Pular para o conteúdo principal

O REI DA SARJETA



"Eu vou tirar você da sarjeta". Felizmente, quis o destino que ninguém dissesse isso quando ele era um zé ninguém. O que a princípio soaria como uma ação redentora e beneficente, no caso dele seria uma maldição. O infeliz que fizesse isso  privaria o mundo da oportunidade de testemunhar a saga de um dos mais bem-sucedidos empreendedores de que se tem notícia. Um homem que fez história com o suor de seu rosto e a originalidade de suas sinapses, cantadas em verso e prosa até mesmo em nossa literatura de cordel.

Claro, o começo foi duro. Da acanhada garagem da casa de seu tio, que limitava a produção a ridículos  11 metros de sarjeta/dia, Eustáquio passou para uma pista desativada de kart indoor, localizada na zona norte de Barbacena. Dali saíam ao menos 23.600 metros diários de suas vistosas e bem afamadas sarjetas, de variados acabamentos e tamanhos, para os mercados interno e externo. Isso em tempos de vacas magras.

O crescimento vertiginoso, no entanto, se deu com o lançamento da Mult Kolours, a linha de sarjetas coloridas - lampejo que lhe veio à mente em meio a um delírio febril de caxumba. Com ela, Eustáquio punha fim à ditadura do cinza nas nossas vias de pedestres. Sarjetas pink, verde-limão e azul-calcinha tomaram de assalto a paisagem urbana, fazendo despencar as estatísticas de suicídio junto à população e elevando-as entre os psicanalistas, psiquiatras e pastores messiânicos.

Depois veio a sarjeta esponja, lançamento com dupla função: absorver água da chuva em situações de enchente e evitar danos às rodas e calotas dos carros nas manobras de baliza. Dois anos após esse retumbante sucesso, a consagração internacional: Eustáquio vencia acirrada concorrência para a renovação dos seis quilômetros de sarjetas da célebre Avenida Champs- Élysées.

Não há como calcular ao certo o quanto o nosso rei faturou com um aplicativo recentemente lançado, com o nome de write rihgt. Com ele, o usuário recebe alertas, de dez a doze vezes ao dia, lembrando que sarjeta se escreve com j, e não com g. Levando-se em conta a frequência que o cidadão médio se vê forçado a escrever essa palavra, e a dúvida ortográfica que surge a cada vez que tem de fazê-lo, é claro que o programinha nasceu fadado ao sucesso - e chega à versão 4.2 com a exclusiva função do aviso de grafia em painéis de autorrádio.

Agora, o próximo desafio,  já nas mãos da equipe de engenharia de produto: a sarjeta falante, equipada de fábrica com dispositivos sonoros para alertar os pedestres cegos e daltônicos quando da mudança do sinal verde para o vermelho, e vice-versa. Mais de 400 municípios  brasileiros já demonstraram interesse pelo invento, que certamente alargará ainda mais as fronteiras do já extenso império de Eustáquio.


© Direitos Reservados

Comentários

  1. A criatividade de Eustáquio é notória... Vale plagiá-lo, pois na atual conjuntura de PIBs e outras siglas... invadindo nossos meios de comunicação e nossa mente, a "sarjeta" será um lugar confortável para muitos!!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Você é demais, Marcelo. Esse Eustáquio veio pra arrebentar. Vamos todos pra sarjeta com ele, é o novo Eldorado brasileiro. Meu abraço.

    ResponderExcluir
  3. Muito bom, como sempre. Abç

    ResponderExcluir
  4. Paulo Pinheiro1:08 AM

    MARCELO ISTO É UMA LIÇÃO.
    ENTRAR DE CABEÇA NA SARJETA NEM SEMPRE É RUIM.
    TIRAR ALGUÉM DA SARJETA, NESTE CASO SERIA UM CRIME.
    O APLICATIVO, UM APECAZINHO QUE NOS ENSINE A ESCREVER, É UM SONHO.
    A NECESSIDADE DE SE FAZER OUVIR (SENDO LIDO) CADA VEZ MENOR.
    ENCHER DE CORES AS BORDAS DOS PAVIMENTOS TÃO NEGROS, DE TUDO…
    DAR COR ÀQUILO QUE NEM SEMPRE SE PENSOU QUE PUDESSE SER FEITO.
    É MUITA IDÉIA NOVA…
    FAZER DE SARGETAS SARJETAS E DO LIXÃO LIÇÃO.

