Pular para o conteúdo principal

DECOTE DE ANDREZA


Edouard Manet




Os seios de Andreza eram indecentemente belos. Tão ostensivamente lindos que não havia como não serem expostos em decotes generosos, sempre em tecido leve e transparente.

Tamanha era a beleza de seus contornos que, não raramente, Andreza provocava divórcios e outras desavenças conjugais por onde passasse. Não só pelo ciúme das esposas ao notarem os olhares demorados dos maridos sobre os bem torneados gêmeos, mas também pelo efeito contrário: quando não sucumbiam ao transe hipnótico dos seios da moça, resistindo bravamente à tentação, os maridos acabavam por sugerir uma masculinidade vacilante, o que levava à desconfiança das mulheres sobre o poder de fogo dos companheiros. "Será que é homem mesmo esse traste que eu tenho em casa?", pensavam algumas. A dúvida sobre a "macheza do cabra" causava mais cisma e desconforto do que o interesse exacerbado - que seria a reação natural. Afinal, Andreza era Andreza.

Sua fama espalhava-se, e a cidade devia a ela uma homenagem. Então, com toda a pompa e circunstância, ergueu-se em praça pública um busto ao busto, esculpido em mármore de carrara e de proporções gigantescas, podendo acomodar, amontoada sobre suas curvas, toda uma família de até 12 pessoas e um cachorro de médio porte para a tradicional foto turística. Sim, porque o turismo tornou-se, pouco a pouco, a principal fonte de receita para o município, atraindo romarias de homens afoitos e mulheres invejosas - todos querendo uma foto à frente do descomunal busto de pedra e um vislumbre, ainda que rápido, dos dois homenageados originais.

A partir de projeto de lei apresentado pelo presidente da Câmara Municipal, instituiu-se como ponto facultativo o "Dia da Lavagem do Busto de Andreza", ocasião em que, após remoção de fuligem, são pulverizados cerca de 15.000 litros de água de cheiro sobre o monumento.

Tanta notoriedade fez dela a figura mais popular das redondezas. Eleita em sucessivos pleitos ao legislativo municipal, são de autoria de Andreza algumas polêmicas propostas. Uma delas versava sobre a fabricação e distribuição de preservativos de quatro diferentes bitolas nos postos de saúde da cidade: pequeno, médio, grande e extra grande. O que parecia ser um benefício ergonômico tornou-se motivo de constrangimento na comunidade. Nenhum homem que prezasse pelo seu bom nome e virilidade ousava pedir à mocinha do balcão preservativos pequenos e médios. Alguns apelavam a um manjado expediente: solicitavam dois extra grandes, que diziam ser para uso próprio, e mais uma meia dúzia dos menorzinhos - argumentando que estes seriam utilizados para iniciação sexual de um sobrinho pré-adolescente, na zona local.

Outro projeto controverso de sua autoria, que acabou por provocar escândalo, estabelecia um curso prático de prevenção ao câncer de mama. A aula foi ministrada pela própria Andreza, que dessa vez sem decote e de peito aberto mostrava às mulheres participantes como realizar o autoexame em busca de nódulos suspeitos.


A louvável iniciativa ficaria por isso mesmo, não fosse uma estranha estatística divulgada por Dona Benedita Rosa Denófrio, então presidente da Associação Comercial, dando conta de que, na véspera do curso, as vendas de perucas, vestidos, cílios postiços e sutiãs com enchimento bateram todos os recordes.


© Direitos Reservados

Comentários

  1. Com essa estatística da senhora Benedita, vê-se que a feminilidade continua em alta! Quem tem tais belos atributos tem mais é que exibi-los mesmo. Afinal, é o grande berço da vida e dos amores!
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  2. Marta Rodrigues11:45 AM

    Marcelo!

    Os homens que não sucumbiram ao efeito "Andreza" (raros hoje em dia) com certeza abominam qualquer medida abaixo de 350ml.

    E sendo eu, uma das raríssimas mulheres que não sucumbiu ao silicone, descobrir através do seu texto "delicioso" a razão do porque continuar "encalhada", rsrs...

    Adorei.

    Marta

    ResponderExcluir
  3. Állan Fidelis Toledo11:49 AM

    Muito bom!

    ResponderExcluir
  4. José Hamilton Brito1:50 PM

    Ah! falou em seios, toca a minha sensibilidade. Acho que mamei pouco nesta vida. Po, tem cara cujo fetiche são os pés.Pode? Ara!
    Vou levar a proposta para o senhor prefeito daqui para um monumento aos seios mas nao sei nao…cada um gosta de cada coisa nessa vida!
    A tal de Denófrioi não e mãe daquele cara que foi candidato à presidencia dos USA, ator do Law@order?

    ResponderExcluir
  5. Djanira Pio4:11 PM

    Perfeito.

