Pular para o conteúdo principal

ENCONTRÃO MARCADO



Será mais ou menos  como a mão de um gorila esmagando uma pulga. Avisar a população significa criar um pânico inútil, todos da Comissão B7 somos unânimes neste ponto. Se a Terra não sairá de sua órbita e a colisão é inevitável, é melhor que os sete bilhões de futuros
cadáveres permaneçam ignorantes e felizes até o momento final. Não há o menor sentido em sofrer por antecipação.

Alguns poucos objetaram, argumentando sobre o direito de cada um em tomar suas próprias decisões nesse meio tempo, já que faltam ainda 16 anos para o fim de tudo. O livre arbítrio, no caso, seria necessariamente egoísta e insano. Um “salve-se quem puder” de proporções mundiais faria com que o caos reinante acabasse com tudo antes que o planeta se espatifasse. O apocalipse próximo justificaria qualquer comportamento antiético ou ato criminoso, sugar a intensidade de cada segundo da forma mais devassa e reprovável se tornaria a única lei possível.
Não há o que fazer, toda tentativa de defesa resultará inócua. Somado o arsenal bélico disponível, e contando que seja viável dispará-lo simultaneamente, provocaríamos um reles arranhãozinho na couraça do monstrengo. A destruição da raça humana seria tão instantânea que não haveria tempo nem para a dor, nem para a consciência do ocorrido. Melhor assim do que acabar em fome, tsunami, peste ou guerra, onde o extermínio é gradual.

A coisa (assim a chamamos até o momento) é aproximadamente 2,5 vezes maior que o sistema solar inteiro, e sua rota não admite probabilidade de desvio. Líderes religiosos do B7 chegaram a propor que a notícia seja divulgada considerando-se a catástrofe como uma possibilidade, não como certeza. Esse disfarce da verdade certamente mobilizará multidões de todos os países para uma grande corrente ecumênica de orações, rogando à mão divina um safanão no assassino.

Já alguns cientistas russos consideram seriamente a aplicação de telecinésia coletiva, ou seja, a suposta capacidade que temos de mover objetos pela força do pensamento. Outros sugerem uma tentativa mais privê, reunindo um seleto grupo de notáveis paranormais para a tentativa, liderados pelo hoje quase septuagenário Uri Geller. Qualquer que seja a modalidade adotada para a performance redentora, a Coca-Cola já garantiu antecipadamente a quota principal de patrocínio.

© Direitos Reservados

Foto: AP Photo Nasa


Comentários

  1. Putzgrila!
    O Deus Verme , aquele cantado por Augusto dos Anjos vai se lascar se algo acontece assim.. Não haverá drupas agras pro safado....aliás, ela será pó tbém

    ResponderExcluir
  2. Uma bruta pedrada. Nada de pânico. Vai cair na cabeça de uma governante sul-americana, que pelo atual volume é capaz de absorver todo o impacto e salvar a humanidade. Beleza de notícia! Vamos comemorar com Coca-Cola sim, mas misturada com rum. Cuba libre, mas sem Fidel, bebe muito e vai dar prejuízo.

    ResponderExcluir
  3. Muito vinho branco!!!!!!!!!!!!!! Eu patrocino!

    ResponderExcluir
  4. Não sei bem "o por quê"... mas, septuagenário, me veio o Chico na cabeça... e a Geni e o Zepelim? Joga pedra na Geni... submissão ao caráter pseudo-moralista e hipócrita da sociedade? Jamais!

    ResponderExcluir
  5. Anna Baraldi8:15 AM

    BOM DIA QUERIDOS ...SE FOR ASSIM DE REPENTE NENHUM SOFRIMENTO MAS AS ENERGIAS FICARÃO FLUINDO NO ESPAÇO PROCURANDO REFAZER TUDO DE NOVO...hehehehhehehe

    ResponderExcluir
  6. Pepe Chaves8:18 AM

    É verdade Anna, não vai ter nem tempo para a dor, de fato

    ResponderExcluir
  7. Ricardo Pirajá8:19 AM

    Ô primo esta coisa aí é seria mesmo ??????

    ResponderExcluir
  8. Claudio Kleer8:20 AM

    TINHA QUE SER PARENTE DO TÓTÓ.

