Pular para o conteúdo principal

CONSULTÓRIO SENTIMENTAL





- Promete que fica só entre a gente?
- Lógico. Prometo, em nome da ética médica.
- Então tá. É que... estou tendo um caso clínico.
- Jura? Alguém da área?
- Ahã. Olha só essa radiografia que a gente tirou no último fim de semana prolongado.
- Nossa, que pulmões. E a faringe, então... Esse pomo de adão, tão proeminente. Que sorte a sua heim, colega. Isso aqui é objeto de estudo pra um simpósio internacional. Merece abordagem multidisciplinar.
- Quando olhei aqueles globos oculares, sem nenhum grauzinho de miopia ou astigmatismo, quase tive uma síncope. Foi adrenalina na veia. Observe essa ressonância magnética. Fala a verdade: que omoplata! Dá pra ficar assintomática? Você sabe que quadros dessa natureza provocam desde espasmos involuntários até a perda momentânea da consciência.
- É, ele é muito parassimpático.
- Parassimpático? Aquilo é uma aula de anatomia. Desequilibra o nível de estrógeno de qualquer mulher.
- E aí, conta. Partiu pra um exame mais detalhado? Na sua residência médica ou na dele? Conta, conta.
- Fiquei anestesiada. Quando dei por mim, já estávamos na maca.
- Nossa, assim na primeira consulta?
- Pra você ver. Confesso que no começo foi difícil me manter estável. A pressão chegava a 25 por 13, o coração a 140 por minuto.
- E daí pra frente? Qual a posologia?
- No mínimo três vezes ao dia.
- E nada de repouso entre uma e outra?
- Nadinha, menina. Uma febre que não passava. Depois os sintomas foram desaparecendo, e toda aquela convulsão toda evoluiu para uma forte e inexplicável letargia. Parecia uma espécie de maleita, com frequentes episódios de apneia.
- É, já vi relatos semelhantes. E aí, deixou de apresentar sinais vitais?
- Falência múltipla. Estado terminal, ao que tudo indica.
- Marcou retorno?
- O pior é que não. Ele me usou, não vou me conformar em ser mais uma na história clínica dele.
- Não estressa, não. E se por acaso ele agendar um horário, faz um charme. Dá uma de difícil, deixa o bonitinho na sala de espera. Como eu fiz com aquele judoca tarja preta, que me causava dependência. Eu sei como são essas coisas. Precisando de um ombro amigo, estou aqui de plantão.
- Valeu, obrigada mesmo.
- Só me promete uma coisa.
- Fala.
- Se der enjôo, manda ele pro meu consultório. É sempre bom uma segunda opinião...
- Sua Hipócrates!


© Direitos Reservados


Comentários

  1. Jusciney Carvalho10:56 AM

    Sábado de sorrisos.... adorei Marcelo! Muito boa sua crônica.

    ResponderExcluir
  2. Maria Teresa Fornaciari10:57 AM

    Que viagem genial! Essa história clínica merecia doses homeopáticas de folhetim. Bis, bis, bis! Abração, grande Marcelo.

    ResponderExcluir
  3. Jorge Cortás Sader Filho10:58 AM

    Será que Hipócrates resolveria esta? Custo a crer.
    Engenho e criatividade!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  4. Edmilson Siqueira11:02 AM

    Ótima, Marcelo.
    Mandei pra dois amigos médicos. E para uma amiga hipocondríaca (he, he).

    Abs.
    Edmilson Siqueira
    Jornalista

    ResponderExcluir
  5. Alessandra Leles Rocha11:03 AM

    Oi, Marcelo!!! A-D-O-R-O suas 'doses homeopáticas' de criatividade e humor!!! Tenha uma semana SENSACIONAL!!! Bjocas. Alê

    ResponderExcluir
  6. Em tempos de "Mais Médicos"... de "Diplomas falsos"... será que São Lucas ou Hipócrates resolveriam tal questão? Só sei que começo a rever meus exames de rotina...
    Abraço

    ResponderExcluir
  7. Sabe que eu já ouvi alguém dizer que quando uma pessoa está com febre, é só tirar a roupa e abraçar outro corpo que a febre passa?
    Se não passar é só tomar navalgina que passa!!
    Abração, moço inteligente!!

    ResponderExcluir
  8. Marcelo, isso não vale.... romântica que sou, fiquei até anestesiada com tanto termo técnico!!! risos... Deve ser a falta da vesícula em meu organismo, né? :) Beijão!

    ResponderExcluir
  9. Muito original. Será que paixão de médico é bem diferente da que sente a maioria dos mortais? Gostei muito, Marcelo!...

    ResponderExcluir
  10. Meu caro amigo! Genial!
    Só pensei se o parassimpático resolve fazer alguma outra de suas muitas especialidades... Aí a coisa fica preta!
    É sem dúvida um post de muita saúde!!! Rsrsrsrs
    bjs

    ResponderExcluir
  11. André Albuquerque4:06 PM

    Bravo !

    ResponderExcluir
  12. Leda Valéria Suppa Basile4:08 PM

    Sensacional, Marcelo, sua criatividade e talento deveriam ser
    > estudados minuciosamente, pois são terrenos de uma fertilidade
    > incrível, raríssima. Beijão!

    ResponderExcluir
  13. Gina Soares4:10 PM

    hahaha… excelente a criatividade!!!!!!!!!!!!!
    Freud explica….

    ResponderExcluir
  14. Marco Antonio Rossi10:37 PM

    HAJA CORAÇÃO!!!!!!!!!
    uma ótima semana.
    abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  15. Marco Bastos10:39 PM

    Gostei muito, Marcelo.
    > Gosto dos textos com polissemia, quando os significados subjazem ao
    > discurso.
    > abraço.

    ResponderExcluir
  16. Zezinha Lins10:40 PM

    > E não perdemos a esperança de vida eterna, com todos os órgãos
    > pulsando vigorosamente. É tão bom sonhar....
    > Leio um texto seu e já fico a imaginar o que virá. Pois o seu poder
    > de imaginação e criação é simplesmente espetacular. Bj!

    ResponderExcluir
  17. José Carlos Carneiro10:41 PM

    É um tratado médico de fundo erótico, coisa que acredito que o Hipócrates sequer imaginou que alguém ousaria tanto. E chego a duvidar que mesmo um médico descreveria tão bem e em tão poucas linhas um corpo humano.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  18. Belvedere3:55 PM

    Seu estilo aq gente reconhece de tacada. Valeu!!!!!!!

    ResponderExcluir
  19. Lisette Feijó11:15 PM

    Muito bom....nada dura para sempre...
    > Abraço lisette.

    ResponderExcluir
  20. Mara Narciso11:18 PM

    Dez mil! Sensacional!

    ResponderExcluir
  21. Uau! Bem fiz em vacinar-me em doses homeopáticas, décadas a décadas... me sinto completamente curada de incômodos semelhantes!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…