Pular para o conteúdo principal

CHUVESP



Atento à situação dramática pela escassez das chuvas, o Governo do Estado faz sua parte para minimizar o sofrimento da coletividade.



Caminhada "São Paulo clama por São Pedro"

Pretendemos reunir na Praça da Sé pelo menos dois milhões de pessoas neste grande manifesto cívico paulistano, ocasião em que marcharemos de braços dados clamando por torós infindáveis sobre a Cantareira.

Ovos de Santa Clara
Todas as cestas básicas dos funcionários públicos estaduais terão o acréscimo de uma dúzia de ovos. Na caixa, um livretinho com instruções mostrará como fazer com segurança e fé oferendas diárias a Santa Clara. Um capítulo especial abordará a colocação dos ovos em sacadas de apartamentos, sem riscos aos transeuntes nas imediações. Esperamos que a iniciativa privada siga o exemplo do Estado e incorpore também os ovos nas cestas de seus colaboradores.

Mulheres Solidárias
Nossa primeira dama, muito religiosa, terá também tarefa árdua na saga paulista pelo retorno das águas. Reunirá um total de quatorze influentes amigas, na Daslu, para rezarem um terço pela recuperação de nossas agonizantes reservas hídricas.

Dança Estadual da Chuva
Afixaremos cartazes em pontos de grande concentração de populares, com os passos da referida dança. Professores de educação física da rede estadual estarão a postos para orientar os interessados. Mesmo que cientificamente seja impossível atestar sua eficácia no incremento dos índices pluviométricos, não custa tentar.

Operação re-banho
Embora possa sugerir alguma ação da Secretaria de Agricultura do Estado, não se trata de nada ligado à pecuária. A ideia desta operação é que a água que iria para o ralo após o banho de cada um seja coletada por uma bacia sob os pés do indivíduo, para reutilização por outro membro da família.

Programa banho luminoso
Muitas das cidades paulistas possuem fontes luminosas em suas bucólicas praças. A água das mesmas, como é sabido, fica indo e voltando indefinidamente pelos chafarizes e bicos aspersores. É um gesto de cidadania aproveitá-la, seja para banhar-se ou encher panelas para o preparo de comida. Adicionalmente, o cidadão pode tirar fotos com fantásticos efeitos de luz para postar nas redes sociais.

Projeto Chora Santa
Quarenta ônibus da Secretaria de Turismo do Estado levarão romeiros munidos de canecas até Louveira, no santuário da santa que chora. Havendo derramamento do precioso líquido, este será coletado e solidariamente despejado pelos fiéis no Rio Piracicaba, quando da volta da excursão.

Picaretagem coletiva
A Secretaria de Esportes do Estado distribuirá picaretas entre os lavradores paulistas, promovendo assim um duplo benefício social: enquanto eles mantêm a forma física dando picaretadas no solo, muitos poços artesianos poderão concomitantemente ser abertos.

Panelaço
Sabemos que a água, quando aquecida, transforma-se em vapor, que por sua vez forma as nuvens que fazem chover. Assim, não custa cada um colaborar e botar água para ferver na cozinha de casa. Oportunamente comunicaremos pelos meios de comunicação de massa o dia e horário em que as panelas com água deverão ser fervidas simultaneamente nas residências. Se frustrada a tentativa, recomendamos desde já que a água remanescente nos recipientes seja sabiamente reutilizada.


© Direitos Reservados


Comentários

  1. Adorei, como sempre! Seus textos tornam o final de semana mais leves.......

    ResponderExcluir
  2. hahahaha... Marcelo você não existe!!! Estarei com a panela cheia d´água para juntar-me aos paulistas, em oração e fé em dias mais chuvosos. Beijo!!!

    ResponderExcluir
  3. Minha contribuição será das lágrimas escorridas pelo excesso de risadas... Água salgada imprópria para hipertensos... HAHAHAHAHAHAHA... "As águas vão rolar / Garrafa cheia eu não quero ver sobrar / Eu passo mão na saca, saca, saca rolha / E bebo até me afogar / Deixa as águas rolar /" [...]

    ResponderExcluir
  4. Não fosse a reza forte da primeira-dama com companheiras, o sucesso da empreitada já estaria garantido.

    ResponderExcluir
  5. Bom, não creio na maioria. Só em uma: as damas orando na Daslu.
    Ai mano, é tiro e queda.

    ResponderExcluir
  6. Parabéns, Marcelo. Iniciativas eficientíssimas, sem dúvida. A menos que não queira o prefeito vestir um santo pra despir o outro, promovendo evento comemorativo no Palácio, como ocorreu nesta semana, entupindo as ruas do Morumbi e arredores. Pobres paulistanos...

    ResponderExcluir
  7. Corrijo: no texto acima, onde está prefeito, leia-se governador.

    ResponderExcluir
  8. Se a crise de água na paulisséia é maior do que no Raso da Catarina, por que o abestado do prefeito não botou uma fila de caminhões conduzindo todo aquele gelo da chuva de granizo para a Cantareira? Meu abraço.

    ResponderExcluir
  9. Legal! Sugiro que Marcelo seja candidato a prefeito de São Paulo, podemos ver que ele é "o cara", tem soluções práticas e econômicas pra tudo. Um abraço, amigo!!

