Pular para o conteúdo principal

VASOS



Um vaso e sua flor-de-maio. A preferida do meu pai, por ser a favorita da minha avó, que poderia ser também o xodó da mãe dela. Difícil saber de onde remonta essa hegemonia botânica nos quintais da família. Vinga na sombra, no estio do outono, com pouco se basta.

Hoje outras flores nos vasos de bronze, sobre o granito marrom. Do pai, a cama permanente com vista para a serra. Dentro, crisântemos. Fora, o choro que dá rega - de tanto e tão sentido, sincero e derramado. Pai vaso eterno, de titânio. Recipiente e pilar do mundo. 


© Direitos Reservados

Comentários

  1. " Mas o agregado substrato da saudade, ficará batendo nas perpetuas grades, do último poema que eu fizer na vida" Augusto dos Anjos.
    Será que vc traduziu o que o poeta versejou?
    Gostei realmente do seu texto.

    ResponderExcluir
  2. Há vasos eternos sim. Conheço alguns.

    ResponderExcluir
  3. Há coisas que se fundem nas lembranças, justamente por terem sido tão intensas.
    Gostei de seu texto.

    ResponderExcluir
  4. Um prosa poética em homenagem `aqueles que perpetuam nos nossos vasos sanguíneos.

    ResponderExcluir
  5. Nesses vasos só a eternidade do nosso jardim interior, florescem...
    Significante!
    Abraços.

    ResponderExcluir
  6. Lindo vaso! Linda metáfora! Parabéns!

    ResponderExcluir
  7. Delicadas palavras como a Flor de Maio. Texto regado de sentimentos.
    Bom domingo para vc também Marcelo.

    ResponderExcluir
  8. O vaso mais importante e querido de minha casa era o pote de onde tirávamos água de beber com caneca de flandres, que chamávamos de porcelana. Muito bom o seu texto saudoso, Marcelo. Meu abraço.

    ResponderExcluir
  9. Anônimo4:52 PM

    Olá Marcelo! Faz tempo que não escrevo algum comentário sobre suas crônicas, apesar de entrar de vez em quando no seu blog. Não sei se já escrevi isso pra você, mas gosto quando você escreve de forma mais séria. Você escreve bem qualquer coisa. Mas esse seu lado sensível, faz com que você escreva crônicas muito profundas. Por isso gosto mais. Linda crônica. Poucas linhas, grande inspiração.
    Abraços!
    Eliana Mattos

    ResponderExcluir
  10. Eu tinha lido no Face, meu querido amigo, mas fiz questão de vir aqui e deixar meu depoimento. Acostumada que estou a achar graça de seus textos ou de não achar nenhuma graça, quando resolve falar sério. Mas este texto de hoje, mostra a sua veia poética, sentida, que extraiu de você o que tem de melhor. Este sentimento em seu coração o fez escrever umas das mais lindas linhas que já li. Uma homenagem linda e que, de onde ele estiver, estará muitíssimo orgulhoso de seu filho! Desta vez, não achei graça e nem achei sério. Achei maravilhoso! Um beijo e parabéns!

    ResponderExcluir
  11. José carlos Carneiro4:58 PM

    Sucinto, claro e cheio de significados. Em artérias, veias e vasos corre o sangue que nos proporciona a vida e nos posiciona, integra e nos identifica com nossa árvore genealógica. Excelente texto.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  12. Claudete Amaral Bueno5:03 PM

    AMEI seu texto!!!!!!!!
    O sentimento falou alto, né amigo?
    Lindo vaso de flor-de-maio! Muito bom-gosto!
    Força e coragem!

    ResponderExcluir
  13. Já dizia o Papis que a gente casa com a família...obrigada por eu casar com a tua..saudades...
    Esse texto me tocou muito...Beijo.

    ResponderExcluir
  14. Marco Antonio Rossi5:21 PM

    Perfeito, simples assim.....
    Abraço por meu pai,eu e meu filho.
    Um ótimo final de semana,meu amigo.
    Rossi

    ResponderExcluir
  15. Pepe Chaves5:25 PM

    Gracias, Marcelo Pirajá Sguassábia, curto e grosso, mas detonante, como sempre

    ResponderExcluir
  16. Rose Cleir5:26 PM

    eu tenhooooooooooooooo !!!!! Ela traz uma ancestralidade.......

    ResponderExcluir
  17. Cleidi Orenzo5:27 PM

    a minha eh flor de dezembro rssrs

    ResponderExcluir
  18. Nenê Accetture5:30 PM

    É A FLOR QUE EU MAIS GOSTO !!!!!!

    ResponderExcluir
  19. Marieta Sguassabia Domingues5:31 PM

    Lindo Mano, saudade eterna.

    ResponderExcluir
  20. Ana Amorim5:32 PM

    Que delícia de texto.

    ResponderExcluir
  21. Regina Pirajá5:32 PM

    Delicia ler , texto lindo !

    ResponderExcluir
  22. Núbia Nonato5:33 PM

    É Marcelo, eu herdei de minha mãe todas as plantas, a princípio parecia uma selva, hoje as hortênsias, lírios e tantas outras mantém firme uma memória "verde". Lindo texto amigo.

    ResponderExcluir
  23. André Albuquerque5:33 PM

    Muito bom. Parabéns

    ResponderExcluir
  24. Rosa Pena5:34 PM

    lindo. diferente de tudo que escreve... saudades é fogo/beijo

    ResponderExcluir
  25. Leslie Taboas Ornelas5:34 PM

    Minha Mamis tinha muitas!! Elas transbordavam de flores...

    ResponderExcluir
  26. Antonio Gregório5:35 PM

    Marcelo Em cada texto seu que leio, o humor se refaz, o coração se expande, a poesia envolve!

    ResponderExcluir
  27. Leda Valéria Suppa Basile5:35 PM

    Pura emoção

    ResponderExcluir
  28. Cristiane Pereira5:36 PM

    Lindo texto. Eu adoro flor de maio.

    ResponderExcluir
  29. Claudinha Almeida5:36 PM

    Aqui também tenho as minhas preferidas, adivinhe de que cor? Mas o texto, é muito mais belo que qualquer flor... Beijos

    ResponderExcluir
  30. Jota Effe Esse5:37 PM

    Quem não gosta de flor, ser humano não é, tem tiltica na mente

    ResponderExcluir
  31. Paulo Marsiglio Neto5:37 PM

    Que emoção. Só você, meu caro.

    ResponderExcluir
  32. Luciana Sleiman5:38 PM

    ... acho que é mais a saudade que corre nas nossas veias do que o próprio sangue que nos faz humanos...

    ResponderExcluir
  33. Que emoção , Marcelo. Dessa vez eu não ri. Chorei.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…