Pular para o conteúdo principal

TEORIA DA CONSPIRAÇÃO - A VERSÃO DEFINITIVA



Na verdade não se trata de uma teoria da conspiração, daquelas que (no caso da Copa) levianamente se forjam para denegrir um atleta ou o time todo, mas sim de um bem fornido balaio de absurdos, que aos poucos vai vindo à tona e ganhando espaço na imprensa - com provas irrefutáveis da veracidade de muitos deles. Por mais inacreditáveis que sejam.

Descobriu-se, por exemplo, que o tetraplégico que iria dar o pontapé inicial da Copa 2014, de quem ninguém viu a cara e nem o pontapé, era na verdade o centroavante Fred. Isso provocou a indignação de boa parte da torcida e da mídia especializada, que com razão se revoltaram pelo fato de um jogador do Tetra continuar como titular da equipe até hoje, passados 20 anos. As razões que motivaram a escalação do deficiente no time permanecem ainda obscuras, com os envolvidos desviando dos repórteres e evitando falar sobre o assunto.

Há também um fundo de verdade - de triste verdade - na afirmação de que foram Hulk e Davi Luis, aquela bizarra cruza de ovelha com ser humano, os únicos que empurraram o time nos seis horrorosos jogos em que a seleção desfilou seu futebolzinho Louis Vuitton. E realmente foi isso o que aconteceu, pelo menos no jogo contra a Alemanha. Foram coletadas várias fotos amadoras que confirmam essa versão, mostrando ambos empurrando ofegantes o busão verde e amarelo quando este sofreu pane a caminho do Mineirão, para disputar a fatídica semifinal. Esse esforço sobre-humano, que deveria ser gasto em campo, foi antes da hora desperdiçado no empurra-empurra da jabiraca.

Talvez não seja do conhecimento de todos, mas ainda nesse malfadado percurso do buzunga até o estádio belorizontino, houve uma parada de dez minutos para uma esticada de pernas, um alívio no mictório e o indispensável golinho de birita, para encarar mais tranquilo a fria muralha alemã.  Foi quando o Parreira flagrou o goleiro Júlio Cesar em meio a irrefreável impulso glutão. Já tinha mandado pra dentro dezoito olhos de sogra da marca “Da Nega”, produto sem registro no MS nem data de validade estampada na embalagem. Do ponto de vista da ação e reação, seria injusto inocentar a iguaria pelo efeito aparvalhado provocado no goleiro ao contemplar, bovinamente, as sete bolas entrando fáceis na sua meta.

A falta de ferro, cálcio, magnésio e proteínas na alimentação produziu um outro lamentável episódio, desta vez envolvendo o filho do desconhecidíssimo Neymar, o célebre Neymar Jr. Tais deficiências nutricionais explicariam muita coisa, inclusive o calção que caía a toda hora e mostrava a cueca do pobrezinho e sua estrutura corpórea mirrada. Um seguro indício de sérios problemas de inanição, sem dúvida. Retrato fiel da penúria que assola o nosso esporte e que faz com que craques desse gabarito continuem sendo craques apenas nas horas vagas, encarando a dura faina de frentista de posto de gasolina e de freguês cativo do Angu do Gosma Selvice Serv ME.


© Direitos Reservados


Comentários

  1. Sei não! Teoria da conspiração ou não conspiração. Que coisa! como explicam essa falta de vitamina na vergonha. Houve uma compra, houve uma venda? sei lá. Ainda bem que já acabou tudo isso, o país precisa funcionar agora.

    ResponderExcluir
  2. Marcelo, você sacou muito bem o papel ridículo desta Seleção principalmente no que toca aos paspalhos Fred e Júlio César. Meu abraço.

    ResponderExcluir
  3. É uma análise profunda e conspiratória, meu querido amigo. Imagino que nossos jogadores fiquem chateados com esta sua revelação. Eu já tinha desconfiado da semelhança do Fred com o rapaz... E li no confiável Facebook que o conhecidíssimo Neymar , filho do desconhecidíssimo Neymar, volta a jogar antes de Fred . Penso em acrescentar que não foi só birita que colocaram para dentro não. Deve ter alguma coisinha a mais, para dar aqueles banes (bobeira com pane) ... E mais, houve um constrangimento final, quando um vizinho do estádio afirmou ter sido roubado e registrou o sumiço de onze pernas de pau de sua marcenaria, que serviriam à festa de encerramento... Bem... Voltemos ao trabalho e aos horários normais... Isso acabou com minhas férias regulares, lá vamos nós para um semestre longoooo! Beijo!

