Pular para o conteúdo principal

NECRÓPOLE NEWS





VENDO JAZIGO LINDO DE MORRER
Vista privilegiada. De frente para o mausoléu dos três anjinhos barrocos (família Ponce de Lutierre), sol da manhã, bela área de jazer para descanso eterno. Capelinha com varanda e gavetas com capacidade para 16 defuntos em decomposição simultânea. Financiamento CEF - Caixão Econômico Federal, em 30 anos, com recursos do Programa "Minha cova, minha vida".

GALINHA MORTA NO CEMITÉRIO DE ANIMAIS. SÓ HOJE!
Na quadra dos tamanduás. Lugar tranquilo, floricultura a 50 metros. Morra perto de tudo o que você precisa. Visite decorado, confira as facilidades e feche negócio antes que seja tarde demais.

ALÇAS DE CAIXÃO SOBRESSALENTES
Para aqueles entes queridos mais queridos que a média. Não deixe faltar alguns pares a mais, especialmente para os advogados que chegam ao velório doidos para pegar, além da alça, o inventário do finado. Disponíveis em bronze e prata maciça.

e-PÊSAMES
Com o corre-corre do dia-a-dia, é impossível estar em vários enterros ao mesmo tempo. Envie coroas de web-flores e acenda velas virtuais por intenção do falecido, do seu tablet ou celular. As mensagens são transmitidas real time e assistidas pela família em telão, no recinto do velório.

CELULAR COM BATERIA PERPÉTUA
O smartphone fica com a tela acesa o tempo todo, bem próximo aos olhos do defunto, sendo o dispositivo acionado alguns minutos antes do sepultamento. Caso venha a ressuscitar debaixo da terra, o decujo terá a chance de chamar alguém em seu socorro. O fabricante não se responsabiliza se a pessoa do outro lado da linha vier a morrer de susto.

CARRO FUNERÁRIO
Veraneio preta, ano 71. Único dono, nunca bateu. Jamais pegou estrada de terra e só anda em ponto morto. IPVA pago e licenciado 2013. Faço desconto por só ter o banco do motorista. Seguro muito barato – pouco visado pelos ladrões.

MÉDICO LEGISTA – ATENDE A TODOS OS CONVÊNIOS
Necrópsias e laudos periciais em geral. Forneço atestado de óbito para justificar faltas no trabalho.

AQUI JAZZ
O seu barzinho mal assombrado, ao lado do crematório. Música ao morto de segunda a sábado.

EXCURSÃO - FERIADÃO DE FINADOS
Três dias e duas noites com café da manhã e traslados para os cemitérios inclusos nos pacotes.
Confira os roteiros:
Cadáveres Espetaculares. Tour paulistano pelos cemitérios da Consolação, do Araçá, de Itaquera, da Penha, da Saudade e do Gethsêmani.
Macabros Inesquecíveis. Tour carioca pelos cemitérios do Caju, de São João Batista, de Jacarepaguá, do Realengo e de Irajá.

SENSOR DE PRESENÇA DE ENCARNADOS
Invenção com patente requerida, este maravilhoso produto possui tecnologia baseada nos populares sensores "fiu-fiu" vendidos pelos camelôs - aqueles que assobiam quando alguém passa na frente. Instalado no túmulo, o sensor identifica o ser vivente que chegue para uma prece. A diferença é que, ao invés do "fiu-fiu", o sujeito escuta uma saudação de boas- vindas gravada pelo morto, que cumprimenta o visitante e agradece a reza.

© Direitos Reservados


Comentários

  1. Correndo de você e suas ofertas, caro Marcelo! Sou adepta do crematório. Exatamente para evitar isso tudo!
    Valeu-me as boas risadas pelo seu "humor mortal"...
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Quase MORRO de tanto rir, Marcelo! Muito bom.. e que seja assim até que ela nos separe.... ou até a terra do nunca... ops... risos

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Claudia Albers12:59 AM

    Marcelo

    Faltou uma.
    Num velório que fui, um membro da família filmava o morto em todas suas facetas para transmitir on line ao parente do Ceará que não pode comparecer ao velório.
    Abraço.

