Pular para o conteúdo principal

ENTREGUE-SE, JOFF



Devaneio a partir de uma reflexão de Ruy Castro


É, Joff. Para quem começou vendendo livros pela internet, o salto foi bem grande. Aonde afinal de contas você imaginava chegar, meu velho? Se deu certo com livros, deve dar certo com CDs. Deu, Joff. E você soube seguir em frente com a brincadeira. “Ou consigo meu primeiro bilhão em seis meses, ou não me chamo Joff”, você deve ter falado para si mesmo, olhando no espelho essa sua cara de bezerro desmamado.

Do quarto da casa onde tudo começou, partiu em poucos dias para um galpão. Em seguida, um latifúndio deles. Não precisou de porta aberta. Enter sem bater, a qualquer hora, e deixe todo o dinheiro que puder. Tiro certeiro e mortal. Três livrarias fechadas em Ohio. Cinco lojas de música passam o ponto em Oklahoma. Estes e outros estragos só em um dia, Joff. Misericórdia.

Mais treze entrepostos logísticos de mercadoria entram em operação. Outros oito são necessários para dar conta dos pedidos apenas no noroeste da Pensilvânia. Crescimento exponencial, fogo sobre palha seca. Sim, Joff, você acreditou mesmo que faria sucesso. Só não conseguiu prever que ele seria tão rápido.

A loja de tudo entrega em até 48 horas o iate que você comprou, envolto em plástico bolha. O império Joff se alastra, as ações na Nasdaq não param de subir. Aponte o celular ou o controle remoto para a tela e terá o produto girando em 4D bem à frente do seu nariz. Gostou? Então dispare o feixe de laser sobre o ícone com a forma de pagamento. Pronto: por biometria dos poros do antebraço, Joff  já ficou sabendo que você é você mesmo. Para que trocar o que ama fazer pelo desgastante e demorado ritual de compras?

A essa altura, você já não sabia mais como lidar com tamanha velocidade na entrada de receitas. A colossal engenhosidade de Joff azeitou as toscas engrenagens da máquina capitalista. De sua chaise longue de vison belga, Joff faz como seus milhões de clientes: compra remotamente. Mas compra condomínios inteiros de galpões para estocagem. Nem vê direito o que está comprando. Precisa de mais e mais espaço. Rapidamente. Um bunker de 12 hectares de extensão, com paredes de concreto de 80 cm de espessura, abriga em local secreto um infinito plantel de servidores que processam exclusivamente os pedidos da Joff Inc.

Então suas vendas começaram a cair vertiginosamente. Em velocidade ainda mais espantosa que a que levou você ao auge. Ao mesmo tempo, o dinheiro já tinha lhe enfastiado tanto que você já estava mesmo querendo se livrar dele. E pensou: vou gastar tudo como se o mundo fosse acabar amanhã.

Só que o mundo tinha acabado ontem, Joff. Quando botou a cara pra fora da sua mansão de 200 acres é que viu o tamanho do estrago. Comércio algum restou aberto. Nenhum comércio, nenhuma indústria – mesmo porque quase tudo você traz da China. Nenhuma indústria, nenhum serviço, nenhum emprego. Vai gastar seu rico dinheirinho de que jeito, Joff? Só resta a você fazer a entrega de si mesmo ao mundo que destruiu, num prazo máximo de 48 horas. Envolto em plástico bolha.

© Direitos Reservados

Comentários

  1. Cacete, você é o culpado pela desgraça do " mininu". Como autor, descoraçãozado, não irá pro céu. Em verdade, verdade vos digo: hummmmm, o que mesmo?

    ResponderExcluir
  2. Caminhamos a passos largos na mesma situação de "Joff"... racional e irracionalmente! Belo retrato da atualidade, Marcelo.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Entregar-se?? Mais um que não sabia de nada. Abraço, moço inteligente!

    ResponderExcluir
  4. Joff não tá nem aí pra o que quer que seja, Marcelo. É só uma experiência a mais. Meu abraço.

    ResponderExcluir
  5. Assustador pensar que meia duzia de "Joff's" já estão nessa maré frenética de dominar o mundo sem pensar que o bom é ir pé ante pé olhando a paisagem... Abraços e boa semana meu amigo Marcelo ☼

    ResponderExcluir
  6. Edson Maciel8:14 AM

    Obrigado por enviar-me seu trabalho Marcelo.

    ResponderExcluir
  7. Marco Antonio Rossi8:15 AM

    Bom dia e um otimo final de semana.
    O Joff é mais um daqueles esquema rojão:
    sobe vertiginosamente, estoura e cai.......
    abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  8. André Albuquerque8:23 AM

    Um apetite "Amazônico" pelo lucro...parabéns Marcelo.

    ResponderExcluir
  9. Antonio Carlos Antoniazi8:03 AM

    É Marcelo, o JOFF, que com certeza tem no último "F" a indicação de que é o FILHO, com certeza deixou de seguir alguma orientação do "pai". Ou seguiu a risca. Sabe-se lá. Muito bom. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  10. Pelo que conheço de Joff (nos últimos dez minutos), ele não se entrega não... vai dar um jeitim!
    Mas quero confessar uma coisa... Estou aqui doidinha pensando na emoção de receber um iate, comprado via net. Ja pensou quantas bolhinhas para eu estourar???
    Como sempre inteligente! Adorei! Bj

    ResponderExcluir
  11. Mara Narciso12:05 AM

    Um final bem infeliz, mas em seu país. Na China a economia está borbulhante.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…