Pular para o conteúdo principal

O LIVRO DOS SEGREDOS DO TACO





O título da obra, ao contrário do que o senso comum poderia supor, não é uma compilação de receitas baseadas na iguaria mexicana. Muito menos trata-se de um manual de regras e jogadas ensaiadas daquele jogo de rua, tão comum nos anos 60 e 70. Temos aqui uma publicação única e de valor incalculável, através da qual a humanidade finalmente tem acesso a um dos mais impenetráveis mistérios de todos os tempos: a 12ª profecia de Mazzaropi, tida como perdida há muitas décadas, a despeito das inúmeras expedições empreendidas por arqueólogos do mundo inteiro a Taubaté, onde o genial caipira passou boa parte da vida.

Deu-se a descoberta por acaso, com um golpe de picareta no chão da casa em que vivia o ilustre cômico. A residência passava por uma reforma geral, e a equipe que removia os tacos do living para trocá-los por carpete de madeira descobriu, cuidadosamente acondicionado abaixo de um deles, o precioso documento dobrado em oito, assinado e autenticado por Mazzaropi no ano de 1967. Isolada a área por forte aparato policial e impedido o trânsito num perímetro de doze quarteirões adjacentes ao precioso achado, os peritos atestaram a autenticidade da relíquia mas se abstiveram de qualquer comentário quanto ao seu conteúdo.

Das 16 profecias deixadas pelo artista, 15 já eram de conhecimento público. A mais amplamente divulgada, catalogada como a de número 3, versava sobre o acidente de helicóptero sofrido por Ulisses Guimarães e dona Mora, fatidicamente previsto por Mazza 22 anos antes de acontecer. Outras bastante conhecidas tratam da extinção do Tigre de Java, em meados da década de 80, e do fim do longevo programa televisivo "Almoço com as Estrelas" apresentado por Ayrton e Lolita Rodrigues na TV Tupi, emissora tão finada quanto o citado Tigre de Java.

Todas, sem exceção, foram confirmadas nas datas previstas.  Nenhuma delas, porém, causou tanta controvérsia quanto a nona. Nela, o lampejo profético do nosso Jeca cinematográfico predizia o extravio perpétuo da Profecia 12 - justamente a que estava sumida. Até aí, Mazzaropi continuava acertando em cheio; mas o fato de ter sido encontrada agora, de certa forma contradiz o enunciado da Profecia 9, colocando em sérias dúvidas a reputação de Mazza como profeta. Resta saber do que fala a Profecia 12, o assunto do livro em questão. Talvez seja, justamente, a resposta para este flagrante paradoxo. Comprem o livro, leiam e saibam.





© Direitos Reservados

Comentários

  1. AH, não!
    Que matemática: das 16: 15 e logo a 12 fora achada agora, contrariando a nona??
    Já sei: - A profecia da 12, a sumida, mas achada agora , tem como segredo que ela seria encontrada pelo Marcelo Sguassábia! KKKKKKKKKKKKKKK

    Matei em cima!

    Abração e bom final de semana!!

    ResponderExcluir
  2. Logo o número 12? Já até imagino.... certamente o lançamento do seu livro de crônicas, Marcelo, para logo, logo... beijão!

    ResponderExcluir
  3. Oi gatinho.O segredo não está no taco...está na casinha!!rsrs...

    ResponderExcluir
  4. Edmilson Siqueira11:13 PM

    > Aposto que você estava sem inspiração para a crônica, cabisbaixo,
    > olhando para o chão taqueado, e na televisão, ligada na TV Cultura,
    > estava passando, numa tarde de domingo, "O Jeca e a Égua
    > Milagrosa". Aí clareou tudo.

    ResponderExcluir
  5. André Albuquerque11:14 PM

    > Vai ver que a última profecia está na mesma maleta dos Protocolos
    > dos Sábios do Sião...rsrs,Valeu, Marcelo. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  6. Celia Rangel11:14 PM

    Coloquei meu "turbante"... consultei minha "bola de cristal"...
    > "figas e amuletos diversos"... Li "Nostradamus e suas profecias" -
    > e o tal "Jeca" não aparece... a não ser nas páginas amarelas como
    > "restaurador de tacos" e, na gastronomia com direito a trilha
    > sonora de mariachis!! Profecia nº 12 - não deixa de ser um
    > sugestivo número tanto nos Evangelhos, os Doze Apóstolos ou na
    > Cabala... Vale conferir... Vai que...
    > Abraço.

    ResponderExcluir
  7. Gina Soares11:15 PM

    kkkkkk... quero ver o livro tambem... bjs

    ResponderExcluir
  8. Marco Antonio Rossi11:18 PM

    Boa noite e um otimo final de semana.
    Realmente um livro dos segredos do Mazzaropi é do tempo que amarravam cachorros com linguiça.
    Um grande abrAÇO
    Rossi

    ResponderExcluir
  9. Claudete Amaral Bueno11:18 PM

    Essa foi boa, hein, Marcelo????????
    Conseguiu deixar todo o mundo curioso......vc só n/ fala o nome do livro, pra gente poder comprar!
    Seria: Segredos do taco????? kkkkkkkk
    Parabéns! Um abração!
    Claudete

    ResponderExcluir
  10. Jorge Cortás Sader Filho11:28 PM

    A minha salvação é que Mazzaropi nunca soube da minha existência.
    Sabia que você é mestre na gozação inteligente, Marcelo. Metido com profecias, estou sabendo agora. Maldades da internet!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  11. José Hamilton Brito11:29 PM

    O que diz a profecia 12?
    Fala do surgimento de uma praga no Brasil, igual aquela dos gafanhotos, que iria encher o saco de Palmeirenses e sao-paulinos, chamada Praga Curintiana. Que começaria timidamente com uma minoria gay mas que com o tempo, todos adeririam à moda

    ResponderExcluir
  12. Clotilde Fascioni11:30 PM

    Não vejo a hora de ler o livro. Abrçs amigo Marcelo.

    ResponderExcluir
  13. José Carlos Carneiro10:17 PM

    Como início de conversa e já que você citou o acidente tido como fatal e que dizem ter tirado a vida de duas pessoas, não é verídico. Na verdade o Ulisses Guimarães estava mesmo era de saco muito cheio após terminada a Constituição e com a política em geral. Então o Helicóptero deixou a dupla na mata atlântica. Até hoje o casal está vivo e o Ulisses come amora todos os dias.

    Sua crônica, por outro lado, é bem mais realista do que minha invencionice capenga. Muito boa sua criatividade.
    Um abraço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…