Pular para o conteúdo principal

ASPONE É PARA OS FORTES

Se finjo estar trabalhando, a câmera flagra e meu superior imediato pode me cobrar explicações sobre o que estava fazendo -  já que ele, por ser meu chefe, certamente sabe que eu não deveria estar fazendo nada, pois fazer nada parece ser a ordem natural das coisas nesse lugar. Se assumo a inércia, deixo comprovado em vídeo que não tenho porque estar aqui, que sou dispensável e devo ser dispensado.

Tenho uma sala só minha, o que torna impossível uma análise de rotina dos colegas para determinar um padrão de comportamento. Não há comparativo, nem como saber se estou acima ou abaixo da curva média de produtividade.




A câmera de segurança está bem às minhas costas e grava ininterruptamente. Qualquer tentativa que faça de vandalismo ou destruição da lente será captada. Tento transmitir um bom-mocismo de fachada, a coluna ereta no encosto da cadeira, o “Fale com a gente” da empresa o tempo todo na tela, a mão no queixo e o ar de quem está intrigado em busca da solução de algum problema, de um improvável e redentor problema.

Simular conversas ao telefone também é expediente inútil. O controle de ligações descobriria que o meu ramal não tocou hoje, nem ontem, nem nas últimas semanas, nem nunca. Uma interessante saída seria o celular, mas levá-lo ao ouvido dezenas de vezes por dia denunciaria desvio de atenção às funções, falta grave e passível de advertência.

Entre fazer nada e fingir estar fazendo alguma coisa há um hiato tênue, e é aí que tenho que me equilibrar para tentar me segurar enquanto posso. Mas não é fácil. Parece-me infinitamente mais estressante manter-me neste vácuo do que trabalhar de estivador 16 horas por dia. O estivador não tem o que esconder nem disfarçar, só tem a estiva pela frente e câmera alguma por trás.

No começo, tentei ser pró-ativo. Quando assumi minhas funções (?), há 11 anos, sugeri um layout novo para as cartas do jogo de paciência, talvez com um background customizado e até um sonzinho, para quebrar a monotonia. Argumentei que os joguinhos padrão que vinham com o sistema operacional não tinham muito atrativo, e acabavam por dispersar o foco do colaborador e minar seu interesse pela rotina de trabalho. Dispunha-me a acionar o departamento de TI para encampar o projeto comigo. Estou esperando até agora pela resposta à minha sugestão.

Não há saída além de rezar ou praticar meditação, tomando cuidado para que o sono não tome conta e tombe involuntariamente a minha cabeça sobre o  teclado ou me arrume um fio de baba, fatalmente captado pela câmera.

O melhor a fazer é posicionar-me imóvel, sentado à frente do computador, de tal forma que a câmera não capte o que está na tela e nem consiga definir se estou ou não digitando algo. Essa imobilidade de corpo e mente resulta em completa exaustão ao fim das oito horas regulamentares. Deixo o trabalho trêmulo de dores em todas as juntas, com os nervos em frangalhos e a respiração suspensa, sem saber ao certo o que viram de mim e como avaliaram o que viram. Se me deram o flagra de fazer ou de não fazer aquilo que não tenho a menor ideia do que deva ou não ser feito. Que me salve uma justa e providencial licença médica, mas para consegui-la tenho que me queixar. E prefiro não correr o risco.



© Direitos Reservados

Comentários

  1. Já pensou em mudar? Ser diretor de uma estatal é bem melhor, com jatinhos, comissões... Sai dessa!

    ResponderExcluir
  2. Me cansei só de ler, hahahah. Imagino que tenha muitos desses pelo Brasil a fora sobrevivendo do nosso rico e trabalhado "dinheirinho". Bom fim de semana , meu amigo Marcelo. Tudo de bom para você.

    ResponderExcluir
  3. Você é o maior arrumador de encrenca que eu conheço. Vai la no médico, quem sabe ele sugere uma eutanásia , ou haraquiri ou ainda um jogo do Corinthians.

    ResponderExcluir
  4. Anônimo1:40 PM

    Com certeza você não faz parte de uma boa parcela de bichos existentes por aí, que são os psicopatas, pois esses, não se importariam com nada disso. Dê uma chance para o "seu personagem" ficar em lugar de destaque para sabermos qual é a dele...rs. Parabéns pelo texto!

    ResponderExcluir
  5. Acredito que esse "ASPONE" fez mestrado com altas personalidades no assunto. Tornou-se Ph.D e dá cursos online via facebook quando também burla o tempo em que deveria dedicar-se a um trabalho produtivo que fizesse jus ao seu salário... Ah! Um bom rodo nesses cabides de emprego... Haveria verbas que hoje se apresentam deficitárias...
    Abraço.

    ResponderExcluir
  6. Ri muito, Marcelo! E fiquei com dor nas costas, muito tensa, pela tensão do fazedor de nada. Essa pressão psicológica deve ser enlouquecedora. Quando me sinto inútil, ou impotente, diante de tanto o que fazer, simplesmente eu surto. risos... um beijo!

    ResponderExcluir
  7. Muito criativo o tema, chega ser hilário, você é demais!
    Você mesmo já respondeu a sua pergunta. Infelizmente é o que mais temos atualmente já que o presidente foi o que mais criou ministérios e secretarias. Mas, diga-se de passagem, os aspones são pessoas bem preparadas, com jogo de cintura, bons conhecimentos e sinônimo de testa de ferro. "Quem não tem colírio, usa óculos escuros" ou seja, quem não tem competência, além de outras qualidades necessárias para o cargo,precisa de Aspones!!!

