Pular para o conteúdo principal

BETÃO IN CONCERT



wikimedia commons



- Quero 32 toalhas brancas e bem felpudas no camarim. Uma para cada sonata que compus. Pode me chamar de supersticioso, mas é isso. O Mozart pede mulheres e caixas de absinto, antes e depois dos concertos, e ninguém fala nada. Eu até que exijo muito pouco, só as toalhas e uma travessa de arenque com batatas. Nenhuma excentricidade.
- E o bis? Já escolheu o que vai ser?
- Vai depender de como eu estiver na hora, não vou resolver isso agora, de jeito nenhum.
- Mas Beethoven, a orquestra precisa saber para ensaiar. Como é que...
- Eles que se virem. Todo mundo não me chama de louco? Deixa eu fazer jus à fama. Pode ser a Pastoral, mas não dou certeza.
- Espera aí, uma sinfonia inteira como bis? O público vai cansar, são cinco movimentos.
- Quem quer bis de dois minutos que vá assistir à Madonna. Chega de bisar com a "Pour Elise" e fazer merchandising gratuito pra Ultragas. Aliás, maldita a hora em que vendi os direitos dessa peça. Nem eu aguento mais aquele caminhão.
- Tá, tudo bem. E quem abre o show?
- Liga pro celular do Schubert e vê se ele está disponível, se bem que até anteontem ele estava em estúdio mixando uma trilha de novela. Mas fala pra ele pegar leve, alguma coisinha pouco barulhenta. O concerto é meu, não dele. Nada de roubar a cena e me entregar o público destroçado.
- E a coletiva de logo mais, posso confirmar?
- Contanto que os benditos repórteres falem bem perto do microfone, pode. Tô de novo com aquele zumbido estranho no ouvido, preciso marcar um horário no otorrino pra ver o que é isso.
- Bom, mudando de assunto, estou aqui com o layout que a agência de promoções enviou, divulgando o concerto em Praga, no dia 12.
- Olha, que não me venham com aqueles trocadilhos infames que andaram criando ultimamente... "Beetho ven aí" ninguém merece!! Não sei onde estava com a cabeça quando aprovei aquela merda.
- É, mas veio gente pra caramba.
- Daqui pra frente quero espaços menores, shows mais intimistas, tipo banquinho e violoncelo. No máximo um conjunto de câmara, uma coisa mais unplugged, sabe como é?
- Mas não podemos mudar isso agora, no meio da turnê. Só na orquestra temos mais de 150 músicos, todos com contrato assinado até setembro do ano que vem.
- Antes que me esqueça, aqueles backing vocals na nona estavam muito esganiçados. Pode pôr na rua todas as sopranos e me traga gente nova, que não assassine meus hits. Respeito à partitura é bom e eu gosto. Tem outra: a tietagem na fila do gargarejo fica puxando fumo demais. Até eu fico maconhado por tabela e acabo errando a regência. Reforço de segurança neles. E, pelo amor de Deus, não me deixa ninguém subir ao palco pra rasgar minha roupa.
- É o preço da fama, Betão.
- Não me chama assim, ou então vai pra rua também. E aí, meu filho, o que vai te sobrar é um ou outro freela com o Haydn. Tá a fim?

  
© Direitos Reservados

Comentários

  1. Rosa Pena11:06 AM

    excelente... ui!
    beijo

    ResponderExcluir
  2. Elizete Lee11:07 AM

    SIMPLESMENTE DEMAIS !!!!
    Mente brilhante é a sua, meu amigo.

    ResponderExcluir
  3. André Albuquerque11:35 AM

    Excelente; uma aula de humor.

    ResponderExcluir
  4. Felippe Alves11:36 AM

    Nossa, que texto foi esse? Incrível demais, hein!

    ResponderExcluir
  5. Diálogos mais que prováveis, Marcelo!! risos... Beijo, querido!