    ResponderExcluir
  5. claudete amaral bueno2:14 AM

    OI!
    Vc viu como há campos inexplorados??????Basta ter imaginação!
    Outro dia, vesti uma calça e minha filha disse: OBA! De verde-Unimed hoje?
    Achei um barato! (me lembrei devido ao seu "azul-calcinha")....rssssss
    Uma bela semana!
    Claudete

    ResponderExcluir
  6. Natanael José2:14 AM

    Muito bom!!!

    ResponderExcluir
  7. Edson Maciel2:16 AM

    Belo texto ]Marcelo. Valeu

    ResponderExcluir
  8. Marco Antonio Rossi2:17 AM

    Bom dia e uma otima semana.
    Eustáquio, conhecido como Taquinho quando criança, jogava bola na rua comigo....
    Depois que ficou milionário com as sarjetas, esqueceu dos amigos de infância. Se encontrá-lo, mande um abraço amigo.....
    Abração
    Rossi

    ResponderExcluir
  9. Carlos Edu Bernardes2:18 AM

    Ah! Boa!
    Salta uma Sarjeta Let it Be, pra beatlemaníacos dormirem na Abbey Road!
    Yeah!

    Abração!

    (~()

    ResponderExcluir
  10. Rosana poetisa2:26 AM

    EU AMEI!!!

    ResponderExcluir
  11. Rita Lavoyer2:28 AM

    Marcelo Pirajá Sguassábia, não sei se é o meu computador ou o blog consonantes reticentes, mas não consigo abrir lá. Li por aqui que também é viável pelas vias de acesso, do contrário faria o retorno e não daria de frente com a esquina desta sarjeta. Só falto o senhor Eustáqui providenciar uma calçada que não arranca aquela solinha do salto de nossos sapatos Luiz XV. É terrivel ficar com o salto enganchado no vão de uma lajota e outra. Também essa sarjeta de esponja ficaria bem numa calçada, assim amorteceria a queda de pessoas que caem e insistem em rachar a cabeça no cimento duro. kk

    ResponderExcluir
  12. Manuela Mourão2:28 AM

    É a situação que o nosso pais se encontra, lamentavelmente.

    ResponderExcluir
  13. André Albuquerque2:30 AM

    Que poder maior que o de uma grande ideia ?

    ResponderExcluir
  14. Caro cronista,se me permite uma sugestão,porque não utilizar a sarjeta falante para Alertar furto de carros!!!Surpreenda o meliante!!rsrs...

    ResponderExcluir
  15. Clotilde Fascioni2:31 AM

    Adorei as sarjetas coloridas. Um mundo de cores é um mundo feliz. Bom domingo alegre e feliz Marcelo.

    ResponderExcluir
  16. Vera Neves2:32 AM

    Sua ideias convencem plenamente, sucesso e um abraço!

    ResponderExcluir
  17. José Hamilton Brito2:33 AM

    Bom, o cara tem sinapses abençoadas mas os neurônios nao estão ajudando. Cadê a sarg...eita! as sarjetas com dispositivos para forneimento de " cevezinha " gelada.?

    ResponderExcluir
  18. Lauro Augusto Bittencourt Borges12:17 AM

    Sensacional o texto e a modelo esponja, muito útil às mulheres braço-duro, que vivem detonando as rodas de liga-leve.
    E como disse o amigo Ricardo Rezende, certa vez, a um motorista que meteu a roda na sarjeta: "também, vou te falar, essa Prefeitura coloca sarjeta em cada lugar!"

    ResponderExcluir
  19. Rosa Pena12:18 AM

    muito bom...amo seu jeito de escrever

    ResponderExcluir
  20. Mara Narciso9:47 AM

    Entre outras serventias, aprender a escrever sarjeta, não tem preço.

    ResponderExcluir
  21. Caro amigo Marcelo, este texto me abriu olhos empreendedorísticos. Como sempre fui rotulada de pintora de roda pé, posso me aproveitar da fama e trabalhar com Eustaquio! Valeu pela ideia!
    Rsrs sabe que adorei né?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…