Pular para o conteúdo principal

TREVO


Imagem: Google



- Bom, o que a gente já esperava foi confirmado hoje no comunicado que a prefeitura fez no jornal: nossas terras foram desapropriadas e vão nos pagar preço de banana. Uma merreca.
- Ai, ai, ai. Tá sacramentado mesmo, é? Bem, mas pelo menos vamos poder explorar algum negócio no entorno do novo trevo. Tá lá no edital de desapropriação. Temos a indenização e o direito de abrir comércio ou serviços nas imediações, como compensação pelo baixo preço que a prefeitura vai pagar.
- Sei... um negócio ao redor de um trevo rodoviário? O que é que pode ir pra frente num entroncamento de trânsito rápido? É área de passagem, o cara tá preocupado com o caminho que ele tem que pegar.
- Eu pensei em um empreendimento que tenha a ver de alguma maneira com o próprio trevo. Nem tanto com a função, mas com a forma e o significado dele.
 - Nossa... nebuloso esse seu raciocínio, heim?
- Imagina só, já tenho até o nome: "Trevo da Sorte". Uma moderna e vistosa lotérica. Quem trabalha ou mora nas vizinhanças do anel viário não precisará mais ir até a cidade fazer suas apostas. Além disso, as lotéricas também são postos de pagamento de contas. Conveniência pra população das vilas nas adjacências.
- Ah, agora entendi. É pra quem mora perto, não pra quem trafega pelo trevo. Pensando bem... podemos abrir quatro lotéricas, uma em cada alça do trevo - assim os moradores dos arredores têm que andar ainda menos pra fazer sua fezinha. Mas olha, indo por essa sua lógica, a gente também poderia abrir um viveiro de plantas pra vender trevo de quatro folhas. Aí então, um negócio puxa outro. O sujeito passa no viveiro, compra o seu trevinho e depois vai pra lotérica fazer seu jogo. Tudo amarrado. É o chamado Cross Marketing!
- Isso! Montamos uma verdadeira holding. E dando certo a estratégia levamos a experiência vencedora a outros trevos pelo Brasil afora, quem sabe até abrindo sistema de franquia...
- Espera aí, tenho uma ideia melhor. Melhor não, uma sacada que complementa essas duas que a gente já pensou. Uma casa super bem montada, discreta, com som ambiente maneiro e iluminação suave, uns cem metros antes do início da obra. A campanha publicitária já está pronta: "Keep calm e encare o trevo". Um grande salão, com umas quinze massagistas do jeito que o diabo gosta, pra relaxar a tensão de quem vai passar pelo entroncamento. Especialmente os caminhoneiros. Convenhamos, passar por um trevo requer atenção e reflexos bem alertas. É um momento crítico para o motorista, se ele ficar nervoso é um perigo.
- Aí forçou, heim. O que me diz de "Shopping Trevo Souvenir"? Uma espécie de parque temático do trevo. Canecas, camisetas, cinzeiros, adesivos, tudo personalizado com o desenho do entroncamento. E também aqueles chaveirinhos com a mensagem "Estive no trevo e lembrei de você". Até tatuagem, podemos ter um tatuador full-time. A gente pode também editar um belo book de umas quinhentas páginas, tipo livro de arte, com fotos bem produzidas dos principais trevos do Brasil e do mundo. O nosso em destaque, é lógico. Caramba, ideia é o que não falta...
- Tamo rico, véio.
- Tamo junto, mano.


© Direitos Reservados

Comentários

  1. José Carlos Carneiro11:06 AM

    Me atrevo em desejar aos empreendedores, de tamanha e sofisticada visaõ para negócios, que, mais que uma franquia, partam para uma multinacional com ramificações em todas as áreas de comércio e prestação de serviços. O único problema é que poderá faltar trevos. Mas poderão diversificar utilizando encruzilhadas interioranas, passagens em nível, cruzamentos urbanos e rodoviários, praças rotatórias, estações ferroviárias abandonadas e por aí vai.

    ResponderExcluir
  2. Bem me quer, mal me quer... Além disso, esse book vai ser um achado! Imagino as agências de viagem oferecendo diversos percursos da sorte: visitas guiadas pelos principais trevos do Brasil e do mundo! Quem é que diz que hoje não se fazem mais empreendedores como antigamente? Abração!

    ResponderExcluir
  3. Bem nisso tudo faltou a organização em vários idiomas... pois essas 'terrinhas brasilis' não serão as mesmas pós esse pool mercadológico e, será evidente a visão de multinacionais querendo uma fatia desse mercado! Pense nisso.
    Abraço com certa 'fezinha no trevo'...
    Célia.

    ResponderExcluir
  4. Maria José Oliveira Lins4:30 PM

    De uns tempos pra cá suas atualizações estão vindo para o spam, por isso nem sempre vejo.
    Mais uma vez parabéns, Marcelo. Abração!