    ResponderExcluir
  9. Felizmente é puro delírio deste seu primo. Embora existam milhares de asteroides que, teoricamente, estão mesmo em rota de colisão com a Terra. Mas a probabilidade de esbarrarem na gente é pequena, pelo menos nas próximas centenas de anos.... Abraços, Ricardo Piraja!

    ResponderExcluir
  10. Clotilde Fascioni8:22 AM

    Hahaha, muito bom saber que há patrocinadores do quilate da Cocacola, vou correndo calçar minhas galochas e colocar tampões de ouvido... Abraços Marcelo e boa semana verde-amarela.\o/

    ResponderExcluir
  11. Andre Albuquerque8:25 AM

    Muito bom.Parabéns, Marcelo

    ResponderExcluir
  12. Ricardo Bordoni8:27 AM

    Marcelo, de onde veio essa notícia?

    ResponderExcluir
  13. rsrsrsrs... Isso é a mais absurda ficção, Ricardo Bordoni! Abraços.

    ResponderExcluir
  14. Ricardo Bordoni8:29 AM

    Ahhh!! Que pena. Pensei que isso iria complicar a vida do PT.

    ResponderExcluir
  15. Martha Tavares Pezzini8:30 AM

    Minha esperança é o Uri Geller! Rs

    ResponderExcluir
  16. Leda Valéria Suppa Basile8:31 AM

    Perfeito, meu caro Marcelo Pirajá Sguassábia. Não chegou ainda minha carteirinha plastificada de fã número 001. Será que chega antes da hecatombe? Seria bom estar com ela, rsrsrsrs... Beijão e obrigada de novo

    ResponderExcluir
  17. Rita Lavoyer8:32 AM

    não consegui abrir o seu blog, como outras vezes também não, por isso deixo aqui o meu comentário a respeito desse próximo fenômeno inusitado. Plagiando a propaganda da coca-Cola : "Coca-Cola é isso aí!" , digo: O Marcelo? O Marcelo é isso aí e muito mais. Você que é esse fenômeno que já se faz imenso diante de tantas aberrações que lemos nas redes sociais. Para uma leitora que adora assuntos inteligente você é isso: Você é isso: fenomenal!

    ResponderExcluir
  18. Wagner Bastos8:32 AM

    Muito bom.

    ResponderExcluir
  19. Beth - Entrementes8:34 AM

    Entrementes toma-se ABSINTO?

    ResponderExcluir
  20. Cade um disco voador? Quero uma carona.

    ResponderExcluir
  21. Marco Antonio Rossi8:36 AM

    Meua amigo, boa noite e uma otima semana!!
    Será que nesse dia, algumas horas antes, não teremos um NOÉ de foguete para salvar alguns casais para perpetuar os espécimes??
    Abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  22. Claudete Amaral Bueno8:37 AM

    Oi!
    Vc escreveu como crônica, mas.....há muito de verdade nisso!
    A Bíblia exorta todo mundo, mas poucos dão crédito.
    Eu estou preparada.....você está?
    Bom fim de semana! Abraços
    Claudete

    ResponderExcluir
  23. Celi Estrada8:38 AM

    No lugar da Coca, prefiro
    BHRAMA!...
    Celi

    ResponderExcluir
  24. A Fifa tem algum espaço de mídia nesse fim de mundo premeditado? As mobilizações não cessarão... #nãovaitercopa #acoisanãogostadefutebol

    ResponderExcluir
  25. Michele2:34 PM

    O Sol pivotou e trocou os seus polos o més passado. Ninguem percebeu, mas mesmo assim fiquei abismada de saber !!!???

    ResponderExcluir
  26. Ai que fiquei morrendo de medo... Eu, inocente ser deste planeta azul, acabar assim em tão pouco tempo???
    Ouvi dizer que o Fluminense entrou com uma ação contra a aproximação da tal coisa.
    Mas de qualquer maneira, salve-se quem puder (F.U.I.)!
    *Fazer empréstimos Únicos e Itinerantes, hahahahahah
    Beijo! Viajei novamente!

    ResponderExcluir
  27. Calma, gente, será apenas uma transformação, o começo de uma nova era! Quem sebe sem políticos corruptos? Sejamos otimistas! Eu prefiro que chegue sem aviso. Meu abraço, Marcelo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…