Pular para o conteúdo principal

BOAS NOVAS EM ANGU DOCE








O vereador Girz Antoniello , da cidade de Angu Doce (RR), é mesmo um político visionário. É de sua autoria o projeto de lei que muda os nomes de ruas batizadas em homenagem a vultos históricos por denominações que correspondam às áreas comerciais da cidade onde estão localizadas, facilitando assim a vida dos carteiros e da população em geral.

O ilustre vereador explica melhor o projeto e defende seu ponto de vista: "Em primeiro lugar, ruas com nomes de celebridades políticas, culturais e científicas toda cidade tem. No país, são dezenas de milhares de ruas, avenidas, praças e alamedas chamadas Duque de Caxias, General Osório, José Bonifácio, Tiradentes, Regente Feijó, Dom Pedro (1º e 2º), Deodoro da Fonseca, etc. Essa turma já está mais do que homenageada, do Chuí ao Oiapoque. O que proponho, na verdade, são sutis adaptações nos nomes - não os descaracterizando totalmente, mas agregando a eles algum elemento que identifique a região comercial onde as ruas se situam".

Nos setores onde se concentram as lojas de materiais elétricos, por exemplo, a Rua Benjamin Constant viraria só Rua Benjamim. Ainda no setor de eletricidade, a Avenida Marco Polo, que divide a zona norte da zona sul, se transformaria em Marco Polo Positivo. Seguindo o mesmo raciocínio, está prevista também a mudança da Rua Leonardo Da Vinci para Rua Leonardo da 20W. Diz ele: "Veja só a facilidade na hora de localizar um endereço. Ao ler o nome da rua, o sujeito já identifica a parte da cidade onde ela fica. Modéstia à parte, esta minha ideia é um achado. A não aprovação do meu projeto de lei significará um retrocesso para todos os angu-docenses".

Na região das lojas de roupas e tecidos, alguns dos nomes já definidos para as ruas são Viscose do Rio Branco, Juscelinho Kubitschek, Moletom Jobim e Marechal Godão.

Quanto às duas ruas que comportam o comércio de cosméticos, os novos nomes também já estão confirmados: Rui Babosa e Condicionador Valadares.

A aceitação, entretanto, não é unânime junto a outros vereadores e alguns segmentos da população, como os professores de História da rede municipal de ensino, que já articulam uma ação conjunta para impugnar a lei. Eles alegam desrespeito não só às figuras homenageadas, mas também à contribuição que deram ao desenvolvimento do país e à história da humanidade.

Girz Antoniello rebate às críticas, argumentando que a mudança dos nomes trará divisas à cidade e fará dela um destino turístico dos mais disputados, justamente pelo ineditismo da proposta. "Quem é que não vai querer vir em excursão até Angu Doce para tirar fotos junto às originalíssimas placas das ruas? Teremos um incremento considerável no comércio do município, com a abertura de novos hotéis, pousadas e restaurantes. Disso eu não tenho a menor dúvida."

Em nota oficial, autoridades do clero na região afirmam que só se pronunciarão a respeito após analisarem os novos nomes que serão dados às ruas da zona do meretrício.



© Direitos Reservados

Comentários

  1. Exatamente no último parágrafo estava meu pensamento, enquanto lia... pois, morava em uma cidadezinha onde essa zona era denominada 'boca da onça'... que nunca me caiu bem seu significado... discutia sempre com meus professores que deveria ser outro 'órgão do corpo humano' a denominar tal zona... Realmente - uma zona! Sempre era convidada a me retirar da aula... rsrs...
    [ ] Célia.

    ResponderExcluir
  2. Moletom Jobim!!! Que ideia fantástica!!! Amei! risos... um beijo!

    ResponderExcluir
  3. Marco Antonio Rossi11:06 PM

    bom final de semana
    acho que podemos sugerir duas avenidas:
    BOLA FORA para ir aos estadios de futebol........
    VERMELHA E BRANCO onde ficam os bombeiros e o hospital.....
    abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  4. Alessandra Leles Rocha11:08 PM

    Oi, Marcelo!!!
    No Brasil é assim mesmo; por pura "falta" de ter mais o que fazer, mudar nome de ruas e avenidas se transforma em prato cheio!!!rsrsrs
    Genial!!! Adoro sua criatividade e senso de humor!!!
    Excelente fim de semana!!!
    Bjocas, Alê

    ResponderExcluir
  5. Claudete Amaral Bueno11:08 PM

    Oi, Marcelo.
    Apoio o ilustre vereador! Ótima idéia (sua e dele!)......
    Um abraço...bom FDS
    Claudete

    ResponderExcluir
  6. Clotilde Fascioni11:24 PM

    Concordo plenamente com o vereador. Muito divertido esse seu texto, Marcelo, muito bom mesmo.

