Pular para o conteúdo principal

DEMORANDO NO BOX

Imagem: leriaselixos.com.br


EU SONHO COM STRUDELS NESSES MESES DE ALUCINAÇÃO. DAQUELES TRANSBORDANTES DE RECHEIO, TÃO GENEROSOS DE MAÇÃS E PASSAS QUE MELEM TODA A CAIXA DE BRITA NO S DO SENNA. STRUDELS QUE PASSEM RASPANDO NOS GUARD RAILS DE MÔNACO, DEIXANDO UM RASTRO DE CANELA E AÇÚCAR DE CONFEITEIRO. UNS TRINTA BÓLIDOS-STRUDEL, LINDOS E RELUZENTES. RUMINAREI UM A UM, E DEPOIS DE EMPAPUÇADO USAREI A BANDEIRA QUADRICULADA COMO GUARDANAPO.

- Ele vai ficar bom.
- O pior é que vai
- Apesar do coma, né. O cara é forte como um touro.
- Mas está imóvel. Imóvel, logo ele.

TOLOS, EU ESTOU ÓTIMO. QUEM ESTÁ EM COMA NÃO TEM CONSCIÊNCIA QUE ESTÁ. SE PENSO QUE POSSO ESTAR É PORQUE NÃO ESTOU. FALEM, FALEM MUITO. E PENSEM MESMO QUE EU VEGETO, PARA FICAREM BEM À VONTADE.

- Veja, Orthild, o contrato é muito claro. Em caso de óbito, o patrocinador honra o valor assumido até o final. Temos que mostrar perícia na manobra. A família não está em condições psicológicas de se atentar a esse assunto, e isso conspira a nosso favor. Ou ajeitamos a nossa vida agora, ou nunca mais.
- As procurações que temos dão conta de tudo?
- Penso que são suficientes.

BASTARDOS... O HOMEM LÁ DE CIMA, O DONO DE TODAS AS ESCUDERIAS, HÁ DE TIRAR A VIDA DE VOCÊS COM UM LOTE DE STRUDELS AZEDOS E COM VALIDADE VENCIDA..

- O queixo dele é grande mesmo, olha só. Não sei como cabia dentro do capacete.
- Não fosse pelo carro mais rápido, ele ganharia as corridas porque o queixo iria chegar na frente.

COMO VOCÊS SÃO MALDOSOS, TÃO CHEIOS DE HUMOR DE HUMOR INCONVENIENTE EM HORA IMPRÓPRIA. O QUEIXO É GRANDE PELA MASTIGAÇÃO COMPULSIVA DE STRUDELS. EM TODOS OS TREINOS CLASSIFICATÓRIOS, FIZ A VOLTA MAIS RÁPIDA ENTRE UM STRUDEL E OUTRO. E EU AGORA TENDO QUE ME CONTENTAR COM ESSE SORO. CHUCRUTES ME MORDAM.

- Tem hora que ele parece estar se mexendo.

MUITA, MUITA NEVE NA PISTA. VOAVA MONTANHA ABAIXO, COMO SE AO FIM DA PROVA HOUVESSE, NO LUGAR DE PÓDIUNS, DE CHAMPANHES E COLETIVAS, UMA BELA FORNADA DE STRUDELS FUMEGANTES À MINHA ESPERA.

- São espasmos inconscientes, ele não escuta nada. Nós precisamos ser mais rápidos agora do que ele foi a carreira toda. O ocorrido repercute cada vez mais na imprensa, o quadro se agrava e daqui em diante a contagem é regressiva.


QUATRO VOLTAS PARA O FINAL, TALVEZ TRÊS. UM STRUDEL DE OITO QUILOS, EM AÇO ESCOVADO, ME ESPERA SE CONSEGUIR VENCER... ESTOU PAGANDO PELA MINHA IMPRUDÊNCIA. DEVIA TER USADO PNEUS DE NEVE.






© Direitos Reservados

Comentários

  1. Como sempre, Marcelo, só a agradecer pelos presentes de sábado. Adoro ler você :)

    ResponderExcluir
  2. Lendo, meditei nas famílias (muitas) que em leitos hospitalares, leiloam os bens e a partilha dos mesmos para os vivos... Convocam advogados, cartórios, pegam assinaturas via impressão digital do moribundo... Afinal, não se pode perder tempo! Bom é quando o que vegeta, supostamente, vê claramente quem é quem no saborear dos "STRUDELS" ... (já vi esse filme...)
    Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Ah Marcelo, li mais de uma vez, cada uma com um sentido. Lembrei-me de uma conversa que ouvi (e descobri onde estava pisando) quando estive fora do ar... lembrei-me do que meu marido me disse quando achava que eu iria embora para outro plano... Mas no meu caso não foi imprudência... Imagino que seja uma grande ironia para um grande corredor... Sobre queixos grandes não discuto, creio que pertence a bruxos como eu. Adorei! rsrsrs Um beijo!

    ResponderExcluir
  4. É Marcelo, entrar em coma é um grande perigo para os que ficam, pois parece que a consciência se expande e sabe-se mais das coisas, assim o perigo é acordar. Muito interessante a sua postagem. Obrigada, boa semana e Bom dezembro!

    ResponderExcluir
  5. Oh, pecado, so! O caso é parecido com o ator que fez o Super-Homem. Aparentemente forte, voador e limpador das galáxias, foi cair do cavalo e morrer paraplégico. Quanto ironia nessas coincidências. João do Pulo - vitorioso pelas perna - s acabou na cadeira de rodas. Vejamos nessa leitura: voador nas pistas, caiu do "patineti". É bom não conversarmos na UTI , né!?

    ResponderExcluir
  6. Mara Narciso3:00 PM

    ♫ ♫ ♫ Strudel não era um número de operadora que teríamos de escolher na hora de passar interurbano? Pelo menos a palavrinha permaneceu para fazer graça.

    ResponderExcluir
  7. Lauro Augusto Bittencourt Borges3:01 PM

    Linkar F1 com strudels? Estupefacto com as divagações velozmente calóricas do amigo. Bandeira quadriculada e o lugar supremo no pódio para MPS.

    ResponderExcluir
  8. Marco Antonio Rossi3:02 PM

    Meu amigo um bom final de domingo e uma otima semana.
    Depois do Barrichello ser campeao.....só cobri-lo com glaçucar.....
    Abraços
    Rossi

    ResponderExcluir
  9. Belvedere Bruno3:04 PM

    Vou comer a torta de maçã que jOão fez. Tá bem parecida.

    ResponderExcluir
  10. Claudete Amaral Bueno3:07 PM

    Oi, Marcelo!
    Escrevi a resposta....agora, n/ sei onde! Vc a recebeu? rssssss
    N/ entendo nada de CP.....
    Qualquer dia vc escreve sobre uma velhinha que usa, mas n/ sabe usar o CP...
    Tchau!
    Claudete

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…