Pular para o conteúdo principal

COMETA



Peço encarecidamente a vocês, meus conterrâneos, que contenham seus ânimos e mantenham a calma neste momento histórico. Trata-se de um marco não só para os anais da municipalidade, mas também para toda a vasta pastagem adjacente. A passagem de um cometa é acontecimento raro, e como tal deve devemos tirar dele, cada um a seu modo, o melhor proveito possível.

Já posso vê-lo despontando no horizonte, por enquanto um minúsculo ponto de luz, ainda bem distante. Muito em breve, porém, eu lhes asseguro que estará brilhando em todo o seu esplendor no escuro da noite, descrevendo sua incrível trajetória em alta velocidade e deixando um rastro por onde passar.

Sabemos que o alvoroço será grande com a novidade, porém precisamos estar atentos para que ela não cause transtornos - como pisoteamentos e outros acidentes graves, na ânsia de acompanhar seu percurso ou de encontrar um posto de observação privilegiado para contemplar a tão aguardada aparição.

Nem é preciso lembrar de tudo o que a passagem de um cometa traz consigo em matéria de presságios esotéricos e metafísicos - na forma de pressentimentos catastróficos, previsões cabalísiticas, suicídios coletivos e simpatias as mais variadas. Por isso mesmo, ao invés de sofrer com ansiedades, taquicardias e tremores devidos à insana expectativa, para alguns a ocasião talvez seja propícia ao recolhimento e à conversão sincera e definitiva. A um encontro consigo mesmo e a uma mudança de vida profunda, que reflita de fato em suas atitudes e pensamentos. Assim, sugiro que as pessoas que sofrem de problemas nervosos se abstenham da observação e façam um favor à própria saúde, permanecendo em oração nas suas casas.

Nossa progressista Macambúzios conta hoje com 256 almas - já contabilizando, claro, os quatro guris ainda em gestação, e que logo logo estarão correndo em desabalada carreira pelas nossas duas ruas sem saída. Diria que o acontecimento que estamos prestes a testemunhar será, para todos nós, o estopim de um tempo de conquistas e glórias nunca vistas. De mais empregos e oportunidades de empreendedorismo, de varandas com pintassilgos nas gaiolas e alpiste abundante nos cochinhos, de disputados campeonatos de fubeca envolvendo toda a população macambuzense e os forasteiros que aqui chegarem. Estamos a um passo, meus concidadãos, de exterminar de vez com o tédio que há centenas de anos nos assola, e que faz de nós um povo cujos únicos passatempos se resumem a abanar moscas no verão e a espremer cravos nas costas uns dos outros, ao longo das outras três estações do ano.

Macambúzios merece e terá tudo o que a passagem de um Cometão, novinho e reluzente, pode trazer de bom. A cada parada que fizer em nossa improvisada rodoviária, teremos pelo menos 40 viajantes ávidos por um caldo de cana, um quebra-queixo fresco, uma engraxada nos sapatos ou uma fezinha na rifa para as obras da igreja. As baldeações serão de apenas dez minutos, porém suficientes para que tenhamos, enfim, o que fazer da vida enquanto a morte não chega.


© Direitos Reservados

Comentários

  1. Opa... eu sou uma das viajantes, que vai querer caldo de cana e pastel... risos... adorei, querido! Beijão!

    ResponderExcluir
  2. Claudete Amaral Bueno1:12 AM


    Nossa! Vc conseguiu descobrir o fim do mundo?????????? rssssss
    Abraços,
    Claudete

    ResponderExcluir
  3. Clauduarte Sá1:13 AM

    Meu amigo Marcelo Sguassabia,
    a sua escrita tem a magia de fazer-mos parar o tempo, como na crônica anterior a essa e de viajar por caminhos completamente inesperados como na atual viagem.
    Como sempre excelente! Parabéns, continue...
    ClauduArte As

    Sugestao- escrever sobre os alimentos modificados geneticamente como o milho, a soja, laranja, peixe, carne etc, etc.
    Na minha terra tem um ditado dos matutos quando referem a pessoa que quer ser muito sabida que diz - o homem ficou tao inteligente que virou bixo e comeu a si proprio

    ResponderExcluir
  4. Marco Antonio Rossi1:16 AM

    Caro Amigo
    espero que nessa rodoviária, além do Cometa, passe também o Expresso Brasileiro, a Breda e outras empresas desse nosso mapa rodoviário......quem sabe um dia ainda tomamos um cafezinho na baldeação.....
    grande abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  5. Marcelo Giorgetti1:17 AM

    4:30 da matina???? Vc se superou dessa vez, hein, rsrs

    ResponderExcluir
  6. José Carlos Carneiro1:18 AM

    Quem diria! Pois o garoto é também versado na arte de dissimular um fim que, pelo menos eu, não esperava. E ficou supimpa de bom.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  7. Núbia Nonato1:22 AM

    Li o texto ainda agora, imaginei o pequeno bairro em que fui criada e todos em polvorosa por conta da passagem do cometa, nesse dia os sinos enferrujados tocarão, o senhorzinho vai vender todo o seu estoque de pipocas e ainda que o povo adormeça, dirão com certeza que viram a passagem do cometa...não sei bem porque fiz essa analogia, talvez seja por causa do céu que na minha época de menina se confundia de tantas e tantas estrelas. Obrigado Marcelo pelo belo texto. Tentei deixar comentário mas não consegui. Abração amigo.