    ResponderExcluir
  10. " Vai nevar em São Paulo o dia em que o Corinthians jogar no estádio dele". Se o governador prestasse mais atenção às pragas que torcedores jogam nos times adversários e fosse bem intencionado, mandaria derreter todo o gelo que caiu em São Paulo - gelo do milagre porque o Corinthians jogou no Itaquerão - que daria conta de abastecer o estado todo.

    ResponderExcluir
  11. Realmente você meu amigo Marcelo consegue tirar água de pedra.
    Adorei. Boa semana.

    ResponderExcluir
  12. claudete Amaral Bueno8:06 AM

    Só mesmo você!.........

    E quem não gosta de chuva, como eu?
    (mm reconhecendo a necessidade dela!).......


    Sinto muito, mas n/ vou participar de nada!
    Pra mim, tá bom assim!!!! kkkkkkkk


    Bom FDS pra vc!
    Claudete

    ResponderExcluir
  13. Antonio Carlos Antoniazi8:07 AM

    Ótimo, como sempre, caro Marcelo. Acrescento que o Zé Paulo de Andrade, da Rádio Bandeirantes, esteve, por mais de uma semana, colocando o som de "um tambor sendo batido" e dizendo que era o Governador Alkmin, no Palácio, no Morumbi, proximidades de minha residência. "chamando chuva". Se foi real, ele "tocou TAMBOR" no local errado. Pois não choveu lá na "Cantareira" (represa) mas desabou uma "chuva de granizo" aqui no pedaço, fazendo muito estrago. Esclareço que eu gosto dele, Alkmin.
    Grande abraço. Antoniazi.

    ResponderExcluir
  14. marco Antonio Rossi8:08 AM

    Bom dia e um otimo final de semana.
    gostaria de saber quem vai pedir ao grupo Disney a forquilha de galho que localizava agua nas historias infantis.
    quem sabe ela possa nos ajudar a achar um lençol que nos ajude a passar por essa dificuldade....
    abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  15. Juan Carabeta8:14 AM

    Oi marcelo, bom dia.
    O seu blog foi removido, agora mesmo tentei entrar e apareceu essa mensagem.

    Abs.
    Juan

    ResponderExcluir
  16. belvedere Bruno8:23 AM

    excelente!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  17. paulo Marsiglio Neto8:24 AM

    Cada vez melhor!!! Ri por music!!!

    ResponderExcluir
  18. Alice Miura8:26 AM

    E o sertão vai virar mar e São Paulo dos tucanos vai virar sertão...

    ResponderExcluir
  19. Adriano Neves8:27 AM

    esse meu amigo Marcelo Pirajá Sguassábia tá show demais!!! rsrsrrs. Gostaria de me engajar nesse momento difícil e convocar através do site: www.êêêfumacê@ahahahfumaça.com.br para sua caminhada as tribos ribeirinhas do rio Camanducaia para uma dança frenética da chuva......também já confirmou sua participação o cantor Demétrius que entoará a canção "Ritmo da Chuva"........ pode ser?

    ResponderExcluir
  20. beno Papa8:28 AM

    Pra garantir, chama o Jorge ben e o Guilherme Arantes kkkk

    ResponderExcluir
  21. lou Magalhães8:28 AM

    Muito bom!

    ResponderExcluir
  22. Luciana Sleiman8:29 AM

    ... olha só o fds aquático que passamos... mandinga forte essa!!!

    ResponderExcluir
  23. Maria da Graça Ciccareli8:31 AM

    Sr. Marcelo Sguassábia. Gosto muito do que escreve. Conheci-o através do dr . Paulo Marsiglio e a cada dia me encanto mais com seus escritos. Amei o texto Chuvesp.

    ResponderExcluir
  24. Sônia Pillon8:34 AM

    Ironia fina em forma de literatura! Gostei, parabéns!

    ResponderExcluir
  25. Ai meu Deus! Fiquei seriamente encucada com a proposta do re-banho. Pensei seriamente que eu sendo a primeira, nada demais, filhos e marido podem se virar melhor e ainda por cima, ops, eu sou a menorzinha aqui em casa, nem vai dar para sujar a água direito... Ah, mas estou numa Estância Hidromineral... UFA!
    Ótimo texto!
    Acredite, meu querido amigo, aqui tem-nos chegado nas torneiras água suja e mal cheirosa, à despeito de todo o lençol freático que nos abastece!
    Um beijo!

    ResponderExcluir
  26. Jorge Domingos de Freitas2:05 AM

    É por aí...

    ResponderExcluir
  27. Marieta Sguassabia Domingues2:06 AM

    Gostei mano, vou compartilhar ,bjsss

    ResponderExcluir
  28. José Carlos Carneiro2:11 AM

    Seria de grande ajuda se você determinasse ao dono do seu Oráculo, o Dunha, que intercedesse em prol de bons aguaceiros.
    K!K!K!K!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  29. kkkkkkkkkkkk imaginei a cena da Presidenta rezando o terço com as amigas na Daslu... kk

    ResponderExcluir
  30. Mara Narciso1:17 PM

    Gostei das sugestões, porém o panelaço não deverá ser tentado, pois poderá levar ao gasto inútil de água. A caminhada foi a melhor ideia. São pedro não deixará de atender São Paulo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…