Pular para o conteúdo principal

UM DE CARNE E DOIS DE QUEIJO

Imagem: quecoisaboa.com.br




- Se você fosse assim, um grande vulto como diz, não estaria aqui vendendo pastel.
- Você fala de um jeito... vergonha é vender pastel ruim. O pessoal vem aqui comprar ouro com recheio de carne, queijo e palmito, meu amigo. Estou muito bem com meus 50 mil por dia.
- 50 mil reais?
- Não, 50 mil pastéis. A 3 reais cada um. Faz as contas.
- Nossa! Tá de brincadeira…
- Tendo em vista que 100% da humanidade considera o pastel frito a iguaria das iguarias, e sendo eu o autor do melhor pastel do mundo, não tenho do que reclamar... Meu amigo, a verdade é que muitos buscam a Deus, mas a maioria acaba cansando, baixa um pouquinho a expectativa e vem buscar pastel comigo.
- Mas…
- Ainda assim, fazem pouco do nosso ofício. Por exemplo, quando as pessoas usam a expressão "fritar pastel" no sentido figurado, querendo significar algo realizado às pressas, que se faz de qualquer jeito. Nada tão longe da verdade, pelo menos no meu caso. Se bem que, por outro lado, eu até acho bom que os outros pasteleiros "fritem pastel" mesmo, assim eu me sobressaio ainda mais. Existem pastéis e existe o meu pastel, compreende?
- E a garapa da sua banca? Vai me dizer que também é a melhor do sistema solar?
- É a única à altura da minha obra-prima. Mais cremosa, impossível. Tem Certificação ISO desde 2002 e título de patrimônio imaterial da humanidade, pela Unesco.
- Espera aí, eu acho que…
- E digo mais: tá vendo aquele quadrinho do lado do alvará da prefeitura? É o autógrafo do Paul McCartney. Quando veio aqui pediu só de palmito, porque é vegetariano. Depois de se entupir, tirou foto com os empregados e saiu com dois rolos de massa de pastel debaixo do braço. Toda quarta, às quatro e meia da manhã, o Alex Atala aparece na minha barraca. Disfarçado, mas vem. Pede sempre dois de carne, um de palmito e se empapuça de garapa direto no bico da jarra, nem pede copo. Outra freguesa firme é a Glorinha Kalil. Mas essa eu nunca vi, a gente entrega a encomenda em casa. O Caetano, quando vem fazer temporada em São Paulo, liga pedindo uma boa remessa pro camarim dele. Aliás, numa das nossas conversas ele jurou que a minha banca fazia parte da letra de "Sampa", mas no fim ele teve que tirar porque não dava rima...
- Mas você concorda que eles não admitem publicamente o vício do pastel, certo?
- Olha, você pensa o que quiser. Sua inveja não vai diminuir minha fama e nem minha autoestima. No tempo em que você está aí me atirando pedra, a assessoria da Dilma me manda torpedo pedindo pra entregar duas dúzias no salão do Wanderley Nunes, pra Presidente dar uma forrada enquanto corta o cabelo.
- Tá, no seu caso a distinta freguesia é distinta mesmo. Então porque não faz uma versão "select" da banca, com pastel de caviar e Prosecco?
- Porque ia ser um fiasco. A graça está na comida suburbana, no delito que a celebridade comete comendo de pé, com o sol castigando a carcaça, mosca pousando no nariz e correndo o risco de ter uma intoxicação alimentar por causa do vinagrete vencido. Se você quer saber, usar palito de dente é quase um fetiche sexual pra esses endinheirados. Aqui eles ficam mais à vontade que no banheiro das casas deles. E ainda tem a perspectiva de serem pegos pelos paparazzi, o que aumenta a adrenalina da empreitada. Eles gostam de correr perigo… e aí, mais um de queijo?




© Direitos Reservados

Comentários

  1. Nossa! Que lega! Lembrei de uma conhecida, que com sua barraca de pastel, consegue se manter muito bem, mas sempre reclama por não me ter como cliente, mas confesso que é muito difícil resistir, de vez em quando saio da linha e como um sem culpa. Bom demais, meu amigo, sempre muito agradável ler suas crônicas. Fiquei com vontade de comer pastel.Um abraço!!!

    ResponderExcluir
  2. Ah que delicia embrulha uns quatro de sabores diversos, hahahaha. Meu amigo senti até o sabor do pastel frito e feito na hora. Tudo de bom para vc. Abçs Marcelo e bom final de semana.

    ResponderExcluir
  3. José Carlos Carneiro2:37 PM

    Farta exposição da verdadeira luxúria que é a arte de fazer e degustar pastel. Esnobes dirão que é gosto brega, mas na calada da noite certamente se esbaldam.
    Ótima crônica!