    Claudia

    ResponderExcluir
  5. Claudete Amaral Bueno1:01 AM

    Imaginação, não moço?????????
    Estou interessada no carro pouco rodado, que só anda em ponto morto. Deve ser mto econômico! rsssss
    Bom FDS....um abraço!
    Claudete

    PS- Meu "jazigo perpétuo" é o único que tem a frente voltada p/ a "avenida" principal. Os demais são todos
    "de costa", pq havia uma lei que todos os túmulos tinham que estar voltados p/ a Igreja Católica.....Como
    somos evangélicos, m/ filha "bateu o pé" e conseguiu isso...(Deve ser mais valorizado, né? ....ou menos?).....rssss

    ResponderExcluir
  6. Edson Maciel1:02 AM

    Obrigado por me enviar seus belos textos amigo Marcelo

    ResponderExcluir
  7. Celi Estrada1:02 AM

    AH! AH! AH! as primeiras sepulturas descritas no texto são confortáveis e de nível! São de minha preferência.
    Favor fazer reserva!... AH! AH! AH!
    Celi

    ResponderExcluir
  8. Antonio Carlos Antoniazzi1:05 AM

    Passo-lhe, Marcelo, estas duas que talvez você já conheça:

    - DEFUNTO - Palavra de origem latina. Significa "aquele que já cumpriu a sua missão".

    - CEMITÉRIO - Se você perguntar para cada uma, de mil pessoas, quem a ela contou, e quando, que no cemitério são enterrados aqueles que morrem, e alguém responder uma delas, ou as duas questões, com certeza estará mentindo.

    Antoniazi.

    ResponderExcluir
  9. Jusciney Carvalho1:07 AM

    minha crônica BOA de todo sábado....
    Quase MORRO de tanto rir, Marcelo Pirajá Sguassábia! Muito bom.. e que seja assim até que ela nos separe.... ou até a terra do nunca... ops... risos

    ResponderExcluir
  10. José Hamilton Brito1:10 AM

    Meu amigo, vc leu Polígno das secas, do Diogo Mainard, aquele chato?
    Pois é, daqui a pouco vc vai vender o tal de unguento amarelo…kkkkik

    ResponderExcluir
  11. Jorge Cortás Sader Filho1:10 AM

    A partir do “Minha cova, minha vida”, não consegui mais parar de rir…
    Excelente, Marcelo.
    Aquele abraço.
    Jorge

    ResponderExcluir
  12. Clotilde Fascioni1:11 AM

    Amigo, morri de rir. O fechamento foi perfeito com a mensagem de boas vindas com a voz do falecido agradecendo a reza, hahahah que susto!. Abrçs.

    ResponderExcluir
  13. Célia Alencar6:18 AM

    Marcelo,
    Hoje não poderia deixar de lhe dar os parabéns…sua imaginação foi demais…
    não sei dizer qual dos “anúncios”, foi mais divertido.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  14. Marco Antonio Rossi6:19 AM

    Bom dia!! Boa semana!!
    Que texto macabro............
    Abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  15. rita Lavoyer3:26 AM

    Peraí, que estou morrendo de rir!
    Esse negócio de “minha cova , minha vida” é, de fato, uma morte. Se o morador tropeçar no pé de uma cadeira, dá com a cabeça na calçada, do outro lado da rua: é morte instantânea.
    anúncios pra lá de interessantes e muito inteligentes, como sempre, né, imortal Sguassábia!

    ResponderExcluir
  16. Antonio Fonseca6:15 AM

    Me dê o endereço do mausoléu de frente para os três anjinhos barrocos, onde se toma sol pela manhã e com a capelinha onde poderei declamar muitas aves marias e alguns padres nossos. Mas, de antemão me exclua do programa minha cova minha vida, pois, já estarei morto e isso não fará sentido.
    Amigo, depois dessa leitura, vou ser enterrado mesmo, porque morri de rir.

    ResponderExcluir
  17. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  18. gina Soares6:17 AM

    Neste caso, é cômico, e não trágico….
    kkkkkkkkkkkkkkkkk
    Ri demais!!
    bjs

    ResponderExcluir
  19. Meu caro amigo, estou morrendo (ops) de rir! Esta blogagem foi genial. Acho muito legal mesmo esta história de um defunto antenado. A tecnologia pode ajudar muito, mas também pode matar quem receber a ligação. hahahahaha adorei! Um beijo!

    ResponderExcluir
  20. José Carlos Carneiro3:16 AM

    Necrópole news. O tema do último endereço foi muito bem explorado, com dosagem ótima de refinado humor. Tenho uma peculiar queda por por esse tema e tenho algumas crônicas em arquivo. Nossas "vertentes" não coincidem, mas são muito parecidas.

    ResponderExcluir
  21. Mara Narciso6:03 AM

    Fazer rir com a morte é arte difícil, por constranger, mas possível, como se vê. Um dia chegaremos lá!

    ResponderExcluir
  22. Lisette Feijó11:24 PM

    Engraçado…
    Abraço Lisette.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…