Pular para o conteúdo principal

PLANO DA OPERADORA

Telefone celular quebrado


Obra de ficção*



- Vamos surrupiar dois centavos, além dos seis de cada ligação.

- Mas e se perceberem?

- A gente devolve só para quem der pela falta e reclamar. E pra reclamar vai ter que esperar a musiquinha enlouquecedora até cair a ligação.

- E se o lesado ligar de novo?

- Mais uma hora, uma hora e dez da mesma musiquinha. Tortura de solitária mesmo. Aí a gente programa para a ligação cair outra vez. Na terceira tentativa, é sinal que o sujeito está mesmo determinado. Então atendemos, assumimos a cobrança indevida como falha de sistema e fazemos o estorno em créditos. Mas essa medida extrema, pelas nossas projeções, corresponderá a 0,3% das tentativas. O resto desistirá no meio do caminho, por exaustão. É importante lembrar que o plano (o nosso, não o plano promocional do cliente idiota) entra em ação um mês após o início da promoção. Isso porque nos primeiros dias o cliente fica conferindo mesmo, pra ver se é debitada a quantia certa para cada ligação. Depois ele relaxa e não confere mais. Aí sim, podemos bater a carteira mais à vontade.

- Você diz aqui na descrição que esta é a fase 1 do estratagema. Como seria a fase 2?

- É quando começamos a deitar e rolar pra valer. Multiplicamos a tungada de 2 centavos para o equivalente a uns 3 dólares. Logicamente, quanto maior a perspectiva de ganho, maior o risco. Podemos dizer que, nessa etapa, aqueles 0,3% de reclamantes que seguem na luta passam para 4,2%, num cálculo conservador. Mais uma vez, atribuiremos o erro ao sistema e efetuaremos o reembolso após a terceira tentativa do otário. No decorrer do processo, a fúria do assaltado tende a aumentar, e orientaremos a atendente a passar a ligação para uma suposta superiora que dará uma atenção maior ao sujeito, de acordo com o script aprovado na nossa reunião anterior.

- Sei. É hora daquela lenga-lenga toda, de que "é através de pessoas como o senhor que podemos sanar nossos erros e aprimorar nossos serviços"...

- Perfeitamente. Se ainda assim o mané quiser mais briga - teimando em reaver o dinheiro referente a afanadas retroativas, o máximo que pode acontecer é ele chorar as pitangas nas redes sociais ou trocar de operadora. Entrar na justiça ele não vai, não compensa o custo com advogado.

- Bom, vamos em frente. Fase 3.

- A fase 3 é a nossa salvaguarda, mas ela tem seu preço.

- Bom, já vi que daqui pra frente o teor é sério. Alguém fez uma varredura antes da gente começar essa conversa?

- Fica tranquilo. Esqueceu que nós somos a operadora? Estamos conversando num private circuit de última geração.

- Então vai. Prossegue.

- O esquema vai dar dinheiro demais. Mais do que seria seguro para ratear unicamente entre nós.

- Vai daí que...

- Vai daí que uns 35% do total arrecadado no golpe vai pra instâncias superiores, caso estoure escândalo ou se algo muito fora do previsto acontecer. Digamos que essa parte seja um fundo de reserva anual. Findo o exercício, se nada sacarmos para eventual "operação abafa", a sobra de caixa continua intocável. Nunca se sabe o dia de amanhã.

- Por mim, pode tocar. Só uma dúvida: qual o nome do plano?

- O nosso ou o dos otários?

*Qualquer semelhança com pessoas ou fatos reais é mera coincidência.


© Direitos Reservados


Comentários

  1. Claudete Amaral Bueno5:27 PM

    Oi, Marcelo!

    O pior é que NÃO É obra de ficção e qualquer semelhança ... n/ é mera coincidência! Infelizmente!
    Bom fim de domingo e boa semana, c/ mtas idéias geniais!
    Um abraço.....Claudete

    ResponderExcluir
  2. Marco Antonio Rossi5:27 PM

    bom dia e um bom final/inicio de semana.
    apenas um trocadilho....
    OI, esta CLARO que aí TIM algo que será teleMAR interpretado.....
    abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  3. Alessandra Leles Rocha5:28 PM

    Marcelo,
    sempre GENIAL!!! Só você para traduzir a realidade de modo menos chato.
    Tenha uma excelente semana!!!
    Bjos., Alê