    ResponderExcluir
  8. Clotilde Fascioni1:24 AM

    Para ver um “Cometão” basta ir para a rodovia que passa um a cada quinze minutos. Palavra de Campineiro. Adorei meu amigo, me fez lembrar de quando morava em Campinas e se dizia isso. Abrçs Marcelo

    ResponderExcluir
  9. Jorge Cortás Sader Filho1:24 AM

    Uma mandinga para quem gosta de ver cometas: combine com alguém de ver a próxima passagem, no mesmo local. Eu já vi o Halley três vezes.
    Abraço, Marcelo.
    Jorge

    ResponderExcluir
  10. Já vi alvoroços vários por 'cometas'... extraterrestres... UFOS & Cia... e nas estradas... muitos Cometas! Ultimamente... paz - é o que quero... Sombra e água fresca...
    Abraço, Marcelo!
    Célia.

    ResponderExcluir
  11. e sabe que os moleques da minha geração ficavam fascinados mesmo ao subir nos busões da época. daqui de SJ saía pra CPNS e SP o lendário e finado Expressinho São João... o Cometa até hoje passa por aqui, na linha SP-Poços, com aquele inconfundível cheiro de desinfetante tutti-frutti... e os nomes dos carros Dinossauros I e II, e depois a série Flecha Azul... e os motoristas com óculos aviador... lembranças, meu caro, lembranças...

    ResponderExcluir
  12. Bem... O Cometa é genial. Pode estar no céu ou na rodovia, mas todos embarcamos em suas palavras criativas... Muito bom, meu amigo! Beijos!

    ResponderExcluir
  13. Mara Narciso11:53 PM

    No finzinho eu também me lembrei da Viação Cometa, e não foi que coincidiu? Pobres almas! Que a internet não demore a chegar.

    ResponderExcluir
  14. Sergio Oliveira12:27 AM

    Parabéns.

    ResponderExcluir
  15. Alessandra Leles Rocha12:28 AM

    Oi, Marcelo!!!
    Como sempre INSPIRADÍSSIMO e nos ofertando a possibilidade de ver a vida nas suas entrelinhas.
    Tenha um excelente domingo e uma semana SENSACIONAL!!!
    Bjocas. Alê

    ResponderExcluir
  16. de Souza12:32 AM

    Muito bom…adorei!
    Abraços

    ResponderExcluir
  17. Maria Teresa Fornaciari12:35 AM

    Fezinha no futuro e olho no cometão, quem disse que os macambuzenses não sabiam administrar o tédio? Com toda a situação caótica daqui, bora pra lá né não?

    ResponderExcluir
  18. Antonio Fonseca12:36 AM

    Estou feliz da vida, meu caro Marcelo! A passagem desse cometa esmerilhou os bicos das chuteiras dos jogadores do GALO e ele levantou o caneco de Campeão da América.
    Agora vou ficar ali à beira da Fernão Dias (BR381) para ver o Halley indo para Sampa.

    ResponderExcluir
  19. Patricia2:31 PM

    eu vi um cometa 09/ 08/13 as 17: 43, minha filha de 2 anos ficou me chamando e mostrando o ceu e quando eu olhei ele estava passando nao deu tempo para filmar mas consegui tirar uma foto.

    ResponderExcluir
  20. José Hamilton Brito4:50 PM

    entre um cometa e outro, tem um montão de estrelas cadentes.e quem
    > quiser continuar fazendo conquistas é só esperá-las.
    > Quanto ao Cometão, parou de servir Araçatuba , graças a Deus, pois
    > so mandava ônibus velhos para cá. Assim, desejávamos que fosse pro
    > diabo....foi.

    ResponderExcluir
  21. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  22. Jorge Sader4:52 PM

    O mundo vai piorar ou melhorar? A passagem do Cometa de Halley foi
    > um fracasso sim. Quem esperava uma coisa, viu só uma miserável
    > amostra grátis.
    > A Vida e a Morte, eternamente juntas, vão nos dar a resposta.
    > Abraço.
    > Jorge

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…