Pular para o conteúdo principal

A MANCHA NO SOFÁ DE ABREU



Há várias hipóteses, pouquíssimas delas plausíveis, para a mancha no sofá de Abreu. Passados 49 anos ela continua lá, com a mesma cor e contornos, perene como o morro do Pão de Açúcar e cada vez mais disposta a desafiar a ciência. Sim, porque tudo indica que não há força cósmica nem reza brava que pareçam capazes de acabar com ela.

Surgida sem causa aparente nem testemunhas que atestassem o momento exato do seu aparecimento, o achado tem peculiaridades físico-químicas ainda não suficientemente compreendidas, com arranjos moleculares nunca antes observados em quaisquer matérias do planeta.

Essa intrigante incógnita desafia a comunidade científica e mobiliza pesquisadores de toda parte a buscar uma explicação satisfatória para o caso. Recentemente, teve lugar na sede de campo da Associação Comercial de Monjolos das Missões um debate aberto ao público, no qual especialistas de diferentes vertentes tentaram elucidar, à luz da numismática moderna, o intrigante fenômeno - só comparável, em termos de repercussão midiática, ao velório da viúva de Floriano Peixoto.

Como se sabe, Abreu é ávido consumidor de aipim, granola com raspas de coco e Gatorade sem gelo, itens que ingere separadamente às terças, quintas e sábados, e batidos no liquidificador às segundas, quartas e domingos. Indagado sobre o motivo de nunca fazê- lo às sextas, Abreu mostrou-se evasivo e pouco convincente, chegando a alegar razões de natureza religiosa para abster-se do consumo da ração habitual naquele dia da semana. Parece desprezível esse pormenor, mas foi a partir dele que os estudiosos do caso estabeleceram uma relação entre o aparecimento da mancha e a rotina alimentar da vítima. Deduziu- se que a mancha, por estar no sofá, tem 93,7% de chance de ter sido causada por guloseima entornada e que, assim sendo, poderíamos ter como afastada a hipótese dela ter aparecido numa sexta, dia que Abreu dedica ao jejum, conforme explicado acima.

Reconhecida pelo Guiness World Records como a mancha mais extensamente estudada na história da humanidade, a busca por “Abreu's Stain” é hoje uma das vinte mais solicitadas no Google mundial, e cogita-se recolher uma amostra da mesma para incluir na próxima cápsula do tempo a ser lançada ao espaço pela NASA.

Há cerca de três meses, sem causa aparente, a mancha de Abreu começou a demonstrar comportamento atípico. O mais atípico possível, em se tratando de uma mancha de sofá: tornou-se intermitente, ou seja, era visível num dia e invisível no outro. Munidos de câmeras ultramodernas, cinegrafistas mantêm-se a postos com suas lentes e luzes apontadas para a nódoa mais célebre do universo, esperando captar o momento de mudança do visível para o invisível, ou vice-versa. Espera-se para as próximas horas a divulgação de boletim com notícias atualizadas sobre o caso.



© Direitos Reservados



Comentários

  1. Realmente... risos.... eu quero mesmo saber notícias fresquinhas da mancha nada fresquinha... risos... beijo!!

    ResponderExcluir
  2. Olha, tendo algo mais concreto, me avise....diabo de mancha, né memo?

    ResponderExcluir
  3. Aqui confabulando com "as fábulas" políticas... essa tal mancha não seria as que "impunemente" se destilam os nossos ardilosos candidatos? Acho ser o efeito dos venenos destilados... [risos] ... Chegam até a passar mal!!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  4. Mas essa mancha do Abreu nasceu antes de mim!! Entendo que esse comportamento atípico da mancha - vamos combinar: ela tem vida própria- Seja em consequência do climatério - isso mesmo! Essa mancha está num processo de transformação - tão logo ela assuma de vez a menopausa deixará de ser mancha para ser bolha. Vai ver se o Abreu vai desfrutar desse sofá novamente! Nem perto vai conseguir passar, quanto mais descansar sua buzanfa sobre a mancha.

    ResponderExcluir
  5. Meu Deus! Associação Comercial de Monjolos das Missões? Eu não vejo um monjolo em ação desde a minha infância, preciso correr atrás disso e mostrar aos meus filhos, assim como mostrei papel carbono e eles ficaram maravilhados! Mas, lendo atentamente seu ótimo texto, pude perceber que tudo é obra de Theobaldo. Theo é o meu fantasma pessoal, conhecido por todos meus alunos (e que tinha até orkut). Ele gosta de aprontar coisas assim. Chame os Caça-Fantasmas, mas não judie do meu amiguinho! hahahaha
    Beijo! Adorei!

    ResponderExcluir
  6. Marco Antonio Rossi12:31 AM

    Caro Marcelo
    uma ótima semana e aproveitando o assunto, bota tudo na conta do Abreu....
    Abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  7. claudete amaral bueno12:32 AM

    Fiquei curiosa!
    Quando o caso for elucidado, vc me conta, tá?????
    Bom FDS
    Claudete

    ResponderExcluir
  8. Celi Estrada12:33 AM

    Aguardo próximas notícias da mancha no sofá do Abreu.
    Celi

    ResponderExcluir
  9. Está mais do que claro que essa tão misteriosa mancha não passa de um escorrimento de menstruação mal contida. O resto é puro blá, blá, blá. Meu abraço, amigo Marcelo.

    ResponderExcluir
  10. Pois é, há manchas e manchas... Vai ver apareceu encomendada por alguém interessado em analisar o caráter leviano dela, ou do Abreu - hoje em dia isso está mais que na moda. Grande abraço, Marcelo.

    ResponderExcluir
  11. Provavelmente daqui há um tempo estarão fazendo uma típica festa popular para a "Mancha do Abreu", assim como em SP fazem a Festa de San Genaro, aguardando que num dia específico a mancha desapareça para aparecer no dia seguinte. hahahahah Adorei Marcelo. Boa semana sem manchas...

    ResponderExcluir
  12. Essa mancha rivaliza em notoriedade com outra, provocada por um ex-presidente americano no vestido de uma então estagiária da Casa Branca. Mas acho que a do sofá Abreu provocou mais comoção pelas peculiaridades. Abs meu caro amigo.

    ResponderExcluir
  13. Mara Narciso11:20 PM

    Seria uma maldição? O Santo Sudário deve ter sido mais estudado, Marcelo. Ou não? A história, aparentemente banal, prendeu minha atenção de forma inesperada, considerando-se estarmos em horário de verão e já ser quase meia noite, sendo que eu acordo às 6 h. Isso é um visível elogio. Boa noite!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…