Pular para o conteúdo principal

MEMORABÍLIA AMERICANA




PALETÓ À BOLONHESA

Sim, é certo que até hoje se discute de onde e de quem partiram os disparos. O que não se discute é o fato de que é mesmo de JFK a carne moída respingada nos ombros do motorista que conduzia o presidente pelas ruas de Dallas. Mais de 50 anos depois, o sangue de Kennedy permanece tão reconhecível geneticamente no paletó quanto o esperma de Clinton no vestido daquela mocinha, frequentadora assídua do salão oval.

Perambulando pelo mundo com o laudo de DNA debaixo do braço, o filho do dono da relíquia promete para breve o lançamento de um blazer styled by Stella McCartney, com estampas reproduzindo fielmente as manchas de miolo espatifado do modelo original. Estima-se que pelo menos um em cada quatro cidadãos americanos deverá abrir espaço em seu closet para a nova peça, que já nasce cult e objeto de desejo até mesmo entre os não apreciadores de molho à bolonhesa - caso do vegetariano pai da estilista.

Após o desfile de apresentação da novidade prêt-à-porter para convidados, autoridades e imprensa internacional, o histórico paletó será leiloado, com lance mínimo presumido de três milhões e seiscentos mil dólares. O citado lance inicial só perde para as pantufas utilizadas por Abraham Lincoln na Guerra Civil Americana, bordadas artesanalmente com motivos cherokees, item arrematado por um magnata saudita de identidade até o momento desconhecida.





MÓDULO LUNAR DE PAPEL ALUMÍNIO
O homem esteve, de fato, na lua? Definitivamente, não. Em www.afraudedoseculo.com.br  os crédulos de plantão irão encontrar evidências contundentes do maior embuste de que se tem notícia, que por décadas vem logrando toda a humanidade.

Mas a verdade vai aos poucos aparecendo, não por bombásticas revelações, mas graças a pequenas peças de quebra-cabeças que, coletadas aqui e ali, vão formando o nada edificante quadro dessa falcatrua histórica. Veja o caso de Thelonious W. J. Donaldson. Residente no Colorado e funcionário aposentado da agência espacial norte-americana, Thelonious guarda na garagem de sua casa, junto a um velho cortador de grama John Deere e a um feixe de tacos de golfe, exatos quatrocentos e sessenta e cinco cilindros de papelão – desses onde são enrolados papel alumínio. Afirma Donaldson que esse entulho acumulado tem valor documental incalculável, pois as folhas que os envolviam confeccionaram o módulo lunar da Missão Apolo 11. 

Segundo testemunhos de funcionários da própria NASA na época, e que preferem não ser identificados, o trabalho era feito por três pessoas. Uma ia desenrolando o papel alumínio dos rolinhos, outra ia desamassando imperfeições na superfície e uma terceira afixava com fita adesiva as folhas metálicas no suposto módulo. Um procedimento tão cientificamente embasado quanto a montagem de alegorias na Marquês de Sapucaí.


© Direitos Reservados


Comentários

  1. Aliás, Marcelo... estão imbuídos em repatriar Edward Joseph Snowden... talvez para fazer parte de "investigações" inimagináveis... Deus salve a América!
    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Marcelo, a Apollo 11 não foi o maior embuste midiático de todos os tempos. Os americanos conseguiram se superar com o episódio hollywoodiano das Torres Gêmeas!!! Aquilo sim foi uma superprodução, rs, rs, rs...

    ResponderExcluir
  3. Me ensina a ser assim, tão inventivo? Como que faz? Feliz 2014 querido.Bj

    ResponderExcluir
  4. Clotilde Fascioni3:29 PM

    Marcelo, sem palavras dignas de comentar o seu texto, desejo a vc e sua família um 2014 cheio de dias felizes. ♥

    ResponderExcluir
  5. Jorge Cortás Sader Filho3:29 PM

    O homem esteve na Lua sim senhor, e dizem que numa missão foi uma mulher também. Se houve alguma coisa entre eles, não sei de nada!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  6. Rita Lavoyer3:30 PM

    Santo Cristo 1 – perdi completamente a vontade de comer carne moída, ainda que seja no quibe.
    Santo Cristo 2 – e a Laika? A cadelinha orbital, ninguém aparecerá com clone dela?
    Santo Cristo 3 – Papel alumínio a molecada da minha época usava para pôr nos dentes, imitando aparelhos, também para cobrir as cáries dos dentes da frente que, vamos combinar, não eram poucas.
    Deus o abençõe sempre, mocinho inteligente!!! adoro você, viu!!!
    Feliz 2014 sempre.

    ResponderExcluir
  7. Rita Lavoyer3:30 PM

    Vai, sei que a Laika é russa, faltou no comentário anterior, mas que os americanos podiam cloná-la para apresentá-la velhinha e os seus descendentes, todos, nos programas de auditório, apenas para sacanear o feito russo, desmentindo-o. Hei a prova de que os russos não conseguiram orbitar absolutamente nada. Sò americanos mesmo!!! Vô te contar… kkk

    ResponderExcluir
  8. Rosa Pena3:31 PM

    Adorei PALETÓ À BOLONHESA…hehe..”blazer styled by Stella McCartney, com estampas reproduzindo fielmente as manchas de miolo espatifado do modelo original”..genial Marcelo!!!!!!!!!. E estou chorando de rir com o final do MÓDULO LUNAR DE PAPEL ALUMÍNIO “Um procedimento tão cientificamente embasado quanto a montagem de alegorias na Marquês de Sapucaí.” Você é ótimoooooooooo!..beijo/rosa

    ResponderExcluir
  9. Marcelo,cuidado!
    Obama pode estar espionando seu blog neste exato momento!

