Pular para o conteúdo principal

QUEM MANDOU ME OBEDECER?








- Minha Nossa Senhora dos esquálidos, o senhor está que é só pele e osso! O que aconteceu? A ideia era perder 15 quilos em dois meses, e em três semanas o senhor perdeu 42!

- Bom, eu simplesmente fiz o que o doutor mandou: dieta e exercício. Cortei gordura, açúcar, massa, refrigerante. Cortei de vez. Só salada, frutas e arroz integral. Deu certo, né? Não vai me dar os parabéns, doutor?

- Eu vou é lhe dar um puxão de orelha daqueles, mas o merecido mesmo era colocar em você uma camisa de força, chamar uma ambulância e interná-lo no hospício mais próximo!!

- Não estou entendendo...

- Veja você como são as coisas. Eu costumo recomendar aos meus pacientes pelo menos 140 minutos diários de bicicleta ergométrica, com carga média de esforço e respeitando a frequência cardíaca máxima.

- Sim, exatamente como eu tenho feito.

- Acontece que, até hoje, só você foi o louco que resolveu seguir isso à risca. Quando você comprou a ergométrica veio junto um livreto com a relação de assistências técnicas autorizadas, não veio? Se você procurar por elas, vai ver que nem existem, porque ninguém usa uma bicicleta dessas a ponto de precisar de oficina. São quinze dias de pedaladas na carga mais levinha e pronto, o sujeito encosta e vira cabide de roupa. Quem pode precisar da assistência técnica é o cara que vai comprar a bicicleta de segunda mão. Só que aí já acabou o prazo de garantia, embora o produto esteja como saiu da loja. Nem o plástico do selim é retirado, pode reparar. Isso acontece com 100% dos pacientes, no mundo inteiro. Há estudos científicos que comprovam o que estou falando!

- Espera aí, explica melhor essa história. O doutor está se contradizendo. Eu obedeci exatamente às orientações médicas e levo bronca por ter feito a lição de casa?

- Então, mas quando é que eu ia imaginar que alguém um dia ia seguir esse suplício a ferro e fogo? Eu recomendo por desencargo de consciência, meu amigo, já sabendo de antemão que serei desobedecido. A lógica é a seguinte: quando eu prescrevo no mínimo 140 minutos de pedaladas, é porque eu sei que o sujeito vai fazer no máximo 5. Então eu coloco essa margem a mais de 135 minutos para que pelo menos 5 sejam feitos. Compreendeu agora?

- Sim, mas...

- O mesmo ocorre com a orientação alimentar que lhe passei. Fala sério: como é que pode um ser humano passar só à base de verdura, fruta e arroz integral? Nem na Índia, meu caro. Nem faquir de circo consegue isso. Eu lhe indiquei esse cardápio pra que o senhor cortasse quando muito a picanha e a garapa, mas continuasse comendo queijo, fritura, bolo de chocolate, essas coisas que ninguém resiste. Nem eu.

- Eu juro que posso explicar. Na verdade...

- E não me venha com desculpa esfarrapada. Estou solicitando nessa guia aqui uma série de exames, para a gente investigar direitinho o estrago que o senhor fez com o seu organismo. Desculpe eu ficar assim, meio exaltado, mas tudo tem limite. Ora, onde já se viu... tem louco pra tudo nesse mundo.

© Direitos Reservados

Comentários

  1. José Carlos Carneiro11:33 AM

    Tomara que os médicos que o governo dos "petralhas" pretende trazer para cá não tenham visão tão moderna para os tratamentos que proporão aos nossos concidadãos, a exmplo do retrato bem acabado do charlatão que você descreveu.

    ResponderExcluir
  2. Jorge Cortás Sader Filho11:35 AM

    Bicicleta ergométrica servindo de cabide? Já vi várias!
    Abraço. Jorge

    ResponderExcluir
  3. André Albuquerque11:45 AM

    kkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  4. Bell Pereira2:13 PM

    O pior é que é assim mesmo....

    ResponderExcluir
  5. José Carlos Vicente2:13 PM

    Gostei., o fato e/ou relato acima postado, me faz lembrar de um outro ponto de vista. Estou pensando em alguns que , depois de consultar algumas lideranças religiosas e/ou conceitos teologais equivocados acreditam literalmente em tudo. Alguns, mesmo doentes e desnutridos, debilitados, chegam a fazer determinados tipos de jejuns completamente fora de contexto, acabando por prejudicarem e /ou comprometerem ainda mais o estado de saúde. E tudo em nome da obediência cega....!

    ResponderExcluir
  6. Eu... hein... medicina alternativa... e de olho no que eles, os médicos falam e tentam me induzir... até porque de médico e louco (a) também tenho um pouco...
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  7. Marta Rodrigues4:13 PM

    Pois eu queria ter essa força de vontade. Difícil, difícil...
    Adorei o texto.

    ResponderExcluir
  8. Marco Antonio Rossi4:14 PM

    Meu caro amigo
    um otimo final de semana.
    só fico imaginando se a receita fosse de purgante,,,,,,
    abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  9. Senti-me na pele do gorducho, lembrando-me de algumas estadas no spa com excessivas 300 cal/dia!!! Grande abraço e boa picanha no seu almoço domingueiro!