    ResponderExcluir
  4. Claudete Amaral Bueno2:38 PM

    Ai que delícia, Marcelo!
    Me passa esse endereço, por favor!!!!!
    N/ sou famosa....mas, quem sabe sobre pra mim tb?
    Bom FDS
    Claudete

    ResponderExcluir
  5. Marco Antonio Rossi2:39 PM

    Meu amigo uma otima semana.
    Estou de volta mas em ferias e com uma baita saudades do pastel de camarão da praia e das empadas......
    Um grande braço
    Rossi

    ResponderExcluir
  6. José Hamilton Brito2:40 PM

    De queijo? Nem pensar….
    Pastel tem que ser de carne.
    Na feira, aqui perto de casa, eles vendem uns desteeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeee tamanho e por desgraça , só um nao me satisfaz. Outro dia meu cardio me pegou no pulo e foi só descompostura..
    Diabo de vida…dinheiro no bolso e passar vontade.

    ResponderExcluir
  7. Jorge Cortás Sader Filho2:41 PM

    Eu já sabia disso tudo, Caetano contou para Gil e o fofoqueiro espalhou pela cidade. Fiquei com água na boca, por aqui não tem mais pastelaria que preste.
    Não se esqueça de introduzir o de banana. Beleza!

    ResponderExcluir
  8. Rita Lavoyer2:41 PM

    E o de pizza, então!? Com aquele caldinho do tomate escorrendo pelas mãos, descendo pelo braço… Na madrugada, quando sai da balada, vai pra feira e come pastel da hora. Sem a garapa, claro. Refri muito gelado com pastel muito quente. Adorei mais esta postagem. Muito saborosa.

    ResponderExcluir
  9. Loura Marques2:43 PM

    td de bom

    ResponderExcluir
  10. Silvana Azevedo2:43 PM

    DELICIA....

    ResponderExcluir
  11. Maria Inez Narciso2:44 PM

    Bateu fome...

    ResponderExcluir
  12. Paula Dias2:45 PM

    Um de queijo...

    ResponderExcluir
  13. Janete Lucchesi2:46 PM

    Tem cara e jeito serem uma delicia. Mas meu estomago anda péssimo.

    ResponderExcluir
  14. Virginia Abreu de Paula2:46 PM

    Quero de palmito. Frito no óleo de côco, por favor.

    ResponderExcluir
  15. Rosilene Zila Neves2:48 PM

    Bacana! Pastel é top!

    ResponderExcluir
  16. Celeste Priquitinho2:49 PM

    LEMBREI-ME DA LANCHONETE DO MEU PAI . ELE FAZIA DE DOIS QUEIJOS, CARNE E GOIABADA. DELICCCCIAAAAAAA!!!

    ResponderExcluir
  17. Beatriz Azevedo2:50 PM

    Muito bom,até desejei comer pastel rsrsrs

    ResponderExcluir
  18. Regina Pirajá2:52 PM

    Delicia de crônica, e a comida que mais gosto, e ainda coloco depois da primeira mordida , arroz com feijão !

    ResponderExcluir
  19. Antonio Carlos Antoniazzi2:52 PM

    O carioca faz gozação do paulista, dizendo que esse diz me dá um "pastéis" e um " shops".

    ResponderExcluir
  20. Izabel Aarão2:53 PM

    Adoro esse pastel de queijo!!!

    ResponderExcluir
  21. Maria Amélia Bernardi2:54 PM

    QUE VONTADE DESTE PASTEL !!

    ResponderExcluir
  22. valéria souza2:56 PM

    ai que delicia com caldo de cana e abacaxi !!! um café da manhã perfeito !!! bom dia !!! bjs

    ResponderExcluir
  23. Luisa Vilaça2:56 PM

    fiquei curiosa!

    ResponderExcluir
  24. Doroni Hilgenberg2:57 PM

    Hehehe, pasteleíros e celebridades.. querem é vender seu produto

    ResponderExcluir
  25. José Hamilton Brito2:57 PM

    embrulha 15 de carne, para viagem

    ResponderExcluir
  26. Gustavo Meneghetti2:58 PM

    Muito bom!!

    ResponderExcluir
  27. Clotilde Fascioni2:59 PM

    Ah que delicia embrulha uns quatro de sabores diversos, hahahaha. Meu amigo senti até o sabor do pastel frito e feito na hora. Tudo de bom para vc. Abçs Marcelo e bom final de semana.

    ResponderExcluir
  28. Roberto Lima2:59 PM

    e uma breja, pelamor de Deus.