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas

    1. Responder







      Manuela Mourão e Silva5:51 PM

      Háhahahaha, como foi que não me dei conta disso antes???!!! Meu Deus.... rsrsrs
      Vamos falar sério aqui? Vcs sabem o que é um ASPONE???
      ASPONE é aquela pessoa que ganha "carguinho" sem concurso e sem estar preparada, ganha no "canetaço", por indicação de alguém "importante"; em geral o cargo de um ASPONE é de "caráter especial" criado em Secretarias Extraordinárias ou coisas do tipo... Vc sabia que o governo Lulla é campeão em empregar ASPONES? .

      Mas o que significa ASPONE? Vc sabe?

      Vc consegue identificar os ASPONES de Lulla e do PT aqui no Respostas?

      Será quem o maior (ou a maior) representante dessa classe de gente ligeiramente inútil que vive às custas dos impostos daqueles que ataca e faz pose de quem tem importância quando na verdade ....????!!!

      Um abraço Marcelo!



      Excluir
  9. Atualização : De fato Oscar D, o Respostas tem alguns ASPONES PeTralhas "ilustres" e manjadíssimos desse governo da corrupção do Lulla (com dois "L's" mesmo), não é difícil identificá-lo (a) s. Provavelmente passam o dia sem fazer nada, só acessando o Respostas para com a costumeira cara de pau fazer bonito para seu "chefinho" com as bajulações de praxe. Alguns ASPONES provavelmente estejam fazendo pós-graduação em puxa-saquice em alguma Faculdade na Bolívia ou Venezuela às custas do erário, vai saber. É dureza ter de trabalhar e saber que o dinheiro do seu salário vai pra sustentar essa escumalha de gente que não acrescenta nada ao país. Abraço Marcelo!

    ResponderExcluir
  10. Edson Maciel2:32 AM

    Belo trabalho caro amigo Marcelo.

    ResponderExcluir
  11. Marco Antonio Rossi2:34 AM

    É meu amigo, realmente só para os fortes....
    mas, o importante é trabalhar e bem no esquema missão dada missão cumprida!!!
    grande abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  12. Nicete Campos2:36 AM

    Excelente texto! Parabéns!!!
    Marcelo, aproveito para dizer que se quiser ouvir o Artur Cimirro tocar, ele estará na "Conversa de Músico" da TV Senado neste domingo. Os horários são: 5 e 10 da manhã, 18 horas e meia noite (entrevista e recital).
    Abraços

    Nicete Campos
    Jornalista, escritora e educomunicadora
    Ética como norteadora do SER

    ResponderExcluir
  13. Claudete Amaral Bueno2:36 AM

    A safra de cana vai começar nesta semana......eu acho que cansa menos.......rsssss

    Bom FDS

    Claudete

    ResponderExcluir
  14. rosana carneiro2:40 AM

    Pensando bem, a licença médica seria a melhor solução, mas e quando voltar dela? rsss...amei!

    ResponderExcluir
  15. André Albuquerque2:41 AM

    O negócio é enrolar,mesmo,rsrsrs.Parabéns.

    ResponderExcluir
  16. João Carlos Faria2:44 AM

    Que barco nos metemos.

    ResponderExcluir
  17. Beth - Entrementes2:44 AM

    Marcelo, o ideal seria seguirmos a rotina dos venusianos: Trabalhar só duas horas por dia e cá entre nós, já acho demais.
    Mas nós os terráqueos estamos confusos demais, trabalhando demais, pensando demais, falando demais e fazendo outras coisinhas demais da conta e por conta disso estamos perdidos e não damos conta das nossas contas.
    Ai, quanta coisa né?
    Como sempre seu texto é impecável!!!
    Abraços…

    ResponderExcluir
  18. Olá Marcelo!
    Eu sempre soube da existência dos ASsistentes de PO _ _ _ NEnhuma s, mas nunca imaginei que fosse tão custoso, tão difícil esta função. Este seu texto super genial, me acordou! rsrsrs
    Um beijo!

    ResponderExcluir
  19. A expressão "Hiato tênue" que encanta. Por que não pensou em fazer a câmera como cabide de paletó de chefe? Além do mais, jogar paciência enquanto não se faz nada virou rotina nas salas de consultas de alguns postos de saúde. O médico deixa o paciente sentado bem a sua frente, para ele não ver o que se passa no monitor, e a paciência rola no jogo do médico e solta com o doente... kkk

    ResponderExcluir
  20. Mara Narciso12:54 AM

    Situação crítica e sem solução. Melhor manter-se como está. Correri riscos para quê?

    ResponderExcluir
  21. Marcelo, para se sair bem num caso como esse é preciso ser aquele que sabe tudo e mais um pouco de tudo. Meu abraço.

    ResponderExcluir
  22. Um BBB cada vez mais presente nas corporações... o humor empacota bem a crítica ao GRANDE IRMÃO... se não foi sua intenção, coube bem nas bisbilhotices insanas de certos superiores hierárquicos... O mundo gira e as câmeras gravam... Abs do fã de sempre.

    ResponderExcluir
  23. Infelizmente é o caso de muitos colaboradores que não fazem nada.....
    Muito legal...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…