    ResponderExcluir
  7. Jorge Cortás Sader Filho11:24 PM

    Dignas de elevado mérito as considerações do nobre edil!
    Como sempre, o atento clero tomando conta da moralidade pública, louvado seja!
    Vamos aguardar o final, amigo Marcelo.
    Abraço.
    Jorge

    ResponderExcluir
  8. Por que não aceitar a maluca proposta do edil, se ela vai fazer do município um top turístico? Mas aproveito o ensejo pra dizer mais uma vez que o correto não é do Chuí ao Oiapoque, e sim do Chuí ao Caburaí. Meu abraço.

    ResponderExcluir
  9. Zezinha Lins1:56 PM

    O nome da cidade já é tão inusitado que a mudança dos nomes das ruas não é nada, mas se o nobre angu-docense aceitar sugestões, acho que deveria seguir a linha do nome da cidade e colocar nomes de comidas típicas: Rua Paçoca com Banana, Rua Galinha Caipira e por ai vai… Os turistas iam querer degustar essas delícias
    Um abraço, Marcelo!!.

    ResponderExcluir
  10. José Hamilton Brito1:57 PM

    Proposta maluca? Nananinanão….pertinente.
    Eu estava pensando ao ler o texto: será que as meninas de vida alegre vão ter…tiveram. Tadinhas, so faltava…
    Aqui tem aquele pessoal da pesada…como seria com eles: ” Bairro dos ventos uivantes” “, das ” balas cortantes” kkk
    Vc é mesmo o cara.

    ResponderExcluir
  11. Mas que grade ideia, meu caro amigo!!! Várias são as opções! Veja só, para designar comunidades migradas de outro estado, poderia haver a rua dos mineiros, rua do Pão de queijo, a ladeira mais íngreme, como a ladeira do Décio Caio, ou a rua dos desenhistas: rua Valdisnei, a rua das farmácias: R. Cafiaspirina da Silva, e tantos outros que não me ocorrem agora. Tenho até sugestões para a rua do meretrício... Poderia uma homenagem ao famoso Jacinto etc, mas, como o clero poderia impedir, melhor mesmo chamá-la de rua das Flores...
    hahaha, ótimo texto, adorei viajar junto.
    Um beijo!

    ResponderExcluir
  12. José Carlos Carneiro4:58 PM

    Uma ficção que, a rigor e não neste nível de criatividade inovadora e divertida, mas que não é impossível imaginar que possa acontecer algo semelhante pelos cafundós dos nossos mais de 5.000 municípios, alguns deles provavelmente ainda vivendo na época tipo assim da pedra lascada. Ou que aconteça algo também divertido.

    Nesse sentido, um cunhado meu que foi vereador por algumas legislaturas e no tempo que se amarrava cachorro com linguiça, jurava de pés juntos que ocorrera na Cãmara Municipal o seguinte episódio.
    O prefeito propôs um projeto e pediu que quem concordasse ficasse sentado; quem não concordasse ficasse em pé. Um vereador se saiu com essa:
    - Sr prefeito. Gostei tanto do projeto que quero sua permissão para me deitar.
    Bom domingo e boa semana.

    ResponderExcluir
  13. E se tiver um bairro cujas ruas têm vários reguinhos que se juntam na esquina e formam um rego grande justamente na rua João Pintão??

    Isso vai mesmo virar um angu, mas um angu divertido.

    ResponderExcluir
  14. Bravo, Marcelo! Angu Doce saindo na frente e propondo reflexão criativa aos respeitáveis senhores eleitos pelo povo! Pensar é preciso!Você pode imaginar as consequências disso?
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  15. Martha Pezzini6:02 PM

    Muito bom! Eu já esperava desde o início o nome da rua das meninas.
    Não foi à toa que você nos deixou frustrados... Abraço.

    ResponderExcluir
  16. Maria Emilia1:32 AM

    Olá Marcelo, lendo seu texto de 11/05 e 18/05 ( acho que é isto ), muito bons por sinal, vc coloca situações e diálogos de uma forma magnífica . Mas.... ao final deles sobra tristeza,” que paiszinho o nosso... que povinho” retrata a nossa realidade,infelizmente.

    ResponderExcluir
  17. Mara Narciso1:34 AM

    Já imagino como serão denominados aqueles logradouros públicos e põe público nisso. Adorei a história do ineditismo. Já imaginou Girz Antoniello governando o país? Algumas ideias estapafúrdias e não aprovadas de certos governos iriam parecer seríssimas.

    ResponderExcluir
  18. Antonio Fonseca11:10 PM


    > Continuamos na mesmice, pois, em todas as Câmaras dos ais de oito
    > mil municípios brasileiros há edis que só sabem colocar nome em
    > ruas ou trocá-los.
    > Mas o assunto fica ótimo na sua literatura, meu caro Marcelo.

    ResponderExcluir
  19. André Albuquerque11:15 PM

    ...e a bucólica Angu Dolce virou um verdadeiro angu de
    caroço...parabéns,Marcelo.

    ResponderExcluir
  20. Girz Antoniello é o dono da G. Antoniello, aquela loja de departamentos famosa que faliu? deleitando-me com o principal e com o acessório, o Girz lembrou-me o G. Aronson, o inimigo número um dos preços baixos.

    ResponderExcluir
  21. ops!, "inimigo número um dos preços altos"

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…