    ResponderExcluir
  29. Lucia Helena Vallim3:00 PM

    Bato cartao todos os domingos na feira pela manha, eu e minhas filhas, ja temos cadeira cativa, rsssss! E da-lhe pasteis do japones!

    ResponderExcluir
  30. Lauro Augusto Bittencourt Borges3:00 PM

    Meu caro amigo, seus textos são como pastel de feira: deliciosos, irresistíveis, generosamente recheados e religiosamente ofertados nos finais de semana.
    Traga sempre estes "pasteis" e deixe a garapa por minha conta. Suas lavras, em outra analogia de comilança, são como as sagradas macarronadas com frango dos lares de antanho. Vicio. Abs e bom domingo.

    ResponderExcluir
  31. Carlos Edu Bernardes3:01 PM

    Muito bom, Marcelo Pirajá! Acho que aqui em GO o Paul pediu pastel de pequi! Delicioso texto! Grandes abraços!

    ResponderExcluir
  32. Mara Narciso3:02 PM

    ♫ ♫ ♫ Tão chique quanto os pastéis é a sua verve, meu amigo. Palmas para você, Marcelo Pirajá Sguassábia e quero um de carne, por favor.

    ResponderExcluir
  33. Lou Magalhães3:03 PM

    Que chegue logo quarta-feira para eu.comer o.pastel da feira daqui, sem mosca pousando no nariz, rs... Como sempre, uma crônica deliciosamente bem humorada e bem construída. Abraço, Marcelo

    ResponderExcluir
  34. Marleuza Machado3:05 PM

    Lembrando a banca de pastéis do Anselmo na feira livre aos domingos no Setor Pedro Ludovico... Já compartilhei espaço com esse escritor genial em dois sites de jornalismo e poesia...Grande honra.

    ResponderExcluir
  35. Marleuza Machado3:06 PM

    Bom acrescentar no meu comentário do topo, Goiânia, logo após Setor Pedro Ludovico, já que o escritor reside noutro Estado...

    ResponderExcluir
  36. Ana Angelo3:07 PM

    Pra mim um de carne!

    ResponderExcluir
  37. Luiz Roberto Rey3:08 PM

    Me care com her past tell. Ten the car knee? The kay joe? The pall me too?

    ResponderExcluir
  38. Jaime Tapia Sainz3:09 PM

    comilão !!kkkkk

    ResponderExcluir
  39. Edney Elias Jorge3:09 PM

    que delicia

    ResponderExcluir
  40. Neusa Magalhães3:09 PM

    adoro....

    ResponderExcluir
  41. Felipe Meira3:13 PM

    Parabens pelo texto marcelo. Trabalhei ai na m51 nao sei se lembra de mim... Abss

    ResponderExcluir
  42. Olá Marcelo!
    Olha meu amigo, ISO 2002 não é pra qualquer um não. Mas me diz, e quanto a liberação de acroleína? Paul (ah... Paul...) ignorou??? Eu tenho refletido e pensado bem, largar tudo e vender pastel. Fiz isso no ano passado, larguei tudo e fui gastar giz. Agora, uma banquinha de pastel no final de semana, não seria nada mau!!! Rsrsrsrs, adorei!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  43. Ai, que vontade que me deu.... de carne com azeitona, por favor... e com caldo de cana...risos... adorei, Marcelo!

    ResponderExcluir
  44. Nubia Nonato2:32 PM

    Olá Marcelo Pirajá Sguassábia, pastel é tudo de bom, o de queijo eu declino, mas se tiver um de frango com catupiry tô dentro! E mais uma vez parabéns pela crônica. Abração.

    ResponderExcluir
  45. Ildeu Ramos Macedo11:21 PM

    Adoro pasteis.

    ResponderExcluir
  46. Beth - Entrementes11:23 PM

    Texto inspirador – Joka escreveu sobre o tema, eu também escrevi.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  47. João Carlos Faria11:24 PM

    E ai nos escrevemos sobre o tema?
    Quem mais? Quem mais?
    Muito bom … A revolução dos pasteis.

    ResponderExcluir
  48. Gina Soares10:43 PM

    Adoro… Os do mercado municipal de sampa são impagáveis!!!
    Estou com água na boca

    ResponderExcluir
  49. José Carlos Carneiro12:52 PM

    Temos aqui um lugar chamado "Pastelaria do Renato" que faz uns supimpas de bons. Se aparecer por aqui e bater aquela comichão, dê um pulo lá.

    ResponderExcluir
  50. Que Delicia, comi tudo, ou melhor me deliciei com a leitura. Faz muita falta cronicas honestas e verdadeiras como as suas. Parabéns!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…