    ResponderExcluir
  10. José Hamilton Brito3:33 PM

    Ah! se foi ou não foi…
    Aquela mocinha limpou a boca com o vestido?
    porque o ” coiso” nao estava nas pernas.
    Os russos orbitaram sim, d.Rita…tanto que despencaram.
    Vixi, que confusão…

    ResponderExcluir
  11. Carlos Edu Bernardes3:35 PM

    O primeiro texto (mordaz, irônico, beirando à chacota insensível) é uma crítica incrível ao mundo de hoje. O mundo do fetiche espetacular, do 'estar em evidência' sobre escombros. Genial.

    O segundo já inverte a ótica das memorabilias: de vítima a fraude... em 6 anos.

    Conclusão carloneana: os EUA perderam a inocência durante os sixties.

    4FABraços!

    (~()

    ResponderExcluir
  12. Marco Antonio Rossi3:36 PM

    Boa tarde e um maravilhoso 2014 a voce e familia.
    Tem um blazer com botões estilo comandante de navio para leiloar????
    abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  13. Claudete Amaral Bueno3:37 PM

    Que humor negro, hein, Marcelo???????? vc vai adquirir o tal paletó?

    Qto à ida do homem à lua, meu sogro "adoraria" seu artigo e diria: Eu n/ falei???

    Vcs são muito ignorantes e crédulos! kkkkkkk

    Novamente, um Feliz ano Novo pra vc! Abraços!

    Claudete

    ResponderExcluir
  14. Rudah Vasconcellos Pirajá Filho3:37 PM

    Marcelo, muito bom.
    Feliz 2014, abraço
    Rudah

    ResponderExcluir
  15. André Albuquerque3:39 PM

    O sonho americano ,virando pesadelo.

    ResponderExcluir
  16. Pedro Paulo Lopes3:40 PM

    para apimentar:
    - se de fato a ida à lua foi uma farsa, porque os sovieticos não botaram a boca no trombone já naquela epoca? conspiração internacional? multinacional talvez?
    - como diabos o tal Donaldson conseguiu tirar de dentro da nasa (e olha que na epoca era um dos orgão governamentais mais vigiados) 465 tubos de papelão? 1 por dia, dentro da marmita?
    - uma maquete em escala 1:1 feita de papel aluminio?

    ResponderExcluir
  17. Meu caro Pedro, tudo bem? Pelo jeito você levou a sério minha sátira!.... Nada mais fiz do que uma rocambolesca esculhambação, sem o menor rigor científico... Rsrsrsrsrsrs... Um grande abraço, obrigado pela interação e um feliz 2014.

    ResponderExcluir
  18. Cezar Augusto Lopes3:42 PM

    Essa é uma história que não consigo entender. Quanto mais leio sobre o assunto menos eu sei de verdade.

    ResponderExcluir
  19. Carlos Edu Bernardes3:43 PM

    Essa e tantas outras, caro Cezar...

    ResponderExcluir
  20. Filipe5:51 AM

    Muito bom garoto!!! Sabe de uma coisa?? Você tem estilo...abrs

    Filipe Moretzsohn
    DESIGN TOTAL

    ResponderExcluir
  21. Antonio Fonseca6:12 AM

    Vou deixar de tomar minha “cerva” em copo de alumínio. Vou deixar de comer carne moída, muito menos com molho de tomate. Vou deixar de comer muitos quitutes feitos com carne moída, mas nunca deixarei de acreditar que o homem pisou na lua. Se algum dia descobrir que estive enganado, valeu pela fantasia.

    ResponderExcluir
  22. Meu caro amigo, anda de humor negro desta feita... Eu fiquei com nojo de carne moída e de qualquer molho vermelho (e olha que é a cor perfeita para mim)... Eu prefiro gastar os milhões de dólares que ganhei na mega da virada (e ainda não fui buscar) comprando alguma corda arrebentada da guitarra de Hendrix, o cinto de couro que ficava encostado na barriguinha do Jim Morrison, uma mecha do cabelinho de Paul MacCartney ou o microfone que o Joe Cocker cantou em Woodstock, mas estes artigos com molho, argh!
    Sobre a farsa do homem ter ido à lua, eu já sabia! Uma vez, encontrei um extraterrestre (sim, fui abduzida mas isto é uma outra história), e ele me trouxe um pedaço de queijo que só não é melhor que o nosso daqui de Minas. Sabe que era um 'pedacim' da lua? Pena que, como boa mineira que sou, não deixei nem um pedacim pra provar esta verdade! O brinquedinho de alumínio foi feito no Natal, para o filho do presidente. Algum espertinho se aproveitou e fotografou... Daí esse bafafá todo!
    Hahahaha, adorei!
    Beijos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…