Pular para o conteúdo principal

POLTRONA 16





1898
Chamam de cinematógrafo, é novidade que acabou de chegar da França. Tem um pano branco bem grande, e um feixe de luz que vem lá de trás mostra gente andando, trens em movimento... mas precisa estar tudo escuro, se não for na escuridão não dá para ver nada. As pessoas se sentam na frente do retângulo de pano para assistir. Uma sensação.

1942
Um homem... uma mulher... uma misteriosa cidade do Marrocos. Humphrey Bogart e Ingrid Bergman, juntos no filme mais esperado do ano. A história de um amor impossível e a intrigante saga de heróis e vilões que se cruzam em desespero e esperança, e que viverão em Casablanca uma aventura que mudará para sempre os seus destinos. Casablanca! Onde cada momento traz um novo perigo. Onde cada beijo pode ser o último!

1956
"Os dez mandamentos", com Charlton Heston e Yul Brynner. Ele com a mão mais boba, ela mais condescendente dessa vez. Uma sessão quase vazia. Dia fértil, borrão de sangue no carpete embaixo da cadeira. Vamos assumir, Deus quem mandou.

1961
Faz toda a lição direitinho, ou então no domingo não tem matinê. Nem bala, nem chocolate, nem "Os 101 Dálmatas".

1977
Não falei pra você, Chico? Ó só, mostra tudo, igual aquela revista que o Téo mostrou pra gente no banheiro da escola. A sua poltrona tá rangendo, Chico, para com isso! O lanterninha vem vindo, cê tá louco?

1998
- Aqui antigamente era um cinema, depois é que virou o templo da nossa igreja. Quando o papai era pequeno, os cinemas não eram nos shoppings. Aliás, shoppings não existiam. Foi aqui que o vovô começou a namorar com a vovó. O vovô conta que estava passando “Os dez mandamentos”, e a vovó não deixava nem pegar na mão dela. Olha lá, o pastor vai dar a benção milagrosa dos sete profetas. Eleve o pensamento em prece, meu filho.
- Mas pai, pastor não é quem fica tomando conta dos carneirinhos? Esse homem de terno, quando for fazer o serviço dele lá na montanha, vai passar calor.
- Sssssshiu. Quietinho aí no seu lugar, senão você vai pro inferno.

2011
Setenta reais e o senhor leva a cadeira. É do material de demolição, salvei essa do entulho... espera só um pouco, moço, vou ter que manobrar três carros pra tirar aquele Corolla ali. Senta aí que eu já venho, pode ficar à vontade. Antiguidade, moço, é pegar ou largar.




© Direitos Reservados

Comentários

  1. Elizete Lee7:15 AM

    É triste mesmo…
    As cidades perderam o encanto, assim como o cinema.
    Abração.

    ResponderExcluir
  2. José Carlos Carneiro12:26 PM

    Seus temas são realmente inovadores. Acredito ser pouco provável que outros cronistas e que tenham ideias tais e quais, não consigam misturar os ingredientes na dose certa. Você não se parece com ele, mas tem muito do dom do Paul Bocuse ao dosar de maneira certa as letras, palavras, frases, percepções etc.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  3. O pior dos desmanches que vivemos hoje é o dos valores... Tudo é descartável: objetos, sentimentos, pessoas... se, antiguidade... (?) "larga-se no abandono de vidas improdutivas"... E, não há telão, nem 3D que reproduza isso... Sua crônica levou-me a filmes indescritíveis... que no silêncio de um cinema interiorano podia-se ouvir os suspiros e os sons das interjeições! Hoje, isso tudo é funeral. Valeu, Marcelo!
    Bj. Célia.

    ResponderExcluir
  4. Edmilson Siqueira7:51 AM

    Marcelo:

    Justo hoje que você publicou essa crônica, publicaram no Facebook essa matéria como grande Geriba (era assim que eu chamava o Wagner Geriblello nesse época) sobre o fechamento do Cine Ouro Verde.

    http://www.youtube.com/watch?v=us80DFH8_wA

    Abs.
    Edmilson Siqueira
    Jornalista

    ResponderExcluir
  5. Clotilde Fascioni7:53 AM

    Imagine quantas histórias contaria uma cadeira de cinema dos aureos tempos?! Abrçs meu amigo Marcelo.

    ResponderExcluir
  6. Um texto e tanto, Marcelo. Só faltou Lampião detonando “macacos” e Macunaima pinicando caboclas. Meu abraço.

    ResponderExcluir
  7. José Hamilton Brito7:54 AM

    O duro é ter que brincar com coisa séria. Mas faz isso quem tem talento

    ResponderExcluir
  8. Jorge Cortás Sader Filho7:54 AM

    Qualquer um perde o espírito de fazer graça com charme, diante deste triste fato, até mesmo o nosso Marcelo.
    É a realidade dos nossos dias. Sem volta…
    Abraço.
    Jorge

    ResponderExcluir
  9. Wagner Bastos7:57 AM

    Muito bom.

    ResponderExcluir
  10. Adorei, querido! Você é uma figura!!! Beijão!

    ResponderExcluir
  11. Bateu uma saudade da missa domingueira, da macarronada e depois o matine com Mazzaropi ou Tarzã. Que bom que tivemos a oportunidade de aproveitarmos coisas boas da nossa época, podendo recontá-las. Isso é mágico!!

    ResponderExcluir
  12. Alessandra Leles Rocha1:23 AM

    Oi, Marcelo!!!
    Muito bom!!! Sua criatividade me encanta!!! Parabéns!!!
    Tenha uma semana SENSACIONAL!!!
    Abraços,
    Alê

    ResponderExcluir
  13. Zezinha Lins1:25 AM

    E assim é com o cinema, com os relacionamentos, com a vida… Gostei, Marcelo. Uma linda semana cheia de inspiração, como sempre. Um abraço!

    ResponderExcluir
  14. Marco Antonio Rossi1:57 AM

    Meu caro amigo um excelente inicio de mes de junho!!!!
    VIVA SÂO JOÂO, SÂO PEDRO E SANTO ANTONIO!!!!!
    Que saudades do CINEMA!!!!
    Abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  15. É Marcelo... É uma triste verdade e linha do tempo da novidade que virou antiguidade... Aqui na Estância houve uma tentativa em reativar o cinema. Nada feito... Durou apenas uma temporada, todos que gostam de cinema viajam até a cidade mais próxima ou até a sua Campinas. Os que não vão, depredaram o que puderam... A realidade é triste. Hoje o seu post não foi nada engraçado. Foi sério, realista, machucou o coração com esta nostalgia de Cinema Paradiso... Parabéns!Bj

    ResponderExcluir
  16. Mara Narciso12:05 AM

    O cinema abraçou de vez a nostalgia. É saudade demais.

    ResponderExcluir
  17. O tempo passa arrastando preciosidades. E se reveste de coisas superficiais. E descarta pedaços expressivos do coração. Triste triste, Marcelo! Grande texto.

    ResponderExcluir
  18. é o tempo e esse rolo compressor alcunhado de modernidade, trazendo muita coisa boa, é verdade, mas matando uma série de tradições, diminuindo o relacionamento humano... bela descrição desta apressada contemporaneidade. abs

    ResponderExcluir
  19. Antonio Fonseca1:15 AM

    É. Uma vez, num cinema, um lanterninha me deu o maior flagra: Ela
    > segurava minha lanterna e eu; a sua joia. Não deu em nada. Ainda bem.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…