Pular para o conteúdo principal

DISCUTINDO A RELAÇÃO




- Alô, Ego? Aqui é o Alter.
- Walter?
- Não, Alter mesmo. Alter-ego. O seu, pra ser exato.
- Olha, eu estou em trânsito. Posso retornar mais tarde a ligação?
- Não, não pode. Seu rato filho da mãe. Pústula, desgraçado, hipócrita... tratante, desalmado, usurpador... não vai se defender, não?
- Absolutamente. Desconheço a razão dessa ofensa descabida e não costumo me influenciar pela opinião dos outros.
- O problema é que eu sou você. E bota problema nisso.
- Nesse caso, eu exijo ser apresentado formalmente a mim pra continuar a conversa. Não é do meu temperamento me abrir com estranhos, ainda que esse estranho aparentemente me seja tão íntimo. A voz, pelo menos, é igualzinha a minha. Impressionante.
- Tudo bem, então vamos marcar um encontro. Na minha mente ou na sua?
- Nenhuma das duas. Território neutro. Talvez entre o hemisfério direito e o esquerdo do nosso amigo em comum, o que me diz?
- Mas ali, bem na fronteira, ninguém fala coisa com coisa. Vamos ficar lá, feito dois idiotas. Só sentindo, sem articular nada.
- Não mistura sentimento nessa história. Não sentimos nada um pelo outro, até porque estamos falando agora pela primeira vez.
- É, mas eu sou uma criação sua.
- Olha, você deve ser fruto de alguma distração minha, isso sim. Um mau passo. Não me lembro de ter criado nada tão sem graça e inconveniente.
- Desculpe, mas foi o que você conseguiu arrumar. Cada um tem o alter-ego que merece.
- Ok, agora sejamos práticos. Por que ligou pra mim?
- Queria um pouquinho de reconhecimento e consideração. É péssimo pra auto-estima ser o outro o tempo todo. Ponha-se no meu lugar, tente entender como me sinto. Você só me aciona quando não quer ser você mesmo, em situações de escape. Eu não passo de um dublê.
- Desencana, passa o mico pra frente. Cria um alter-ego pra você. O alter do alter, que tal? Só torce pra ele não te ligar no meio da tarde com conflitinho existencial, querendo discutir a relação...
- Tá me chamando de fraco? Fraco foi você em me criar pra se esconder de você mesmo. Eu não pedi pra nascer.
- Nossa, é mesmo? Que rebeldinho sem causa. Está querendo o quê, casa, comida, roupa lavada, carteira assinada, fundo de garantia?
- Só o direito de greve, de vez em quando,  já estava bom.
- Pois por mim eu já te dava o auxílio-funeral, seu bosta. Morra agora, e de morte trágica.
- Não me conformo...não é possível que eu, tão mais interessante, seja obra sua. Mas tudo bem. O pai do Einstein foi sem dúvida menos brilhante que ele.
- Não esperneia, não. Aceite sua insignificância. Saiba que você sempre será o outro, um subproduto do original. Alguém que só existe graças a mim. E isso se eu de fato te reconhecer oficialmente, porque por enquanto eu só estou escutando você dizer quem é e presumindo que isso seja verdade. Mas quem me garante que você não é um impostor?
- Esta dúvida eu tiro de você rapidinho. Sei milhares de coisas que só nós dois sabemos. Tenho como provar minha autenticidade, ou seja, o triste castigo de ser você.



© Direitos Reservados

Comentários

  1. Nossa... e quem precisa deslocar-se para viajar?? Basta vir aqui... beijo!!

    ResponderExcluir
  2. Ufa! Passei um bom tempo com o meu "alter, do alter-ego"... fazendo uma incendiária DR e detalhe: - não "chegamos" a nenhuma boa conclusão!
    Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Belvedere Bruno3:30 PM

    Aproveitei e li vários. VC sempre excelente, Marcelo. Quando lança seu livro?
    Bjs

    Depois leia meu conto experimental. Muito louco!!!!!!!!!!! Vale a pena. Bjs
    http://www.recantodasletras.com.br/contos/4638953


    Agradeço a visita

    ResponderExcluir
  4. Marco Antonio Rossi3:31 PM

    Bom dia dia e uma otima semana.
    Texto de uma profundidade cerebral fantástica.....
    abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  5. Dinovaldo Ginioli3:38 PM

    Olá Marcelo,

    o texto está bem interessante. Sugeri como publicação no jornal Linha Viva (Intersindical dos Eletricitários de Santa Catarina- INTERCEL). Para acessar o LV: http://www.sinergia.org.br/

    Abs,
    Dino

    ResponderExcluir
  6. Rita Lavoyer3:41 PM

    Nossa! O meu Id foi acionado imediatamente após ler o título deste post. Descendo a leitura, me apareceu, todo intrometido: – o “Superego”, dizendo-me que aquele buraco mais embaixo não é apenas “só um buraco”, mas o outro buraco.
    Então me perguntei: – Qual será o buraco? : o mais embaixo ou o outro?
    Bom mesmo é quando os dois não se entendem: nem ego, nem alterego.
    Se se entendessem, viraria uma cratera de normalidades. A vida seria um caos de certezas e razões absolutas, sem mais nenhum mistério.
    Seria o fim do homem, caindo no abismo de si mesmo e da sua chatice. Cruzes!
    Que texto interessante, meu!