    ResponderExcluir
  4. José Carlos Carneiro5:29 PM

    Salvo seus lances de criatividade, o que deve rolar nos bastidores e labirintos de muitas empresas é do jeito que você descreveu, sem nada pôr nem tirar.
    Recentemente tive que "rebolar" horrores para impedir um desmando que a EMBRATEL quis jogar pra cima de mim. E não é ético culpar quem nos atende ou tratá-la mal, pois são orientadas a seguir a "cartilha" que devem ler. Estamos em época de negociação, mesmo tendo que às vezes, forçar a barra.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  5. Rita Lavoyer5:34 PM

    Coincidência diariamente real!! E eles estão certos acreditando que nós não observamos a conta. Não observamos mesmo!!! Marcelo, tentei o seu blog, mas deu como 'blog removido' sei que isso acontece sempre, mas para não tentar 2 ou 3 vezes, vim logo nessa outra operadora kkkkk abração! Rita.

    ResponderExcluir
  6. Clotilde Fascioni5:36 PM

    Infelizmente todos nós nos tornamos reféns dessas operadoras. Abraços Marcelo e bom fim de semana com sinal no celular.☼

    ResponderExcluir
  7. Risomar Fasanaro5:37 PM

    Exatamente o que venho observando na Tim. Paguei a mensalidade e eles diziam que eu não tinha créditos. Mas como, se já paguei/ Ah...a senhora espera que dentro de 7 dias o sistema acusa. fui a um caixa automático e coloquei uma carga de 15 reais. A cada ligação eles descontam, a toda hora ligam para oferecer Dicas Tim, Música Tim, Noticias Tim. é um inferno Tim...
    > Belo texto de denúncia, Marcelo. Muito grata! Beijo e bom final de semana!

    ResponderExcluir
  8. Maria Bonfá5:38 PM

    oi Marcelo..parece que vc escreveu para mim.. achei ótimo o seu texto..afinal quem ainda não passou por isso? ou passará? resumindo..nos tornamos otários mesmo.. beijo

    ResponderExcluir
  9. Luconi5:39 PM

    Verdade, já fui vítima, mas faço parte daqueles 0,3 % QUE INSISTEM, tenha certeza, pena que nem todos são assim, alguns nem percebem, um excelente alerta, abraços Luconi

    ResponderExcluir
  10. Marco Bastos5:40 PM

    Olá, Marcelo.
    > A arte imita a vida. Já me vinguei duma dessas operadoras, por
    > sinal uma das mais famosas e mais multadas. Derrubaram as minhas
    > ligações enquanto puderam. E me vinguei. Emudeci. Daí pra frente
    > mandaram centenas de ofertas de planos e propostas, com prêmios
    > para que eu voltasse a ser usuário. Quando me ligaram, ao telefone,
    > expliquei tudo direitinho - o porquê não eram sérios o suficiente
    > para que eu fosse cliente deles. Insistiram por vários meses
    > enviando e-mails, sms, contatando por telefone e a minha resposta
    > foi sempre a mesma - silêncio. Passado mais de um ano, ameaçaram
    > tornar o chip inoperante e não respondi à algumas ameaças
    > semelhantes. Um ano e meio depois de total silêncio, recebi um sms
    > comunicando que naquele dia desativariam o meu chip. Tirei o chip e
    > joguei fora. Conclusão: eles são como são porque somos como somos.
    > A importância que dão a conquistar ou manter um cliente é enorme.
    > Desempenham todos os esforços para serem bem sucedidos nis
    > so. Se
    > dez mil clientes fizessem como fiz, não teriam pessoal suficiente
    > para essas tarefas. Ficariam louquinhos, pois a concorrência entre
    > as operadoras é imensa. Não utilizar essa operadora não me trouxe
    > nenhum transtorno ou prejuízo.
    > abraço.
    >

