Pular para o conteúdo principal

UM HOMEM E UMA MULHER: 70 ANOS DEPOIS*


Foto célebre de casal se beijando em Times Square em 14/08/1945, quando foi oficializada a rendição japonesa, que marcou o final da Segunda Guerra Mundial. Ele, um marinheiro. Ela, uma enfermeira. Não se conheciam. Consta que, após o beijo, cada um seguiu seu rumo e nunca mais se viram.

Fotógrafo: Alfred Eisenstaedt



- Você é o neto do marinheiro?
- Sim. E você deve ser a neta da enfermeira, certo? Vamos entrar. Sente-se.
- Como é que você me descobriu?
- Isso não vem ao caso. O que eu posso te dizer é que foram anos de investigações, pistas falsas, tempo perdido e até detetives envolvidos.
- Nossa...
- Indo direto ao que interessa: a foto dos nossos avós corre mundo afora em milhares de sites, jornais, revistas e o diabo a quatro. E olha que lá se vão quase 70 anos do clique histórico.
- Sim, mas e daí?
- E daí que em praticamente todas as enquetes mundiais sobre as fotos mais célebres de todos os tempos o registro dos nossos avós está sempre lá, encabeçando as listas. O retrato é tão famoso e reproduzido quanto o Chê de boina preta e o Einstein mostrando a língua. Percebe agora aonde quero chegar?
- O que eu sei é que vovó falava raramente sobre isso. Quando a foto começou a se espalhar, ela se reconheceu mas adotou uma postura discreta sobre o assunto.
- Vovô também. Mesmo porque já era casado na época, e a sorte dele é que os dois rostos, pela posição, não são facilmente reconhecíveis.
- Quando é que eles iam imaginar que a foto deles ia ganhar essa projeção toda? O tal de Alfred, o fotógrafo, eu não sei se ganhou dinheiro com isso. Mas com certeza nossos avós não levaram nenhum tostão. Vovó morreu devendo, coitadinha.
- Pois é este exatamente o ponto. Proponho que a gente entre com uma ação judicial conjunta, pra que possamos cobrar os direitos de uso de imagem daqui pra frente e requerer todos os atrasados por utilização indevida, ou seja, sem autorização dos fotografados. Os nossos avós, no caso. Em 2015, o final da Segunda Guerra completa sete décadas, e a foto será reproduzida à exaustão. Se tivermos os direitos sobre ela, podemos ficar ricos. E torrar o dinheiro juntos, se você quiser...
- Sei. Você está se saindo mais afoito que seu vovozinho marinheiro.
- Vovô tinha muito bom gosto e não beijaria qualquer baranga que passasse à sua frente. Sua avó devia ser um pedaço de mau caminho. Aliás, beleza parece ser de família. Você é linda, sabia? Que tal um revival? Netinho e netinha, repetindo a façanha 70 anos depois...
- Gosto dos ataques sem rodeios. Vem e me tasca logo um de língua.

O morador do apartamento vizinho aumenta o volume do rádio: “Rússia dispara míssil sobre território ucraniano e provoca reação imediata dos Estados Unidos. Especialistas em conflitos bélicos afirmam que pode ter início hoje a terceira guerra mundial.”

*Esta é uma peça de ficção



© Direitos Reservados

Comentários

  1. Uai, os avós se beijaram depois do último tiro.Os netos, mais apressadinhos, já mandam ver pois nao sabem o resultado do conflito...e assim caminha a humanidade aos tapas e beijos.

    ResponderExcluir
  2. Anônimo8:21 AM

    Ainda não tenho a história, mas tiro-a de letra... Os netos, revivalistas, sacam a beleza do que revivem, vai daí, sem um sacam... é o deslizar na maionese!

    ResponderExcluir
  3. Muito bom o teu texto, Marcelo, mas dizem os entendidos que não haverá a Terceira Guerra Mundial, o que pode haver é a destruição instantânea da humanidade, visto que as potências atômicas têm estocados artefatos suficientes para aniquilar a humanidade 200 vezes. Salve-se quem puder fugir para Júpiter antes de ser apertado o botão.

    ResponderExcluir
  4. Você é impagável, Marcelo! Valeu!
    Abs

    ResponderExcluir
  5. ótimo texto amigo querido.( tb me inspiro muito numa imagem) .. Adorei! Tenho um texto com uma foto desse tipo! Beijos/rosa

    ResponderExcluir
  6. Com tanta evolução tecnológica, haverá tempo para o beijo, de língua e suas consequências? Sei, não, meu caro Marcelo!?
    Abraços.

    ResponderExcluir
  7. Enquanto lia, pensando: vai ver é um texto romântico... risos... eu e meu romantismo.. vão me levar à III Guerra!!! :) Adorei!!!

    ResponderExcluir
  8. Que a III guerra se uma guerra de beijos!! Abraço, amigo!!! Amei!!!

    ResponderExcluir
  9. Hmmm, entendi! O beijo é a chave do portal bélico! E a gente inocente cultuando eternamente o beijo, pensando em repetir... Gente... Estou com medo deste mundo!
    Ótimo! Adorei!

    ResponderExcluir
  10. O fotógrafo teve grande visão ao registrar a foto..
    mas o vizinho não devia ter um celular com câmera para fazer a imagem, que hoje qualquer um faria... rs

    ResponderExcluir
  11. Repetindo a Zezinha Lins ai de cima, que venha uma "guerra" de beijos e acabe com tudo o que não for amor.♥♥♥ adorei Marcelo. Boa semana...

    ResponderExcluir
  12. Marco Antonio Rossi1:09 AM

    Bom dia meu amigo
    a nova versão desse beijo será testada pela opinião publica, na proxima novela da globo.
    Abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  13. Claudete Amaral Bueno1:10 AM

    Êta imaginação danada de boa!!!!!!!!! kkkk

    Um abraço! Bom FDS

    Claudete

    ResponderExcluir
  14. Rubens Gualdieri1:14 AM

    Aahhhhh esse manancial inesgotável de léxicos que ora nos embala a viagens pelo inimaginável!

    ResponderExcluir
  15. Paulo Marsiglio Neto1:14 AM

    Como sempre, inteligente !!

    ResponderExcluir
  16. Rosa Pena1:15 AM

    deixei recado no seu blog/ beijos

    ResponderExcluir
  17. Silvia Ferrante1:16 AM

    Muito boa Marcelo Pirajá Sguassábia´! Parabéns!

    ResponderExcluir
  18. Silvio Michelazzo1:16 AM

    Bem escrita. Muito boa.

    ResponderExcluir
  19. Zezinha Lins1:17 AM

    E assim, através dos avós anônimos e famosos, Marcelo Pirajá Sguassábia faz sua homenagem no dia dos avós, eu me incluo. Gostei demaiss, amigo!! Um abraço!

    ResponderExcluir
  20. Lauro Augusto Bittencourt Borges1:18 AM

    !!!!!! é isso, meu amigo, muitas exclamações pra sua lavra. a propósito, sugiro um bate-papo imaginário entre o João Ubaldo e o Suassuna no Boteco Celestial. Saindo da sua pena, vai ser mais !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  21. Mara Narciso10:18 AM

    Espero que os vaticínios sejam alarme falso. Quando a foto, realmente, não deve ter rendido quase nada ao fotógrafo. Seria uma ótima maneira de ir a desforra.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…