    ResponderExcluir
  6. Claudete Amaral Bueno3:06 PM

    Famosos.....podem qq coisa!
    Parabéns!
    Claudete

    ResponderExcluir
  7. Vesti-me com traje de gala, e assisti a um dos melhores 'concertos', a que tive direito... Mas, como sempre há um 'mas'... acordei com a 'sonata Ultragaz'... que foi um 'Ultraje a Rigor' aos meus sensíveis tímpanos! Marcelo, com sua batuta, mais uma vez encantou-nos!
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  8. Por que será que os gênios dão uma de chatos, heim? Você é chato, Marcelo? E a maconha? Até na fila do gargarejo? Tá tudo perdido!

    ResponderExcluir
  9. Fantástico, antológico, nas duas últimas você se superou... pena que ele se arrependeu tarde de ter vendido "pour elise" para a Ultragas... abs

    ResponderExcluir
  10. Meu Deus, Marcelo! Você não perdoa nem Beethoven...
    Bem, se puder me fazer o favor, eu sou soprano e não canto esganiçadamente, canto 'soprano' o vento, como toda boa 'minêra'. Gostaria de ser contratada... Fale com o homem por favor...

    Ando com saudades dos bons concertos. Preciso me organizar para assistir...
    Beijo! Ótimo texto, como sempre!

    ResponderExcluir
  11. Um texto atualizado....abraço Lisette.

    ResponderExcluir
  12. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  13. Clauduarte Sá11:18 PM

    Meu amigo Marcelo, que imaginacao!.. Muito bom, ri a bessa...
    Sucesso

    ResponderExcluir
  14. Hamilton Brito11:22 PM

    Rapaz, tudo o que ele fez de bom, estragou quando negociou com a
    firma de gás.Puta merda....

    ResponderExcluir
  15. Alessandra Rocha11:24 PM

    Marcelo,
    só mesmo você para escrever algo tão genial assim!!! ADOREI!!!
    Uma semana de novas inspirações!!!
    Bjocas. Alê

    ResponderExcluir
  16. Marta Rodrigues11:35 PM

    Você e Lya Luft fazem parte das sobremesas que adoçam a minha semana.

    Boa semana

    Marta

    ResponderExcluir
  17. Fernando Dezena11:37 PM

    muito bom, como sempre!

    ResponderExcluir
  18. Todos os astros são assim mesmo, têm sua loucura particular. Não há exceção, até o Zé da Lua tem a sua. Meu abraço.

    ResponderExcluir
  19. Jorge Cortás Sader Filho11:39 PM

    Carinha complicado!
    Aquele funk “Galinha Preta” é dele?
    Abração, Marcelo! Só você mesmo…

    ResponderExcluir
  20. Marco Bastos11:39 PM

    Legal seu texto – os talentos não dão a mínima para mediocridades. Beethoven nem a fusa. rsrs. abrç.

    ResponderExcluir
  21. Clotilde Fascioni5:41 PM

    Adorei. Abrçs Marcelo.♥

    ResponderExcluir
  22. José Carlos6:21 PM

    Uma bela investida no mundo dos malucos da batuta e instrumentos mil.
    O que me lembro do Beethoven é uma piada que me contaram faz muito tempo. É óbvio que você sabe que é dele a nona sinfonia e já deve tê-la ouvido.
    Estava ele com uma amante e diz para ela:
    - Benzinho, vamos para a nona?
    E ela, debochando dele:
    Ah! Ah! Ah!

    ResponderExcluir
  23. Adorei a intimidade com o Betão. Osso duro de roer, não, Marcelo? Sintonia perfeita de seu texto com as sinfonias dele, ge-ni-al!

    ResponderExcluir
  24. Mara Narciso8:09 AM

    Caso fosse possível usar a máquina do tempo e trazer este gênio para agora ele ficaria tão impressionado que engoliria uma partitura inteira(isso para ficar no clima do texto). O impacto de tudo sobre ele seria o mesmo que as suas obras ainda nos causam.

    ResponderExcluir
  25. Nubia Nonato8:12 AM

    Betão! Quanta intimidade Marcelo. Já pensou em postar no face?
    Parabéns mais uma vez, ri muito!!!!!!
    Abração.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…