    ResponderExcluir
  11. Jorge Sader Filho5:41 PM

    Olá, Marcelo.
    > A arte imita a vida. Já me vinguei duma dessas operadoras, por
    > sinal uma das mais famosas e mais multadas. Derrubaram as minhas
    > ligações enquanto puderam. E me vinguei. Emudeci. Daí pra frente
    > mandaram centenas de ofertas de planos e propostas, com prêmios
    > para que eu voltasse a ser usuário. Quando me ligaram, ao telefone,
    > expliquei tudo direitinho - o porquê não eram sérios o suficiente
    > para que eu fosse cliente deles. Insistiram por vários meses
    > enviando e-mails, sms, contatando por telefone e a minha resposta
    > foi sempre a mesma - silêncio. Passado mais de um ano, ameaçaram
    > tornar o chip inoperante e não respondi à algumas ameaças
    > semelhantes. Um ano e meio depois de total silêncio, recebi um sms
    > comunicando que naquele dia desativariam o meu chip. Tirei o chip e
    > joguei fora. Conclusão: eles são como são porque somos como somos.
    > A importância que dão a conquistar ou manter um cliente é enorme.
    > Desempenham todos os esforços para serem bem sucedidos nis
    > so. Se
    > dez mil clientes fizessem como fiz, não teriam pessoal suficiente
    > para essas tarefas. Ficariam louquinhos, pois a concorrência entre
    > as operadoras é imensa. Não utilizar essa operadora não me trouxe
    > nenhum transtorno ou prejuízo.
    > abraço.
    >

    ResponderExcluir
  12. Zezinha Lins5:43 PM

    > Acho que assim mesmo que acontece, mas acredito que o correto é
    > fazer como o Marcos. O problema é que nos acomodamos mesmo. Um
    > abraço, amigo!!!

    ResponderExcluir
  13. Celia Rangel5:43 PM

    PLANOS... de telefonia, de saúde, de compra da casa própria, do
    > carro e tantos outros... nos escravizam de tal forma que não há
    > como fugir do stress dos mesmos. Tratam-nos como imbecis. Neles, o
    > cliente nunca tem razão. É o que impera em nosso lindo Brasil -
    > corrupção e corruptos - de todo tipo e em todas repartições
    > públicas ou privadas. Talvez, essa última "privada" ou "vaso
    > sanitário" seja o melhor descarte...
    > [ ] Célia.

    ResponderExcluir
  14. Marcelo, mende seu texto para os tribunais pertimentes, pedindo
    > pelo amor de Deus que seus membros tomem urgentes providências
    > sobre todas essas gatunagens, colocando seus protagonistas na
    > cadeia. O problema vai ser arranjar cadeia pra tanto gatuno.. Meu
    > abraço.

    ResponderExcluir
  15. Antonio Fonseca5:45 PM

    Será que existe alguém no Brasil que ainda não se passou por idiota
    > quando o assunto envolve as operadoras de telefonia?
    > Marcelo gostaria de mandar este texto para ser publicado no
    > semanário de Betim/MG. Você autorizaria?

    ResponderExcluir
  16. ahhhhhhhhh... que delícia de ler suas crônicas... essa tenho certeza de que é bem real. Aposto que gravou uma reunião local... risos... beijão!

    ResponderExcluir
  17. Mara Narciso12:58 AM

    Uma mera coincidência bastante abusiva das operadoras de telefonia móvel. Elas dizem que nunca tem razão, mas o usuário (leia-se "otário", como já diz o texto) perde os reais e a saúde mental. Enquanto isso as funcionárias também adoecem por responder defendendo as empresas que não fazem nada além de cobrança coletiva indevida. No Facebook chora-se, porém é inútil, pois o nosso dinheiro surrupiado dá ainda mais poder e força às invencíveis donas do pedaço.

    ResponderExcluir
  18. José Hamilton Brito1:33 AM

    Pastei um ano da mão da telefônica. Consegui 72 protocolos dos contatos feitos…e nada. Sem dever nada, minha conta era encerrada todos os meses. E la vinha musiquinha de espera, ligaçoes que caiam. Um dia coloquei um artigo na Folha de Sao Paullo secção reclamação usuário. Até que falei com o onbusdam, que nunc me atendia.Perguntei: a ligação ora feita é gravada. Ele disse que sim: Então eu disse assim, com toda a educação e candura que consegui colocar na minha voz:
    - Escuta , seu filho de uma puta, irresponsável, corno….ate hoje nao me processou.

    ResponderExcluir
  19. Gina Soares6:18 PM

    Qualquer semelhança com fatos da vida real, "não será mera
    > coincidência"….
    >

    ResponderExcluir
  20. AHÁ!!!
    Descobri porque meu plano está tão complicado! Acabo de sair de um telefonema na minha operadora e descobri que tenho 3 continhas em atraso, sendo que jamais deixei de pagar alguma... Vou ter que passar pela chateação de ir à loja onde fiz o plano e esperar para contestar a cobrança... Mas agora tudo ficou esclarecido! hahaha
    Um beijo!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…