Pular para o conteúdo principal

BATE-BOLA





COM NERO

Time de futebol
Botafogo.

Filme
Quanto mais quente, melhor.

Cidade
Lavas.

Música
Me chama.

Uma paixão
Joelma.

Um trauma
Hidrantes.

Um ditado
Onde há fumaça, há fogo.

Jogo
Queimada.

Prato favorito
Macarrão ardente.

Sobremesa
Doce de coco queimado.

Sonho impossível
Extintor de água.

Bebida
Whisqueiro.

Elemento Químico
Fósforo.

Livro
Os segredos do Churrasco.

Cigarro
Aceso.

Pneu
Firestone.

Cor
Cinza.

Desenho animado
Os Brasinhas do Espaço.

Programa de TV
Tela Quente e Temperatura Máxima.

Roupa
Só de queima de estoque.

Lugar mais estranho onde já fez amor
Escada de incêndio.

Viagem
De foguete.

Amar é
Não deixar o desejo apagar.

Defeito
Ter o pavio curto.

Desejo
Tocar cítara tão bem quanto toco fogo.





COM DELFIM NETO

Carro
Renault Selic com câmbio flutuante.

Passeio
Circuito das Águas, com desconto na fonte.

Investimento
Poupe seu tempo e economize espaço no jornal. Duas perguntas já está bom.





COM GIL GOMES

Comida
Presunto.

Música
Ronda.

Filme
Corra que a polícia vem aí.

Livro
Memórias do Cárcere.

Teatro
Uma facada.

Uma virtude
Garra.

Um crime hediondo
Morte seguida de estupro.

Passatempo
Xadrez.

Roupa
Forum.

Sonho de consumo
Cela ampla e luxuosa, com requintes de crueldade.

Lugar legal
O Instituto Médico.

Carro
Envenenado.

Situação econômica
Enforcado.

Cartão de Crédito
Roubado.

Cachorro
Policial.

O que incomoda
Prisão de ventre.

Filosofia
Sorria. Você está sendo filmado.

Acabou.
Que pena.





COM BEETHOVEN

Carro
No concerto. Só andava em ré.

Instrumento
Hein?

Instrumento!
Hein?

Instrumentoooooooo!!!!!
Ah sim, instrumento. Surdo.

Fruta
A Nona.

Lugar
Lá.

Desodorante
Moderato.

Relógio
De cordas.

Comida
Bis.

Cachorro
Bravo!

O que anda ouvindo
Hein?





COM SHERLOCK HOLMES

Música
Adivinhe.

Hobby
Investigue.

Cor
Deduza.

Filme
Sou suspeito pra falar.

Uma pista
Rodovia dos Bandeirantes.

Quem é o culpado
Ele.

Ele quem?
Elementar.

Objeto de desejo
A Lupa do Oliveira.

Prato preferido
Comida álibi.

Caso insolúvel
Água e óleo.

Carro
Siga-o.

Ídolo
Conan. O Doyle, não o Bárbaro.

Amigo de valor
Meu caro Watson.

Filosofia
Agora tudo se encaixa.

Um ditado
A primeira impressão digital é a que fica.

Uma dúvida
Nenhuma. Foi o mordomo.

Animal
A gata Christie.

Finalize o interrogatório
Pergunta pro Nero se ele tem fogo pro meu cachimbo.



© Direitos Reservados

Comentários

  1. Incríveis persoonagens e suas respectivas entrevistas! Fiquei pensando nas respostas do Marcelo P. Sguassábia... se entrevistado fosse... Curiosidade, apenas!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. hahahah genial;
    Bem vou comentar como Jack, em partes... hahaha
    Nero, você se esqueceu de seu desenho favorito: Faísca e Fumaça
    Delfim, tema de discurso: Deu o fim na nossa grana;
    Gil Gomes, esse eu não suporto nem comentar! Assim Dá Tena, ops, dá pena!
    Sherlok, colega químico, elementar!
    Marcelo, você como sempre nos divertindo! Ótimo, adorei!
    Um beijo!

    ResponderExcluir
  3. Estive a ler e a ver não só esta postagem mas uma parte de seu blog,e gostei, dou-lhe os parabéns pelo blog por seu trabalho e obrigado por partilhar.
    Ficarei muito feliz se desejar fazer parte dos meus amigos virtuais,
    decerto que vou seguir também o seu blog.
    Deixo as minhas cordiais saudações, e muita paz.
    Sou António Batalha.

    ResponderExcluir
  4. Claudete Amaral Bueno9:30 PM

    Muito interessantes e bem boladas as entrevistas...(escutou, né?)......
    Bom fim de semana.........GOSTEI!
    Um abraço.
    Claudete

    ResponderExcluir
  5. Silvia Ferrante9:33 PM

    Li e adorei!
    Abraços

    ResponderExcluir
  6. Marco Antonio Rossi9:34 PM

    Meu amigo, boa tarde e um otimo final de semana.
    No meu tempo, bate bola era um futebolzinho de final de semana ou treinamento de algum clube....
    Aproveitando a sua idéia e criatividade, poderia fazer um com os políticos do Brazil?
    Abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  7. Jorge Cortás Sader Filho9:55 PM

    “A primeira impressão digital é a que fica.” Todas ótimas, mas escolhi esta.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  8. Zezinha Lins9:55 PM

    Fiquei imaginando como seria se o entrevistado fosse você, Marcelo. Até imaginei umas respostas.(risos)

    ResponderExcluir
  9. Rita Lavoyer9:56 PM

    Li duas vezes para continuar rindo as duas vezes. Maravilha!!!!!!!!!!!!!!!
    Com o Sherlock Holmes a costura foi perfeita.

    ResponderExcluir
  10. José Hamilton Brito9:56 PM

    Não vou perguntar nada pro Nero.Vou mandar o Sherlock atrás dele,,isso sim

    ResponderExcluir
  11. Clotilde Fascioni9:57 PM

    Adorei, muito divertido. Abrçs Marcelo

    ResponderExcluir
  12. André Albuquerque10:00 PM

    Valeu , Marcelo.Um abraço.

    ResponderExcluir
  13. Mara Narciso10:00 PM

    ♫ ♫ ♫ Cada personagem com sua fixação. Extraiu bem demais.

    ResponderExcluir
  14. Manoel Carlos Conti10:01 PM

    Legal....eheheheee

    ResponderExcluir
  15. Bell Pereira10:01 PM

    O Marcelo Pirajá Sguassábia é um ótimo cronista. No Portal tem mais crônicas dele. Tenho certeza que vc vai gostar.

    ResponderExcluir
  16. Vou dá uma espiadinha no bate papo com Lula, pra comparar com os teus, Marcelo. Meu abraço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…