    ResponderExcluir
  6. Alessandra Rocha6:14 PM

    Oi, Marcelo!!!
    Pura criatividade!!! Uma crônica com jeito de 'causo mineiro'. ADOREI!!!
    Tenha um excelente fim de semana!!!
    Abraços,
    Alê

    ResponderExcluir
  7. Claudete Amaral Bueno6:15 PM

    Sua imaginação vaI FUUUUUUNDO, HEIN????????
    Hoje em dia, já ia pairar uma dúvida: são "naturais"...ou é silicone???????
    Uma boa semana! Um abraço!
    Claudete

    ResponderExcluir
  8. Agora fiquei despeitada... risos... um abraço, querido... adorei!!

    ResponderExcluir
  9. Lou Magalhães2:24 AM

    Amei o texto, Marcelo!

    ResponderExcluir
  10. Jorge Sader Filho2:26 AM

    A “Comunidade dos Velhinhos Deixa que eu Chuto” pede endereço, e, se possível, um jatinho da FAB.
    Eita! Abração, Marcelo.

    ResponderExcluir
  11. Zezinha Lins1:14 PM

    Bem…. O que dizer? Percebo que até agora só tem comentários masculinos. Parece que o que sobra no busto da moça falta no cérebro, mas quem liga pra isso? Como sempre, me diverti lendo vc e me dei conta de que estou muito satisfeita rsrs. Um abraço, amigo!!

    ResponderExcluir
  12. Caro Marcelo, a Andreza ficaria rica rapidinho se colocasse à venda, feitos de silicone, modelos de seu busto. Os homens passariam o dia mamando neles como se fossem bebês insaciáveis! Mudando o rumo desse papo, se quiser me visitar será um prazer!

    ResponderExcluir
  13. José Carlos Carneiro1:19 PM

    Tudo na mulher é belo, mas os seios sempre foram, além de belos, objetos de sedução, de fazer homem virar a cabeça. Melhor dizendo - perdê-la. Mas os da sua personagem foram além da imaginação trivial, do feijão com arroz, da mesmice. Como rir ainda é um ótimo remédio, sem efeito colateral, ri às pampas.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  14. Lisette Feijó2:50 PM

    O que é lindo deve ser mostrado com sutileza….
    Abraço Lisette.

    ResponderExcluir
  15. Marco Antonio Rossi2:51 PM

    Boa noite, bom feriado!!!!
    esta parecendo propaganda de De Millus........
    abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  16. Sandra Nogueira4:48 PM

    Marcelo, caro amigo, a sua crônica de hoje foi lida por mim a uma
    > platéia familiar que ia de mamando a caducando. Rimos muito, o que
    > prova a sua habilidade em mostrar esse humor privilegiado a muita
    > gente. E o seu livro?
    > abração
    > Sandra

    ResponderExcluir
  17. Olha, Marcelo! Sei de casos que, mulheres que tiraram os sutiãs, pegaram gripe, de tão frio que estava o chão!
    Bênçãos desse porte não é para qualquer cristã! Valha-me, Deus!

    ResponderExcluir
  18. Risomar Fasanaro11:41 AM

    Muito bom! que imaginação que tem este meu Amigo! Realmente, belos seios “salvam” qualquer mulher. Os homens nem se dão conta do rosto, do restante do corpo…é isso.
    Parabéns, Marcelo, por mais este texto para pensar…Bjs.

    ResponderExcluir
  19. Marcelo, caro amigo,
    Não some rissos, eu também ando meia pra la de sumida, mais já cheguei.
    Adorei a crônica e dei boas risadas. O que é bonito deve ser apreciado mais tudo com moderação, nada exagerado.

    Beijos e ótima semana!

    ResponderExcluir
  20. Antonio Fonseca1:51 PM

    É como disse alguém aí em cima: cada um gosta de uma parte diferente. Eu gosto mais do polo sul, se bem que há muito o ‘t’ vem se “minuscularizando”, e já está quase sumindo do meu alfabeto. Mas o que é belo tem que se mostrar e vislumbrar.

    ResponderExcluir
  21. Marcelo... Meu amigo...
    Assim no seio de suas palavras, vejo que a escultura era cuspida e escarrada, digo, esculpida em carrara a cara da deusa do amor. Só assim para explicar o dilema dos pobres e indefesos homens... Se babam, são abjetos. Se ignoram, são uns maricas...

    ...

    Estou começando a gostar de Andreza, hahahahahaha
    Um beijo!

    ResponderExcluir
  22. Mara Narciso3:37 AM

    Em matéria de sexo a verdade costuma estar distante.Para mais e para menos.

    ResponderExcluir
  23. Carlos Edu Bernardes3:40 AM

    Excelente!

    O famoso mármore de Carrara, que deu origem (vc deve saber) à expressão: "É a cara do pai. Esculpido em Carrara", que, com o passar do tempo virou "É a cara do pai. Cuspido e escarrado."...

    Abração!

    ResponderExcluir
  24. William Ferreira3:42 AM

    Olá nobre que texto especial e divertido. Parabéns
    Deus abençõe

    ResponderExcluir
  25. Que comissão de frente dessa Andreza. Bestiais os seios da sua lavra, fico imaginando o Xico Sá reinterpretando sem a sua elegância o seu escrito. Roberto Jefferson, aquele, disse que o Zé Dirceu despertava seus instintos mais primitivos. Prefiro esse despertar de instintos com os mamilos da Andreza.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…