Pular para o conteúdo principal

#FAKE

Deu na "Folha": por US$5, é possível arrematar 4.000 novas amizades no Facebook; por US$40, 10.000 amigos curtem uma foto sua; por US$700, você leva um software para criar seus próprios amigos; por US$3.700, dá pra comprar 1 milhão de amigos no mundinho azul de Mark Zuckerberg.

Olooooooooooooooooooooko. Então vou investir logo US$ 3.700 no pacote Roberto Carlos, comprando um milhão de amigos. O mais caro e o mais completo, um milhão de miguitos no Face, que meigo. Ashuashuashuashua! #ummilhãoadicionados. Retorno em massa. O Google rastreando meu perfil de vinte Morumbis e me implorando parceria pra entupir minha página de anúncios. #vouficarricojá.
Mas pode bem ser que eles mesmos ou outros do naipe estejam por trás do golpe. A trollagem do século. Kkkkkkkkkkkkk. Naum tô viajando naum: imagina que o site que vende os bagulhos é deles, mas ninguém sabe. Eles faturam aquela grana no atacadão da amizade e depois dão uma de bonzinhos, colocam suas Corporations como vítimas da invasão dos seres inexistentes e dizem que vão processar os autores do atentado - que são eles mesmos. Vaza pra mídia. #deubuxixo. Ganham de tudo que é lado, como sempre.

Rsrsrsrsrsrs. E quem caiu na armação? #táferrado. Vergonha virtual. Só que enquanto o golpe não é pego, é nois na selfie. Bacana ter lá no perfil milhares ou milhões. #muitodahora. Tô até me vendo em outra vibe. Causei. Celebrizei, bró. Perfil lotado, ó que demais!

Mas e se alguém resolve fuçar naquela renca de amigos? Vem junto nome, foto e perfil da galera toda? #aêvacilão. Fora que vai ter neguinho a dar com pau querendo comprar amigo de baciada, pra não ficar por baixo. Todo mundo vai querer ter uns vinte ou trinta mil para arrotar network. Vão sacar a faketrua. #saidessaagora. Partiu pra explicar a história. Passar de 500 pra 15.000 em duas horas, tá na cara que é comprado. Pra ter seguidor assim, nem ressuscitando o John Lennon, nem descobrindo a cura da calvície, nem botando o Maluf pra ver o sol nascer quadrado. #vaidarbeó.

Enquanto isso, eu vou bombar. #eupravereador. Tô nem, amizade até a tampa, as mina pira, véi. #ProntoFalei.

© Direitos Reservados

Comentários

  1. #sqn... esqueceu que eu tô lendo e ciente de tudo... risos... beijo, querido! #dicaquente ;)

    ResponderExcluir
  2. Hehe! Quero não. Já pensou ficar cumprimentando um milhão pelo aniversário? 'Tô fora.
    Abraço

    ResponderExcluir
  3. #coroanosossego... quero nem saber... #serenidadetonessa...
    Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Anônimo1:57 PM

    Vivemos no mundo das falcatruas. E viva essa besta chamada de computador!

    ResponderExcluir
  5. #to dentro. esse é o novo mundo, não basta gostarmos, é o mundo da inserção de todos os seres ditos humanos. Bela crônica, meu amigo!

    ResponderExcluir
  6. #tamojunto mermão!
    quem não se comunica se estrumbica, dizia o grande comunicador da Terezinhaaaa...
    Só que agora, é preciso andar nas nuvens, rsrsrsrs
    Beijo

    ResponderExcluir
  7. Beth - Entrementes5:54 AM

    Falou e disse muito mais…é inacreditável por onde caminha a humanidade…mas vamos que vamos que essa nave tá ficando sem combustível.

    ResponderExcluir
  8. José Carlos Carneiro9:34 AM

    Estou mais por fora de assuntos tipo Facebook e congêneres que sinto-me incompetente para opinar sobre sua crônica. Mas por comentários postados por alguns de seus contatos o que você fez arrasou.

    ResponderExcluir
  9. Antoniazi5:44 PM

    Olooooooooooooooooooooko Marcelo !!! Grande abraço.

    ResponderExcluir
  10. Belvedere Bruno12:03 AM

    detesto muita genteno meu face. Nem chega a 70.Falo com todos.

    ResponderExcluir
  11. Ricardo Bordoni12:03 AM

    O mundo adoeceu de vez

    ResponderExcluir
  12. Claudete Amaral Bueno12:06 AM

    Vc tá moderninho, hoje, hein cara??????
    Amei! Beijinho no ombro pra vc! rsssssssss
    Claudete

    ResponderExcluir
  13. Nicete Campoas12:07 AM

    Oi Marcelo, deixei recadinho como "anônimo". Não consigo fazer de outra maneira.
    Excelente texto!
    Parabéns e abraços

    Nicete Campos
    Jornalista, escritora e educomunicadora
    Ética como norteadora do SER

    ResponderExcluir
  14. Marco Antonio Rossi12:08 AM

    Bom dia, bom dimingo!!!
    O que vale mesmo, independente de comunicação é ter no coração um amigo!!!!!e estar no coração dele!!!!!
    Um grande abraço meu amigo
    Rossi

    ResponderExcluir
  15. #amigomeuMarcelo, adorei! Mas também não iria querer tantos "amigos" me convidando para os joguinhos do Face, melhor não. Abraços.

    ResponderExcluir
  16. Só faltava essa,,,fake do face!É a nossa cara!Tô fora quero meu cantinho com a minha mantinha!Beijo.

    ResponderExcluir
  17. Mara Narciso9:55 AM

    O Facebook está lotado de propaganda, na base de duas para outro tema. É preciso que os donos procurem ir mais devagar para não saturar ainda mais o ambiente. Fake tem, como se diz no nordeste, "para dar de pau". Boa ideia comprar alguns contatos para levantar a bola. Quando explodir o que sairá de dentro? Fuleco?

    ResponderExcluir
  18. "Pronto falei". Falou o quê? Geração Brasil? Meu abraço.

    ResponderExcluir
  19. kkkkkkkkkkkkkkkk Demais, Marcelo!!!!!

    ResponderExcluir
  20. kkkkk, amanhecer e ler esse astral é bom demais!!! bjs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…