Pular para o conteúdo principal

GINI É UM GÊNIO




O homem foi taxativo quando falou comigo no sonho. A garrafa lá no canto do quintal, junto com outros velhos vasilhames. Uma crosta grossa de pó encobre o poder daquele entulho de vidro sobre todas as coisas, e nem precisa esfregar: tire a tampinha enferrujada e espere pra ver. A garrafinha verde era a versão terceiro mundo do achado do Major Nelson na Praia dos Cocos. Deus deixou lá um tiquinho Dele, louco de quem souber e não tirar proveito. Eu era o terceiro a quem se dava a graça. Os outros dois já chafurdavam em champagne e caviar, correndo mundo em jato próprio, acendendo charuto com nota de cem. Assim me disse o homem do sonho.

Tentar não custa, vamos a ela com a fúria de quem se vinga das megasenas não contempladas, dos contos do vigário sofridos tantas vezes, dos sapos engolidos, das milhares de manhãs de segunda encaradas com a fleuma e a palidez de quem não tem outra saída.

E a coisinha bem-aventurada caía no meu colo sem miséria de pedidos - nada de três desejos e basta. A sorte grande vinha sem racionamento, pra enjoar de enriquecer. Nunca mais ter que vender o almoço para comprar a janta, implorar fiado, refrescar a família em piscininha de lona na laje do muquifo.

Às favas com essa miséria de tampa de iogurte e água no xampu. Minha garrafa vai jorrar gastanças, haras de mangalarga, partes majoritárias em empresas de minério. Gini parece me olhar também, à medida em que me aproximo dela. Tudo indica que o homem do sonho está comigo, me escoltando para que eu mantenha a calma. Chegou a hora. Mais uns passos. Vamos lá.

© Direitos Reservados


Marcelo Pirajá Sguassábia é redator publicitário e colunista em diversas publicações impressas e eletrônicas.
Blog:

Comentários

  1. Nossa... viajei quilômetros de anos... sei não, Marcelo mas, essa garrafinha não seria a mesma? Que sonho!!
    ..." Enquanto espera por seu resgate, encontra uma garrafa de mais de dois mil anos de antiguidade e ao abri-la sai uma mulher gênio que se chama Jeannie..."
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Opa... que viagem milagrosa e farta! Que viva o gênio da escrita que há em você, amigo. Beijo!

    ResponderExcluir
  3. Claudete Amaral Bueno5:03 PM

    Espertão!

    Vc só n/ contou se deu certo....pra tungar o fisco, né????

    Espero que tenha DADO!

    Bom domingo!

    Claudete

    ResponderExcluir
  4. Carlos Edu Bernardes5:04 PM

    hehehe.
    o piano era falso.
    e a garrafa, vingou?

    bom domingo!

    ResponderExcluir
  5. Marco Antonio Rossi5:05 PM

    Meu amigo um ótimo final de semana.
    O que será da CRUSH, GRAPETTE, SEVEN UP E OUTRAS......??
    Abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  6. José Carlos Carneiro5:08 PM

    Meu sonho mais bonito dos últimos tempos não foi tão profícuo quanto o seu. Sonhei que eu era o Ramsés II, mas foi descoberta minha trapaça. Então ele pôs um bando de eunucos em meu encalço. Ainda bem que eram eunucos! Atualmente ando me prevenindo e, para evitar dissabores, em vez de engolir sapos - como você mencionou - ando com uma reserva de girinos. Não muito palatáveis, mas... Cada ideia você tem! Isso é que é um poço de criatividade!
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  7. Jorge Cortás Sader Filho5:12 PM

    Está excelente, Marcelo.

    ResponderExcluir
  8. Clauduarte Sá5:12 PM

    PARABENS MAIS UMA VEZ Marcelo Pirajá Sguassábia, grande escritor, excelente cronista.

    ResponderExcluir
  9. Rita Lavoyer5:14 PM

    Quando a Gini sair da garrafa, manda um pouquinho do poder dela para mim, ou então, lembre-se desta quando estiver acenando no seu jatinho particular. Mas ... ante todas essas mordomias que lhe esperam jogue toda a pobreza fora, mas nunca despreze a sua genialidade, a sua criatividade, a sua inteligência em compor textos tão ricos como esse. Obrigada, Marcelo

    ResponderExcluir
  10. Leda Valéria Suppa Basile5:15 PM

    Eu sempre me repito, Marcelo Pirajá Sguassábia, mas não há como ser diferente: você se supera a cada texto. É um privilégio ler você. Você tinha que ser traduzido nos quatro cantos do mundo. Abração e obrigada, de novo

    ResponderExcluir
  11. Clotilde Fascioni5:15 PM

    Poderes intermináveis para você, meu amigo.
    Você é um gênio Marcelo Pirajá Sguassábia! Abraços e bom domingo...

    ResponderExcluir
  12. Marieta Sguassabia Domingues5:16 PM

    Adorei, mano, bjs..

    ResponderExcluir
  13. Mara Narciso5:17 PM

    ♫ ♫ ♫ Melhor deixar o entusiasmo para nós, seus leitores, mas não agir com ânimo de personagem pois poderá dar chabu.

    ResponderExcluir
  14. Zezinha Lins5:17 PM

    sempre nos surpreendendo. Gostei muito, amigo!!!

    ResponderExcluir
  15. Rosangela Roza5:18 PM

    eu gostava... muito..

    ResponderExcluir
  16. Jorge Cortás Sader Filho2:36 PM

    Deixa de ser atrevido! Isto dá morte! Gini já é minha há mais de 400 anos!
    Ficou excelente, Marcelo. Somos fósseis. Major Nelson, Dr. Belos…
    Abraço.

    ResponderExcluir
  17. Rosa Pena2:39 PM

    “E a coisinha bem-aventurada caía no meu colo sem miséria de pedidos – nada de três desejos “…rs; adoro esse seu jeito Mauro Rasi, tão Marcelo.
    Beijos
    rosa

    ResponderExcluir
  18. Ei, Marcelo! Não se esqueça dos amigos, viu? Tenho certeza de que deu tudo certo, já ouvi falar e você tirou a sorte grande. Cuidado para não pegar o Gini, ops, digo, gênio errado e vir um tal de Babu...rsrsrs
    Beijos!

    ResponderExcluir
  19. Marcelo, isso tá parecendo sonho de favelado depois do Carnaval, na quarta-feira com a boca cheia de cinzas. Meu abraço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…