Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2013

QUEM MANDOU ME OBEDECER?

- Minha Nossa Senhora dos esquálidos, o senhor está que é só pele e osso! O que aconteceu? A ideia era perder 15 quilos em dois meses, e em três semanas o senhor perdeu 42!
- Bom, eu simplesmente fiz o que o doutor mandou: dieta e exercício. Cortei gordura, açúcar, massa, refrigerante. Cortei de vez. Só salada, frutas e arroz integral. Deu certo, né? Não vai me dar os parabéns, doutor?
- Eu vou é lhe dar um puxão de orelha daqueles, mas o merecido mesmo era colocar em você uma camisa de força, chamar uma ambulância e interná-lo no hospício mais próximo!!
- Não estou entendendo...
- Veja você como são as coisas. Eu costumo recomendar aos meus pacientes pelo menos 140 minutos diários de bicicleta ergométrica, com carga média de esforço e respeitando a frequência cardíaca máxima.
- Sim, exatamente como eu tenho feito.
- Acontece que, até hoje, só você foi o louco que resolveu seguir isso à risca. Quando você comprou a ergométrica veio junto um livreto com a relação de assistências técnicas aut…

BOAS NOVAS EM ANGU DOCE

O vereador Girz Antoniello , da cidade de Angu Doce (RR), é mesmo um político visionário. É de sua autoria o projeto de lei que muda os nomes de ruas batizadas em homenagem a vultos históricos por denominações que correspondam às áreas comerciais da cidade onde estão localizadas, facilitando assim a vida dos carteiros e da população em geral.
O ilustre vereador explica melhor o projeto e defende seu ponto de vista: "Em primeiro lugar, ruas com nomes de celebridades políticas, culturais e científicas toda cidade tem. No país, são dezenas de milhares de ruas, avenidas, praças e alamedas chamadas Duque de Caxias, General Osório, José Bonifácio, Tiradentes, Regente Feijó, Dom Pedro (1º e 2º), Deodoro da Fonseca, etc. Essa turma já está mais do que homenageada, do Chuí ao Oiapoque. O que proponho, na verdade, são sutis adaptações nos nomes - não os descaracterizando totalmente, mas agregando a eles algum elemento que identifique a região comercial onde as ruas se situam".
Nos setor…

QUE DESELEGANTE

wikimedia commons




- Óia, exprica direito essa história aí pra mim.
- O senhor tem que transmitir um certo verniz cultural, compreende? E no caso é só um verniz mesmo, porque a madeira... é de caixote de verdura...
- O quê?
 - Nada não, pensei alto. Sorry.
 - Ah...
 - Vejamos, vamos começar com a literatura. Aqui nesta parede da sala podemos providenciar uma estante bem grande. Na prateleira mais visível precisamos de pelo menos uns 80cm de lombadas de Guimarães Rosa, mais um outro tanto de Machado e uns 50cm no mínimo divididos entre Drummond e Pessoa.  - Mai que diacho de pessoa é essa aí que a senhora falou?  - Para os russos, seria de bom tom reservar uns dois metros ou mais de Dostoievsky, Tolstói e Tchekov. Todos com lombada bem vistosa, clássica, se possível livros bastante manuseados - pra dar um ar de intimidade do proprietário com as obras-primas. Conheço um sebo que vende esse tipo de livro para decoração e cenário de novela.
- Cerrrrrrrto.
- Fique tranquilo, pois os meus serviços abr…

VELA DA VIDA TODA

wikimedia commons




Existe uma tradição católica cultivada não sei onde, nem desde quando, mas existe. A vela de toda a vida: uma mesma vela acompanha o fiel desde o batismo até o velório, passando pela primeira comunhão, o crisma, o casamento, a unção dos enfermos. Concluída cada uma destas cerimônias, ela é apagada e guardada em casa, à espera do próximo uso, até que sua chama seja extinta em definitivo junto com o seu dono.
Bela tradição, de profunda simbologia: a mesma chama se renovando nos momentos decisivos da existência. Mestre Duña, o avatar da sabedoria suprema, enumera alguns possíveis desdobramentos - do fato e, literalmente, da vela, já que ela muito provavelmente trincará em vários pedaços e não estará mais parando em pé ao fim da vida do marmanjo.
No batizado, ao lado do padre, o padrinho segura a vela. Este sofre de Mal de Parkinson. É a primeira de uma série de fissuras no ainda reto bastão de parafina.
Mestre Duña adverte que há de se fazer uma ressalva que precede o batiz…