Pular para o conteúdo principal

EU TENHO MUITA COISA PRA FAZER COMIGO MESMO




Estar só e inerte é quase um incômodo. Um sentimento de culpa atormenta as pessoas quando não encontram alguma coisa para fazer. E alguma coisa pode ser qualquer coisa que não seja estar com elas. O fato de se encontrarem consigo as amedronta, o silêncio é confundido com inoperância e odeiam a possibilidade do ócio criativo como fomentador de ideias. É preciso dar sentido utilitário a tudo, pois tempo fazendo nada é tempo jogado fora.

Já eu, particularmente, acho que sou uma razoável companhia para mim. E não vejo a hora de trocarmos uma figurinha, sempre que temos oportunidade, para estreitarmos o vínculo.

Confesso que entre eu e mim ainda não há suficiente empatia, mas esse estranhamento é compreensível entre os que não se conhecem a fundo. Com o tempo tudo tende a melhorar, depois que formos morar juntos e dividir a escova de dentes. Pelo que li em alguns almanaques de autoajuda, a tendência é irmos nos afeiçoando a ponto de não fazermos mais nada a não ser que seja a quatro mãos.

Como disse no título, eu tenho mesmo muita coisa pra fazer comigo. De cara, o que nunca fiz e que me atiça desde os 8, mais ou menos: deixar um gravador ligado no criado-mudo para flagrar tudo o que falo dormindo, quando dou a sorte de pegar no sono. Mas me desanima a possível decepção de ouvir horas de grunhidos ininteligíveis, quando for conferir o resultado.

Há também algo de saneador e instigante na arrumação de gavetas. Dando uma limpa e organizando as da casa, a nova ordenação parece refletir nos armários da mente. O que favorece o relacionamento entre ambas as partes, ou seja, entre eu e mim.

Poderia citar outras centenas de formas de ficar mais íntimo de si. Inspirar pelo nariz e expirar pela boca, mastigar 64 vezes cada bocado de comida, aproveitar o tempo na ergométrica para fazer meditação, olhar para os detalhes do seu rosto (e não para o caminho da lâmina) quando faz a barba.

Presumo que, no meu caso, ajudaria bastante ir à cata das fotos que faltam de mim. Desde sempre, sou eu quem tira as fotos em todas as ocasiões. Quero procurar quem fez fotos minhas, sem que eu soubesse, compadecido da falta de registros de mim mesmo para a posteridade. Onde a minha foto batendo fotos dos outros? Quem cometeria, anonimamente, esse ato solidário?


Embora tentasse esconder de mim, eu sempre soube que Papai Noel não existia. E tão logo ganhei altura e idade suficientes para carregar um saco acetinado de brinquedos e meter na cara uma escrota barba de algodão, passei a ser o Santa Claus oficial da família. Sacanagem. Fingindo ser outro, deixava de novo de ser eu. E ia adiando sempre para o próximo Natal o presente mais cobiçado: dar-me embrulhado para mim mesmo. 



© Direitos Reservados

Comentários

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. É uma arte sofisticada conviver consigo mesmo pelo resto da Vida.
    Mas a gente consegue!

    ResponderExcluir
  4. Que delícia de texto! Quando diminuir na altura [e amadurecer mais], eu juro que quero ser que nem você. Beijo!!!!!

    ResponderExcluir
  5. Atingi esse estágio, Marcelo! E, posso lhe afirmar ser muito bom. Às vezes, uns e outros que não se suportam, aparecem para estragar o meu ócio criativo. Penso comigo: atendo logo esse chatonildo e retorno para o nosso ócio criativo. Me aguarde. E detalhe, "o mim" sempre está a espera do "eu". Adoro isso. Preciso disso. Amo isso. Assim, meio "autista" mesmo.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  6. Bem, entre o eu e o mim, não si qual o mais sem vergonha. Cara, o mim fica cantando o eu na cara mais dura, vem com aquele papo miolo de pote...desgraçado. Outro dia o eu esqueceu um par de meias na geladeira..O mim quase o pega na porrada. Mas, assim mesmo, estão juntos toda uma vida...e dormem juntos.

    ResponderExcluir
  7. Adorei, Marcelo!
    Sabe, eu pensava que era meio maluca. Sempre tive e tenho altos papos comigo mesma. Tem horas que me irrita o fato de eu não querer me escutar. Vejo que você também se sente assim. Não passei pelas barbas de Papai Noel e acho que Mamãe Noel não as tem. Mas tive um embate sério com o Coelhinho da Páscoa, e até já contei isso no blog. Agora, fico imensamente feliz em saber que compartilha desta necessidade de fazer muitas coisas consigo. É coisa de quem nasceu em ano de revolução, não acha? Ou quem sabe, de quem sempre viu o outro lado da imagem no espelho...
    Enfim, meu amigo, este texto me pegou. Um beijo!

    ResponderExcluir
  8. Marco Antonio Rossi8:33 AM

    É MEU AMIGO, SÓ FALTOU O FAMOSO EU ME AMO.........
    ABRAÇO E ÓTIMO FINAL DE SEMANA
    ROSSI

    ResponderExcluir
  9. Giovana Ferreira8:34 AM

    Adorei!

