Pular para o conteúdo principal

TÔ SABENDO, BROTHER.



Guimarães Rosa
A mãe de um camarada meu disse uma vez que esse carinha aí escreveu uns baguio loko. Uns baguio mucho loko.

Caetano Veloso
Aquele veinho que cantava uma música uns tempo atrás aí, como é que era mesmo? Ah, aquela  assim: "mas não tem revolta não, eu só quero que você se encontre...". Mó da hora. Não tenho certeza, mas acho que essa é a única música que ele fez.

Chico Buarque
É outro veinho que eu vi na internet que fez setenta um dia desses. Ma ó, de boa, não sei com o que que o sujeito mexe, não.

Ruy Barbosa
Essa aí é a rua onde mora a Tati, uma mina que eu tava pegando.

Duque de Caxias
O nome da rua da mina que eu tô catando agora.

Machado de Assis
Um tiozinho barbudo e de oclinhos redondo, que inventou uma história que tem uns negócio de Capitu no meio, tá lá no resumão que o professor deu pra entrar na facul. Não lembro mais, já passei no vestiba e joguei a ficha fora.

Clarice Lispector
Essa aí eu conheço do facebook, só dá ela. Mas não adicionei.

Getúlio Vargas
Rola dar um google?

Dilma Roussef
Trampa lá em Brasília, zoaram com ela na Copa, tá ligado? Tem a ver com aquele cara que não tem um dedo... Putz, como é que é o nome...

Dom Pedro Segundo
É o filho do Primeiro. Mas quando baixei as fotinha dos dois pra um trabalho de escola, parecia que era o contrário. Sem zoeira, de boa.

Villa Lobos
Sei lá, perto de casa é que não é.

Cartola
Um cara que manda e desmanda no futebol. Nojo, veio. Partiu camburão pra prender esses truta.

Santos Dumont
A galera fala que é o pai da aviação. Também não é pra menos, pra construir um aeroporto daquele tamanho...

Pero Vaz de Caminha
Esse aí eu não sei o que faz porque eu acho que ele não deve fazer nada. Pelo nome, fica deitado o dia todo.


© Direitos Reservados

Comentários

  1. Hilário... esse não é ninguém não meu caro Marcelo... apenas é palavrinha de mil oitocentos e bolinha... falo brother?
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Tudo errado mano, quer dizer brother.
    O veinho do Caê fez outra música sim. Foi a ....a....a...como mesmo? a...a fuck
    Ele nao mexe...mexe não.
    A Lispector voltou para a Ucrânia.
    O Ruy foi para Haia...ou aia...sei la
    Cartola é o músico, não o cartola
    Aquela lá trampa ou...deixa pra lá.





    ResponderExcluir
  3. Ai meu Deus, só agora me toquei... Eu moro na avenida que tem o nome do lugar ondiêss dizem que tem mais neguim robano (sotaque meneirês) que os 40 ladrões do seu Ali que baba. Dizem que foi um jotaká que fez ela.
    Aprendi um tandicoisa aqui hoje. Tão simples, pra que que esses povo todo ficam fazendo a gente decorar tudo isso na escola!!!
    Hahahahaha, adorei!

    ResponderExcluir
  4. Marco Antonio Rossi1:50 AM

    Bom dia, brother....
    depois dessa, fiquei sabendo.....
    abração
    Rossi

    ResponderExcluir
  5. Ricola de Paula1:52 AM

    Marcelo ri muito , bixo…satisfa… Entrar na goma e ler essa parada sua.
    Compensa o dia brabo!!!.

    ResponderExcluir
  6. Antonio Carlos Antoniazi2:16 AM

    Excelente Marcelo. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  7. Paulo Marsiglio Neto2:18 AM

    Parece um cara lá de Pira, "das antiga"...

    ResponderExcluir
  8. Renan Bernardi2:19 AM

    Blz.

    ResponderExcluir
  9. véi, na boa brodi... tá í um texto qui gostaria de ter iscrividu, mas nun conheçu esses cara.. Chocrível - vou dar de ser internautica, daí quem sabe o trem rola.

    ResponderExcluir
  10. Pô, Maça, tu também não sabe de nada? Tudo isso são os ingredientes pra se fazer feijoada baiana, cara! Meu abraço.

    ResponderExcluir
  11. Te visitar em plena quarta-feira é uma onda véi... risos... adorei! Beijo!

    ResponderExcluir
  12. Maria da Graça Ciccarelli8:16 AM

    genial uma vez mais!

    ResponderExcluir
  13. Andre Albuquerque8:17 AM

    Geléia geral cerebral ,kkkkkkkkkkk.Parabéns, Marcelo.

    ResponderExcluir
  14. Clotilde fascioni8:17 AM

    Hahahaahah muito bom Marcelo Pirajá Sguassábia muito engraçado, mas inversamente triste. E pior que não parece mudar a curto prazo... abrçs.

    ResponderExcluir
  15. Ana Amorim8:18 AM

    Apesar de ser uma triste realidade, divertido demais. Q delícia.

    ResponderExcluir
  16. Helena Terra8:19 AM

    Genial!

    ResponderExcluir
  17. Clauduarte Sá8:19 AM

    Genial, como sempre meu amigo Marcelo Pirajá Sguassábia!

    ResponderExcluir
  18. gislene Grazioli8:20 AM

    Você me fez rir, Marcelo!! Gostei muito, um abraço

    ResponderExcluir
  19. Rosa Pena8:21 AM

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  20. Regina Pirajá8:22 AM

    Adorei primo !

    ResponderExcluir
  21. Mara Narciso8:23 AM

    Marcelo Pirajá Sguassábia é cultura, na boa!

    ResponderExcluir
  22. Ruy Maclen5:28 PM

    Tem deste tipo de jovem também. rs Lembrou o jovem do Chico Anysio. rs

    ResponderExcluir
  23. Sônia Soninha5:28 PM

    Seria cômico.. se não fosse tão triste!!

    ResponderExcluir
  24. Maria do Carmo Veloso Durães5:29 PM

    Essa é a nova leitura de uma parte da juventude de hoje!
    E ainda estamos na Era Contemporânea!!!!!!

    ResponderExcluir
  25. Mara Pessagno5:31 PM

    Triste realidade.

    ResponderExcluir
  26. Clotilde Fascioni5:33 PM

    Engraçadíssimo o texto da semana do meu amigo Marcelo Pirajá Sguassábia. Não deixem de ler, recomendo.

    ResponderExcluir
  27. Andréa Ferraz5:34 PM

    Rsrs, pior é que ouve-se algumas pérolas desse tipo por aímesmo, rsrs. Gostei!

    ResponderExcluir
  28. Stella Maris Pires5:36 PM

    Da um no na garganta !
    O coracao não aceita tanta falta de informação !
    Eu digo o coracao pq e impossível que as escolas , as famílias ,
    a falsa TV não informa .
    Os programas não sao educativos pelo contrario !

    ResponderExcluir
  29. Maria do Carmo Veloso Durães5:37 PM

    Eu sou de uma época em que a gente buscava o conhecimento e não tínhamos os recursos que existem hoje...

    ResponderExcluir
  30. Cleyde Raquel5:37 PM

    Como o estudo faz falta!

    ResponderExcluir
  31. Adorei o texto.
    Mas a música do Caê o guri não ia saber mesmo além
    de ser a música de corno mais elite MPB. Com Caê é cult e com Peninha, brega.
    Que Peninha. rs
    Mas a fita é esta mermo, cada vez estão mais alienados e burros.
    Geração condenada pela futilidade.
    Valeu, Don.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…