscos cheios de manias prosaicas iguais às nossas, mas acobertadas pela reverência que se faz a eles. Certo? Errado? Isso eu já não sei. O que sei é que Chico Buarque já me fez sonhar acordada e assistir a seus shows seguidamente por temporadas inteiras. Como eu já quis me chamar Carolina! Já do outro Francisco não sei quase nada. Mas espero dele muito, muito. E minha intuição me diz que eu posso ter esperanças!

    ResponderExcluir
  4. Com os "2 Filhos de Francisco"... muitos "Chicos, Chiquinhos e Chiquititas" aparecerão... com toda certeza! Ah!"Los Hermanos" uma banda brasileira... E, quantos "Chicos" ilustres: o de Hollanda, o Xavier, o Science, o Chagas, o Bento, o Anysio, o Mendes... e tantos outros que se o "Papa Francisco" papar as qualidades deles todos, estaremos muito bem servidos à mesa do divino!
    Abraços, Célia.

    ResponderExcluir
  5. Chico bonito é o mico, macaquinho que pulava o muro da casa da minha vó para comer o mamão que o meu avô reservava pra ele.
    Do mais, Chico daqui, Chico de lá, ainda sou mais o "Xavier" que me pôs de pé muitas vezes e me ensinou a respeitar a todos, inclusive os Chicos generalizados.

    ResponderExcluir
  6. Alessandra Leles Rocha3:12 PM

    Oi, Marcelo!
    Adorei!!!rsrsrs
    Como sempre indo fundo na alma humana, naqueles detalhes quase invisíveis; mas, ao mesmo tempo, tão demarcadores da nossa essência. Seres humanos! Tão curiosos! Sempre a espreita do que acontece com as personalidades em destaque!
    Tenha uma excelente semana!!!
    Bjos., Alê

    ResponderExcluir
  7. Salvio Cucolo3:12 PM

    muito bom texto

    ResponderExcluir
  8. Marco Antonio Rossi3:13 PM

    BOM DIA, AMIGO
    UM OTIMO FINAL DE SEMANA
    FALTOU COMENTAR QUE ELE FOI VER A BANDA PASSAR.......
    ABRAÇÃO
    ROSSI

    ResponderExcluir
  9. Claudete Amaral Bueno3:14 PM

    No momento, acho que o interesse maior é no outro Chico.........
    Bom FDS
    Claudete

    ResponderExcluir
  10. Maurette Brandt3:15 PM

    Genial, Marcelo.
    O nosso francisco, nem sempre tão franciscano, contraditório, que desenha rostos com rabiscos picassianos, que é violento e sublime, que nos entende a alma sem gênero, é tudo isso que você diz e muito mais. Sem epitáfios, sem respostas e acariciando as dúvidas e indagações, ele vive em nossas veias pela linfa das canções, por esse chão pra dormir e por esse pão pra comer, pelo cálice que ajudou a afastar de nós e pela poesia que espalha no chão de estrelas por onde caminha.
    francisco buarque, homem, músico, brasileiro do mundo inteiro, é também pastor que alimenta a vida dentro de nós há tantas gerações, benditas ou não. Confesso que, nas águas do seu texto, também fiquei curiosa em saber o que faria ele diante do cálice do seu recém-celebrizado xará.
    Bjs
    Maurette

    ResponderExcluir
  11. José Carlos Carneiro3:16 PM

    Será uma parada dura o embate entre um dos mais laureados poeta-cantor do país com o atual sucessor do Pedrão. Acedito mais que cada qual cuidará do seu canto, pois me parece que pouco ou nada apitam o mesmo apito. Mas uma arenga entre os dois até que seria interessante.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  12. Gina Soares3:18 PM

    E um Papa sim…. Da música, da arte, da cultura, o que nao vemos mais hoje. Merece reverências!!!!!
    Tenho uma admiracao especial pelo Chico..
    Adorei que tenha lembrado dele… Nos induziu a achar que o texto era sobre o novo Papa… Rs

    ResponderExcluir
  13. Chico daqui, Chico de lá, Chico Buarque, Chico César, o mundo tá cheio de Chicos. E agora temos mais o Chico Papa. A propósito, devemos tratá-lo como Chico Papa, ou Papa Chico? Tenho cá pra mim que Papa Chico não pega bem. Já pensou quando um cara qualquer disser que sua mulher está de chico, e outro disser: chama o Papa Chico, cara? Meu abraço.

    ResponderExcluir
  14. Jorge Sader Filho3:19 PM

    Lembraria com riqueza de detalhes o último porre que tomou com o Poetinha – mania de colocar no diminutivo quem viveu no aumentativo. E muitos fatos mais, todos eles de grande interesse. Aparecer no blog do Marcelo, por exemplo.
    Meu abraço, Chico, quero dizer, Marcelo. O vinho de ontem foi meio exagerado, mas ‘habemos Papa’.
    Gostei mesmo!
    Jorge

    ResponderExcluir
  15. Francisco Coimbra3:20 PM

    Começando preparadíssimo para gerundiando ir ler sobre “Francisco”, fui lendo de Chico pensando em Francisco, nas minudências duma vida e suas circunstâncias, mergulhado mergulhando em escatológicas considerações… Até à lógica final, perfeitamente certa, concordando com a inicial, e assim foi. Abraço.

    ResponderExcluir
  16. Clotilde Fascioni3:21 PM

    Parece que Francisco é um nome sagrado onde só reverencia “gente boa”. Adorei. Abraços meu amigo Marcelo♥.

