Pular para o conteúdo principal

LOOPING


Cristais bisotê: a primeira coisa em que reparei, assim que consegui abrir os olhos. Já tinha ouvido falar em Experiência de Quase Morte, aquilo me parecia isso. Espirais, túneis, uma força puxando para a grande luz.

A mulher muito linda, refletida nos cristais. Mas desconhecida. Nada que me lembrasse, nela, um ente querido já morto me recebendo. Eu poderia estar sonhando no quarto exalando éter. Ou me ambientando ao outro lado. Importava saber. Era justo, era eu no limbo.

- Foi muito tempo na passagem. Você não se deu conta de quanto, ela diz.

Normal. Costelas se descamando, hematomas esparsos, normal. E barba.

-Todos chegam assim, com essa cara de Moisés.

Tentei olhar para os cristais, querendo um reflexo de mim. O carrinho de montanha russa. Descarrilou. Ouço a notícia na TV do quarto, envolto em gesso e calafrios. Mas e a moça dos cristais? Quem? Descarrilei, morri ou alucino em observação?

Água, um jato forte ensopa os meus andrajos. Já sei: estou na montanha russa e passo pela água no final da volta, muitas montanhas russas são assim. Nem morto, nem em observação. Ainda estou no brinquedo, a alucinação está acontecendo pelo excesso de adrenalina.

Assusta o limbo de saber-se ou não no limbo. Assusta e cansa a imprecisão. Random, bola de pinball. Alguém maior que você, dono de você, tentando manter a bolinha pontuando. Game Over? Quando você se põe na minha pele morta-viva, estilingado no caos, puxando um ar que não infla e sem alento que baste, sobram apenas perguntas. Mais e difíceis perguntas. Tento coçar as costas. O gesso não deixa. 


© Direitos Reservados

Comentários

  1. To fora de montanha russa, chinesa ou alemã, se a morte quer me pegar, que espere até amanhã de manhã! Fui! Meu abraço, Marcelo.

    ResponderExcluir
  2. Olá Marcelo!
    Seu texto hoje me pegou pelo pessoal. É que tive duas e.q.m. sérias e estudadas , mas eu não estava de barba, nem hematomas e costelas descamadas,rsrs... Sobrevivi! Porém, sempre que leio sobre o assunto, não há como não voltar ao 11 de setembro de 2001... Foi muito forte para mim.
    Sim, assusta o limbo, ou o saber-se ou não no mesmo... Mas creio que posso falar que ele não existe, está em nós ou o criamos. Se olhar bem verá...
    Desta vez, não viajei na maionese... Me senti na montanha russa de novo...
    Beijo! Ótimo texto!

    ResponderExcluir
  3. José Carlos Carneiro10:28 PM

    Que embrulhada deu no estômago só de ler sua fictícia ou real aventura. Tempos atrás minha filha me "embrulhou" tão bem em um passeio que vivi uma aventura real dentro de uma geringonça como a que você descreveu.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  4. Claudete Amaral Bueno10:29 PM

    Por isso é que n/ ando na montanha russa!
    Eu nunca pensaria o que vc pensou, pq limbo n/ existe! rsssssss
    Um abraço e bom domingo.....
    Claud

    ResponderExcluir
  5. José Hamilton Brito10:33 PM

    Uai, tentasse coçar outra coisa…
    Cara, vc estava no umbral, quase na portaria…confundiu São Pedro com a Charlize Theron…só pode

    ResponderExcluir
  6. Jorge Cortás Sader Filho10:34 PM

    Estamos todos engessados… Sorte é que vai dar game over.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  7. Rita Lavoyer10:34 PM

    Todos os relatos de EQM são, realmente, impressionantes. Ainda que se tente todas as ficções a respeito, pouco se chegará à essência do fato. A EQM equivale a séculos, décadas, anos, dias, minutos e segundos de oportunidades de valorização à vida.
    Poder transpor-nos para além da existência, podendo absorver dela informações, trazendo-as para este plano é, de fato, uma EXPERIÊNCIA PARA A VIDA VERDADEIRA: A QUE NÃO TEM FIM.
    Por quantos Loopings já passamos …

    ResponderExcluir
  8. Gina Soares10:34 PM

    O limiar que nos faz refletir.

    ResponderExcluir
  9. Antonio Fonseca10:35 PM

    Reportei-me a uma situação inusitada como espectador de uma montanha russa. Vi, debaixo da estrutura, uma nota de cinquenta. Pulei a cerca e levei um banho de vômito e ainda saí com uma calcinha na cabeça como boné. Alguém passava mal no carrinho. Alguém passava bem no carrinho.

    ResponderExcluir
  10. Beth - Entrementes10:36 PM

    Fico assustada com essa geringonça…nunca tive coragem de atravessar esse caminho em descarrilo…eita!

    ResponderExcluir
  11. Clotilde Fascioni10:40 PM

    Muito bom, recomendo muito.

    ResponderExcluir
  12. Roberto Bragagnollo10:40 PM

    Parabéns, Marcelo pelos excelentes textos que você nos brinda a cada semana. Nesse formato ficou bem melhor. Continue assim. Forte abraço!

    ResponderExcluir
  13. Marieta Sguassabia Domingues10:41 PM

    Adorei mano.

    ResponderExcluir
  14. Regina Pirajá10:41 PM

    Muito bom !

    ResponderExcluir
  15. Evelyne Furtado10:42 PM

    Ótimo texto, Marcelo!

    ResponderExcluir
  16. Mara Narciso10:42 PM

    Bonita descrição de quase morte, e o melhor, em vida. Bem explicado, mostrando domínio vocabular total de algo que não viveu. Parabéns, Marcelo.

    ResponderExcluir
  17. Luciana Sleiman10:43 PM

    Que grata surpresa achar essa montanha-russa mortífera em plena página inicial do facebook!

    ResponderExcluir
  18. Carlos Edu Bernardes10:44 PM

    Gostei do texto! Helter Skelter! Abração, amigo Marcelo!

    ResponderExcluir
  19. Clotilde Fascioni10:45 PM

    Adorei! Recomendo, como sempre muito divertido.É por essas e outras que não ando de montanha russa, no máximo já andei naquele elevador que uma cadeira se desprendeu (!?)...aiaiai que meda.
    Abraços Marcelo e bom domingo de sol☼

    ResponderExcluir
  20. André Albuquerque10:45 PM

    Excelente,pelo simbolismo e a narração.

    ResponderExcluir
  21. Mara Narciso6:15 AM

    Uma aflição tão bem descrita que deixa o leitor também com falta de ar. fazer o quê? Respirar aliviado.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…