Pular para o conteúdo principal

A SÍNDROME DOS LIVROS ILEGÍVEIS



O DESBOTAMENTO
Como muitas das desgraças desse mundo, a síndrome dos livros ilegíveis foi se instalando de forma silenciosa e quase despercebida. Quando os títulos dos volumes começaram a sumir aos poucos das lombadas, muitos não deram importância, atribuindo o fenômeno à luz do aposento, à vista cansada ou algo do gênero. A manhã do dia seguinte invalidaria essas hipóteses, revelando que nada é tão ruim que não possa ser pior.

TODO LIVRO É QUALQUER LIVRO
Das pequenas estantes domésticas às prateleiras das grandes bibliotecas, os livros foram todos se tornando indistintos. Era preciso abri-los e iniciar a leitura para identificar a obra. Mas a desgraça maior viria algumas horas mais tarde: relatos de todas as partes do mundo informavam o gradativo desaparecimento dos textos, transformando os livros em cadernos de anotações, com centenas de páginas em branco.

AS TENTATIVAS INFRUTÍFERAS
Pensavam alguns abnegados que, enquanto houvesse um pálido traço de letra antes do inevitável apagamento, haveria tempo de pelo menos tentar reforçar a caneta o conteúdo. Mas a tinta recém-aplicada também apagava-se à medida em que ia sendo posta no papel. Esgotados pelo esforço inútil, os heroicos voluntários quedavam-se inconsoláveis, vendo o conhecimento do mundo ser tragado pelo nada e sem explicação plausível.

Outros disparavam feito loucos suas câmeras fotográficas sobre as páginas dos livros e documentos ainda não contaminados, tentando salvar o que pudessem da ruína para depois reproduzir seu conteúdo, quando o pesadelo passasse.

Donos de cartório desesperavam-se na impossibilidade de administrar o caos, assistindo as propriedades perderem seus proprietários, esposas perderem seus maridos, pessoas perderem nomes, devedores serem libertos de credores, testamentos se anularem por nada testamentar.

O CONTÁGIO
Da ausência de conteúdo nos livros deu-se em seguida a perda da função das letras, que tornaram-se formas gráficas sem significado algum. Um “s” continuava sendo um “s”, com a diferença de que agora não servia para nada. Olhava-se aquilo como a representação de uma minhoca, uma cobra, um pedaço de mola ou algo parecido. A epidemia do insignificado alastrou-se e infectou as bulas e rótulos dos remédios, que assim tornaram-se potenciais causadores da morte ao invés da cura, já que não mostravam o que eram nem que alívio ofereciam. A única e perigosa alternativa era a tentativa e erro na ingestão de medicamentos e dosagens, o que não raro resultava em óbito. Mesmo os mortos não escapavam à fúria destruidora de letras: no campo santo, já não se distinguiam nem os nomes dos finados, nem seus inspirados epitáfios. Tudo sob a terra se ajuntava em um genérico cadáver.



© Direitos Reservados

Comentários

  1. Será que salvar-se-iam os e-books? Tudo se transformaria no virtual? Aguçou minha criatividade...
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Vixi!!! Por precaução passaremos a produzir também em braile, Cursaremos escolas que nos ensinem a leitura telepática. Audilivros seria uma opção para o sumiço das letras. Triste saber que boas produções poderão se perder, enquanto que outras será um favor. Ainda bem que a virtualidade registra tudo e esse blog está seguro dessa síndrome esquisitoide.

    ResponderExcluir
  3. Será que esse maldito vírus existe em algum lugar do mundo?
    Espero que não, mas na dúvida vou escrever ligeiro e enviar antes que apague... ;)
    Abraços Marcelo e Feliz Natal para você e sua família.

    ResponderExcluir
  4. Paulo Vinheiro2:50 PM

    Mais uma vez, parabéns.

    ResponderExcluir
  5. Marco Antonio Rossi2:54 PM

    Bom dia meu amigo e uma otima semana.
    Voltei aos bons tempos do inicio dos meus estudos onde o livro Caminho Suave abriu as portas para a leitura......
    Abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  6. Carlos Edu Bernardes2:58 PM

    Instigante, Marcelo! Um excelente mote para um filme grandioso! Venda o roteiro para o produtor do Ensaio da Cegueira!

    E como diria Carlos Edu Bernardes, 'analfabeto, piso em versos sem tradução'. O reforço do caos!

    4FABraços!

    Carlos Edu

    ResponderExcluir
  7. Claudete Amaral Bueno2:58 PM

    Com a Bíblia, eu garanto que tal coisa inédita n/ ocorreria....DUVIDA????????

    Um abração!

    Claudete

    ResponderExcluir
  8. Marcelo Sguassamago!*=D> aplausos

    ResponderExcluir
  9. Belvedere Bruno3:02 PM

    Marcelo pelo amor de DEUS me diga como ler seus textos. Começo a ler e entra outro, fico doida. A propósit,o quando lançará um livro, hein?

    ResponderExcluir
  10. Morgana Gazel4:10 PM

    Excelente a forma de mostrar o que está acontecendo, por exemplo, na literatura. E é grave! Nos textos literários, o significado tem-se reduzido de tal maneira que logo o livro tornar-se-á algo como um maço de páginas em branco,

    ResponderExcluir
  11. Mara Narciso9:24 PM

    Uma espécie de "O dia em que o mundo parou" de Raul Seixas, porém em relação às letras, o que acabou por contaminar tudo e realmente fazer o mundo parar. Genial e assustador!

    ResponderExcluir
  12. Que terrível! Mas sabe que anda acontecendo com meus livros antiquíssimos?Estou envolvida num trabalho de restauração, mas acho que vou ter que partir para um profissional pois não estou conseguindo comprar os produtos por não ter mais firma de produtos químicos... os cuidados básicos , tenho tomado.
    Adorei o texto e sabe que os meus VHS também estão sumindo? Passei tudo para dvd mas para minha formatura de faculdade foi tarde demais, os rostos não aparecem mais...
    Beijos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…