Pular para o conteúdo principal

DE MENOR


A menor AFS foi detida pelas autoridades alfandegárias brasileiras enquanto tentava atravessar a Ponte da Amizade com 150 arrobas de algodão doce, disfarçadas como enchimentos de travesseiros. A ré, que mordia nervosamente sua chupeta enquanto era interrogada pelo investigador JLB, trazia ainda duas marias-moles escondidas no meio de suas marias-chiquinhas.


******


Mais um caso de falsidade ideológica vem se somar aos dezessete já registrados na cidade, somente neste mês. Desta vez, o palco da 
contravenção foi o Buffet Infantil Pequerruchos. ZBG, também conhecido no submundo da contravenção mirim como RT, foi flagrado na tentativa de subornar o palhaço VH para que este lhe fornecesse um suprimento extra de bolinhas pula-pula. Nos bolsos do meliante foram encontradas dezenas de falsas cadernetas de vacinação, para provável uso em variados golpes, com nomes como RSU, ELL, TMWO, XNH, WILG, MM, entre outros.


******


Com a cara mais lambida desse mundo, o maior de idade Antonio de Souza, 89, tentava dar à polícia explicações que justificassem sua repugnante atitude de assistir ao "Homem de Ferro 2", no cinema da cidade. Barbado, grisalho e manco de uma perna, fazia papel caricato em sua frustrada intenção de passar pela catraca mascando um pirulito- chiclé e com boné de aba virada para trás. Aos gritos de "Pega maior, pega maior!!", a bilheteira TLCP foi a primeira a notar o golpe do velhote, que levou uma voadora no rosto e foi prontamente imobilizado por dois meninos judocas até a chegada dos policiais.


******


Anda dando o que falar o ensaio fotográfico da Barbie nua, no Hopi Hari, para uma revista masculina. Não tanto a edição em si, cujos 
exemplares se esgotaram nas bancas em questão de horas, mas o making of das fotos. Os cliques do consagrado fotógrafo RGH se sucediam maravilhosamente, da montanha russa ao chapéu mexicano, até que alguém teve a ideia de clicar a Barbie como veio ao mundo no barco viking. Após sucessivos acessos de vômito, o médico do parque foi acionado e, procedendo a minucioso exame clínico, constatou a gravidez da boneca. Medicada, ela permanece desde então em casa, aos cuidados de uma enfermeira particular.


******


Na última quarta-feira, a Sessão Ordinária da Câmara Municipal rendeu homenagem às vítimas do atentado terrorista ocorrido em 12 de outubro passado, quando um delinquente fantasiado de Bicho-Papão matou de susto mais de 80 cidadãozinhos em tenra idade. As famílias dos mortos receberam buquês de rosas, após realizarem manifestação no plenário pedindo prisão perpétua para o Papão de pelúcia. O malvado LPO cumpre atualmente pena em regime semiaberto, e por ordem do juiz distribui todos os sábados papinhas de legumes às crianças da periferia.

© Direitos Reservados

Comentários

  1. Os "DE MENOR"... emporcalharam a nossa infância... ou fomos nós, os "DE MAIOR" com nossas injustiças e corrupções, que os desmotivaram a ser crianças, tão somente? Muito cruel isso tudo. As brincadeiras são verdades, não mais fantasias; as bonecas são de carne e osso, na gravidez adolescente; a fase infantil adulterou-se na epidemia da agressiva imoralidade. Pensemos nisso.
    Abraços natalinos, Marcelo.
    Célia.

    ResponderExcluir
  2. Muto bom, Marcelo! Divertido e reflexivo. Não li o seu texto de sábado, mas como nunca é tarde para ser feliz, vou lá, dá uma voltinha no passado da semana passada. Um baraço!!!

    ResponderExcluir
  3. Brincadeiras? Talvez não...
    Feliz Natal, Marcelo.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  4. Rita Lavoyer11:03 PM

    Repito o que deixei no face:
    Li e reli com vontade enorme de contrabandear, piratear, clonar ou sei lá mais qual estratégia malandra que me possa dar os créditos desta história, raspar o nome do autor e colocar o meu em cima, com as minhas iniciais. RCZL- a tal Rita Lavoyer. Gênio, deixe um pouco do teu saber lá na “Ponte da Amizade” que eu te pago com a minha moeda : amizade – que não é falsificada! Abração.
    Aproveito para desejar-lhe um Feliz Natal.

