Pular para o conteúdo principal

CUIDADO: NÃO-VENENOSO!





- Quero todo mundo na minha sala agora. Eu disse agora!

- Nossa, o que é que aconteceu?

- Recebemos um lote enorme de veneno vencido, ou seja, não fatal. Estamos rastreando todo o processo para detectar onde foi o erro e processar o fornecedor.

- E como é que a gente faz agora? A história é contada milhares de vezes por dia... se não tiver maçã envenenada, como é que vai ser?

- Pelas barbinhas dos sete anões, chefe! Isso aí é uma catástrofe de dimensões mundiais.

- Cala essa boca, vai, não precisa ficar me lembrando disso. Eu sei o quanto estou ferrado, os acionistas vão me cobrar explicações.

- Olha só, ligação de Singapura informando que o filme travou bem no ponto em que a madrasta entrega a maçã para a Branca de Neve. Houve confusão no cinema, tiveram que chamar a polícia, a plateia queria os ingressos de volta. Tá feia a coisa por lá.

- Calma, calma pessoal. A gente sabe que, na história, o veneno não é pra ser tão fatal assim. É só um nana-neném suficiente pra Banca ferrar no sono até a chegada do príncipe. Podemos tranquilamente substituir o veneno por uns dois ou três Lexotan de 6mg que dá no mesmo...

- Tá, mas o estrago está feito. Ou seja, onde quer que a história tenha sido contada nos últimos dias, a coisa ficou sem pé nem cabeça. A responsabilidade é nossa!

- Bom, aí já não é da alçada do meu departamento. Mas, daqui pra frente, se acharem a ideia do Lexotan boa, eu conheço um pessoal que fornece o genérico. Fica bem mais em conta. Até onde eu sei, eles têm um galpão lotado pra pronta entrega, e a data de validade é pra 2016. Resolve o problema por um bom tempo.

- Como saída emergencial, acho que pode ser. O problema é que a tolerância da mocinha ao medicamento tende a aumentar. Mesmo dando mais sossega-leão pra ela, a expectativa depois de algumas semanas é que ela desperte antes da chegada do príncipe.

- Gente, notícias frescas do norte da Itália. A história estava sendo contada hoje de manhã, para um grupinho de jardim da infância de uma aldeia. Estão dizendo que a porca da princesa traçou a maçã até o talo, deu um baita de um arroto, cuspiu as sementes na rua e foi multada por um fiscal da limpeza urbana. A situação está fugindo do controle. Estamos desmoralizados. Os Irmãos Grimm devem estar se virando nas catacumbas.

- Tem mais. Chegou um email de São Félix do Araguaia informando que a Branca comeu a maçã, saiu pra rua e se enrabichou por um atendente do Subway local. Ficaram conversando num banco de praça e tomando energético com tequila, enquanto o príncipe chegava a todo galope. Ele arrombou a porta da casa dos anões e, claro, não viu caixão nenhum. Começou a esbravejar, dizendo que aquilo não estava no script e que ia pedir uma indenização milionária por danos morais.

- Mais essa... cancela a compra do lote de Lexotan, ou então não vamos ter grana para o acerto com o sacana do príncipe. Vamos tentar uma conciliação no juizado de pequenas causas.

- Pequenas causas?? Só se a pendenga fosse com os anõezinhos. No caso do príncipe, grandalhão do jeito que é, vai ser difícil. Fora que ele tem uma renca de advogados reais.

- Se o advogado dele fosse bom mesmo, ele já teria escapado da história. Ou conseguido um Habeas Corpus.

- Bom, lá isso é.


© Direitos Reservados


Comentários

  1. Adorei!!! A rainha má vai virar boazinha? Aí, muda tudo!!! :)

    ResponderExcluir
  2. José Carlos Carneiro7:39 AM

    Pra lá de divertida e criativa, inovadora. E de quem mostra ter grande cultura.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  3. Gente!!! O "espelho, espelho meu" É o álibi perfeito para essa situação embaraçosa! Diga que a culpa é dele, por ter sido o lugar onde a madrasta espiava a sua beleza. Isso, o Espelho será o bode expiatório da questão. Pronto, resolvido mais um caso de solução difícil!

    ResponderExcluir
  4. Célia Rangel7:10 PM

    Esse grupinho ai dos "venenos & cia"... plagiando a Branca e
    > seus minúsculos... cheira-me à corrida dos presidenciáveis... com
    > pano de fundo da "pobreza" eikiniana... Irmãos Grimm estariam em
    > qual presídio? kkkkk... Qualquer semelhança - é fato!

    ResponderExcluir
  5. Elizete Lee4:31 AM

    Coisas da modernidade, ainda bem que, criança é sempre criança e as fantasias são eternas.
    Marcelo, como sempre muito inteligente e versátil.

    ResponderExcluir
  6. Jorge Cortás Sader Filho4:33 AM

    São Félix do Araguaia tem subway. Se não sou informado desta, ia morrer desconhecendo. Veneno também é cultura!
    Abraço, Marcelo.

    ResponderExcluir
  7. Clotilde Fascioni4:34 AM

    Hahahah, novos tempos, novos “venenos”.
    Adorei Marcelo.
    Bom domingo,
    abraços.

    ResponderExcluir
  8. Zezinha Lins4:34 AM

    Muito bom, fantasia misturada com conto de fada e uma dose extra de loucura. E a criança que está sempre presente em mim se divertiu bastante. Um abraço, príncipe, ops… Marcelo!!

    ResponderExcluir
  9. Leda Valéria Supa Basile4:36 AM

    acho demais sua capacidade de criação, adoro todas suas crônicas. Não se trata de bajulação, mas é que são incríveis e sempre inteligentes. Obrigada

    ResponderExcluir
  10. Nubia Nonato4:37 AM

    Eu viajei na história e fiquei imaginando-a encenada; seria o máximo! A Branca de Neve perdendo, em algumas cenas, o seu perfil de certinha...

    ResponderExcluir
  11. Odete Ronchi Baltazar4:38 AM

    Divertido...

    ResponderExcluir
  12. Marco Antonio Rossi4:39 AM

    Bom dia e uma otima semana.
    Precisamos do oitavo anão para acertar o filme do texto.
    Aí será lançado a Branca de Neve e os oito anões.........um filme para envenenar......
    abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  13. Alessandra Leles Rocha4:40 AM

    Marcelo, como sempre INSPIRADÍSSIMO!!! Adorei a sua 'intervenção' na fábula!!! Bjos e votos de uma excelente semana, Alê

    ResponderExcluir
  14. Ó céus! O mundo mágico está em polvorosa! Como conseguiram fazer tamanha trapalhada? Merecem mesmo um processo, merecem pagar indenização. Os personagens se perdem, as indenizações bilionárias vão fazer com que a derrocada seja total... Meu caro amigo, seu texto é ótimo, mas esta sua empresa de venenos está condenada à falência.
    OBS: Se precisar de uma farmacêutica industrial, especializada em controle de qualidade, posso lhe indicar uma, hahahahaha
    Bjs

    ResponderExcluir
  15. Mara Narciso10:49 PM

    Acho melhor outra saída. Lexotan está dando amnésia no pessoal. Afora isto, a sugestão é boa.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…