    ResponderExcluir
  10. Edson Maciel8:36 AM

    MUITO LEGAL MARCELO.

    ResponderExcluir
  11. Clauduarte Sá10:06 AM

    Excelente meu amigo Marcelo Sguassabia,
    Felicidade, sucesso

    ResponderExcluir
  12. É complicado o relacionamento entre eu e mim, mas com um mergulho nos livros de auto ajuda, e muitas visitas a psiquiatras dá pra quebrar o galho, Marcelo. Meu abraço.

    ResponderExcluir
  13. Dulcineia Gaigher1:30 AM

    Li algumas publicações sua, achei muito interessante, e "Eu tenho muita coisa pra fazer comigo mesmo", adorei...

    ResponderExcluir
  14. Zezinha Lins1:31 AM

    Encontrei-me aqui, Marcelo Pirajá Sguassábia, me dei de presente pra mim mesma e hj sou uma ótima companhia pra mim. Bateu em cheio o seu texto. PARABÉNS!!! Você se supera cada vez mais. Um abraço!

    ResponderExcluir
  15. Cintia Onofre1:32 AM

    Adoro ler o que vc escreve e meu sonho qdo crescer é ser como vc e saber usar crase, ponto e vírgula e claro, as tais chaves { }. Será que dá tempo nesta vida??? Parabéns Marcelo Pirajá Sguassábia e manda mais prá gente!

    ResponderExcluir
  16. Doroni Hilgenberg1:33 AM

    E o tempo não espera... E urgente um acerto de conta do eu ( sozinho ou não) comigo mesmo!! no meu caso sem nenhum sentimento de culpa. kkkk

    ResponderExcluir
  17. Leda Valéria Suppa Basile1:33 AM

    Texto delicioso sempre. Obrigada!

    ResponderExcluir
  18. Luciana Sleiman1:34 AM

    Ter o privilégio de chegar nesse encontro é só para os destemidos de espírito!

    ResponderExcluir
  19. Paulo Marsiglio Neto1:34 AM

    A naturalidade em seu estilo é o que vc tem de melhor. Menção honrosa.

    ResponderExcluir
  20. Rita Lavoyer1:35 AM

    Oh, trem doido!!! Outro dia eu vi postado no seu mural uma foto que, imagino, seja sua família, pela autenticidade do seu sorriso e dos demais. Fiquei pensando enquanto lia: será que foi aquela foto que alguém tirou do Marcelo reunido, que o inspirou este texto?? Assim, de cara, se conseguir fazer amizade consigo mesmo - pleonasticamente redundante - será a melhor amizade que conseguirá ter, senão a única, porque antes desse conhecimento estamos todos algozes de nós mesmos. Assim sendo, descobrirá que o seu presente está ao seu alcance há anos, descobrirá que o seu presente de si mesmo nasceu no mesmo dia que você, claro que veio de forma diferente: você, alguém desembrulhou - você mesmo espera ser desembrulhado por você mesmo. Há uma diferença enorme nisso. Amei, pra variar, amei!

    ResponderExcluir
  21. André Albuquerque1:35 AM

    Hilário.Um abraço.

    ResponderExcluir
  22. Olá meu amigo Marcelo, sabe que também vivo bem comigo mesma?
    Adorei, abraços e boa semana... (estive ai perto de você neste final de semana).

    ResponderExcluir
  23. Pedro Antonio2:20 PM

    Caro Marcelo, muito bom! Quem não quer ser feliz sozinho?
    Bem schopenhaueriano!!!
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  24. Anette Sguassabia2:23 PM

    Texto muito legal,eu sou solitária por opção,eu curto minha própria companhia.Abraços meu primo.

    ResponderExcluir
  25. zezinha Lins2:23 PM

    Encontrei-me aqui, Marcelo Pirajá Sguassábia, me dei de presente pra mim mesma e hj sou uma ótima companhia pra mim. Bateu em cheio o seu texto. PARABÉNS!!! Você se supera cada vez mais. Um abraço!

    ResponderExcluir
  26. Nubia Nonato2:34 PM

    Não sei te dizer se esse convívio me bastaria, gosto de momentos únicos, mas acabo sempre me compartilhando. Abraços Marcelo!

    ResponderExcluir
  27. Mara Narciso12:39 AM

    Louco delírio, algo esquizofrênico, e além disso, curioso e divertido. Quem pensa assim não sente tédio, nem mesmo quando está só.

    ResponderExcluir
  28. Claudete Amaral Bueno1:17 AM

    Amei sua crônica! Tb gosto muito de mim mesmo e n/ me enjoo da m/ companhia.
    Tenho muitos dos desejos dessa pessoa que escreveu.....não realizados "ainda"....rssss
    Um abraço....(estava c/ o CP no conserto).....

    ResponderExcluir
  29. Me relaciono muito bem comigo mesma... Aprendi que se não nos sentirmos bem com a gente, não nos sentiremos bem com ninguém... mas é logico que não declino de estar acompanhada....
    Muito bom!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…