    ResponderExcluir
  17. Maria Inês Prado3:21 PM

    Data vênia, respondi ao seu e-mail de divulgação do “seu” Chico, anexando o “meu”…, publicado hoje, 16/3, no Edição Extra, e tb. no Face…
    Creio que deva sair da preguiça e me tornar blogueira, o que acha?
    Vc. e sua sutileza refinadíssima.
    Abraço,
    M. Inês

    ResponderExcluir
  18. Lisette Feijó3:22 PM

    Espero que com este nome se consiga uma igreja mais atual, abraço Lisette.

    ResponderExcluir
  19. Lídia Maria de Melo3:23 PM

    Esse Francisco eu venero há muitos e muitos anos. Na verdade, desde que eu era criança, nos tempos dos festivais, e copiava as letras das músicas dele em uma cadernetinha que guardava na mala da escola. “Roda mundo, roda-gigante/ rodamoinho, roda pião/ o tempo rodou num instante/ nas voltas do meu coração”.

    ResponderExcluir
  20. Núbia3:23 PM

    Embora eu não seja fá incondicional do Chico, não me seduzo pelos seus belos olhos e menos ainda pelo seu sorriso devastador, entendo-o como um gênio da Literatura na forma de música. Ele é o CARA!
    Beijos Marcelo.

    ResponderExcluir
  21. Paulo Tácito3:24 PM

    Pra quem sabe ler,um pingo e um risco é Francisco…
    E p´ra quem não sabe, pau que dá em chico, tb dá em Francisco!
    Abraços
    Tácito

    ResponderExcluir
  22. Onde está Chico Buarque? Em alguma janela debruçado, vendo a banda passar. Afastando de si o 'cale-se' da vida. Eu teria tanto e tanto para falar aqui que cegaria seus ouvidos com minha escrita muda. Chico, o de olhos encantadores, de poemas e letras imaculados, é um pouco meu, um pouco de mim e de minha juventude toda. Já este outro, não sei qual sua opinião sobre ele. É Francesco, e tem carinha boa, é só o que eu acho, por enquanto.
    Bem oportuno seu tema de hoje. E o que você acha do novo Francisco Francesco?
    Beijos, meu amigo, ótimo trabalho, como sempre!

    ResponderExcluir
  23. Celi Estrada5:12 PM


    Bom dia!
    Juro que voce me pegou!... Pensei que o texto fosse sobre o PAPA... AH! AH! AH!
    Nao que eu nao aprecie e muito o Chico Buarque.
    Obrigada.
    Abracos,
    Celi
    Desculpe, estou se acentuacao e cedilha!

    ResponderExcluir
  24. Jusciney Carvalho5:14 PM

    Quando começo a imaginar doidices sobre Chicos e Franciscos, me dou conta de que gosto mesmo é de viajar nas suas, Marcelo. Beijo, querido!

    ResponderExcluir
  25. Cidadão Araçatuba5:15 PM

    Sobre o primeiro Francisco é uma unanimidade. Não gosto muito do seu estilo musical, mas vou seguindo o fluxo ... "A voz do povo é a voz de?".
    Quanto ao segundo Francisco (hermanito), creio que nada mudará! A eleição dele diz mais sobre a perda sucessiva de fiéis na América do Sul do que qualquer outra coisa. O vaticano precisa aumentar a "massa de manobra".... oops! os fiéis. Tenha certeza nada mudará! Abraço!

    ResponderExcluir
  26. Doroni Hilgenberg5:17 PM

    eheheh!!! Boas reflexões... quando a pessoa é famosa, qualquer detalhe é importante tanto para os colecionadores quanto aos fofoqueiros de plantão. O Chico papa ou o papa chico esta na mira, ja que o respeito esta em falta e muitos clericos nem se dão ao respeito.

    ResponderExcluir
  27. Sandra Nogueira5:18 PM

    Marcelo, homenagear o nosso Chico, lindo Chico, é um presente neste sábado. Aliás, ler tudo o que de você é sempre um presente. Quanto ao outro Francisco: sabe-se lá....
    abração

    ResponderExcluir
  28. André Albuquerque5:28 PM

    Excelente retrato,em magistral acabamento.Forte abraço.

    ResponderExcluir
  29. Clauduarte Sá1:23 AM

    EXCELENTE! PARABENS MEU AMIGO.
    Um grande abraco, sucesso
    ClauduArte Sa

    ResponderExcluir
  30. Adorando aqui, ja seguindo deixo
    Bjins
    Catiaho Reflexo d'Alma

    ResponderExcluir
  31. Marco Bastos4:56 PM

    Chico choca chuca, mas que o bicho é bom, é.
    O pipo está no alvo e vai ter trabalho para diferenciar igreja de aparelho.

    ResponderExcluir
  32. Pablo Flora12:22 AM

    Adorei o texto, Marcelo. Bem elaborado e humorado. Salve o velho Chico! rs. Abraço!

    ResponderExcluir
  33. Mara Narciso12:25 AM

    Sou louca por Chico Buarque e posso assegurar-lhe que ele não faz nada disso. Um gênio imortal não tem caspa e nem cuspe. Adoro!

    ResponderExcluir
  34. O Chico, tão avesso a Caras e afins, deve provocar nos consumidores destas revistas as indagações sguassabicamente formuladas. Ou não? ou estes nem sabem quem é Chico?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…