Pular para o conteúdo principal

BANDIDO NOEL





Entalado em chaminé, velhote obeso é detido à meia-noite do dia 24


Após o constrangedor flagrante e identificando-se apenas como Noel - que não sabemos ainda tratar-se do nome verdadeiro, apelido ou codinome - , o suspeito não portava documento algum, vestia roupas de cetim vermelho e foi imediatamente encaminhado à Terceira Delegacia Seccional da Zona Norte para interrogatório e demais averiguações. O enorme saco que trazia às costas, também em cetim vermelho, comportava uma incalculável variedade de mercadorias, em sua maioria brinquedos, todas elas sem Nota Fiscal. A evidente suspeita de contrabando levou o delegado a acionar a Polícia Federal. Interrogado pela autoridade aduaneira competente, o septuagenário não se defendia das acusações e se limitava a articular, de quando em quando: "É Natal, é Natal... Ho, ho, ho...".

O detetive Lampreia, que costuma assessorar o delegado local nesse tipo de investigação, deduziu que Natal, a capital do Rio Grande do Norte, talvez seja ponto de receptação da muamba.

Somada à suspeita de contrabando, o idoso foi ainda indiciado por invasão de domicílio, sendo o delito testemunhado por centenas de moradores das vizinhanças da casa invadida. Questionado sobre a razão que o motivou a praticar tão reprovável ato, Noel respondeu: "É o nascimento de Jesus".  Foi quando o Cabo Jonas comentou com o detetive Lampreia lembrar-se de um meliante, que há oito anos fora detido e fichado na mesma delegacia sob acusação de latrocínio, cujo nome era Deoclécio Nascimento de Jesus. Estabelecia-se assim mais uma conexão suspeita, que complicaria ainda mais a situação do barbudo e também envolveria Deoclécio como provável cúmplice ou co-autor da façanha.

O interrogatório, ou a tentativa de, prosseguiu madrugada adentro e ao longo de todo o dia 25, mas o misterioso caso permanece inconclusivo até o momento. O que mais intriga os investigadores é o fato de que, fosse Noel realmente um bandido, não vestiria traje tão berrante e espalhafatoso, pois obviamente sua ideia seria a de não chamar a atenção.

Nesse meio tempo, o Cabo Jonas levantou a hipótese de formação de quadrilha entre Nascimento de Jesus, Noel e o dono da residência, que até então mantinha-se a salvo de maiores suspeitas. Argumentou o Cabo que o envolvimento do morador era muito provável, pois era em sua casa que Noel tentava adentrar com o contrabando. E que se, ao invés de entrando, Noel estivesse saindo com as mercadorias pela chaminé (o que a princípio contraria a lei da gravidade), teríamos o dono da casa indiciado como receptador de produtos sem procedência, e o velhote Noel acusado de ladrão de muambeiro.

Aos munícipes que tiverem alguma pista ou informação que ajude a elucidar o caso, pedimos a gentileza de encaminhá-las, ainda que anonimamente, às nossas autoridades.



© Direitos Reservados

Comentários

  1. kkkk... Papuda neles!!!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Marcelo, esse "meliante" usa botas?? Havia algum transporte estranho, guiado por animais, no fundo da residência aonde foi encontrado? Tem mais pistas capazes de chegar até a grande verdade...ho ho ho ho

    ResponderExcluir
  3. Jorge Cortás Sader Filho10:37 PM

    Incrível. Este detetive Lampreia deveria ser contratado pelo governo, para chefiar seu órgão de informações, dada a sua astúcia. Eu sempre desconfiei de Natal, um ponto bastante estratégico.
    E vai inventar assim lá… Esqueci!
    Grande abraço, Marcelo.
    Jorge

    ResponderExcluir
  4. José Hamilton Brito10:37 PM

    Do jeito que o mundo tá doido, o papai Noel corre sério risco.
    Atrás de bandido delegado nao vai, que dá muito trabalho. É perigoso.
    Delegado, em Ribeirão tem uma pessoa, o Marcelo, que sabe onde o papai Noel esta ” gorinha” mesmo. Acho ate que ele é fornecedor da mercadoria do ” veinho”

    ResponderExcluir
  5. Gina Soares10:38 PM

    Ho ho ho… Kkkk
    Adorei!!
    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Rita Lavoyer10:38 PM

    Eu hein, até que sei de muitas coisas, mas dar pistas, denunciar agora, às vésperas do Natal, faço não, porque mandei a minha cartinha ao velhinho, se eu receber o meu presente certinho, depois eu faço a denúncia, se não vier certinho, como eu pedi, faço a denúncia do mesmo jeito. Mas vamos aguardar! Dia 26 está logo ali.

