Pular para o conteúdo principal

O CHULÉ DE HITLER


wikimedia commons


É triste e embaraçoso. Viram o rosto e tapam ostensivamente seus narizes com as mãos, à minha passagem. As pessoas se afastam, a repulsa vai me isolando até o limite do insuportável. No meio da multidão, quase sempre se abre uma clareira por onde ando, tamanho o efeito dessa bota malcheirosa. Mas curiosamente consigo antever, nesse caminho que se abre, um sinal de respeito e submissão pacífica. Uma reverência do povo para com seu líder. Vamos, vamos, deixem passar o rei dos fedidos.

No colégio, Fohenstein, aquele de bigodinho ridículo e cabelo repartido que veio de Auschwitz, é o mais perverso. Do alto de seus coturnos ele me olha com cara de nojo, como se dos meus pés saíssem gases letais. Meu Deus, até onde vai a crueldade humana! Eu não tenho culpa se os fungos proliferam mais em mim do que na maioria das pessoas. Isso não faz da minha uma raça inferior, nem de Adolph um ser humano abjeto.
Que foi que eu fiz para merecer tanta perseguição? O que me vale é a amizade de Takeshi e Albertini. Mesmo que todos se virem contra mim, pelo menos esses dois eu sei que estarão ao meu lado, nem que o mundo um dia caia sobre nossas cabeças.


© Direitos Reservados


Comentários

  1. Esse sempre foi o protótipo do mal cheiroso... Antisséptico nenhum daria jeito!
    [ ] Célia.

    ResponderExcluir
  2. Marcelo, já faz um tempinho que assisti um filme muito bacana, não consigo lembrar o nome, mas tem um drama envolvendo a escolha do nome do filho de uma mulher que acabou de descobrir a gravidez. O marido sugere Adolf! E é uma confusão a partir de uma mentira... ele apenas brincou com o nome e as reações foram inusitadas... essa sua crônica é exatamente assim: você mente e brinca e nós aqui, somos "forçados" a achar graça... quem mente agora sou eu. Amo. Parabéns!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Alessandra Leles Rocha3:00 PM

    Oi, Marcelo!
    Como sempre um texto GENIAL, para nos fazer pensar!!!
    Tenha uma excelente semana!!!
    Abraços,
    Alê

    ResponderExcluir
  4. Claudete Amaral Bueno3:01 PM

    Hitler:
    Um conselho: Use "Tênis pé Baruel".....tiro e queda!
    Abraços, Marcelo!
    Claudete

    ResponderExcluir
  5. Rosa Pena3:03 PM

    Marcelo.. cada dia mais nonsense e eu amo… beijos

    ResponderExcluir
  6. José Hamilton Brito3:04 PM

    amigo, quem pariu Mateus que o embale.
    Assim , fica aí com os chulés do Hitler, do Takeshi , do Albertini…to fora.Fui

    ResponderExcluir
  7. Jorge Cortás Sader Filho3:05 PM

    “O rei dos fedidos”. Talvez a mais exata definição que já li do canalha até hoje.
    Abraço, Marcelo. Jorge

    ResponderExcluir
  8. Clotilde Fascioni3:06 PM

    Provavelmente Takeshi e Albertini também tem Chulé, dai a solidariedade ao amigo. Muito bom Marcelo, abrçs.

    ResponderExcluir
  9. Marco Antonio Rossi2:34 AM

    Bom dia e um otimo final de semana.
    Daí que surgiu a idéia do queijo gorgonzola??????
    abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  10. Fernando Dezena2:36 AM


    Excelente, se fosse meu tiraria o “É triste e embaraçoso” do início, mas, se fosse meu, não seria tão bom!

    ResponderExcluir
  11. Ah, o chulé... É coisa séria e nem sempre um banho resolve... Precisa mesmo de um Lysoform básico (eu deveria $ ganhar $por todas as vezes $ que indico $ o produto, viu?) Não entendo as preferências dos fungos por este ou aquele, nem conheço amigos tão leais que suportem tamanho sacrifício. Sei que gostam mais das pessoas que mal lavam os pés e que usam a mesma meia e sapato por pelo menos uma semana. Mas há os superdotados, cujo potencial é devastador e basta algumas horas para arrasar um quarteirão...
    É triste, embaraçoso e digno de Adolf!

    hahahaha
    Um beijo, adorei como sempre!

    *Meu querido amigo, convido-o para uma visita especial. Você faz parte da festa!

    ResponderExcluir
  12. Se o próprio achava a bota malcheirosa, como queria que os outros gostassem? Falar de Hitler é como falar do diabo, a gente não espera nada que preste. Meu abraço.

    ResponderExcluir
  13. Takeshi e Albertini são, acaso, os 'anjos' fedorentos que fazem a guarda do fedido?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não,Rita. Na verdade, é uma alusão sutil à Itália e ao Japão, que com a Alemanha formaram o eixo na segunda guerra. Um beijo pra você.

      Excluir
  14. Marcelo, chulé meu Deus como é difícil esse aroma(cata+trafico) que vem invadir a narina da gente. Pegue um coletivo lotado depois 17hrs, e fica perto de alguém que esta de chinelo, e o ilustre passageiro, resolvem mexe os dedões pra uns exercícios diários pra relaxar do dia cansativo... Solta todos os perfumes ali depositados. Isso é doido pior do que um pum. Anticéptico deveria ser distribuído gratuitamente pra quem carrega esse aroma nos pezinhos. Por vezes as pessoas ganha chulé... Mais nem percebe, devido a usar muitos calçados com meias, o pé suam e transmite esse odor insuportável. Quem percebe são que esta junto diariamente.

    Beijos e ótima semana!

    Passa lá tem atualização.

    ResponderExcluir
  15. José Carlos Carneiro12:25 AM

    Que loucura! Pelo genocida que ele foi, esse castigo nem deve ter feito cócegas.

    ResponderExcluir
  16. Maria Teresa Fornaciari1:43 AM

    Takeshi e Albertini nasceram com problemas olfativos, não sentem cheiro… Tá explicado!!
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  17. Mara Narciso1:45 AM

    Hitler ter chulé é uma possibilidade. O quase deus era um ser humano com secreções, excreções e odores como todos nós. E sempre de botas, a proliferação não só de fungos, mas também de bactérias tem a incidência aumentada. Bem bolada a sua explanação.

    ResponderExcluir
  18. Chulé, estranho, não me causa tanta repulsa. é uma coisa de remissão aos fungos de um belo queijo gorgonzola. agora, o do bigodinho é um sujeito nauseante. abs gorgonzólicos

    ResponderExcluir
  19. Francisco Coimbra8:31 AM

    Objecto, facto ou sujeito, sempre a deriva na flutuação do discurso. Esse curso de uma ironia sempre capaz de fazer o flic-flac, numa imensa ginástica, digna dos maiores elogios. A_braços!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…