Pular para o conteúdo principal

ENFIM, FORA DA CAIXA




Pessoal da Criação,

Primeiramente, em nome da Diretoria, nossos parabéns a todos os envolvidos pela conquista da nova conta.
Estamos livres para propostas inusitadas, totalmente "fora da caixa", desde que estejamos atentos a uns poucos porém determinantes "polices", que nos chegaram hoje via email.
- Não podemos criar frases iniciadas com "NÃO", ainda que esta mesma já desobedeça à regra.
- Um dos chefes de engenharia de produto tem avô mulato, e consta que a agência anterior apresentou um anúncio com fundo escuro, considerada por ele uma peça subliminarmente criada com o intuito de depreciar a raça negra, de maneira geral, e a sua própria família em particular.
- Nada na cor azul deve aparecer, nem em mídia impressa, nem nas peças de mídia eletrônica, pois azul é a cor predominante do principal concorrente. Essa regra vale para todo e qualquer elemento - do céu nas externas dos filmes aos mínimos objetos de cenografia.
- Nada na cor verde deve aparecer, nem em mídia impressa, nem nas peças de mídia eletrônica, pois verde é a cor predominante do segundo maior concorrente.
- Nada na cor vermelha deve aparecer, nem em mídia impressa, nem nas peças de mídia eletrônica, pois vermelha é a cor predominante do terceiro maior concorrente.
- Layouts no estilo clean, contudo, também precisam ser evitados. O gerente comercial da linha de termocondutores bifásicos considera espaço em branco um desperdício de dinheiro, e que cada centímetro de anúncio deve ser aproveitado com conteúdo sobre o produto, os pontos de assistência técnica ou os valores e a missão da empresa - necessariamente nessa ordem de prioridade.
- Fontes com serifa, nem pensar. Sem serifa, pior ainda. Não existe uma tipologia a ser seguida, portanto podemos ficar à vontade para sugerir a que acharmos melhor para cada circunstância. Desde que respeitando o supra citado - nem serifas, nem falta delas nas letras.
- A cada 20 palavras de texto, no mínimo 5 serão citações do nome do cliente e/ou de suas marcas.
- Os produtos cuja comunicação estarão agora sob nossa responsabilidade em nada se assemelham a chocolates, cervejas, brinquedos, sandálias e outros comprados por impulso. Seus consumidores são racionais e avaliam unicamente custo-benefício. Assim, toda e qualquer comunicação deve obedecer o seguinte modelo de apresentação: nome do produto/função/tabela de aplicações/benefícios/endereço/telefone/site.
- As observações acima integram o primeiro dos cinco anexos recebidos. As obrigatoriedades dos outros quatro serão enviados em seguida.

© Direitos Reservados

Comentários

  1. Um marketing com misteriosas ações... Fadado ao fracasso segundo minhas precárias teorizações... Com tantas advertências... demissão geral!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. José Hamilton Brito12:04 AM

    Não…o bom vendedor não usa sondagens fechadas em vendas.Uma sondagem fechada limita em 50% a possibilidade de sucesso. Exemplo: O senhor gosta dessa …se a resposta for sim, ótimo. Não e a vaca começa a ir pro brejo.
    Quanto à cor…talvez pink , se a clientela for ” chegada”.

    ResponderExcluir
  3. Jorge Cortás Sader Filho12:04 AM

    Revogam-se as disposições em contrário.

    ResponderExcluir
  4. Rita Lavoyer12:05 AM

    Mas…. que “caracas” são essas?? Fora da caixa tudo fica mais quadrado?? Uma publicidade que começa com o começo do fim kkkk
    Tudo diferentemente igual. Opte pela cor ‘invisível’. Enfim, dentro da caixa!

    ResponderExcluir
  5. Claudete Amaral Bueno12:06 AM

    Ai, Marcelo....
    Vc está ficando muito RADICAL!!!!!!!!!! rssssss
    Bom FDS
    Claudete

    ResponderExcluir
  6. Filipe Moretzsohn12:07 AM

    Muito bom!!! Isso é propaganda...

    Abrs.
    Filipe Moretzsohn
    DESIGN TOTAL

    ResponderExcluir
  7. Rafael Paiva Silva12:12 AM

    Seria cômico se não fosse verdade... parabéns Marcelão!

    ResponderExcluir
  8. Nelson Alexandre12:13 AM

    Kkkkkk perfeito!

    ResponderExcluir
  9. Lou Magalhães12:13 AM

    Sim, é preciso muito senso de humor para sobreviver aos briefings no sense. Fora do ramo, tenho urticárias só de lembrar. Parabéns, Marcelo!

    ResponderExcluir
  10. Cristiane Graciolli12:14 AM

    Parabéns Marcelo! Direto ao ponto, rs

    ResponderExcluir
  11. Raphael Gullo Netto12:14 AM

    Que dureeeeeeza meu amigo Marcelo!Como publicitário sofre...rsrsrs. Abração!

    ResponderExcluir
  12. Gustavo Meneghetti12:15 AM

    rsrsrsrrsrsss é assim mesmo!!

    ResponderExcluir
  13. Luciana Sleiman12:15 AM

    gente do céu, mas pensava que essa profissão de publicitário fosse mais tranquila e que lidar com requisitos formais fosse exclusividade dos colegas de forum... não te invejo não, meu amigo! rs Literalmente, ótima e bem humorada crônica, não para variar!

    ResponderExcluir
  14. Clauduarte Sá12:16 AM

    Marcelo Pirajá Sguassábia e um grande escritor. O seu texto esta cada vez mais conciso, satirico, brilhante... Sucesso meu irmao...

    ResponderExcluir
  15. Cezar Augusto Lopes12:16 AM

    Putz! São japoneses é?

    ResponderExcluir
  16. Mara Narciso12:17 AM

    ♫ ♫ ♫ Complicou e me despertou um interesse palpitante em ver a peça criada. Boa demais, Marcelo Pirajá Sguassábia!

    ResponderExcluir
  17. Clotilde Fascioni12:17 AM

    Hahahahah assim fica "difici mo filho". Adorei. Abraços Marcelo e bom domingo.

    ResponderExcluir
  18. Magda Peli12:18 AM

    Qualquer semelhança é mera coincidência! Rsrs

    ResponderExcluir
  19. Luah Souza12:18 AM

    Está extremamente completo este briefing! Mas confesso que "me" vi como protagonista... #chatiada #voupedirlicensamedica

    ResponderExcluir
  20. Protagonista? Discordo, Luah Souza. Seu profissionalismo não deixaria essa caricatura fictícia seguir pra criação. Um beijo!

    ResponderExcluir
  21. Propaganda refinada conforme pede e manda o mercado voraz. Meu abraço.

    ResponderExcluir
  22. Marco Antonio Rossi7:15 AM

    Meu amigo, boa tarde.
    Esse cliente parece ser uma saia justa daquelas....portanto alem do clean seria importante fechar e lacrar caixa.
    Abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  23. O texto tem um tempero autobiográfico das suas manias ao escrever? Sensacional!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…