Pular para o conteúdo principal

BRINQUEDOBRAS



Segundo informações recebidas há pouco de nossa sucursal de Teresina,  prosseguem  em ritmo intenso as investigações da CPI recentemente instaurada para apurar as responsabilidades sobre a chamada Operação Estrela, levada a cabo pela alta inteligência da Polícia Federal.

Até o fechamento desta edição, ficou comprovado o envolvimento do Banco Imobiliário no esquema. Alguns de seus diretores já foram indiciados em inquérito, por suspeita de lavagem de dinheirinho de 500, 100, 50,  20, 10, 5 e 1 e de receptação, em seus cofres, de aproximadamente uma tonelada e meia de dados viciados, a serem utilizados para fraudar concorrências públicas para renovação da frota de helicópteros operados por controle remoto.

Membros do Ministério Público afirmam que há seguros indícios de conexão entre a compra dos helicópteros e o edital de licitação para operação do sistema de trenzinhos elétricos. Em relação ao Banco Imobiliário, pairam ainda suspeitas de compra, a valores muito acima do mercado, de uma refinaria de petróleo com embalagem violada, sem manual de instruções, sem o selo Abrinq - empresa amiga da criança e cheia de rebarbas nos cantinhos.

Quanto às denúncias, veiculadas ontem por diversos meios de comunicação de massa de modelar, alertando sobre a participação da construtora e incorporadora Lego nas irregularidades, o relator da comissão sugere que se proceda ao rito sumário de julgamento, ou seja, que os responsáveis sejam de imediato executados nas cadeirinhas elétricas que dão choquinho, mexem os bracinhos e funcionam com quatro pilhas médias. A mesma pena caberia, segundo ele, aos envolvidos no superfaturamento das obras de construção da via marginal na pista de autorama, escândalo cujo processo se arrasta há 3 anos e ainda se encontra sem perspectiva de julgamento em primeira instância.

Resta, por fim, descobrir até que ponto todas essas irregularidades podem ou não interferir nas outras CPIs ora em andamento: a da Galinha Pintadinha e a do Cubo Mágico. Investigadores e parlamentares tentam montar esse quebra-cabeça.

© Direitos Reservados

Comentários

  1. Nao vao conseguir.Voce ja reparou na zona que vc armou..?

    ResponderExcluir
  2. Tudo mentira, sou advogado destes banqueiros, eles não viram nada, não sabem de nada. Vou processar este jornal por calúnia.
    Hehe...

    ResponderExcluir
  3. Antonio Carlos de Souza Antoniazi9:16 AM

    Alguém, adulto, deve tirar, em algum momento, esses brinquedos das mãos dessas crianças irresponsáveis. Caso contrário, envelhecerão nessa brincadeira prejudicial a todos. Menos para elas.

    ResponderExcluir
  4. Atenção! Urgente! E a Barbie? Fica fora da CPI? Detalhe: - a humana, ok? Diversão garantida...
    Abraço.

    ResponderExcluir
  5. Tenho uma solução: colocarem o Chucky, o boneco assassino, para investigar todos os envolvidos. Ele, com sua perspicácia, não deixará nenhum safadinho, que não é o soldadinho , de chumbo se esconder atrás da cortina de fumaça da Maria Fumaça que foi pintada com spray vermelho de bico entupido. Para que a solução continue a satisfazer os que queremos tudo isso em HQ, chamaremos a Órfã, do filme, para entrar na brincadeira. Há há há há há. Isso dará um filme legal para sessão da tarde!! há há há há há!!

    ResponderExcluir
  6. Depois de ler fiquei com saudade do banco imobiliário... os brinquedos de hoje não me animam a brincar.... risos.. beijo!!!

    ResponderExcluir
  7. hahaha... me levou no tempo.... amei...

    ResponderExcluir
  8. Meu caro amigo, eu acho que precisamos fechar o esquema com Detetive. Os diretores do Banco Imobiliário são bem protegidos e o esquema envolve pilotos de autorama (nem pensem em me chamar disso de novo!) e salva vidas de aquário. A brincadeira é tão séria que foi realmente transferida dilmais para lulá de Bagdá!
    Adorei! Sua imaginação me faz viajar na maionese!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  9. Os investigadores e parlamentares vão quebrar não só a cabeça, mas os pés e as mãos, para não chegar a resultado nenhum, Marcelo. Meu abraço.

    ResponderExcluir
  10. Rosana poetisa12:40 AM

    UAU!!! Só faltou dizer que a Susi é a grande mentora disto tudo por inveja da Barbie...KKKK...Amei, Marcelo.

    ResponderExcluir
  11. Cintia Onofre12:40 AM

    rsrsr ai ai tô aqui rindo sozinha... muitooo bom.... escuta, vc tem algo prá teatro?

    ResponderExcluir
  12. Leda Valéria Suppa Basile12:41 AM

    Demais, Marcelo Pirajá Sguassábia, demais... A cadeirinha elétrica com choquinho foi ótima... Incrível esse talento que se supera sempre

    ResponderExcluir
  13. Tito Mesquita12:42 AM

    Até no mundo dos brinquedos???!!!

    ResponderExcluir
  14. Beno Papa12:43 AM

    Muito legal...

    ResponderExcluir
  15. Marcio Romanin12:43 AM

    Muito bom!

    ResponderExcluir
  16. Anna Carolina Basseto12:44 AM

    Excelente! Me tirou (ou me deu, sei lá) varias risadas aqui.

    ResponderExcluir
  17. Lou Magalhães12:44 AM

    Na real, tudo parece uma grande brincadeira. Amei!

    ResponderExcluir
  18. Luciana Sleiman12:45 AM

    Ao que se diz, investigadores e parlamentares contam com a ajuda inequívoca de Detetive, escuso informante que apoiado em seu tabuleiro dobrável diz ter suspeitas que recaem sobre a já convenientemente falecida Srta Rosa..

    ResponderExcluir
  19. Luciana Sleiman12:45 AM

    Não pude resistir! Gostei muito, belo lúdico. Bjos

    ResponderExcluir
  20. Mara Narciso12:46 AM

    ♫ ♫ ♫ Qualquer coincidência é mera semelhança com o mundo infantil, embora os graves defeitos de conduta sejam bem adultos.

    ResponderExcluir
  21. Marco Antonio Rossi12:50 AM

    Caro amigo boa tarde, espero que seu final de semana tenha sido perfeito.
    Gostaria de alertar contra o tráfico de pipas e já que estamos ao lado do Maranhão o jogo de baralho chamado Rouba Monte......
    Abraços
    Rossi

    ResponderExcluir
  22. Belvedere Bruno12:51 AM

    Há semanas mãe está internada e por isso estou lendo aos poucos . Obrigada .Continue enviando, ok?
    Abração

    ResponderExcluir
  23. Edson Maciel12:52 AM

    Muito legal o texto

    ResponderExcluir
  24. Jorge Cortás Sader Filho12:52 AM

    Marcelo,

    Dilma vai acabar contratando você para ser porta-voz do Planalto...
    Aquele abraço!
    Jorge

    ResponderExcluir
  25. Claudete Amaral Bueno12:53 AM

    Muito criativo, Marcelo!
    CPIs estão na moda....e n/ se pode dispensar nada!
    Bom FDS
    Claudete

    ResponderExcluir
  26. Mara Narciso11:40 PM

    O mundo infantil precisa ser levado a sério, e você fez isso com graça e muita propriedade.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…