    ResponderExcluir
  5. Helô Neves11:23 PM

    Marcelo

    tenho medo de boneca :|

    ResponderExcluir
  6. Claudete Amaral Bueno11:24 PM

    OI!
    Esses "de menor" só causam "pobremas" aos de maior! COMPRICADO!!!!!!!
    Desejo-lhe um Feliz Natal e um Ano novo cheio de boas inspirações!
    Com um abraço,
    Claudete

    ResponderExcluir
  7. Isabel Cristina Costa5:29 AM

    Show Marcelo,


    Ótimo domingo de sol!
    Bjo.

    ResponderExcluir
  8. Mas que dó da Barbie no barco viking rs rs Ótima crônica! Bjos

    ResponderExcluir
  9. Ana Christina Victorelli11:18 AM

    Amei, como sempre !!!!

    ResponderExcluir
  10. Lou Magalhães11:18 AM

    Grande Marcelo!

    ResponderExcluir
  11. Brincando você retratou nossa triste e infeliz realidade, Marcelo. Seu texto nos faz pensar.
    Mais do que bonitas suas palavras se fazem necessárias neste final de ano.Beijos

    ResponderExcluir
  12. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  13. João Daniel Souza12:56 AM

    O surreal tenta explicar o inevitável. Pequeno grande texto esse "De menor."

    ResponderExcluir
  14. Nossa mãe....anota aí:
    Não é DE MENOR é DI MENOR
    Vai nas delegacias, até delegados falam DI menor
    Bom natal pra você e família amigo

    ResponderExcluir
  15. Clotilde Fascioni10:54 AM

    Adorei, mas me pareceu um tanto nostálgico com o mundo infantil, ou talvez não, quem sabe seja só impressão minha? Abraços

    ResponderExcluir
  16. Mary Maia10:56 AM

    Marcelo, querido de sempre,
    Saúde, paz, amor, sucesso em todas as realizações - pessoais e profissionais - e muitas alegrias, é o que desejo, de coração, a você e aos seus.

    Abraços e meu carinho.

    Mary

    ResponderExcluir
  17. Marco Antonio Rossi11:10 AM

    Bom dia e uma ótima semana....
    Espero que todas as crianças tenham a alegria de receber a visita do bom velhinho na madrugada da próxima quarta feira......, com muito carinho, muito amor e principalmente recebam da nossa sociedade a atenção que merecem.
    Um grande abraço a voce meu amigo Marcelo e família.
    Feliz Natal!!!!!
    Rossi

    ResponderExcluir
  18. Antonio Calazans10:45 PM

    Feliz Natal, meu amigo!
    Abraços
    de Calazans

    ResponderExcluir
  19. Claudia Albers10:45 PM

    MOTIVO

    Reserva pães ázimos
    e ervas amargas.
    Cinge teus rins,
    calça tuas sandálias
    e mune-te de cajado
    porque,
    acima de toda luz
    e ao som de flautas,
    cítaras e gaitas,
    harpas e saltérios,
    vai renascer JESUS.

    Feliz Natal!

    ResponderExcluir
  20. seria comico demais, se não fosse a tão trágica realidade!!
    Muito bom
    Feliz 2014

    ResponderExcluir
  21. Meu caro amigo, este humor e criatividade são invejáveis! Bem, ser 'de menor' não é de todo uma desvantagem... Eu ainda me pergunto se quem tem menos de 1,60m é de menor. Mas pense bem, o fato dela ter sido detida a livra de alguns kg a mais, quem sabe até uma diabetes... Sobre a gravidez da Barbie, demorou né? Mas é porque ela saía com Ken. Com quem? Ah, sim, ela está gravida de Al Guém, dos Emirados Árabes... rsrsrsrs
    adorei! Boas festas e um excelente 2014! Beijos!

    ResponderExcluir
  22. Anônimo10:27 AM

    Olha eu aqui outra vez!
    Estamos em plena inversão de valores, meu caro Marcelo. E tudo por nossa culpa.Valorizamos mais tudo fora do lar em detrimento da família. Por isso nossos filhos "di menor" estão galgando espaços espúrios. Estamos nas mãos dos nossos produtos e... salva-nos Deus!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…