    ResponderExcluir
  7. Jorge Cortás Sader Filho3:43 PM

    Por ironia do destino, no dia da morte de Sharon, nazista maldito que a História não esquecerá.
    Ótimo texto, Marcelo.

    ResponderExcluir
  8. Antonio Carlos Ardana3:46 PM

    Bom bom, também preciso ter um papo sério com o meu ego....só não sei o telefone dele, acho que não somos tão íntimos assim.

    ResponderExcluir
  9. Lauro Augusto Bittencourt Borges3:47 PM

    Marcelo Pirajá Sguassábia, um fora de série das crônicas. A qualidade e a regularidade nas suas letras cheias de comicidade e História são espantosas. Sou fã desse sanjoanense exilado.

    ResponderExcluir
  10. Bruna Mazarin3:48 PM

    Muito bom, Marcelo Pirajá Sguassábia! HAHA

    ResponderExcluir
  11. Leda Valéria Suppa Basile3:50 PM

    Bom demais, como sempre.

    ResponderExcluir
  12. Antonio Gregorio3:50 PM

    Gostei.

    ResponderExcluir
  13. Isabel Moura3:51 PM

    *Sensacional!*

    ResponderExcluir
  14. Clotilde Fascioni3:51 PM

    O eterno conflito do ser. Abraços meu amigo Marcelo Pirajá Sguassábia. Adorei!

    ResponderExcluir
  15. Maria Teresa Fornaciari3:52 PM

    Ah, fiquei louca pra saber os podres (de todos nós)! Criatividade e tanto. Que em 2014 ela se mantenha sempre firme pra nós fazer saborear doses de reflexão cheias de humor e simpatia. Abraços, grande Marcelo.

    ResponderExcluir
  16. Cristina Sundfeld3:53 PM

    muito bom Marcelo...

    ResponderExcluir
  17. Élide Camargo Signorelli3:54 PM

    Essa crônica está muito boa, Marcelo Pirajá Sguassábia. Essa conversa bem-humorada entre o ego e o alter tá bem afiada e você pegou bem as tentativas de encontro e escape, que fazem parte da natureza humana. Parabéns!

    ResponderExcluir
  18. Olá Marcelo!
    Ihhh, estas DRs acabam com a gente... Eu, ambidestra, já tive até uma extensão de DR para as mãos que acabaram por se estapear, por causa de seus egos. Nenhuma admitia ser a preferencial. Hahahah, mas é sempre bom por Ego baixar a bolinha e o Alter porde ajudar... rsrsrs
    Muito bom, como sempre! Beijos.

    ResponderExcluir
  19. Como se não bastassem os desvios que preciso seguir na vida, o meu ego e alter ego brigam o tempo todo enquanto estou dormindo, gerando pesadelos de arrepiar. Por isso considero a tua crônica, Marcelo, um alívio. Meu abraço.

    ResponderExcluir
  20. Mara Narciso10:17 PM

    Em uma palavra? Espetacular! Todos merecem ler isso, para aprender e se divertir. Parabéns, Marcelo!

    ResponderExcluir
  21. Nubia Nonato10:21 PM

    Li no Literário mas na hora de postar comentário deu zica, aprecio conversas com o Alter, porém a prendemos a nos escutar, o convívio é pacífico. Ótimo texto Marcelo! Perdoe o sumiço.

    ResponderExcluir
  22. Boa tarde, Marcelo. Conhecendo o seu blog hoje. Adorei o texto, fiquei impressionada com a sua inteligência em colocar uma DR tão bem pontuada.
    Quando comecei a ler não estava acreditando!
    Eu costumo assumir quem eu sou e o que faço, mas assumo que existem situações em que tenho dificuldade para isso.
    Amo psicologia, sou APAIXONADA!
    Aplausos para você!
    Beijos na alma!
    Aplausos, você merece!

    ResponderExcluir
  23. Belo texto. É por aí mesmo. o W´'alter é f*! Tem alguns que são patifes, arrogantes e pior... nunca confrontados vão crescendo, crescendo...
    Abraços!

    ResponderExcluir
  24. Belo texto! Um diálogo inútil, pois eles se completam! Adorei! Parabéns! Bjs.

    ResponderExcluir
  25. Tenho o enorme prazer em convidar a todos vocês blogueiros para a votação do top Blogueiro na Ilha da Lindalva e sua presença dará um brilho especial a essa interação blogueira, cujo o verdadeiro sentido é não deixar fenecer a blogosfera. Conheçam todos os blogs participantes antes de votarem.
    O meu blog tbm esta participando entre outros. Mas convido a todos a entrar e interagir com todos os blogs, e votarem no que mais lhes agradarem...e não na amizade.Fiquem a vontade.
    Conto com a colaboração de todos vcs blogueiros.

    http://anos-da-ilha.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…