    ResponderExcluir
  4. Vergonha! Vergonha! Timinho sem vergonha!!
    Pode faltar vitamina... mas as contas bancárias estão recheadas, sem dúvida alguma. O que funcionou muitíssimo bem foi o marketing. Mestre Gepeto terá muito trabalho com seus "Pinóquios"...
    Abraço.

    ResponderExcluir
  5. Muito bom Marcelo, belo texto!

    ResponderExcluir
  6. Marco Antonio Rossi4:36 PM

    Bom dia , uma ótima semana e esperamos que essa vergonha nacional represente o início daquele país sério que até De Gaulle previu!
    grande abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  7. Claudete Amaral Bueno4:36 PM

    Oi!
    Como n/ entendo lhufas de futebol....acredito em tudo o que vc falar! kkkkkk
    Bom fim de semana e bom 1º lugar para alguém!
    Claudete

    ResponderExcluir
  8. Na verdade,diz a boca pequena,que Júlio Cesar comeu foi frango...,ou melhor 7 frangos...!hahaha.Beijo;

    ResponderExcluir
  9. Preciso é me desintoxicar de tanto futebol!
    Bem que vamos pegar as eleições pela frente...
    Ri bastante com seu texto. Mas falou.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  10. Clotilde Fascioni4:39 PM

    Hahaha, nada a acrescentar. Abraços Marcelo Pirajá Sguassábia..,

    ResponderExcluir
  11. Leslie Taboas Ornelas4:39 PM

    Sempre perfeito!

    ResponderExcluir
  12. Leda Valéria Suppa Basile4:40 PM

    Rindo sem parar...

    ResponderExcluir
  13. Sidney Borges4:40 PM

    Muito bom!

    ResponderExcluir
  14. Miriam Sales4:41 PM

    Genial,como sempre.bjs

    ResponderExcluir
  15. Rosa Pena4:42 PM

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk..... compartilhando

    ResponderExcluir
  16. Vera Neves4:43 PM

    hahahahaha

    ResponderExcluir
  17. Marco Bastos4:44 PM

    E no mais, pela falta de lume e tutano, como de costume, faltou butano.

    ResponderExcluir
  18. Angela Rodrigues Gurgel4:45 PM

    Ótimo. Abraços

    ResponderExcluir
  19. Carmen Marina Sande4:47 PM

    Diz-se que o melhor remédio é rir da própria desgraça . . .

    ResponderExcluir
  20. Paulo4:52 PM

    Será que isto é verdade? Minha ingenuidade foi provocada.
    Fico imaginando este texto se o placar fosse tão favorável ao Brasil… Acho que não seria este texto acima que leríamos.
    Agora nos falta perguntar: e agora?
    Quando não vemos futuro costumamos perguntar sobre o presente.
    Estamos prontos para a eleição.
    Já formos derrotados uma vez – fomos mesmo?.
    Estamos prontos para a próxima derrota? Ou vitória?
    Quem ganha enfim?
    Lacearam nossa vontade e assim qualquer coisa é melhor do que o mesmo.
    Ou será que é melhor mais do mesmo do que de outra coisa?
    Aí teremos um fim de ano e muitas “festas”.
    Vamos festar?
    Parece que um dia o mundo foi mais justo, mas só parece.
    Ele sempre é assim, simples assim, até desesperar.
    De porteira em porteira, na estrada dos Desenganos.
    Porém somos tenazes queremos mais sonhos, ou não?

    ResponderExcluir
  21. Mara Narciso1:47 PM

    Pobres jogadores, e mais ainda, pobres de nós.

    ResponderExcluir
  22. Que venham as eleições, e que nela a gente não perca de forma alguma, e que a vergonha seja substituída pelo orgulho pela Patria...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…