    ResponderExcluir
  5. Claudete Amaral Bueno2:12 AM

    Oi, Marcelo:

    Além dos parabéns pelo texto da semana........PARABÉNS pelo dia de hoje,
    quando Deus lhe concedeu um ano mais de vida e saúde!
    Que vc continue escrevendo, sempre c/ essa cabeça maravilhosa que vc tem...
    que ela seja conservada e que a alegria seja sempre sua companheira e que
    esse bonito sorriso da s/ foto esteja sempre estampado no s/ rosto.
    Isso lhe desejo, de coração, com um gde abraço!
    Claudete

    ResponderExcluir
  6. Alessandra Leles Rocha2:13 AM

    Oi, Marcelo!!!
    Parabéns pela criatividade!!! mais um bom texto para nos fazer pensar!!!
    Tenha uma excelente semana!!!
    Bjos. Alê

    ResponderExcluir
  7. Estamos precisando de negócios locais do tipo por aqui na Baixada... quem sabe assim conseguimos diminuir o congestionamento dos caminhões na entrada do porto... (mas eu não sei não,,, será que não ia aumentar? rs) Bjos

    ResponderExcluir
  8. Nossa!!! Ideia realmente não falta. Se não falta na cabeça dos seus personagens, imagina na sua, Marcelo... Bem, não tive como conter um gargalhada na parte que diz "Estive no trevo e lembrei de você". Muito bom!!! O trevo deu "panos pras mangas"
    Abração, amigo!!!!

    ResponderExcluir
  9. Trevo da sorte...eu quero o endereço dessa lotérica!! Adorei, querido! Como sempre... beijão!

    ResponderExcluir
  10. Meu Deus do sky, este post é um achado! Eu vivia pensando no que fazer num certo trevo aqui perto de casa que nos aterroriza... A rodovia dá acesso a outra mais famosa e poderia ser um negócio de ocasião... Acho que vou roubar esta ideia estratégica... Talvez a casa de massagens me faça apanhar da 'sociedade das esposas do bem' , local. Ou quem sabe, eu seja banida pelas associações religiosas, mas, ao mesmo tempo, haveria um zilhão de homens que me idolatrariam... Gostei, em matéria de estratégia, você é demais! Rsrsrs. Bjs

    ResponderExcluir
  11. ô, menino!Tá abrasileirando o teu pensar, heim!? Faz shopping flutuante com área vip para fumantes. Aproveita faz um 'descedor' de helicóptero pros bacanas trazerem os filhos play-boys para praticarem racha no trevo. Aproveita e faz uma funerária também, aí sim vai rachar o bicho de ganhar dinheiro. kkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  12. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  13. Clauduarte Sá12:08 AM

    Muito bom, meu amigo, como sempre
    ClauduArte Sa

    ResponderExcluir
  14. Gina Soares12:09 AM

    Adorei as idéias… como fui lotérica, o negócio é excelente…. rssss

    ResponderExcluir
  15. Clotilde Fascioni12:09 AM

    Depois dessa só posso desejar boa sorte. Abrcs, Marcelo.

    ResponderExcluir
  16. Jorge Sader Filho12:10 AM

    Não entendi bem se este trevo é o comum, ou o de quatro folhas, de capital importância para grandes empreendimentos. Caso afirmativo, solicito minha participação no negócio.
    Dou referência altamente confiável, direta do Planalto.
    Abraço,
    Jorge

    ResponderExcluir
  17. Maria Inês Prado12:11 AM

    Marcelo, como sempre, sua ironia refinada e bem-humorada provoca os plantonistas notívagos – Trevo dá sorte ou da sorte? Porque trevo malfeito pode não dar sorte e sim um caos danado… Daí as lotéricas irão à falência.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  18. Marcelo, você tá coberto pela lei de direitos autorais? Se não estiver o desgovernador vai copiar suas ideias e tentar vender, ou talvez impor, aos índios da Aldeia Maracanã!
    Meu abraço.

    ResponderExcluir
  19. Núbia12:12 AM

    A princípio pensei naquele trevo bonitinho que eu catava no mato, envolvia no durex
    para “chamar” a sorte. Desapropriados, ferrados porém de uma esperança gigantesca, sonhos mirabolantes impregnados de uma dose extra de sarcasmo da
    melhor da qualidade. Dar os parabéns de novo? Ok! Parabéns Marcelo!
    Beijos

    ResponderExcluir
  20. Risomar Fasanaro12:12 AM

    Muito boa. Sera que a essa altura eles já estão ganhando dinheiro
    Aproveitei e li Francisco. Eu gostaria de saber as respostas de todas aquelas perguntas. Beijos

    ResponderExcluir
  21. José Adriano Neves12:41 AM

    Ah!!!! Muito bom isso hein velhinho!!!!! Nem precisa desejar boa sorte nesse seu empreendimento!!!


    abs

    Adriano

    ResponderExcluir
  22. Antonio Fonseca2:10 AM

    Marcelo, estou de pé aplaudindo o seu vernáculo, porém, sinto muito em desencorajar esse empreendimento. O custo será muito mais caro que o benefício. Alí só tem passantes. Desista enquanto há tempo.

    ResponderExcluir
  23. Mara Narciso7:21 AM

    Você tirou do bolso não um trevo de quatro folhas, mas uma penca de amuletos, sortes e ideias. Todas com bom potencial, mas o problema é a freguesia. Pode não parar ninguém. Ainda assim, boa sorte, com pé de coelho e ferradura.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…