    ResponderExcluir
  7. Zezinha Lins10:39 PM

    Marcelo, ri muito aqui sozinha. Nossa!! Que coisa, menino! Adorei sua criatividade, como sempre. Espero vc no meu blog, finalmente atualizado com vários poeminhas. Um carinhoso abraço, amigo. Obrigada pela diversão!

    ResponderExcluir
  8. Antonio Fonseca10:40 PM

    Se os cinco companheiros anteriores a mim gostaram, eu não gostei. Se eles riram, eu chorei. Fiquei penalizado com este velhinho. Eu o aguardei com tanta ansiedade em todos os anos da minha infância. E ele nunca apareceu. Até pensei que ele só visitava os ricos. E era mesmo! Só os meninos ricos da minha rua exibiam seus presentes nas manhãs de 25 de dezembro. E eu chupava o dedo e chorava. Fazer o quê, não é? Mas, apesar de tudo, eu lhe parabenizo, meu caro Marcelo, pela bela criatividade.

    ResponderExcluir
  9. Maria Bonfá10:40 PM

    oi Marcelo..como sempre tenho que parabeniza-lo por sua criatividade..adoro ler seus textos e fico aqui me perguntando de onde vc tira tantas ideias diferentes.parabéns adorei.. .que congfusão eles criaram..me fez lembrar de cidade pequena onde uma fofoca é contada e quando chega no final da rua.. está enorme e já toda modificada .a verdade? quem saberaá? beijo

    ResponderExcluir
  10. Mara Narciso11:00 PM

    O inverossímil transformado é realidade. Quem tiver alguma disposição em contrário, que atire a primeira pedra. Vamos misturar.

    ResponderExcluir
  11. João Daniel Souza11:01 PM

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk, é muita criatividade, sarcástico e original!

    ResponderExcluir
  12. Luis Antonio Pradella11:02 PM

    Muito bom . .

    ResponderExcluir
  13. André Albuquerque11:02 PM

    Vai ver, esse cara ainda é parente do Meneghetti (mestre do arrombamento nos anos 50).Excelente.Forte abraço..

    ResponderExcluir
  14. Antonio Gregório11:05 PM

    Adoro cronicas do Marcelo Sguassabia. Excelente.

    ResponderExcluir
  15. Bell Pereira11:05 PM

    Eu também gosto Antonio Gregório. Tem uma leveza especial...

    ResponderExcluir
  16. ando muito ausente de tudo...não sei se eu já te falei,,mudei de estado.. sai da minha querida são paulo
    e vim me esconder numa cidadezinha aqui em alagoas-Teotônio Vilela..um calor de rachar
    logo eu que amo dias frios e chuva.... estou muito deprimida e triste.. não consigo escrever mais nada
    se bem que só rabisco alguma coisa.... perdi
    a vontade de ficar no face.. porque nem sorrir eu consigo mais..
    mas não esqueça de mim..me mande o link das suas postagens
    ..ok? desculpe o desabafo..

    ResponderExcluir
  17. Claudete Amaral Bueno11:14 PM

    Acho que esse Noel deveria ir em cana......Pq n/ faz um regime, antes de adentrar chaminés????? rssss

    Bom FDS pra vc!

    Claudete

    ResponderExcluir
  18. Claudia Albers11:14 PM

    Retrato fiel das investigações que vemos pela TV, mais precisamente no Datena.
    Bela crônica.

    Claudia

    ResponderExcluir
  19. Edson Maciel11:15 PM

    Legal o texto.

    ResponderExcluir
  20. Marco Antonio Rossi11:15 PM

    Boa tarde, meu amigo e um maravilhoso final de semana!!!!
    Quanto a cronica de hoje, o álibi do noel são os veadinhos.........
    Abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  21. Carlos Edu Bernardes11:17 PM

    Beleza!
    Com o hodierno politicamente correto e a pasteurização da vida constantes, um flash nada impossível num breve futuro.
    Oremos. Ho ho ho!

    Grandes abraços!

    Carlos Edu

    ResponderExcluir
  22. Mara Narciso5:52 AM

    Essa imagem estranha, nascida da cabeça de algum insano, é relativamente recente, de 1930, se não me engano. Significa tanto quanto é horrível. E o melhor: eu já acreditei em Papai Noel. Boas falas, Marcelo.

    ResponderExcluir
  23. Cinara Melo7:17 AM

    Adorei... a propósito... tem uma sacolinha vermelha suspeita lá em casa... uma roupa vermelha também, com direito a barba e sininho... Acho que vou pensar duas vezes antes de usar a vestimenta suspeita.

    ResponderExcluir
  24. kkkkkkk
    Não duvidemos disso..
    Gina

    ResponderExcluir
  25. É duro ser Noel num país com polícia tão inteligente como a nossa! Haja saco! Meu abraço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…