Pular para o conteúdo principal

A HISTÓRIA É OUTRA



É OUTRA
Nossa história começou lá no tempo do Zagaia, com a primeira oportunidade de contrabando. Eram 200 contêineres abarrotados de absinto de excelente qualidade, provenientes da Itália em conexão mafiosa chefiada pela Famiglia Corroccinne. A partir dessa experiência inicial, coroada de sucesso, nossa rede de contravenção se infiltrou rapidamente por toda a América.

Ano após ano, década após década, fomos nos aprimorando na requintada arte de trapacear sem levantar suspeitas.

Sabíamos muito bem aonde queríamos chegar e seguíamos em frente, com ousadia e determinação. Nos olhos, aquele "vidrado" indisfarçável de quem cheirou três carreiras seguidas de pó pra dar coragem de passar na alfândega sem dar muita bandeira, com os carregamentos de matéria-prima subfaturada. 

O pequeno esconderijo da Avenida Leônidas Goulart Prado, que também centralizava o apoio tático e servia de depósito de muamba, fuzis e munição, acabou ficando pequeno para a dimensão dos nossos planos. Nossa audácia e expertise criminosa era admirada, éramos o assunto da vez nas celas das grandes cadeias.

Experimentamos um crescimento sem precedentes em nossos negócios. Só hoje, foram distribuídos mais de R$350.000 em propinas, cafezinhos, ajudinhas de custo, agrados e presentes dos mais diversos tipos para continuar acobertando a clandestinidade das nossas operações nos 5 continentes.






HISTÓRIA
Nossa história tem início na primeira década do século 20, nos porões de um dos tantos navios que traziam imigrantes da Itália para o Brasil. Viajando na terceira classe, Domenico Estrombotti e famiglia deixavam o velho mundo para fazer a América.

Ano após ano, década após década, fomos nos aprimorando e nos tornando referência em nosso segmento. Com uma visão clara do futuro, mas sempre inspirados pelos ideais dos primeiros tempos.

Sabíamos muito bem aonde queríamos chegar e seguíamos em frente, com ousadia e determinação. Nos olhos, a confiança e a expressão da fé inabalável em vencer os desafios - que foram muitos e grandes, mas nenhum deles maior que a crença no ser humano e na sua capacidade de se superar. 

O pequeno escritório na Avenida Leônidas Goulart Prado ficou pequeno para o pioneirismo e a verve visionária que acompanhavam a empresa desde os seus primórdios. Menos de dois anos após a chegada ao país, a excelência de nossos artigos já estava consolidada, com forte presença nas prateleiras das grandes cadeias varejistas.

Experimentamos um crescimento sem precedentes em nossos negócios. Hoje, são mais de 350.000 toneladas de produtos para exportação com certificação internacional de qualidade, abrindo divisas para o país e elevando o nome da nossa empresa e do Brasil nos 5 continentes. 

© Direitos Reservados

Comentários

  1. E aí foram evoluindo, estendendo o seu mercado e chegaram a dominar a política de um grande pais ( tamanho) de uma república das bananas.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. E quem quiser que conte outra! Li outro dia a diferença entre memória e história. A memória são vestígios da história... acho que você consegue inventar memórias de histórias incríveis!!! Beijo!

    ResponderExcluir
  4. A imagem que ilustra o texto me deu a impressão de outro rumo, por isso fiquei sem saber como comentar. Mas tudo bem, ninguém morreu, e a máfia vai de vento em popa. Meu abraço.

    ResponderExcluir
  5. Ah, mas este lobo ficou muito bonitinho em pele de cordeiro... Uma ou outra, quantas tantas aconteceram assim com nossos antepassados heim? Nos dois sentidos, importação e exportação, seja de muambas, ideias, pozinho (de café) e outras coisas você tem o seu garantido, tamanha a criatividade! Gostei!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  6. Querer fazer "América" tendo enorme capacidade de ousadia e determinação... pode tirar a pele de cordeiro que o lobo está pronto para abalar "as cadeias varejistas ou não"... Tudo consolidadíssimo! O paraíso é aqui mesmo! BINGO!
    Abraços.

    ResponderExcluir
  7. Em toda ficção existe um fundo de verdade, não é, Marcelo? Muito boa!
    Beijão!

    ResponderExcluir
  8. Qualquer coincidência pode crer: nepotismo, barganha, atravessadelas, rabos presos, puxa-saquismo e outros quetais. E quantas outras histórias há em outras e outras dos séculos e séculos... assim seja!

    ResponderExcluir
  9. Claudete Amaral Bueno1:21 AM

    Tempo do Zagaia"..........eu tb sempre falei assim.....
    até descobrir que é Tempo dos Hs! (onde tudo se escrevia com h.....ex: pharmacia, phone, etc)....(desculpe!)...

    A história é bem real...e atual, né?
    Mas.....muito bem escrita! Como sempre: Parabéns!
    Bom domingo! Um abraço!
    Claudete

    ResponderExcluir
  10. Marco Antonio Rossi1:22 AM

    Bom final de semana, esperamos que os italianos e o abissinto continuem sendo um sucesso!!!
    Bela foto, parece os políticos do Brasil!!
    Abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  11. Edson Maciel1:22 AM

    Belo trabalho Marcelo.

    ResponderExcluir
  12. André Albuquerque1:27 AM

    Brilhante.

    ResponderExcluir
  13. Ricardo Bordoni1:27 AM

    Fora do lugar comum Marcelo Pirajá Sguassábia. Muito bom!

    ResponderExcluir
  14. Ricardo Bordoni1:27 AM

    E como seria com a maior história já contada pelo homem? Pronto já te dei a idéia para um livro que será um best seller. Quero desenhar a capa.

    ResponderExcluir
  15. Clotilde Fascioni1:28 AM

    Para sempre infelizmente... Estamos perdendo a noção dos valores ao longo do tempo... Abraços e bom domingo

    ResponderExcluir
  16. Carlos Edu Bernardes1:29 AM

    Já dizia o guru em alterado estado
    um dia o certo será o errado

    E arrematou o Zé, filho do Tonhão:

    acaba não, mundão

    ResponderExcluir
  17. Mara Narciso12:44 AM

    A história oficial acaba suplantando a real devido a cantilena/ repetição. Nessa altura, quem se importa com a realidade?

    ResponderExcluir
  18. Que herança maldita a nossa...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…