    ResponderExcluir
  10. Marcelo eu gostei da sinceridade desse médico... o paciente me lembrou uma prima que segue à risca as receitas das embalagens e acha um absurdo alguém que não saiba cozinhar inventar alterações descabidas... risos... um beijo, querido!

    ResponderExcluir
  11. Eliete Signorelli Carvalho11:13 PM

    Marcelo, muito bom seu senso de humor. A
    vida é hilária mesmo. Parabéns! vou compartilhar

    ResponderExcluir
  12. Doroni Hilgenberg11:17 PM

    heheheeh!!! de medico e louco todos temos um pouco mas esse cara
    ultrapassou todos os limites da coerência. Ótimo texto. Muito bom
    para aqueles pacientes que levam ao pe da letra tudo o que ouvem.

    ResponderExcluir
  13. André Albuquerque11:18 PM

    Marcelo, em grande forma literária ,uma crítica arguta e bem-
    humorada aos modismos e atitudes modernosos ; ainda bem que o
    paciente teve o bom senso de ingerir água mineral sem gás ao invés
    da gasosa, pois correria o risco de emagrecer
    menos,kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.Forte abraço.

    ResponderExcluir
  14. Antonio Fonseca11:23 PM

    Marcelo, já tem cometarista te chamando de Fernando. Será que ele, também, levou bronca do médico?
    Que constrangimento hem?

    ResponderExcluir
  15. Marcelo, essa relação médico/paciente, ou paciente/médico é mesmo complicada. Já vi acontecer coisas do arco da velha entre eles. O Ministério da Saúde precisa criar uma cartilha estabelecendo todas as normas a serem seguidas nesse relacionamento a fim de evitar mortes súbitas, ou talvez assassinatos. Meu abraço.

    ResponderExcluir
  16. Hamilton Brito11:25 PM

    kkkkkk tem razão. Neste mundo tem tem louco pra tudo mesmo.
    Tem uns que escrevem coisas doidas dado ao seu imenso poder de abstração e tem outros que gostam de lê-las.
    C’est la vie…

    ResponderExcluir
  17. Risomar Fasanaro11:26 PM

    Adorei, Fernando. é bom saber que os médicos nos recomendam certos cuidados já pensando ( ou sabendo?) que não iremos segui-los à risca…Você tem um enorme talento para o humor … Beijos

    ResponderExcluir
  18. Clotilde Fascioni11:27 PM

    Realmente! Ja comprei uma esteira e não a usava porque ficava num quarto isolada e nem uma tv velha eu tinha para me acompanhar, dai acabou virando secadora de toalha de banho . Quanto as dietas…Bem, deixa para lá… Abraços Marcelo, adorei o texto.

    ResponderExcluir
  19. Chorei tanto pra ganhar um bicicleta ergométrica, quando ela chegou ela olhou pra mim, eu olhei pra ela e, inteligentemente, descobri que ela serve mesmo pra acumular poeira.
    Quando eu a dei embora senti um alívio, parecia que estava indo 20 quilos da minha consciência com ela. Vê só, há outras formas de perder peso.

    ResponderExcluir
  20. Lilian Maial12:49 AM

    Excelente, Marcelo! Uma narrativa envolvente, clara, objetiva e com um humor elegante e inteligente. Parabéns!

    ResponderExcluir
  21. Pois é amigo Marcelo, minha bicicleta e minha esteira mecânica só me machucavam os joelhos e agora vivem empoeiradas numa garagem de uma outra casa sem carro... O médico está absolutamente certo, como ele poderia prever que um paciente pagaria uma merreca na consulta e ainda por cima gastaria outros trocadinhos comprando as comidas light e diet, frutas especiais, farelos, granolas e derivados baratinhos do leite? Como ele poderia prever que o cara é 'fora da casinha'? Ah, mas tem maluco pra tudo nesse mundo mesmo!!! Rsrsrs,
    muito bom, viu?
    Um beijo!

    ResponderExcluir
  22. Orgulhosamente declaro: no dia de Finados de 2011 comecei a andar numa esteira doméstica. Tirando intervalos para viagens e comilanças, que não são poucos, o equipamento está sendo bem utilizado... exceção, o escriba confirma a regra narrada sguassabicamente com a virtude de sempre.

    ResponderExcluir
  23. Zezinha Lins12:19 PM

    Esse doutor é maluco, mas numa coisa ele tem razão: a bicicleta vira cabide. Mas rapaz, quem mandou obedecer ao doutor? Isso é coisa que se faça!!!!

    ResponderExcluir
  24. Mara Narciso12:21 PM

    Com frequência nos deparamos com os radicais. Mesmo sem redução do estômago, já vi perder 1 kg por dia no começo do jejum (os loucos fazem isso). Com orientação médica, o correto é um quilo por semana. Assim, 15 kg em dois meses é uma aberração, mesmo na ficção...risos...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…