Pular para o conteúdo principal

QUERIDO SÍMBOLO DA TERRA




Há mais podridão por trás da valorosa bandeira da República de Cargibeia do que seria razoável supor.

- O algodão utilizado na confecção obrigatoriamente deve apresentar atestado da região de procedência, ser cultivado com defensivo e fertilizante homologados pelo governo e fornecido em fardos de dimensões e pesos absolutamente exatos, determinados por legislação específica. As exigências são tantas que a não-conformidade acaba sendo a regra, fazendo com que milhões de arrobas de algodão sejam incineradas todos os meses pelos chamados "fiscais da bandeira", por não atenderem às normas exigidas antes do processo de fiação e tecelagem do nosso símbolo maior. É quando um novo e gigantesco lote de algodão é adquirido, outra vez reprovado, incinerado e assim sucessivamente - numa verdadeira sangria aos estoques reguladores da commodity.

- Quando prontas, um exército de mulheres passadeiras e dobradeiras é recrutado para acondicionar as bandeiras em contêineres oficiais adquiridos em licitação ilícita. Uma vez repletos, os contêineres seguem para um condomínio de galpões industriais, onde são estocados para suprimento conforme a demanda. Tais mulheres trabalham em regime de escravidão mas recebem gordos contracheques como servidoras estatutárias, dinheiro que por elas é forçosamente devolvido no ato do recebimento e em seguida desviado para utilização como caixa de campanha.

- Laudo microbiológico identificou traços de cocaína em 17 das 18 amostras de bandeiras recolhidas para análise, fato que sugere a utilização dos contêineres para armazenamento de outros e suspeitos produtos.

- Os mastros das bandeiras, para uso em salas de aula nas escolas públicas, deveriam ser confeccionados em madeira de lei da reserva indígena de Caixipó. A madeira de lei, na verdade, é um tanto quanto fora da lei, pois é desviada para contrabando. Os mastros acabam sendo produzidos em resina barata, de baixa resistência e durabilidade.

- Após instaladas, uma equipe volante executa os testes de desempenho por meio da USV - Unidade Simuladora de Vento, que nada mais é que um gigantesco ventilador de 4m de altura. Os técnicos da equipe desfraldam a bandeira, ligam a USV e analisam o comportamento da mesma tremulando, para aferir se causam o efeito cívico desejado.

- Quando mingua a farra com o dinheiro público, um novo Estado da Federação é providencialmente criado. A bandeira ganha uma nova estrela, e todas atualmente em uso são recolhidas e destruídas em grandes máquinas retalhadoras - estas sim adquiridas conforme o figurino, para não dar bandeira. 

© Direitos Reservados


Comentários

  1. hahahaha... "fiscais da bandeira" "máquinas retalhadoras"... você existe mesmo, Marcelo?? Adorei!!

    ResponderExcluir
  2. Com essa notícia, tristemente hasteei minha bandeira a meio pau.
    Esse pais não é irmão desse que leva como símbolo estrelado o lindo Pendão da Esperança?
    Abraços Marcelo, e Feliz dia das Mães para as mulheres da sua vida; mãe, avós, filhas...♥

    ResponderExcluir
  3. Qualquer semelhança com nossa memorável bandeira é mera coincidência. Viva a rigidez oficial! Meu abraço, Marcelo.

    ResponderExcluir
  4. Antoiazi1:50 PM

    Não se pode esquecer, Marcelo, que considerado o país de origem do algodão, em especial um sul-americano, deve conter, na descrição do produto no contrato relativo à transação, que "CADA FARDO contém x quilos de algodão", e não "Um lote de X fardos contendo algodão, pesando CADA UM x quilos. Isso, porque o quilo do algodão é mais caro que o quilo do fardo. E, pesando cada fardo meio quilo, em mil "fardos" o comprador poderá estar recebendo quinhentos quilos a menos de algodão.

    ResponderExcluir
  5. Bandeira? Ainda existe? A "coitada" passou a ser tão vulgarmente utilizada que nem se ouve cantá-la em verso e prosa! Corromperam-na...Enlamearam-na... Talvez criem-se novos organismos, com novas chefias, com mais um número de assessores, para monitorizarem-nas... Afinal, agora tudo é digital... A bandeira também!
    Abraços.

    ResponderExcluir
  6. kkkkkkkkkkkkkkk sabe que é mesmo assim? Ah! pode supor mais que o terreno é fertil

    ResponderExcluir
  7. Não conhecia sua competência como cronista político. Tem coca no meio? Suspeito que este país esteja próximo do Uruguai e Bolívia. Mais grave foi o fato de chutarem o pau desta bandeira!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  8. Marco Antonio Rossi1:12 AM

    meu amigo SALVE LINDO PENDÃO DA ESPERANÇA.
    Que os nossos politicos assumem o devido respeito que esse símbolo merece!!!
    Para as mães um maravilhoso dia junto as familias.
    Rossi

    ResponderExcluir
  9. Claudete Amaral Bueno1:13 AM

    Oi,
    Realmente, é só isso que está faltando!!!!!!!! rsssssss

    Dê a idéia pra turma do PT. Eles vão adorar!

    Um abraço, bom domingo!

    Claudete

    ResponderExcluir
  10. Beno Papa1:15 AM

    USV foi legal kkk

    ResponderExcluir
  11. Coitado desse Símbolo, não está servindo nem para limpar o traseiro de quem a usa para encobrir as podridões que fazem nos bastidores do Hino Nacional, da Independência, da República e hino dele também- lindo pendão da esperança.

    ResponderExcluir
  12. Salvem o lindo pendão da esperança, mas não no antigo sentido e sim neste novo! Eu que pretendia mudar-me para este país, vejo que lá também há podridão! Obrigada , amigo, por me avisar!
    Hahahaha,adorei suas viagens na maionese, como sempre!

    ResponderExcluir
  13. José Carlos Carneiro1:23 PM

    Que maluquice de vai e vem, não anda nem desanda, mas consegue sem esforço dar nó em pingo d'água. Parece um governo em desgoverno, as labaredas saindo aos borbotões e espalhando sorrisos para todos os gostos. Gostei!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  14. Mara Narciso5:51 AM

    É só a risada que é de graça. As bandeiras, os paus e o vento são superfaturados. Que país sera este? Parabéns Marcelo!

    ResponderExcluir
  15. ... símbolo da amada terra do Brasil....

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…